Sistema Solar está viajando através da nuvem de destroços de supernova, sugere estudo

Uma equipe internacional de cientistas encontrou em sedimentos no mar profundo isótopo radioativo interestelar ferro-60 com um tempo de semi-vida de 2,6 milhões de anos, que é essencialmente produzido em estrelas massivas e ejetado em explosões de supernovas.

Elementos radioativos sintetizados em estrelas massivas são ejetados para o espaço através de ventos estelares e explosões de supernovas.

Nosso Sistema Solar está se movendo através do meio interestelar e coleta estes elementos extrassolares. Um destes produtos é o ferro-60.

Já que o ferro-60 não é naturalmente produzido na Terra, a presença desse isótopo radioativo é um indicador sensível de explosões de supernovas nos últimos milhões de anos, detalha Science Alert.

Scientists from ANU Nuclear Physics & @ANSTO have found traces of the radioactive isotope Iron-60 in deep sea sediment samples. Could this have come from ancient supernovae? @ANUmediahttps://spaceaustralia.com/news/our-system-sailing-through-radioactive-dust-cloud…#SpaceAustralia

https://twitter.com/SpaceAusDotCom/status/1298073435122200576/photo/1?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1298073435122200576%7Ctwgr%5E&ref_url=https%3A%2F%2Fbr.sputniknews.com%2Fciencia_tecnologia%2F2020082615992895-sistema-solar-esta-viajando-atraves-da-nuvem-de-destrocos-de-supernova-sugere-estudo%2F

​Cientistas de física nuclear da Universidade Nacional Australiana e da ANSTO (Organização Australiana de Ciência e Tecnologia Nuclear) encontraram vestígios do isótopo radioativo ferro-60 em amostras de sedimentos no mar profundo. Poderia isso ter vindo de antigas supernovas?

Cientista Anton Wallner, da Universidade Nacional Australiana, junto com outros pesquisadores, encontrou vestígios de ferro-60 de aproximadamente 2,6 milhões de anos e possivelmente outros ferro-60 com cerca de seis milhões de anos, sugerindo que a Terra viajou através de nuvens radioativas de supernovas próximas.

“Nos últimos milhares de anos, o Sistema Solar tem se movido através de uma nuvem mais densa de gás e poeira, conhecida como Nuvem Interstelar Local, cujas origens não são inteiramente conhecidas”, explicaram os pesquisadores.

“Se esta nuvem tivesse se originado durante os últimos milhões de anos a partir de uma supernova, ela conteria ferro-60, e, portanto, decidimos procurar sedimentos mais recentes para descobrir isso”, acrescentaram.

Cientistas pesquisaram em vários sedimentos em águas profundas de dois locais diferentes, que datam de 33 mil anos, utilizado um espectrômetro de massas extremamente sensível.
Sputnik

****************************************************************

Esse estudo pode revelar parte da explicação do fato desta grande incidência de asteroires e meteoros nos céus de todo o mundo, nos últimos meses.
A outra parte seria o efeito do astro que se aproxima, P7X, causando flutuações na maré gravitacional do sistema solar e abalos no cinturão local de asteroides
Junte as duas… e poderemos estar diante de eventos realmente apocalípticos em breve, sinalizados com precisão pela profecia na data-limite bíblica, ou contagem regressiva desde 14 de maio de 2018!

Lembrando que o toque das quatro primeiras trombetas anuncia a queda de um astro do céu como primeiro grande sinal global do Apocalipse em marcha.

JP em 27.08.2020

Comentários
Compartilhar