EspiritualidadeMistérios

Mensagens subjetivas de cabalas distorcidas

Por vezes, tabelas numéricas como estas (e existem diferentes modelos) associando nomes sagrados ao número 666 aparecem no “mercado espiritual” popular.

O nome Jesus nem é verdadeiro, ele é a latinização de Iéshua. Essa tabela se baseia no alfabeto ocidental, mas a verdadeira análise cabalística se apoia nas 22 letras do alfabeto hebraico, que é um idioma semita.

Portanto, esse tipo de arranjo numérico, como o que se encontra aqui, pode ser exposto como uma coincidência numerológica, que aliás poderia ser encontrado em outras tabelas de letras com diferentes disposições numéricas.

A chave suprema da correlação letra-número foi posta na Cabala hebraica. As formas derivadas são subjetivas.

De tal forma que eu poderia colocar dentro dessa tabela vários nomes e até palavras sem qualquer sentido, que elas somariam também 666.
Portanto, sem efeito.

Aliás, essa própria tabela coloca números e letras em múltiplos de nove (9), na sequência 9, 18, 27, 36 etc que é justamente para favorecer somas que criem mais facilmente valores do 666 do que criaria na série natural 1, 2, 3, etc.

Ou seja, uma jogada maliciosa, como um truque de cartas, para levar ainda mais enganos e mentiras sobre Jesus Cristo e colocar em dúvida a sua reputação celestial, associado aqui a Lúcifer.

Artigos relacionados

De qualquer modo, somas e tabelas a parte, o número da Besta, 666, citado no Apocalipse 13, dentro do contexto abordado (o controle tecnológico da Besta, chips e tudo mais) e não fora do contexto abordado naquele livro (o que gera todo tipo de especulação como esta) se aplica diretamente, e de uma forma muito objetiva, ao código das três letras que o número 6 repetido representa:

V, U ou W: W.W.W.

Porque é costume naquele idioma hebraico usar as 22 letras do alfabeto como números e numeração, sendo este o PILAR da Cabala.

E se a modernidade encontra um eco perfeito em W.W.W., a sigla de WORLD WIDE WEB (Teia Global, Rede Mundial de computadores), o resto você deduz, lendo detidamente o que o referido Apocalipse 13 escreveu sobre 666, evitando assim todo tipo de interpretação tola e fora do contexto, tão explorada por aventureiros da especulação distorcida.

Interpretado livremente e fora do contexto, esse valor macabro 666 se torna distorcido e falso em sua real mensagem profética.
Aprenda de uma vez qual o contexto real do signo do Mal encarnado na Terra.

E vi subir da terra outra besta, e tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como o dragão.
E exerce todo o poder da primeira besta na sua presença, e faz que a terra e os que nela habitam adorem a primeira besta, cuja chaga mortal fora curada.
E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens.
E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia.
E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta.
E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas,
Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome.
Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis.

Apocalipse 13:11-18

JP em 02.05.2022

Comentários

Botão Voltar ao topo