O Símbolo dos missionários do fim dos tempos no novo crop circle – a Cruz Orlada

Os missionários do fim dos tempos

Então, mais uma cruz estilo templário apareceu nos campos de cultivo, e desta vez, na França, a pátria da Ordem Templária (cruz muito semelhante à de Malta, daquela derivada).

Exatamente no dia do eclipse lunar penumbral, em 5 de julho, como previmos que seria.

Ela apareceu numa cidade do extremo norte da França, Viny, Palas-de-Calais.
Declaramos aqui que um importante crop circle poderia aparecer no dia do eclipse lunar de 5 de julho, da mesma forma como declaramos que crops circles apareceriam no dia do eclipse solar, 21 de Junho.
Ambas as previsões se concretizaram. E se apareceram em dias de eventos astronômicos, então também este símbolo fala de eventos astronômicos, como a chegada do objeto P 7X, como sempre tenho falado aqui.

Alguns vão dizer que é um sinal astronômico de Nibiru, Nemesis, P 7X ou o planeta que cruza?
Sim, pode ser.

Ou do velho símbolo dos Anunnaki, Sol alado, disco alado e a conexão extraterrestre da mensagem.
Sim, também, tudo dentro da visão completa.

Até porque estamos falando de final do grande ciclo, que tem a participação do astro invasor como agente de purificação planetária, a estrela Red Kachina, nos dizeres dos antigos índios hopi norte-americanos.

Se eu fosse falar de todo o vasto simbolismo da cruz, e suas origens anteriores mesmo a Cristo e o Império Bizantino, chegaria nos celtas, e chegaria nos arianos-venusianos da Europa central, há milhares de anos.


Chegaria no símbolo supremo de Vênus, que é a cruz debaixo do círculo.
Mas, de repente, a cruz foi para dentro do círculo.
Por que?

E isso tem um expressivo significado aqui, pelo que, neste post, desejo ser objetivo e incisivo como um bisturi ao invés de divagar pelas infinitas ressonâncias do símbolo.

Inclusive, recentemente um grande UFO desse mesmo formato, cruz dentro do círculo, apareceu misteriosamente diante dos sensores STEREO da NASA, em 29 de fevereiro de 2020, como podemos ver nas imagens e vídeo abaixo.

A NASA, como sempre faz, desligou as câmeras e só as religou depois que o objeto saiu do campo do visor.
Alguns ufólogos e pesquisadores chamaram o UFO de Roda de Ezequiel.


E ele traz semelhança enorme com este novo crop circle, pelo que podemos assegurar que realmente crops circles e UFOs estão alinhados segundo um mesmo propósito.

Antes de mais nada, este é o segundo crop circle com o mesmo tema, uma cruz templária.
Ele apareceu na Inglaterra, dia 17 de Junho.


E mostrou a cruz dentro de um círculo com quatro pontos destacados.
Reparem: a cruz dentro do círculo.
Essa é a chave que se repetiu no segundo crop circle, na França, que também tem quatro faixas marcando a sua parte mais externa, e isso significa o sinal desta Cruz e Ordem secreta de missionários se movendo agora mesmo no final dos tempos.

Não foi o próprio Cristo que, em Mateus 24, declara que, no final dos dias, ele enviaria seus Anjos aos quatro cantos da Terra para o resgate?
Não temos uma cruz no círculo com quatro faixas e pontos marcados fora dela?
Não é a CRUZ o maior sinal de Jesus Cristo?
E Jesus anunicou esse resgate dos escolhidos pelos Anjos nos quatro cantos da Terra justamente DEPOIS que o seu sinal, o sinal do Filho do Homem, aparecesse no céu.
E na Terra

É como uma ressurreição da Ordem Templária, com o mesmo objetivo da Velha Ordem, só que numa escala superior, purificada, não mais se movendo por interesses políticos e financeiros, porém, se movendo apenas pelo puro e simples ideal da Cruz: a Verdade que liberta e o Sacrifício do Amor que transcende.

Escala que fala de missionários que não deste mundo, e estão agora mesmo, infiltrados, nas cidades, se movendo entre as pessoas, e se dirigindo àqueles que estão prontos para recebê-los.

