O Apocalipse de Nostradamus – o Livro perdido de imagens (parte 3 final)

Figura 35

 

Figura 35
A Roda do Tempo

“No firmamento da oitava esfera, uma dimensão onde Deus Todo-poderoso completará a revolução, e onde as constelações retomarão seu movimento que fará a terra estável e firme, mas só Ele permanecerá inalterado para sempre até que o testamento dele seja cumprido.”

(Da carta de Nostradamus ao filho César)

Pois bem, essa declaração em carta ao seu filho Cesar, Nostradamus materializou na imagem a seguir, de número 35 do seu Livro de Imagens, número que soma 8, dentre as 88 figuras, sendo 8 figuras destacadas. Uma especial referência ao número 8 neste contexto secreto do código!

A Roda de Oito raios está no centro do tema (e do livro) e uma Mão divina brota do céu e gira o mecanismo do tempo.

 

 

Um Pavão com asas e olhos (símbolos dos Querubins do Oitavo céu) pousa sua pata sobre a ampulheta do tempo, e ao seu lado, um Galo parece significar o anúncio dos tempos que viriam, como o galo anuncia a aurora (talvez o retorno de Cristo).

 

Representação de asas de querubins com olhos

Aliás, na iconografia se representam Querubins com asas de pavão, e asas com olhos (o modelo da asa de pavão). Inclusive um crop circle interessante de 2018 mostrou essa relação com Querubins e asas com olhos.

 

Na Cabala, os Querubins ocupam o oitavo céu, e são definidos por OFANIM, que significa Rodas, e representam os Carros do Céu, o Zodíaco e as rodas que movem as estrelas, daí tantas associações entre estrelas, o tempo e o OITO, desde os asteriscos estrelados de oito raios das representações antigas até estes Espíritos dotados de asas e olhos, ou Rodas.

 

Crpo circle 14.07.2018 UK Roda estilo penas de pavão

A descrição da Merkabah de Ezequiel é composta de todos estes elementos.

 

Querubins como rodas de fogo na visão do Carro de Deus de Ezequiel

 

Voltando a Roda de Nostradamus, ela representa aquele Tempo de cumprimento de todas as profecias do Livro, com ênfase nas sete figuras vistas nas partes anteriores 1 e 2 a esta.

 

Ao fundo da imagem, castelos e reinos, e lado a lado da roda, dois cavaleiros ou mesmo reis, e símbolos de guerras e combates políticos e religiosos. O Leão e a Serpente, homens com espadas, e isso significa que basicamente toda a história da nossa raça foi escrita em função de guerras sem fim.

Há corôas de Papas, cruzes e brasões imperiais nessa disputa.
E a humanidade girando em torno dos interesses dos poderosos e poderes deste mundo. Poderes que sobem, poderes que caem, reis destronados, reinos invadidos, povos conquistados, sucessões papais, divisões da Igreja, Concílios, cismas, dogmas, e a consciência do mundo cada vez mais escravizada dentro desse sistema de interesses que, de geração a geração, nunca muda, apenas se especializa.

 

 

E no centro, um homem misterioso vestido com roupas cor de rosa, parece interessado em manipular uma esfera que tem aos seus pés com um estranho instrumento, ou mesmo algo que parece um feixe de espigas de trigo, o que sugere uma COLHEITA … sim, em meio às guerras que darão cabo de muitas vidas, o Espírito do Senhor colherá almas, ceifará vidas assinaladas.

Enquanto os dois guerreiros estão descalços, este Anjo do Amor veste estranhos sapatos. E enquanto os dois guerreiros disputam entre si seus títulos, coroas e brasões, o Espírito do Amor se volta apenas para a esfera, que ele cuida com interesse.

Esse espírito parece sustentar a Roda do Tempo em suas costas, e sua função designada parece mesmo associada a colheita espiritual da Terra em função do retorno de Cristo, o que o Galo parece anunciar lá no alto, ao lado do Pavão, símbolo dos querubins e da roda do tempo em seus momentos finais, movida nas engrenagens pelas Mãos do Próprio Criador.

 

E enquanto as guerras correm, e isso está de acordo com o Apocalipse (quando as guerras e outras pragas começassem, o Arrebatamento seria antes), o Espírito realiza sua colheita, e dentro da Roda, o mistério maior: veículos nas quatro direções (barcos, aviões, e um deles parece um avião moderno, quem sabe um UFO?) aparecem para realizar aquela colheita nos quatro cantos da Terra, conforme anuncia o Evangelho (Mateus 24) e existe até uma cidade, reino, local preparado ao lado, para onde supostamente estas almas eleitas serão conduzidas pelos barcos, aviões, naves… UFOS!

 

Um dos quatro veículos da Roda não é um barco, mas algo que parece um avião moderno e, estranhamente, lembra o estilo incomum dos sapatos do Espírito ceifador da Terra, como duas naves, aviões representados a se aproximarem da Esfera…

 

 

No centro, ao lado direito, superior, um lugar que parece uma grande cidade, mas definitivamente não é deste mundo, porque está dentro da Roda e fora do tempo e dos movimentos do tempo aos quais se submete a humanidade nas mãos dos poderosos deste mundo em eterno conflito e guerra de interesses, políticos, diplomáticos e religiosos!

Note também que este cenário de barcos, aviões (UFOs?) estão DENTRO da Roda do Tempo, como numa dimensão paralela, oculta (interior da Terra?) fora do tempo tridimensional que arrasta os habitantes da superfície dentro desse movimento perpétuo de poderes do Estado, da Igreja, instituições de poder e os interesses do Sistema (NOM) que manda neste mundo.

Estes seres visitados pelas naves estão no tempo fora do tempo, e dentro do Reino oculto, a salvo das garras daquele sistema de coisas, suas guerras, sua escravidão sem fim.

 

 

E não será de uma forma pública e exposta que acontecerá esse arrebatamento, e sim, de uma forma tranquila, velada e discreta, justamente para não atrair a atenção dos poderosos deste mundo, que certamente poderiam interferir nos planos dos Mestres que retornam das estrelas para a parte da humanidade a ser colhida, aquela parte que se desenvolveu espiritualmente segundo os ensinamentos de Jesus Cristo.

 

Nostradamus viu tudo isso há 500 anos, porém João de Patmos viu tudo isso há 2000 anos.

 

 

GRIFO

animal fabuloso, com cabeça, bico e asas de águia e corpo de leão [Possui dupla natureza: divina, representada pelo espaço aéreo, próprio da águia, e terrestre, representada pelo leão. Tais animais simbolizam, ainda, respectivamente, a sabedoria e a força.]

Essa ilustração, número 58, pode representar o Reino futuro de Deus sobre a Terra, á vista do Sol: a imagem da união entre os poderes restaurados do Império (Terra) e da Igreja (céu).

Veja também

O Apocalipse de Nostradamus (o Livro perdido de Imagens) – parte 1

 

O Apocalipse de Nostradamus (O Livro Perdido de Imagens) – parte 2

Código 8 em 10 Símbolos

 

 

JP em 01.04.2019

 

Comentários
Compartilhar