Desvelando o VÔO DA SERPENTE EMPLUMADA (parte 1)

(Abaixo, no final da primeira parte da publicação, você encontra o manuscrito em PDF para leitura)

Armando Cosani Sologuren foi um jornalista, correspondente, tradutor e escritor peruano, célebre pela publicação, em 1953, do livro “O Voo da Serpente Emplumada” onde narra o encontro dele, o autor, com Judas de Kariot, discípulo de Jesus de Nazaret, e contrapondo-se ao “mito” de que este houvera sido um traidor.

Biografia de Armando Cosani
A família de Armando era radicada na cidade de Tacna, no Peru. Lá viviam seus avós Manuela Esther Basadre Forero [que depois de casada passou a assinar Manuela Esther Sologuren Vargas] e o esposo Mariano Casimiro Sologuren Vargas. Dentre os filhos do casal estavam: Carmem Sologuren y Basadre; Santiago Sologuren y Basadre; Luisa Sologuren y Basadre; Esther Sologuren y Basadre (mãe de Armando Cosani Sologuren); Ricardo Sologuren y Basadre ; Enrique Sologúren Basadre nascido em 1885 e Sara Sologuren y Basadre, nascida em 1887, no Chile e morta em 1888 (também no Chile), com apenas 1 ano de vida, e foi em Tacna que nasceu Armando filho do casal, o italiano Giussepe Cosani de Francesqui. A esposa de Armando chamava-se Graciela e o casal teve uma filha cujo nome era o mesmo da mãe.

Armando era irmão de Esther Cosani Sologuren (1914-2001) renomada escritora chilena, Ilustradora e novelista e autora de “Lendas da velha casa” e “Lendas da flauta”, (1938); “Para saber e contar” (1939); “As desventuras de Andrajo” (1942); “Contos a Pelusa” e “A casa dos ratos” (1943); “Contos a Beatriz” (1957); “Uma história de anjos” e “Rimas” (1994); “Contos de Tocorí da Serra” (1995).

A família Sologuren, além do Peru, tinha também suas ramificações em Arica e Santiago, no Chile; Espanha; Colômbia; Venezuela ; Bolívia, etc.
Em uma definição de si próprio Cosani, dizia-se ser um agnóstico, mas não cético; de visão científica da vida, porém, não materialista ou ateu. Confusamente, Cosani, era católico e frequentava com certa regularidade uma igreja local, aonde ia com a intenção maior de solicitar ajuda ao Jesus Cristo para por um fim em sua complicada situação econômica e foi ali ali naquele templo religioso que, em uma de suas idas e vindas, ele deparou-se com um intrigante e misterioso senhor, cuja definição assim ele descreve: “todo ele era um sorriso”


Em 1939 ele era correspondente de imprensa do United Press, no Chile e foi o responsável por cobrir o Terremoto de Chillán, ocorrido em Chillán, e, 24 de janeiro, daquele mesmo, atingindo todas as cidades próximas com uma intensidade de 7,8 na escala de Richter, registrando mais de 30.000 vítimas. A situação era calamitosa e Armando, acampado em Concepción, transmitia, por ondas de rádio, para Santiago, as notícias. Assim se reportavam os jornais da época:

As “… autoridades na zona do terremoto apreenderam todos os suprimentos de comida e estabeleceu cozinhas comunitárias. Mortos insepultos… […] …o técnico de rádio, Rodrigues Johnson, voltou para Santiago a partir de Concepción, uma das grandes cidades duramente atingidas pelo terremoto, e relatou a situação alimentar tão aguda que Armando Cosani, a equipe do United Press e assistentes não tiveram nada para comer durante dois dias, e que somente mínimas quantidades de água potável estavam disponíveis.

Do Chile Cosani vai [provavelmente] para a Argentina, a considerar pelo fato de que em 1942, durante a Segunda Grande Guerra Mundial, ele havia sido recrutado pela Abwehr, o serviço de inteligência alemão, sediado no Chile, como correspondente, para fornecer informações sobre os assuntos norte-americanos e três anos mais tarde, em 1945, ele foi preso pelas autoridades argentinas e deportado para a Bolívia, sua terra natal.

Em La Paz, Cosani manteve contato direto com embaixadores de diversos países, porém o mais destacado dos contatos, foi com o presidente Gualberto Villarroel López. Todavia a sequência de acontecimentos no país, marcada pelo assassinato de opositores políticos, em fins de 1944, pelo autoritarismo e pela intolerância, levou o governo de Villarroel ao desastre e à consequente renúncia, em 21 de julho de 1946. A multidão, em sua maioria operários e estudantes, juntamente com o oposicionista PIR (Partido de Isquierda Revolucionária). Os inssurrectos invadiram o “Palácio Queimado”, lincharam e penduraram-no pelo pescoço, ao já morto ex-presidente, na sacada do palácio no mesmo dia de sua renúncia. Temendo por sua vida, Cosani deixa a Bolívia e segue [provavelmente] para o México.
Sobre esta época assim se reporta Cosani:


“… foram destruídos quatro agências oficiais de inteligência aqui e em todos os edifícios, outras repartições foram danificadas. Novas detenções. Revoltas Antifascistas pelo ditador…”
No México, pelos idos de 1948 [segundo relatos, juntamente com Rodney Collin, discípulo de Ouspenski, fundam um Grupo de Estudos do Quarto Caminho na América Latina. Deste grupo fazem parte alguns britânicos, entre eles o próprio Collin e John Grepe, alguns mexicanos e integrantes de outras nacionalidades, a exemplo de Cosani. No ano seguinte, Cosani começa a trabalhar na tradução de alguns livros de Ouspenski e Maurice Nicoll e, para editar e difundi-los, Collin, fundou a “Editorial Sol”.


