Éramos Treze … e tornaremos a Ser!

Pintura
Última Ceia, de Pascal Dagnan-Bouveret

O Pacto de renovação da humanidade e de toda a Terra não começou na Cruz, mas sim, na aliança celebrada na Última Ceia, quando os doze partilharam com Cristo um pacto de sacrifício para curar o mundo pelo poder do Amor Incondicional.

Naquela noite, as doze almas por Jesus escolhidas assumiram um compromisso: lutar pela verdade até o fim, e propagá-la pela Terra nem que isso significa sua morte.

Então, o sangue de treze foi parar dentro daquele Santo graal, que nas mãos de Cristo representava a própria Terra, recebendo o sangue da aliança forjada para sua cura no tempo da reunião dos treze, voltando a fechar o círculo.

“Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim.
Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.
E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.”

João 14:1-3

O tempo do retorno de Cristo é agora, e ele visitará primeiro aqueles doze, a base de sua Nova Igreja que, como seu Reino, não pertencem a este mundo.
Depois, Ele irá aos outros, 144 mil, múltiplo de doze (12 x 12.000).

Há conhecimento oculto nestes números não casuais… e significa que a semente espalhada pelos doze apóstolos se tornou frutos contados em 12 vezes 12.000.

Porque Ele ordenou a publicação do Evangelho até o seu retorno, quando 12 se tornassem 12 x 12000 e o círculo estivesse pronto para ser fechado, cumprindo o seu propósito anunciado há 2000 anos.

Em todas as escolas de mistério, o Arcano 13 é o Arcano da transformação, chamado A MORTE no Tarot clássico, de modo que verificamos em muitas passagens dos evangelhos não um paganismo, mas sim, uma estrutura cabalística e hermética precisa e perfeita, que é reconhecivel pelas mentes que estudam esses mistérios nas entrelinhas das Escrituras, de uma forma mais profunda e com grande lucro para o conhecimento implícito nos Evangelhos da Verdade.

Leia também  O que mata mais? O excesso ou a falta?

Entre os maias, por exemplo, o Sol tinha 13 casas ou setores no céu, e no 13° setor, o Poente, era simbolicamente a casa da morte do Sol, entrando a noite e o sacrifício solar para que uma nova manhã viesse no dia seguinte. Tal imagem existe em outras culturas pelo mundo.

Sabe aquelas verdades ocultas por trás de tantas parábolas, que Jesus disse que tinha de ser assim porque as pessoas comuns deste mundo ainda não estavam prontas para a Verdade?

Aos que estavam prontos para ela, sua mente por si mesma encontraria o caminho destes grandes conhecimentos ocultos dentro da Bíblia, e estes caminhos ficariam então ocultos para as mentes menos preparadas, as quais, então, não passariam além do muro das crenças.

Mas para as mentes preparadas para uma jornada pelo grande conhecimento universal, sua inteligência, claro, inspirada pelo Espírito Santo, seriam conduzidas por estas estradas ocultas nas letras pelos domínios do conhecimento superior, e a Cabala é uma destas chaves que abrem as portas, é uma destas guias na selva escura da especulação intelectual em torno da Pessoa, Obra e Mistério até hoje mal compreendidos de Jesus Cristo.

Infelizmente, estas páginas do mistério crístico se tornaram luminosas demais para muitos olhos e mentes pequenas incapazes de contemplar tanta Luz.

Essas mesmas mentes que, na atualidade, saem na militância contra a Luz que, forte demais, feriu os seus olhos sonolentos na matéria da inércia espiritual.

Mentes possuidas pelas trevas da ignorância, se sentindo profundamente incomodadas pela Luz que brilha da Verdade crística, se apoiarão em todo tipo de argumento falso para fazer calar aquela voz ensurdecedora que machuca suas consciências.

Leia também  Plano de Bill Gates de ‘escurecer’ o sol é proibido pela Suécia

Sairão com argumentos históricos, linguisticos, conspiratórios, comendo pelas beiradas mas completamente cegos ao centro de todo esse Sol luminoso que Cristo representa até os nossos dias: o Amor Incondicional.

Em suas tentativas de destruir a fé cristã, suas mentes inventarão roteiros para falar mal de qualquer elemento subjetivo e sem maior importância, desde que aquele Sol saia de sua frente e deixe de incomodar seus olhos adormecidos.

Não é preciso dizer que a teoria do Cristo inventado pela Igreja Católica do século IV serviu perfeitamente aos seus propósitos, mesmo sendo mentirosa.

A Luz brilhou nas trevas, mas as trevas não a compreenderam!”
João 1: 5

Pintura
Última Ceia, de Pascal Dagnan-Bouveret

Eu escolhi essa pintura por causa de sua luminosidade e beleza, porque a base da cidade sagrada, a capita do futuro Reino de Deus, será de doze fundamentos, doze almas alicerçadas na fé que vai curar o mundo a partir da Luz do Sol central captada do Pai e transferida ao mundo apenas por um que chegou ao poder e altura para tal função: Cristo.

O modelo do Zodíaco, doze signos e o Sol central, é totalmente ilustrado no ocultismo da Última Ceia, onde cada apóstolo personifica uma potência e atributo espiritual diante do Sol central, a fonte de todos eles, reunidos numa nova matriz de renovação cósmica.

Sabedoria das estrelas explorada por Leonardo da Vinci na sua Ceia.

A Luz só ofusca e incomoda os olhos que ainda não estão preparados para ela!

(Correção à imagem: Tiago Maior e Tiago Menor estão em posições trocadas)

JP em 20.03.2021

Comentários
Compartilhar