Templates by BIGtheme NET

Um ensaio cabalístico: Daniel, Apocalipse e a Profecia Maia

Se a Cabala do Sol estiver certa, a faísca saltará em 2016.
6 x 6 x 6 = 216. Acrescente-se um “0” (zero)  e… “2016”.


E no Apocalipse,os 1260 dias das duas testemunhas, aquelas que faltam falar para encerrar o ciclo da raça. É o tempo em que a Mulher (Apocalipse 12) ou Igreja arrebatada de Cristo na Terra, permanece no refúgio, fora desta terceira dimensão, enquanto o Anticristo avança e conquista domínio no mundo 3D, escravizando aqueles que ficaram…
E 1260 soma nove, que na Cosmologia antiga era o número de camadas da Terra, com o núcleo na chamada nona esfera… onde tudo começa, e tudo acaba…666 soma 18, os Inimigos ocultos do Taro, e 18 soma 9, e retorna ao ponto de partida.

E 2016 = 28 x 72, o ciclo lunar e o número divino da Cabala, número do Pentagrama.
E (666+666+666) + (6+6+6) = 2016

Se 666 é o número do Abismo, ele então configura relação especial simbólica com o núcleo da Terra, sua instabilidade e efeitos sobre a superfície. Nona esfera, e tal situação já começa sendo apresentada no Apocalipse 9.


E o Apocalipse 6?
A Abertura dos seis primeiros selos do Livro de Deus pelo Cordeiro ou Messias… e o Sexto Selo configura a entrada do Grande Juízo da Terra.

Realmente há toda uma codificação significativa entre estes números e os destinos planetários apontados no Apocalipse quando nas bordas chegássemos do Grande Ciclo consumado, e com uma interessante e significativa conexão com o Calendário Maia.

Outro número evocado muitas vezes no Apocalipse são 12 e seus múltiplos, 144 e 144000, além do próprio sete (7).

Um Baktun maia conta 144 000 dias.
E 2 x 7 x 144 = 2016.
Ora, 144 e 666 são números de conteúdos opostos, porque enquanto 144 é medida do homem, que é (do) Anjo (Apocalipse 21), 666 é medida do homem, que é da Besta, e selado por ela (Apocalipse 13).

Seria 144 a marca dos homens-Anjo ou homens conscientes, despertos e livres, enquanto 666 seria a marca dos homens-Besta, bestas humanas, materialistas, decaídas, degeneradas, aprisionadas no materialismo, ignorância e hipnose do sistema (selados pelo número de ordem da Besta), controladas por tecnologia global.

Ambos somam 9 (144 soma 9, 666 soma 9, produzindo outra idéia de dualidade: os nove pisos celestes do coro dos Anjos, os nove círculos dantescos do Inferno).

Ou seja, na leitura do Apocalipse, o número-raiz 9 pode ser tanto um número de ascensão e luz/nascimento (nove céus) como de queda e trevas (nove círculos dantescos do abismo).
Há uma grande simetria de números e relações cabalísticas na configuração numeral do presente ano de 2016, sem falar que 666 é número da soma do Quadrado Mágico do Sol
(1+2+3+ … +34+35+36 = 666), e o Sol tem a sefirá de número 6 por posição na Árvore da Cabala. Relações 6 (Sol), 36 (6×6), e 666 (somatório).

O que transforma 666, o número do abismo, numa potência solar, fogo, calor, energia do núcleo ou nona esfera.

O número das duas testemunhas e da Igreja é 1260 (dias).
Interessante que a mesma proporção de ouro (1.6) se encontra em 2016/1260 = 8/5.


E essa proporção é a chave do Calendário Maia no tocante ao ciclo sinódico de Vênus, desenhando o Pentagrama no céu em suas evoluções (72°).

Se fizermos o MMC (Mínimo Múlitplo comum) de 144 e 666, obteremos o valor 5328, um número bastante revelador em termos de geometria da Cabala porque 6×888 = 8×666 = 5328, simetria que nos permite construir a Estrela Macrocósmica, depositária dos mistérios da Dualidade Cósmica. E 5328 soma 18, que soma 9.

Já o Máximo Divisor Comum de 144 e 666 é 18: 144/18 = 8
e 666/18 = 37.

O secreto número que está articulando os mistérios envolvendo 144 e 666 é o número 9.

Ele se impregna fortemente no ano de 2016, que soma nove e, ao mesmo tempo, é regido pelo 6 e pelo Sol.
Em 21 de Junho de 2016, completamos 3.5 anos desde o fechamento do Grande Ciclo da Quinta Raça, isto segundo o sistema calendário mais perfeito da Terra, o Calendário Maia.

E a data 21.06.2016 tem uma configuração numérica especial, repete os números 2.1.6.

