Qual a diferença entre Espiritualidade e Religião?

Se você ainda é o tipo que acumula crenças baseadas em informações que leu em livros ou em coisas que ouviu de “guias”, padres, pastores, palestras e missas, conferências e palcos…

Se voce é bom na teoria e no discurso, mas raramente vive aquilo que prega…

Se você vive julgando os outros conforme suas referências morais e doutrinárias, culpando a Deus, ao mundo e a MATRIX por todos os seus problemas, mas nunca culpa a si mesmo pelos seus erros e pela eterna dominação do seu próprio EGO…

Se você costuma se sentir superior em relação aos demais por possuir certos conhecimentos que lhe dão aquela sensação de destaque e privilégio intelectual…

Se você costuma fabricar opiniões através do apanhado geral das coisas que aprende na Internet, no blog X, na página Y, no site Z do GURU Mystiquê, e de repente se pega falando como todo mundo, usando os mesmos jargões, conceitos e termos que milhares de pessoas repetem automaticamente todos os dias e em toda parte, sobre os mais variados assuntos místicos, em modelos bastante padronizados e textos muito repetidos, como se fossem robots digitando as mesmas palavras…

Se a sua visão de DEUS ainda é uma visão teórica, construída com todo o tipo de material de consulta da Internet, sem que jamais você tenha experimentado um contato real com Deus em estado de energia pura na fonte interior através de uma meditação, por exemplo…

E principalmente, se você nunca experimentou, com consciência objetiva, e NÃO com os olhos dos outros, todas ou pelo menos parte daquelas sentenças espirituais que sua doutrina lhe ensinou, ficando tudo restrito ao reino da teoria e dos seus livros e todas as crenças que voce formulou na mente através deles…

Lamento em lhe dizer, mas,
por mais que você pense o contrário,
você continua praticando religião
e não Espiritualidade!


“As religiões, em princípio, deveriam ser fontes de espiritualidade. Em geral, elas se apresentam como catálogos de regras, crenças e proibições, enquanto a espiritualidade é livre e criativa. Na religião, predomina a voz exterior, da autoridade religiosa. Na espiritualidade, a voz interior, o “toque” divino.”
(Fontes da Internet)

Mas temos que ter o cuidado para não confundir espiritualidade com ausência de regras, porque isso pode ser uma sutil infiltração do lado esquerdo, tentando abolir as regras que compõem qualquer disciplina espiritual.
Porque se a boa saúde física e mental é adquirida por um conjunto de regras e bons hábitos, por que seria diferente com a espiritualidade, que significa a boa saúde da alma?

A espiritualidade também segue regras, também segue normas, preceitos, pesos e medidas.
Ela é como a edificação de um templo, porque consciência também se constrói.
Da mesma forma como o conhecimento.

O que ela deixa de seguir é uma instituição localizada, é uma doutrina específica, é um líder determinado.
Porque todas as leis que ela cumpre vem de dentro, não mais de fora, daquela voz interior falando no seu coração em estado de PRESENÇA CONSCIENTE.

E essa presença consciente não vem de graça, nem surge do nada.
Ela aparece gradualmente dentro daquela alma que se submete a todos os trabalhos, regras e medidas disciplinares ao longo de sua existência, práticas, meditações, renúncias e mortes do EGO que conduzam a mente a uma contínua experiencia de transcendentalização da existência.

A larva não se torna borboleta se ela não cumprir todas as regras da metamorfose.
Uma única regra não cumprida, e a larva morrerá.

A Natureza é a fonte que nutre a larva, é como DEUS para o aprendiz e buscador da Verdade. Iluminação e Liberdade. A Fonte nunca lhe negará alimento desde que você cumpra as etapas do seu próprio desenvolvimento.

Ninguém confunda as coisas.
Espiritualidade como sendo ausência de regras.
Isso tem sido muito pregado por aquele lado esquerdo que pretende abolir todas as regras e dar espaço pleno aos seus egos, avessos a limites e leis, porque vivem apenas para seus desejos insaciáveis e incontroláveis.
E todas aquelas regras da espiritualidade real os incomoda bastante.
Querem rotular o pecado como dogma para poderem abusar de todo tipo de imoralidade e extravagância, sem saber que é exatamente essa conduta que aniquila suas almas a partir da raiz da Árvore da Vida….

Pelo contrário, a legítima espiritualidade é a vivência de todas aquelas boas regras que muitas boas doutrinas nos ensinam.
Todas elas vividas na prática, não somente na teoria.
Castidade, moderação, honestidade, paciência, disciplina, fé, caridade etc.
O que realmente diferencia religiosos de espiritualistas no final das contas…

Mas na Idade das trevas, as mentes a serviço do lado esquerdo querem corromper tudo isso, destruindo mesmo o conceito de espiritualidade, para que possam viver filosofias totalmente deturpadas, deslocadas do espírito para a matéria, fazendo do materialismo e da carnalidade a sua nova “religiosidade”, onde seu único deus é o seu próprio ego, a quem servem plenamente…

“Fazer o que é da sua vontade, isso haverá de ser a sua única LEI”
Essa é uma das sentenças mais conhecidas da Ordem Negra, que rege as mentes desviadas para o Lado Esquerdo (Loja Negra).

As regras estão em tudo.

O Universo é um conjunto de leis e regras que, se quebradas, provocam reações terríveis, quando o mesmo Universo vai operar para restaurar tudo ao seu devido lugar de origem.
Um único dia em que o Sol deixe de nascer, haverá um caos total no planeta!

Regras de sociedade, de convivência, regras na escola, na academia que você frequenta, no seu trabalho, na sua casa, enfim, regras até mesmo com seu próprio corpo, alimentação, banho, horários para tudo!
Um único dia em que você deixe de comer, beber, dormir, tomar banho e cumprir suas regras cotidianas, já pensou nos efeitos?
E quantas almas vivem suas vidas sem cumprir regra alguma de espiritualidade um único dia ao longo de toda a sua existência? E o que é mais importante?
O corpo ou a alma?
(***)

Tirem essas regras e deixe o mundo rolar em falsa liberdade lá fora, e em pouco tempo, veremos o INFERNO se levantando.
Não sabem que o Inferno é exatamente isso?
Ausência de regras? Onde os egos se ajuntam para viverem suas existências na mais completa esbórnia dos sentidos, luxúria, gula e preguiça, ira e comodismo, soltando todas as suas feras trancadas no subconsciente e limitadas pelas leis, regras e normas da sociedade?

Se você é o tipo que segue essa linha de pensamento, de que o seu EGO deve ser livre para viver e praticar o que quiser, como se o Universo lá fora, ele próprio, não seguisse e se movesse dentro de regras e limites, então, você é o tipo que não é nem religioso e muito menos, espiritualista.
Você é o pior dos exemplos, aquele que caiu na cilada perfeita das trevas, e ainda se crê livre.
Sendo que a sua única liberdade é a de estar despencando num abismo…

“Religião é uma garrafa com um rótulo, e espiritualidade é o líquido dentro desta garrafa. Muitos brigam pela garrafa, mas poucos bebem o que está dentro dela”.

Creio que essa é uma das definições mais precisas sobre todas estas diferenças.
Beber o liquido da garrafa é viver na prática tudo o que o rótulo da mesma garrafa prega em sua propaganda.

A verdadeira espiritualidade é como uma árvore, nasce semente, cresce tronco e galhos, desperta em flores e se realiza em frutos. Tudo na paciência do tempo em que, nutrida pelo céu, edificou-se a si mesma sobre as raízes da legítima consciência espiritual!

JP em 30.09.2020

Comentários
Compartilhar