Pedra encontrada no Egito possui composição nunca vista na Terra nem no Sistema Solar

Uma pedra encontrada no Egito, decididamente, não é daqui.

A pedra de Hipatia, como é conhecida, não é apenas extraterrestre na origem. Ele contém compostos microminerais cuja ocorrência não é conhecida em qualquer lugar da Terra, não foi encontrada em nenhum outro meteorito e não existe ocorrência conhecida em qualquer parte do Sistema Solar.

É uma descoberta que levanta algumas questões sobre a formação do Sistema Solar.

Em 2013, os pesquisadores anunciaram que a pedra de Hipácia, encontrada no sudoeste do Egito e batizada em homenagem à cientista do século 4-5 dC, Hipácia de Alexandria , não tinha vindo da Terra.

A análise subsequente revelou que a pedra preenchida com diamante não era de nenhum cometa ou meteorito conhecido – suas características combinadas eram únicas entre os materiais extraterrestres conhecidos.

Uma hipótese propôs que poderia ser um fragmento do núcleo do cometa, chocado com o impacto, e outra descobriu que ele foi formado em um ambiente frio .

Agora, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Joanesburgo analisou a matriz carbonácea da pedra e encontrou uma falta de matéria silicatada que a diferencia de outro material interplanetário que caiu na Terra, e a presença de minerais que parecem ser anteriores ao Sol.

Metaforicamente, os pesquisadores compararam a estrutura interna da pedra à de um bolo de frutas que caiu de uma prateleira e se espatifou.

“Podemos pensar na massa mal misturada de um bolo de frutas que representa a maior parte do seixo Hypatia, o que chamamos de duas ‘matrizes’ mistas em termos de geologia”, disse o pesquisador principal Jan Kramers .

“As cerejas glaceadas e nozes no bolo representam os grãos minerais encontrados nas ‘inclusões’ de Hypatia. E a farinha que cobre as rachaduras do bolo caído representam os ‘materiais secundários’ que encontramos nas fraturas em Hypatia, que são da Terra.”

O seixo é apenas um pequeno fragmento do “bolo” original, que se estima ter vários metros de diâmetro. Porém, sua composição revela muito sobre o todo.

Os meteoritos não metálicos são chamados de condritos e, em termos de composição, são muito parecidos com a Terra, com uma pequena quantidade de carbono e muito silício.

Hypatia é o oposto, com muito carbono e muito pequenas quantidades de silício.

“Ainda mais incomum”, acrescentou Kramers , “a matriz contém uma grande quantidade de compostos de carbono muito específicos, chamados de hidrocarbonetos poliaromáticos, ou PAH, um dos principais componentes da poeira interestelar, que existia antes mesmo de nosso sistema solar ser formado.

“A poeira interestelar também é encontrada em cometas e meteoritos que não foram aquecidos por um período prolongado de sua história.”

Parte do PAH em Hipácia foi em algum ponto transformado em diamantes submicrométricos – provavelmente em seu impacto com a Terra.

Mas outras descobertas foram ainda mais peculiares. Os pesquisadores encontraram o alumínio em sua forma metálica pura – algo que raramente acontece, ou nunca, no Sistema Solar, até onde sabemos.

Eles também encontraram carboneto de silício (também conhecido como moissanita) e fosforeto de iodo de prata em formas altamente inesperadas. E um composto consistindo principalmente de fósforo e níquel, sem ferro – uma composição mineral nunca vista antes, não na Terra, e não em materiais extraterrestres.

Juntas, essas características sugerem que Hypatia é feita de materiais inalterados anteriores ao Sol – mas que a própria pedra provavelmente foi formada depois do Sol, porque você precisa de uma nuvem densa como uma nebulosa solar para formar objetos maiores.

Fonte

Comentários
Compartilhar