Saindo do Labirinto – a Matrix da Era Moderna

O Magnifico crop circle labirinto de Cley Hill, dia 11 de Julho, Inglaterra

Um labirinto combinado a um modelo singular do sistema solar, com seis órbitas assinaladas (de Mercúrio a Saturno) e estranhamente, um pequeno Sol colado ao Sol central, o que identifica o sistema binário, aliás, já repetido em muitas mensagens crops circles (maiores esclarecimentos nas matérias abaixo).

Inclusive essas órbitas repartidas, com rupturas, direita da imagem, representam todo tipo de perturbação de energia gravitacional abalando o sistema solar como um todo em função da aproximação da suposta Nêmesis, irmã gêmea do Sol, anã marrom ou vermelha, e provavelmente o objeto P 7X que muitos astrônomos vêm estudando em várias partes do mundo.

Isso quer dizer que, do ponto de vista geológico, todo o nosso planeta se tornou um labirinto dentro do qual todos nós estamos presos, procurando por uma saída.
Pandemia, guerras, violência, catástrofes, dias incertos, estes e muitos outros são os labirintos da vida moderna chamados atualmente de MATRIX.

Sair destes labirintos significará sair literalmente deste mundo.
Algo que é sugerido pelas profecias, que falam não somente do fim da civilização, mas do recomeço para uma nova civilização composta por pessoas que haverão de sair para fora do labirinto da era moderna, de todos eles.

Labirintos são metáforas para os enigmas a serem solucionados, e para as dificuldades da vida a serem vencidas, especialmente aquelas que parecem não ter solução, e você se sente um prisioneiro sem muros em certas situações.
Porque, para sair de um labirinto, é porque você entrou nele.

As cosmogonias do mundo antigo são repletas de labirintos em suas concepções.
Muitos eram construídos para proteger segredos ou coisas de valor, templos, tesouros, cidades.
Mas a principal mensagem do labirinto é aquela de ordem espiritual.

A mente humana é o pior labirinto que existe, e somente o pensamento consciente se tornará o fio de Ariadne capaz de nos conduzir para fora do labirinto da mente e do ego, resgatando-nos de nós mesmos, porque o Minotauro é a fera interior de cada um a ser vencida pela inteligência consciente e espírito transcendido que também habita em nós, porque a fera e o espírito não podem coexistir no mesmo espaço dos nossos pensamentos sem que o conflito se instale e nos destrua aos poucos.

O labirinto de Cley Hill já mostra essa dualidade, caos e cosmos, no arranjo de suas órbitas que, do lado esquerdo (da imagem) estão inteiras e em sequência angular ordenada, mas do lado direito, estão rompidas e em sequência angular aleatória.

O labirinto significa um estado intermediário entre uma situação caótica e confusa e uma situação de liberdade e equilíbrio restauradas: o labirinto serve justamente para desafiar a nossa inteligência e força que, aprimoradas, nos conduzirão para a saída, ou seja, o restauro do equilíbrio perdido e do centro do Ser readquirido.

Os pisos das catedrais góticas da França possuem labirintos estampados com este mesmo sentido, herança dos Cavaleiros Templários que resgataram a ciência perdida de Salomão em Jerusalém, no tempo das Cruzadas.

Labirinto da Catedral de Chartres, França

Não basta sair do labirinto. É preciso entrar nele, alcançar o seu centro, desvendar o seu segredo, resgatar o tesouro nele guardado, eliminando todas as feras interiores que tentam nos impedir.
E depois, somente depois, sair para fora.

Labyris, ou machado duplo, deu origem ao termo Labirinto.

A Ilha grega de Creta é famosa pela sua mitologia e arqueologia em torno dos labirintos, e ali são achados estranhos artefatos, os machados duplos, que a tradição hermética diz ser o tesouro colocado no centro do labirinto a ser resgatado pelo discípulo: esse duplo machado representa a androginia perdida, a dualidade corpo-alma, ou mesmo o aspecto das almas gêmeas, a ser resgatado.

 Latim, LABYRINTHUS, Grego, LABYRINTHOS, edifício com passagens confusas, complicadas, especialmente o palácio feito para conter o Minotauro, em Creta.

Minotauro, ou o Touro de Minos (rei de Creta) é uma aberração humana, mistura com Touro, e as duas projeções internas do centro do labirinto crop circle representam tanto o Machado duplo como os dois chifres do Minotauro.

