O Mistério das anomalias nos radares de todo o mundo

Anomalia sem radar no México
Guanajuato, 2020

Recebemos imagens desta anomalia de radar no México, uma mandala perfeita e simétrica.Muitos falam em falhas nos radares.
Mas é a primeira vez que eu vejo falhas tão perfeitas assim.

É como você ligar a TV, ela sair do are começar a exibir mandalas coloridas e brilhantes. Você sinceramente vai dizer que se trata de uma falha?
Ou a televisão ficou ainda melhor?

É bastante natural, da parte do nosso raciocínio sistematizador ver uma coisa assim e associar logo com falhas ou defeitos. Muitas dessas “falhas” acontecem todo o tempo, por exemplo,nos satélites da NaSa, SOHO… coisas geométricas ao lado do Sol, como cubos,esferas perfeitas,e até formas de naves.

E os peritos da NASA sempre dizem a mesma coisa, que é tudo falha do sistema. É a primeira ideia lógica que vem na mente comum.
Mas, na maioria das vezes, a falha está mesmo é na mente comum, sempre preferindo as explicações mais curtas e que forneçam atalhos ao pensamento acomodado.

Uma segunda onda do calendário maia em dezembro?
(Um estudo)

Do que temos conhecimento, este ano, elas começaram a surgir a partir do dia primeiro de Setembro, no México, com uma anomalia tão “simétrica” e perfeita que parecia até um crop circle em pleno ar.

México, anomalia em setembro 2020

Mas foi no mesmo México, ao que se sabe, ano de 2012, que a primeira anomalia, pelo menos registrada, foi verificada.

Ela se repetiu sobre o México em três dias seguidos, 27, 28 e 29 de outubro de 2012.
E outro registro temos, de 16 de outubro de 2015, mesma região do México.

Pois bem, o que causa estranheza é que, passados vários anos, o assunto foi esquecido, até que ele retornou com toda força neste ano de 2020, atípico em vários aspectos.

Veja bem: uma grande anomalia, pela primeira vez, em outubro de 2012, no México, a pátria ancestral dos maias e astecas, que conceberam o calendário do tempo das cinco raças, e da nossa raça atual, cujo fim de ciclo estava previsto para o final daquele mesmo ano de 2012, quando apareceu supostamente a primeira e bela anomalia sobre a região.

Agora, em 2020, desde setembro, e a começar outra vez no México, essas anomalias retornam com força total, e não só no México, mas em diversas partes do planeta, como se os radares estivessem captando falhas na “matrix”, oriundas talvez de flutuações do campo magnético ou outro tipo de energia anômala pairando sobre a atmosfera e interagindo eventualmente, de algum modo, com todos estes radares.

E este ano, 2020, em dezembro, não teremos aqueles grandes eventos cósmicos de alinhamento e geração de enorme energia gravitacional, como temos relatado, bem como os crops circles recentes?

Será que as anomalias se associam de algum modo com o que estes eventos irão trazer para o mundo, da mesma forma como em 2012 e o disparo de energia do núcleo da Galáxia, conforme os modelos do calendário maia?

Por uma incrível recorrência cósmica, o eclipse solar total vai acontecer bem do lado do centro da Galáxia, no grau 27 de Sagitário (e nas efemérides, consta que esse eclipse será no grau 23, com menos de 4° de arco de diferença), reforçado pelo fato de o objeto P 7X estar nesse campo também, e a conjunção exata de Júpiter com Saturno, próxima desse espaço também.

Essas coordenadas tão alinhadas com o trono de Hunab Khu, a divindade maia da Galáxia central, e a onda de energia disparada desde 2012, estão me fazendo refletir bastante, no sentido de uma forte impressão de que teremos uma SEGUNDA ONDA do Calendário Maia no final do ano, deste ano de 2020, e tudo o que está acontecendo dentro dele já parece soar como as preliminares dessa onda chegando.

De alguma forma ainda não explicada, todos estes radares podem estar captando energias anômalas circulando o planeta por causa de algo se formando a frente, um mega evento?

Posso estar enganado, mas a combinação de elementos que convergem para dezembro é precisa demais.

E todos estes radares, desde 2012, geometrizando desta forma em seus campos de visão e suas imagens meteorológicas normalmente borradas e aleatórias (das massas climáticas, temperaturas e velocidade de ventos), podem ser indicadores sim, tanto de energias anômalas de ordem natural como de mensagens de inteligências interferindo no campo dos radares para alertar o mundo.

Bem ao estilo crop circle.
E os crops circles têm acertado muita coisa.
Posso dizer isso com conhecimento de causa!

Ps: o recente crop circle ou geoglifo da Croácia, de 21 de outubro, mostra, numa parte de seu círculo maior, na parte externa (anel) uma espécie de código com letras e pontos que lembram Braile e Morse, e tais pontos apareceram inclusive numa das anomalias de radares captadas sobre a Índia, em setembro deste ano.

Isso parece realmente associar uma coisa a outra, e a interpretar as anomalias, talvez, como fenômenos não-naturais, e sim, de algum tipo de interferência inteligente externa, na qualidade de mensagens e sinais de alerta do mesmo estilo crop circle – até porque muitas destas anomalias parecem mesmo crops circles!

JP em 30.10.2020

Comentários
Compartilhar