Essa cruz templária é modernamente usada em grupos esotéricos da Grande Fraternidade Branca, representando a chama violeta e a essência crística.

Cruz de Malta, usada também pelos adeptos da Ordem de Saint Germain



Chamada Cruz de Saint Germain, porém, a grande diferença deste crop circle é a presença do anel circular envolvendo a cruz, coisa que o referido profeta Parravicini mostrou fartamente em desenhos inspirados pelo seu anjo guia e espírito protetor, no ano de 1972.
E os referidos integrantes dessa Ordem da Cruz orlada (pelo círculo) é que eles não são deste mundo.
Contudo, Saint Germain também foi um alto iniciado com expressiva manifestação na França dos grandes reis, e mais uma vez, a França é destacada.

Alguns dizem que o livro ZANONI é uma versão velada da vida e obra de Saint Germain, e sua influência na França nos tempos da Queda da Bastilha e da Revolução francesa.

A Virgem Maria aparece chorando para os pastores, chorando de dor pelos crimes da humanidade.

Curiosamente, a aparição da Virgem Maria em La Sallete, França, 19 de setembro de 1846 (Sempre a França e a conexão templária) declarou, entre várias profecias do fim, a formação de um novo exército de missionários de Cristo, o que se alinha perfeitamente com a profecia deste crop circle.


A própria Virgem Maria declarou aos pastores Maximin Giraud e Mélanie Calvat que “Meus missionários serão os apóstolos dos últimos tempos; pregarão o Evangelho de Jesus Criso em toda a sua pureza por toda a terra.”

Exatamente como o profeta Parravicini disse que seria, e essa é outra espetacular concordância entre duas mensagens proféticas em lugares e tempos tão diferentes.
Os missionários da Virgem Maria, no entanto, seria de pessoas deste mundo. Mas pessoas que irão se alinhar com aqueles outros missionários, reconhecidos pelo signo da cruz e do círculo no coração.

E da mesma forma como os primeiros cristãos se reconheciam entre si pelo símbolo do Peixe (representando ICTUS, em grego, o acróstico da expressão JESUS CRISTO, FILHO DE DEUS UNGIDO), os missionários INFILTRADOS no mundo no final dos tempos usarão a cruz orlada como símbolo de apresentação, reconhecimento e exposição de sua obra, que será entendida melhor abaixo.

Os Templários

A Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão (em latim: “Pauperes commilitones Christi Templique Salomonici”), conhecida como Cavaleiros Templários, Ordem do Templo (em francês: Ordre du Temple ou Templiers) ou simplesmente como Templários, foi uma ordem militar de Cavalaria. A organização existiu durante cerca de dois séculos na Idade Média (1118-1312), tendo sido fundada no rescaldo da Primeira Cruzada de 1096, com o propósito original de proteger os cristãos que voltaram a fazer a peregrinação a Jerusalém após a sua conquista.

A ordem foi fundada após a Primeira Cruzada, por Hugo de Payens, em 1118, com o apoio de mais 8 cavaleiros, entre eles André de Montbard, tio de Bernardo de Claraval, e do rei Balduíno II de Jerusalém, que os acolheu em seu palácio em uma das esplanadas do Templo. Nasce assim os Pobres Cavaleiros de Cristo, que, por se estabelecerem no monte do Templo de Salomão, vieram a ficar conhecidos como Ordem do Templo, e por Templário quem dela participava. A finalidade da Ordem era proteger os peregrinos que se dirigiam a Jerusalém, mais precisamente o caminho de Jafa a Cesareia, vítimas de ladrões em todo o percurso e, já na Terra Santa, dos ataques que os muçulmanos faziam aos reinos cristãos que as Cruzadas haviam fundado no Oriente.
Wikipédia

A Ordem Templária tinha profundas raízes na França medieval, e o circuito de imponentes catedrais góticas intituladas NOTRE DAME (Nossa Senhora) em honra a Virgem Maria, compondo, nas cidades marcadas por elas, um mapa aéreo que, traçado, recria a constelação de Virgem (já publicado aqui sobre isso) não deixa dúvidas de que essa Ordem era portadora de grandes tesouros, não de ouro e prata, mas do conhecimento crístico puro, o que irritou o Vaticano, que na época promoveu perseguição contra os cavaleiros e seu líder, até executá-los.