Em 1954, Cosani figura como colaborador em um complemento literário do jornal “Solidaridad Obrera”, cujo conteúdo era direcionado a trabalhadores da CNT da Espanha (Confederação Nacional do Trabalho da Espanha, exilados na França. Eram também colaboradores: F. Gomez, Enrique Rioja, Luis Capdevila, Prosper Alfaric, J. Prado Rodríguez, Puyol, J. Chicharro de León, Julio de Huici, J. Cañada Puero, C. G. Bjurstrom, Waldemar Kaempffert, El Lego de Cluny, Juan Sin Tierra, P. Calderon de la Rambla, Enrique Rioja, Emilio Ucar, Arturo Calderon, Garcia Tella e Mariano Viñuales. No ano seguinte, em 1955, ele e Collin levam os ensinamentos do Quarto Caminho para Buenos Aires e Peru, onde fundam grupos da instituição. Alguns anos mais tarde, Cosani dedica-se à tradução de autores diversos de esoterismo, desta vez radicada no Argentina.

O Voo da Serpente Emplumada

Primeira parte
Na primeira parte do livro, o autor faz uma apresentação do que viria a se desenrolar na obra escrita, fala de seu encontro com aquela que o inspiraria a escrever o livro, fala sobre sua profissão de jornalista e um tanto do que a América Latina vivia por aqueles anos da década de 1940.

Fala um tanto sobre suas desventuras e através de diálogos enriquecidos e de grandes lições, apresenta-nos aquele, que seria uma espécie de preceptor para ele. E, por fim fala nesta primeira parte sobre a necessidade de escrever o livro


Segunda parte

A segunda parte do livro, dona de uma beleza mística e poética, fica devotada quase que exclusivamente, a discorrer sobre a antiga cultura maia (a “Sagrada Terra Maya”) e os seus ensinamentos misteriosos ou secretos. Fala também sobre a “Sagrada Princesa Sac-Nicté” ou a “Branca Flor do Mayab”.

Terceira parte
Já na terceira parte o autor fala sobre o estranho personagem que se apresentara a ele na primeira pare do livro, e que é identificado como Judas de Kariot. Os acontecimentos entre Jesus de Nazaré e Judas de Kariot, desde o seu encontro até o drama da crucificação, são narrados segundo uma nova ótica, onde Judas é apresentado, como como traidor e sim como o mais exaltado dos discípulos de Jesus: O único capaz de suportar as dores daquele papel de “traidor”.
WIKIPÉDIA


Sincronicidades?
O Evangelho de Judas é um evangelho apócrifo, atribuído a autores gnósticos nos meados do século II, composto de 26 páginas de papiro escrito em copta dialectal. Conta a versão de Judas Iscariotes sobre a crucificação de Jesus. Pelo livro, Judas supostamente traiu Jesus apenas para cumprir um mandamento do próprio Salvador.Desaparecido por quase 1700 anos, a única cópia conhecida do documento foi publicada em 6 de abril de 2006 pela revista National Geographic.

O manuscrito, autentificado como datando do século III ou IV (220 a 340 D.C.), é uma cópia de uma versão mais antiga redigida em grego. Contrariamente à versão dos quatro Evangelhos oficiais, este texto clama que Judas Iscariotes era o discípulo mais fiel a Jesus, e aquele que mais compreendia os seus ensinamentos. O seu conteúdo consiste basicamente em ensinamentos de Jesus para Judas, apresentando informações sobre uma estrutura hierárquica de seres angelicais e uma outra versão para a criação do universo.
WIKIPÈDIA
*************************************************
Nada é por acaso, e em 2006, a NAT GEO apresenta ao mundo um evangelho que confirma a auto-defesa de Judas no seu Manuscrito, entregue a Armando Cosani no fina da II Guerra Mundial, mais de 60 anos antes. Esse evangelho apócrifo resgata o nome de Judas Iscariotes da lama e da maldição por parte das crenças limitadas e limitadoras.

Esta é a apresentação do Manuscrito e do seu “editor” (Armando Cosani não é o autor). Segue a leitura em PDF:
(Copie e cole o Link)

https://ovoodaserpenteemplumada.com/arquivos/o-voo-da-serpente-emplumada-para-leitura-03-04-2010.pdf

As leituras serão devidamente explicadas nas partes seguintes.
Mas já adianto: para quem quer se aprofundar no esoterismo velado dos evangelhos de Cristo, combinado de forma surpreendente com a cosmologia espiritual dos povos pré-colombianos, e revelada pela pessoa menos óbvia para a tarefa … a sua jornada ao novo conhecimento começa aqui.

JP em 17.03.2020

Comentários
Compartilhar