Outra coincidência: o dia 21 de Junho no Hemisfério Norte era considerado sagrado pelos antigos, por ser justamente o dia mais longo do ano, dedicado a luz, a apoteose do Sol e seu maior momento no céu.
O período de 3.5 anos é significativo na Bíblia, especialmente no Apocalipse, remontando a processos de profundas e amplas transformações.Além de ser o tempo-chave (simbólico) do despertar do Kundalini que, em escala planetária, tem relação com essa energia pulsante e palpitante do núcleo da Terra, esta que os maias chamaram de Chac Mool e nela situaram uma espécie de trono ou vasilha que receberia a onda gravitacional de 2012, e pela influência de alinhamentos, despertaria e subiria para a superfície.

Em 21-06-2016, contamos 3.5 anos desde esse despertar.

A humanidade esqueceu do Calendário maia… mas o calendário maia ainda não se esqueceu da humanidade…

Verdade… mas a conta certinha seria 21.06.2016 + 3.5 = 21.12.2019…então totalizando 7.0 anos, que bate com a conta da profecia de Daniel, os 7 últimos anos da raça humana, não que este período reflita os sete anos da profecia de Daniel (que eu credito como tendo começado em 14 de Maio de 2018, os 70 anos de Israel).

Detalhe: diz que na metade desse tempo, depois de 3.5 anos, o Messias cessaria o sacrifício, e então daria espaço para a chegada do Grande Ídolo da Abominação e da Destruição, que ninguém sabe exatamente o que é ou quem é… porque, segundo Daniel 9, as coisas terríveis só não aconteceram ao mundo (como as guerras e outras coisas) porque este Messias em especial está ainda no Templo oferendo sacrifícios a Deus… mas reza a profecia que, depois de 3.5 anos, ele cessará o sacrifício, e então, o Mal terá força para avançar e subir…

DRESDEN, GERMANY

 


Já deve ter ouvido falar nos 7.0 anos de grande tribulação?

Pelos cálculos sofisticados dos maias, começaram precisamente em 21.12.2012.

Ora, dezembro de 2012 mal passou e logo um enorme meteoro quase fez a Rússia sumir do mapa, no comecinho de 2013…

E a conta dos sete anos termina em 21-12-2019, quase 2020.

Os números 13-20 (2013-2020) que compreendem os sete anos dentro das datas, formam o eixo fundamental da operação do Calendário Maia: 13 meses, 20 selos e uma série de cálculos complexos e ciclos integrados formando a estrutura desse maravilhoso e cósmico calendário.

Estamos atravessando uma forte onda de instabilidade planetária.
O núcleo da Terra está com arritmia, taquicardia do coração planetário, núcleo 666 da energia, abismo, entranhas do planeta.
Pode infartar a qualquer momento.


E esse infarto significará uma ejeção tremenda de energia que se tornará na superfície uma onda gigante de força sísmica, vulcânica e geotérmica.

O grande problema de todo infarto: nunca se sabe quando ele vai acontecer.

Voce apenas lança estimativas… e cada vez mais as estimativas nos aproximam de algum grande evento a frente, inevitavelmente…
Tudo isso será no dia do Anjo do Sol.
Algo começou em 2016, algo foi selado em 2018 e algo está sendo acelerado em 2019. Reta final dos sete anos de Daniel.
Ano cabalístico do Sol. Bem que o Segundo Sol podia se revelar também, já que é um ano de revelações, de poderes que caem e poderes que se levantam. Mas ainda não foi sua hora.

O quadrado mágico do Sol, de 6×6 cifras, soma 666.

E 6x6x6 = 216 (2016)
A numerologia deste ano está muito poderosa e alinhada.

O segundo Sol, o segundo Messias, o Segundo e Oculto poder da Terra. Muitas coisas estão implicadas na Cabala deste ano e a partir dele, como uma ignição.
Olhando o movimento da Política, isso tem sido constatado em muitas partes.

Dizem que se levanta um poder oculto na Terra, tanto na Política quanto na Religião.

E que essa relação também se estende a poderes ocultos de outras dimensões, mundos, esferas espirituais.

Todas elas caracterizadas pelo Sol Oculto a se revelar no horizonte do sistema solar.

I A O: Ego Sum Alfa Et Ômega.

EU SOU O ALFA E O ÔMEGA (Apocalipse 1)

Curiosamente, em muitos idiomas antigos, a vogal I expressa o conceito de EU.

Tanto que a maioria dos nomes masculinos hebraicos começam com a letra I (Iod) e que significa justamente PODER.

No idioma inglês, essa procedência se manteve “I” (EU).

E em muitos outros idiomas. (Io, Ia, Ie, etc).

Na ciência dos Mantras, a vogal I é a mais poderosa.

Basta alguns minutos vocalizando “I” e a consciência começa a mudar de frequência, por causa da mudança do padrão vibratório da mente.


IAO: O NOME DE DEUS INVOCADO NAS CATEDRAIS ESTELARES… Que Jesus Cristo entregou a João no Apocalipse na expressão Eu Sou (I) o Alfa (A) e o Ômega (O) e que consta no Pistis Sofia e na sabedoria secreta dos antigos gregos.
JP em 18.05.2019

Comentários