Mas a Ordem se desdobrou, e deixou seu sinal em outras ordens posteriores.
A Cruz de Malta, por exemplo, que embarcou nas caravelas rumo às Américas do Novo Mundo, é um exemplo da continuidade da Ordem sob outras denominações.
Ou seja, o símbolo da Cruz Templária de Cristo… nunca morreu.
Apenas se metamorfoseou.

As várias mutações da Cruz Templária

Ainda que a Ordem Templária tenha cometido seus erros, ainda que outras Ordens antigas e modernas tenham cometido seus erros, é preciso separar o símbolo da ordem. O símbolo continua sagrado em sua essência, e a profecia declara que ele retorna justamente para isso, para transcender religiões, para transcender crenças e letra morta que leva ao fanatismo, e para se viver o verdadeiro sentido da fé cristã nos últimos tempos do mundo.

A mesma cruz que, pintada de vermelho nas brancas velas das caravelas, ostentou a expansão do Império da Cruz Templária rumo ao novo mundo, as Américas. E a História americana das 13 colônias é profundamente maçônica, e as raízes da Maçonaria também estão ligadas a Ordem Templária.

E aqui um novo salto é pretendido: os missionários do fim dos tempos e a realização de um novo Êxodo, não em barcos sobre o mar, mas em UFOs e outras carruagens sobre o Caos… o que os cristãos chamam de Arrebatamento pelos novos barcos voadores de prata…

E nos dizeres do grande profeta argentino, este sinal, cercado por um círculo ou anel, seria o sinal de reconhecimento dos missionários de Cristo (que não seriam deste mundo) quando chegasse os tempos do fim.
Estamos nele.

E se aliens do Bem são autores dos crops circles (venusianos, como eu sempre sustentei) a cruz também é, ao lado do pentagrama, um símbolo venusiano.
O hieroglifo astrológico de Vênus é a cruz debaixo do círculo.

E o grande segredo da cruz dentro do círculo, desse movimento da cruz para dentro do círculo, é a chave da verdadeira cristandade chegando em nosso tempo para a redenção e resgate de muitos corações.

Porque é o SÍMBOLO DO CORAÇÃO PREENCHIDO POR DEUS, POR CRISTO, SEU AMOR, FÉ E VERDADE!

O que transcende a religião no seu sentido inferior de crença cega, fanática, letra morta e sem obras de amor.

O grande profeta Benjamin Solari Parravicini anunciou que, no final dos tempos, novos missionários apareceriam com este símbolo especial de reconhecimento: uma cruz templária dentro de um círculo. O anúncio foi feito em 1972.
Ele disse que essa cruz voltaria ao mundo, a cruz templária dos Guerreiros da Cavalaria Real de Cristo.
Há 48 anos atrás.

E o crop circle tinha mesmo que aparecer na França, onde as magníficas catedrais templárias se encontram, guardando os maiores segredos de uma das ordens mais poderosas do mundo antigo.

Catedral de Chartes, norte da França, não longe de Paris, a catedral mais importante do circuito de catedrais góticas construídas no norte da França por franco-maçons e patrocinada pelos Templários. E o crop circle apareceu no extremo norte da França, não longe da cidade de Amiens, onde também existe uma catedral templária do circuito das cidades que desenham a constelação de VIRGEM (Notre Dame) no mapa do norte da França. Virgem e as catedrais Notre Dame, um mistério a parte dos códigos templários codificando os elementos proféticos do Apocalipse 12.

E se crops circles estão notificando isso agora, de duas coisas podemos estar certos:

  1. estes missionários não são deste mundo.
  2. estamos realmente vivendo os tempos finais.

São mensagens maravilhosas do renascimento da Verdade cristã no mundo, sob uma ótica não mais religiosa, e sim, comportando atos de fé, amor e consciência na prática, reais, como única chave de resgate existente.
Eles estão muito perto de nós. Com instruções precisas para o momento.

