Nova mortandade de pássaros é registrada

Fotografia das 305 aves expostas no Museu de Biologia do Sudoeste, recolhidas por Nick Vinciguerra e Jenna McCullough em Velarde, NM, em 14 de setembro de 2020.

O que está acontecendo? Milhares de aves migratórias caem mortas do céu num evento maciço sem precedentes no Colorado e no Sudoeste

Ninguém encontra uma justificação oficial para o elevado número de pássaros migratórios que caem mortos do céu no Novo México, Nebraska, Arizona, Texas e Colorado, nas últimas semanas. O palco é dantesco e mistério. O que está acontecendo?

Ao mesmo tempo que os incêndios florestais mais virulentos da história arrasavam da Califórnia até Colorado e uma frente extremamente fria e histórica assolava as montanhas Rochosas no mês passado, centenas e centenas de aves migratórias começaram a cair mortas do céu. Não é habitual ver pássaros mortos do céu cair, perante o olhar de centenas de testemunhas. Mas essas criaturas aladas cobriam caminhos, ruas, estradas, trilhas…

Os investigadores estão devanando os miolos tentando descobrir a causa deste grande e preocupante mistério. Pode ser o evento de morte maciça de aves mais numeroso da história recente. En vezes, pássaros morrem, mas nunca nesta escala, por tanto tempo, conforme admitem do laboratório universitário de ornitologia de Cornell. Na verdade, vocês acham que é um fato sem precedentes.

Claro que teorias sobre o que pode ser a causa destas misteriosas mortes maciças, não pararam de aparecer. Desde que o fenômeno pode ser devido à combinação de vários fatores, incluindo calor extremo e seca no oeste, até que a queda brusca das temperaturas até nevar; incêndios florestais maciços que fizeram com que os pássaros inalem muito anidrido carbônico…

Mas, independentemente de qual pode ser a causa, os especialistas concordam que esse evento poderia dizimar a população de espécies de aves, que já está sofrendo um terrível impacto nos últimos 50 anos devido à perda do seu habitat e às mudanças nos padrões do clima que estão transformando o ecossistema.

O primeiro sinal de alarme pulou no último mês no Novo México pouco antes da frente fria. Perto de Las Cruces, estão acostumados a ver menos de uma dúzia de aves migratórias mortas por semana, mas centenas senão milhares destes pássaros apareceram mortas em volta de White Sands Missile Range. Mas começaram a receber avisos de mortes de aves de numerosos lugares do estado, com vídeos que mostravam as mortes. Dezenas e centenas de pássaros mortos cobriam as estradas.

Também foram observados pássaros mortos no Colorado e moradores desde o condado de Eagle até Durango relataram grupos de aves mortas nos reservatórios e em trilhos de bicicleta, nos jardins das casas e nas ruas e rodovias. Alguns até disseram tê-las visto cair mortos do céu. Uma cena muito triste que nos faz sentir totalmente inúteis. Incapazes de fazer algo para impedir isso. Logo, as circunstancias que rodeiam estas mortes fizeram pular um alerta vermelho para os conservadores de aves das Rochosas em Fort Collins.

Infelizmente, os cálculos dos especialistas indicam que poderiam ter sido registados não centenas mas milhares de mortes destas aves, especialmente no Novo México, embora não tenham ocorrido na zona metropolitana de Denver. Por que em algumas áreas mais do que em outras?

No entanto, para alguns especialistas, a morte maciça de aves migratórias no Novo México tem uma explicação simples: a histórica frente fria que afetou todo o sudoeste. A mudança extrema no clima fez descer os termômetros de forma abrupta em questão de horas, até gelar. A neve foi copiosa e o vento, furacão. Algo totalmente incomum de Albuquerque até Denver e Nebraska.

Quando alguns especialistas se deslocaram para o norte de Santa Fé, descobriram 305 aves mortas. Todas apresentavam dois terços do peso que deveriam ter tido. Eram apenas ossos e pele. Eles mal tinham carne. O frio diminui a quantidade de insetos disponíveis e a descida repentina e extrema nas temperaturas, pôde provocar uma falta de alimentos para estas aves que são insectívoras.

Para uma patologista do Colorado Wildlife, é muito claro. Quando chegaram as amostras dos pássaros mortas ao seu laboratório, ele confirmou que eles estavam com pouca massa corporal. O que eu sugeria fome. Quer dizer, eles tinham morrido por falta de comida. Além disso, as aves que analisou morreram logo após a tempestade de inverno de setembro.

Parece que muitos investigadores concordam que as mudanças nas temperaturas interromperam as rotas migratórias dos pássaros, forçando-as a voar para áreas onde a água e a comida eram muito limitadas.

No entanto, esse tipo de mortes não é um fato isolado a nível local, nem a nível estadual. Está acontecendo no mundo inteiro. Foi relatado sobre mortes de aves na Suécia e América do Norte. Também se fala de peixes mortos no Brasil, Nova Zelândia e América do Norte. O metano é uma causa conhecida para causar a morte de aves. E o metano é um gás extremamente perigoso que é libertado quando ocorre um movimento na Terra, flutua para cima, e alcança os bandos de pássaros, de forma repentina. Embora, na água, também possa afetar os seres que são mais sensíveis a isso: os peixes.

E quando esses peixes são presos em bolhas de metano liberadas pelo movimento dos estratos rochosos da terra, sob eles, inevitavelmente, são afetados por isso.

No entanto, seja pela causa que for, a verdade é que se trata de um evento maciço do qual não existem precedentes pelo seu grande número, ampla cobertura e duração no tempo.

Todos os exemplares dos pássaros estão na Divisão de Aves do Musso para pesquisa e educação futura.

Créditos: Jenna McCullough
AlertaTierra

Comentários
Compartilhar