O labirinto de Cley Hill crop circle tem três saídas simbólicas (A, B, C).
E a saída “ideal” parece aquela representada pelos círculos alinhados, como que se movendo para fora dele (em C).
Se o mundo lá fora é uma MATRIX, temos três saídas, porém, duas saídas são ilusórias, e somente uma é real, aquela mostrada pelos círculos em progressão.

Duas saídas ilusórias: a primeira é fugir das situações difíceis (e morrer, se matar, é uma fuga, a pior delas).
A outra saída é tentar eliminar as situações difíceis a partir dos efeitos, e não das causas.
Você briga contra o mundo, os governos, a política, as religiões, o sistema etc… porém não percebe que está brigando contra os efeitos de uma causa anterior a tudo isso, o ego humano.
É esse ego humano que nos acorrenta no labirinto e nos torna escravos de outros egos humanos no poder.
Enquanto esse ego humano viva dentro de nós, nunca sairemos do labirinto criado por outros egos humanos semelhantes a nós, o que significa uma lei da atração no aspecto negativo.

Eliminar o ego, despertar a consciência e se desamarrar das ilusões internas é a única forma de sair do labirinto ou Matrix. As outras duas são saídas ilusórias, porque te fazem voltar para o mesmo labirinto, cedo ou tarde.

Soluções do I Ching

Hexagrama 1, o Criativo, céu sobre céu

Nas postagens anteriores, soluções do I Ching nas linhas do labirinto Cley Hill foram propostas, e três hexagramas obtidos em função de comparação com elas, um obtido do lado esquerdo (seis linhas inteiras) e dois obtidos do lado direito (seis linhas alternando inteiras e partidas).

O Hexagrama 1, o Criativo, é o mais poderoso e espiritual de todos, porque duplica o céu, o espírito, Deus dentro e Deus fora, Deus no cosmos e Deus na criatura, integração entre matéria e espírito, o que está em cima e o que está em baixo, enfim. O Supremo Criador de todas as coisas. Essa seria a solução final e absoluta para todos os problemas, uma resposta genética, ampla e completa do crop circle como chave de saída do labirinto.

Hexagrama 36, o declínio da luz

Do lado esquerdo, o hexagrama 36, o declínio da luz, mostra o trigrama fogo debaixo do trigrama terra, o que é simbolizado pelo Sol se pondo no horizonte: o fim do dia, o fim do grande ciclo, o caos se instalando, as forças da escuridão prosperando. Uma situação que define bem o panorama da civilização moderna.
Esse hexagrama é parte da resposta: a luz está diminuindo no mundo dos homens, no coletivo.
É preciso resgatá-la, então, não fora, mas dentro.

Um dos maiores enganos produzidos por este labirinto chamado Matrix é o de que você pode encontrar soluções para os seus problemas no aspecto exterior da vida, através de dinheiro, de vantagens ou situações que certamente se mostrarão passageiras.

Hexagrama 35, o Progresso

O hexagrama 35, chamado O Progresso, é o exato inverso do anterior, ou seja, fogo sobre terra, o que significa a vitória da luz e da energia sobre a matéria e a escuridão.
O verdadeiro progresso na vida só acontece quando você faz a luz interior brilhar e vencer todas as trevas das matrix internas do EGO chamadas ilusões, e que nada tem a ver com a Matrix do mundo, da qual, em estado de ilusão. você mesmo ajuda a construir sem perceber.

O Hexagrama 35 é a forma de superar o declinio da luz (36) e se reconectar ao Criador (1).
A mensagem, portanto, do I Ching, é bastante completa no chamado da saída do labirinto.

Japamala

Fazendo as somas dos códigos binários nestas linhas inteiras (1) e quebradas (0), chegamos na soma total 108, que nos levou ao número de contas do colar de Buda e ao rosário budista e hindu, através dos quais seus devotos recitam seus mantras e orações em ciclos numéricos de repetição, uma fórmula bastante parecida com o Rosário e o terço católico e as orações em sequências de repetição.

A chave eficaz da oração como solução para muitos problemas, uma coisa que não precisamos comentar muito a respeito por ser inquestionável em sua eficiência.

“Se você forçar muito uma coisa, vai obter exatamente o contrário do que quer. Tudo contém o seu oposto”
(Do filme TRÊS DESEJOS, de 1995)

Que o nosso despertar seja então suave como o nascer do Sol, nos conduzindo para a saída do labirinto da vida moderna através das portas de uma nova manhã… porque só a luz que nasce dentro poderá nos conduzir à toda Luz que haverá de brilhar lá fora, num novo tempo…

JP em 15.07.2020

Veja também as matérias anteriores:

Comentários
Compartilhar