Benjamin Solari Parravicini

Chamado o Nostradamus das Américas, se tornou mais conhecido no mundo depois de que a sua previsão do novo papa argentino, no tempo da divisão papal (dois papas vivos, a renúncia de Bento XVI) se cumpriu a risca.
Ele é muito conhecido na Argentina, inclusive, foi um contactado que relata sua experiência dentro de um disco voador de venusianos, recebendo parte de sua missão destes seres, e a outra parte, de seu espírito guia, um anjo que se nomeou José de Aragão.

Benjamín Solari Parravicini (8 de agosto de 1898 – 13 de dezembro de 1974 ) era um artista argentino, conhecido por suas habilidades psíquicas precisas para prever eventos futuros, como o primeiro cão em órbita, o advento da televisão, a inseminação artificial, o incidente das torres gêmeas, o advento da Internet, a crise do canal de Suez, a ascensão de Fidel Castro e muitas outras previsões que se tornaram verdadeiros eventos reais no futuro.

Parravicini é o maior profeta da atualidade. Possui milhares de profecias com grau espantoso de acerto, e não são profecias criptografadas ou cheias de enigmas, como fazia Nostradamus. A maioria delas é clara, direta e espantosamente precisa.

Parravicini era um grande artista, músico e pintor, e um de seus temas preferidos nas telas eram palhaços sempre tristes. A arte desenvolveu em Parravicini seus dons clarividentes e sua sensibilidade profética. E a face dos palhaços tristes são auto-retratos do profeta diante de tantas visões terríveis do mundo moderno à frente.

Então, para entender as profecias de Parravicini, precisamos compreender sua fonte de revelações.
E ela é dupla: um espírito-guia e venusianos.
Não me espanta que este símbolo, a cruz orlada, seja realmente uma modificação do signo mais antigo de Vênus, a cruz e o círculo.
É outra assinatura deles, como o pentagrama.

Inclusive, ele fez profecias e declarações absurdamente avançadas para a época (desde 1936) sobre OVNIS, planetas habitados, civilizações intraterrestres e o passado alienígena da Terra. Se comparado com o evento Roswell, em 1947, quando a temática ufológica se acendeu no mundo, ele a antecipou em pelo menos 11 anos, de modo que ele, Benjamin Solari Parravicini, pode ser considerado o PATRONO DA UFOLOGIA MODERNA.

Nesse desenho, Parravicini ilustra as grandes naves do planeta KI-ENKY descendo na Terra em seus primórdios, e ele declara que elas tinham a forma de grandes peixes vermelhos. Incrivelmente, esta é a mesma descrição que o povo Dogon da África deu para os primeiros instrutores da humanidade, os Nommos, vindos da Estrela-Mãe Sirius em grandes naves na forma de peixes voadores! Os mesmos hospedados no Pólo Sul, em bases secretas, até o dia e a hora do que Parravicini chama TRÊS FUMOS, ou períodos de grandes catástrofes planetárias.

Em 1960, Parravicini fez declarações surpreendentes sobre extraterrestres dos tempos antigos da humanidade e que nunca foram embora, porém, instalaram bases na Antártida, com todo aparato de naves para que, quando chegasse o tempo do fim e das grandes catástrofes globais, esses mesmos extraterrestres iriam se manifestar mais uma vez para cumprir um Novo Êxodo na Terra, por ordem de Deus, o que nos faz deduzir que a identidade dos missionários do fim dos tempos não pertence a este mundo, embora circule nele, como fazem os infiltrados.

O anúncio do Anjo-guia de Parravicini

Praticamente todas as profecias de Parravicini sobre a cruz orlada foram feitas em 1972, porém, antes disso, o profeta foi preparado por seu Anjo e espírito guia com as instruções sobre o símbolo de reconhecimento dos missionários em seu significado essencial.
Segue a apresentação do símbolo pelo espírito intitulado José de Aragão:

Desenho original da cruz orlada entregue a Parravicini pelo seu espírito-guia

Filho, esta noite eu chego a ti para dizer-te: escreve e desenha, é hora de fazer correr a palavra AMOR, Amor na fé e a fé na santa paz. Se vive uma época bizantina, e como nesse ontem, que brilhou com Justiniano I, e nesse ontem entrou a queda de uma civilização e o nascer de outra, e depois de cairem e serem eliminadas totalmente.

