Míssil ou OVNI? Misteriosa cratera gigante surge no Ártico Russo

Uma cratera gigante de 50 m de profundidade apareceu no Ártico Russo – em meio a afirmações bizarras de OVNIs e testes de mísseis ultrassecretos.

O buraco cavernoso foi descoberto após uma grande explosão na Tundra após um verão assustadoramente quente.

Acredita-se que a explosão do monstro foi desencadeada por “um acúmulo de gás metano no degelo do permafrost”.

O buraco gigante é a 17ª grande cratera a aparecer na região nos últimos seis anos. Mega-buracos anteriores geraram teorias de conspiração esquisitas sobre tudo, desde locais de lançamento de OVNIs a testes nucleares do Kremlin.

Blocos de solo e gelo foram lançados a “centenas de metros” do epicentro por uma “força colossal” causada pela explosão, dizem os cientistas.

Pensa-se que o gás foi liberado no solo que foi congelado por milhares de anos, mas agora está começando a descongelar.

O novo buraco foi descoberto por acaso do ar por uma equipe de TV Vesti Yamal indo para uma missão não relacionada.

Um grupo de cientistas então fez uma expedição para examinar a grande cratera cilíndrica estimada em pelo menos 50 metros de profundidade.

O cientista Dr. Evgeny Chuvilin, pesquisador líder do Instituto de Ciência e Tecnologia Skolkovo, disse que ele era “impressionante em seu tamanho e grandeza”.

A cratera surgiu de “forças colossais da natureza”, disse ele.

O professor Vasily Bogoyavlensky, do Instituto Russo de Pesquisa de Petróleo e Gás em Moscou, disse à estação de TV que o buraco era incomum.

“Ele contém muitas informações científicas adicionais, que ainda não estou pronto para divulgar”, disse ele.

Essas crateras aparecem porque “cavidades saturadas de gás são formadas no permafrost”, disse ele.

Algumas, mas não todas as explosões, ocorreram em pingos – ou montes – crescentes na tundra, quando o gás se acumula sob uma espessa camada de gelo.

Bogoyavlensky afirmou anteriormente que a perfuração de gás natural em Yamal – um importante fornecedor para a Europa – pode ser um fator nas erupções. Ele também está preocupado com o risco de desastres ecológicos se as explosões ocorrerem em gasodutos, instalações de produção ou áreas residenciais.

“Em várias áreas, os pingos – como vemos tanto pelos dados de satélite quanto com nossos próprios olhos durante as inspeções de helicópteros – literalmente escoram os canos de gás”, disse ele anteriormente.

“Em alguns lugares eles levantam os canos de gás…. eles parecem começar a entortar levemente esses tubos.”

Cientistas russos chamam os buracos de hidrolacólitos ou bulgunnyakhs e dizem que o estudo do fenômeno bizarro está em um estágio inicial.

Fonte

Comentários
Compartilhar