Previsões de crops circles se confirmam: tempestades solares a caminho da Terra!

Semana passada, dois crops circles foram aqui interpretados como significando possíveis alertas de ejeções de energia solar com impactos na Terra para os próximos dias APÓS o aparecimento dos crops circles.

Vamos a eles:

Crop circle de Cley Hill, Inglaterra, dia 11 de julho, que combinou um modelo de labirinto com seis órbitas planetárias. No centro, um Sol ligado a uma companheira pequena (Nêmesis) e duas ejeções de energia, uma maior e uma menor, nas duas faixas que ele projeta. Alguns planetas representados dentro das curvas do labirinto, ou seja, Júpiter e Saturno, envolvidos com alinhamentos em relação ao objeto P 7X, atualmente na altura da órbita de Jupiter, e avançando em direção ao periélio solar.

Crop circle de Etchilhampton, Inglaterra, dia 17 de julho, mostrando o que eu chamei de VÓRTICE SOLAR (seis braços, na numerologia cabalística da antiguidade, refere-se ao Sol, AEON 6 da Árvore da Vida ou Sefirótica).
O vórtice está girando em sentido anti-horário, o que significa vetor de ejeção ou expulsão (centrífugo) de energia.
Avaliei este como também podendo significar uma ejeção (dupla?) de energia solar nos próximos dias.
Inclusive fiz o cálculo em dias: o crop circle apareceu no dia 17, e tem 6 braços.
Somando 17+6, deve sugerir a conta do evento: 23 para 24 de julho.

Você pode conferir as duas matérias que eu publiquei na semana passada PREVENDO esse evento solar na análise combinada destes dois crops circles.

Agora, veja a noticia recente abaixo:

Tempestade Solar:
A corrente do vento solar pode atingir o campo magnético da Terra nos dias 23 e 24 de julho

Por Rodrigo Contreras Lopez -20 de julho de 2020

Os cientistas descreveram um “material gasoso” que foi ejetado do Sol e está em processo de colisão com a Terra. Os astrônomos acreditam que o vento solar pode chegar na quinta-feira, 23 de julho ou na sexta-feira, 24 de julho, depois de ser expulso de uma região do Sol próxima ao seu equador.

O site Space Weather disse:

“O material gasoso está fluindo de um buraco equatorial na atmosfera do sol.

“Não é um grande buraco, mas o gás emergente pode ser suficiente para acender as auroras de alta latitude quando atingir a Terra no final desta semana”.

O fluxo de partículas solares pode causar auroras, que incluem as luzes do norte e as luzes do sul.

À medida que a magnetosfera é bombardeada pelos ventos solares, podem surgir luzes azuis surpreendentes quando essa camada da atmosfera desviar as partículas.

O buraco na atmosfera do sol 
(Imagem: SPACE TIME)

No entanto, os pesquisadores também apontam as consequências de uma tempestade solar, e o clima espacial pode se estender além das luzes do norte ou do sul.

Na maior parte, o campo magnético da Terra protege os seres humanos da chuva de radiação proveniente de manchas solares, mas as tempestades solares podem afetar a tecnologia baseada em satélite.

Os ventos solares podem aquecer a atmosfera externa da Terra, fazendo com que ela se expanda.

Isso pode afetar os satélites em órbita, o que pode levar à falta de navegação GPS, sinal de celular e televisão por satélite, como o Sky.

Getty Images / Arquivo

Além disso, um aumento de partículas pode levar a altas correntes na magnetosfera, o que pode causar eletricidade acima do normal nas linhas de energia, resultando em explosões de transformadores elétricos e usinas de energia e perda de energia.

Raramente ocorre um evento como esse, com a maior tempestade solar de última geração ocorrendo em 1859, quando um surto de eletricidade durante o que hoje é conhecido como Evento de Carrington foi tão forte que os sistemas de telégrafo caíram. Toda a Europa.

Há também relatos de que alguns prédios pegaram fogo como resultado do aumento de energia.

No entanto, um estudo recente descobriu que essas tempestades solares devem ocorrer a cada 25 anos em média, o que significa que estamos muito atrasados.

Pesquisas da Universidade de Warwick e do Estudo Antártico Britânico analisaram os últimos 14 ciclos solares, que remontam a 150 anos.

A análise mostrou que tempestades magnéticas ‘graves’ ocorreram em 42 dos últimos 150 anos, e super tempestades grandes ocorreram em seis anos dos 150.

Os pesquisadores disseram que, se tivesse atingido a Terra, poderia ter derrubado a tecnologia do nosso planeta.

A autora principal, Sandra Chapman, do Centro de Fusão, Espaço e Astrofísica da Universidade de Warwick, disse: “Essas super tempestades são eventos raros.

“Mas estimar sua probabilidade de ocorrência é uma parte importante do planejamento do nível de mitigação necessário para proteger a infraestrutura nacional crítica.

“Esta pesquisa propõe um novo método de abordagem de dados históricos, para fornecer uma imagem melhor da probabilidade de ocorrência de tempestades e que atividade de tempestades provavelmente veremos no futuro”.


Essa pode não ser a tempestade solar do século, mas é forte o bastante para injetar ainda mais energia na Terra e desestabiizar todas as coisas, magnetismo, clima e o humor das pessoas.

Mas o principal, demonstra que crops circles são legítimos, vindos de inteligências extraterrestres que são capazes de prever eventos antes deles acontecerem, demonstrando um conhecimento superior do nosso sistema solar e de uma astronomia que inclui a noção de um sistema solar binário e de um agente invasor (o segundo Sol), responsável direto por tudo o que acontece atualmente na Terra e em progressão crescente… aliás, uma mensagem repetida que eles nos enviam há 30 anos, mas ninguém quer escutar…

Seguem as matérias publicadas nas semanas anteriores:

JP em 21.07.2020

Comentários
Compartilhar