A Cruz regressou e de novo se soube de algo importante que havia se perdido.
Mas não quero me estender em História contigo. Mas quero rogar-te, desenha algumas imagens premonitórias que eu lhe darei. Penso que é o momento de fazer correr a palavra AMOR, amor na fé, fé na santa paz.
É o momento de dizer-lhe, porque vêm à Terra o tremor da Ira, e a Ira será cega e cruenta.

Portanto, se ela é cega, e antes que se desate, é preciso fazer ver que a cruz pode ser de novo símbolo de salvação e resgate de muitos que, sem ver, poderão ver, e sem saber, poderão saber.

Tomai a cruz orlada. E tu diras: por que?
Muito simples, filho querido, porque Deus é o Universo, e como o Universo é circular, temos que Deus é círculo, portanto, Deus universal. Esta cruz colocada dentro de um círculo, que pode ser liso ou ornado com chamas, símbolo do Sol, igualmente Deus-Cristo, será amor, fé, luz e se levará sobre o coração, na linha da união dos braços, representando o cruzamento das madeiras.
Toma ela, pois, filho, fala dela, entrega-a, é a hora, envia-a ao nosso irmão que poderá divulgá-la.
Dizei-lhe que é a hora da Cruz Orlada, dizei-lhe que chegou a ele a minha bênção e eu rnovo o meu agradecimento pela mão do amor posta em nosso livro.
O argumento segue nos desenhos”.
José de Aragão – Servidor.

O texto original escrito por Parravicini com as instruções e os desenhos do símbolo anunciado, a cruz orlada

Note a incrível semelhança entre as bordas da cruz orlada e um dos crops circles que apareceu no dia do eclipse solar, 21 de Junho, ornando uma estrela de sete pontas, de caráter iniciático, hermético e alquimista, também associada a Vênus, ordem 7 na Árvore da Vida.

As profecias de Benjamin Solari Parravicini sobre os missionários dos tempos do fim

Vamos agora avaliar as profecias de Parravicini em torno dessa cruz orlada, em 1972.

Começa o Advento da Cruz Orlada”

“Cruz orlada em Amor: a nova fé”.

“Cruzado Santo da Cruz orlada”

(Note que a cruz orlada aparece como assinatura em toda essa série profética da cruz orlada, entre centenas de outras profecias, uma série profética à parte, deixada para o final da carreira do profeta)

“Começa o advento da cruz orlada, mas ainda o impede a máscara do hipócrita da civilização revolucionária e o martelo da voz gasta que foi rebelião e cai, em fadiga. Começa o Amor”.

Parravicini apontou em muitas profecias a inutilidade dos partidos políticos e até religiosos levantando falsas bandeiras em nome de suas hipocrisias mascaradas e desconectadas do propósito divino de ser e estar neste mundo.

“Cruz orlada em amor: a nova fé”

“Cruzada da cruz orlada”

Ele fala numa nova cruzada, não mais empunhando espadas ou buscando riquezas do mundo, mas sim, empunhando o amor e a fé e buscando as riquezas divinas.

“Ao mundo chega, depois do caos, a água da purificação, a água que limpará e outorgará a verdade da luz, a água que entregará a exatidão da fé, a água que regalará a certeza da esperança, a água que realizará o amor em caridade. A Água chega com Jesus.
A água chega com a cruz. Bebei dela, mundo”.

“Chega a unificação das ideias de procedências e das raças. Unificação da Babel mundana na cruz orlada”

“A nova fé dirá: há nascido uma cruz e ela é de Bizâncio, mas não será, porque ela tem o círculo, Deus e o coração: AMOR. Chega a unificação das idéias, de procedimentos, de raças, unificação da Babel mundana na cruz orlada”

Qual a conexão entre Bizâncio e a nova cruz orlada?

IN HOC SIGNO VINCES!

In hoc signo vinces é a tradução latina da frase grega “ἐν τούτῳ νίκα” e significa “com este sinal vencerás”. Segundo a tradição cristã dos primeiros séculos, Constantino I adotou essa frase grega “εν τούτῳ νίκα” como lema.

Outra origem da cruz templária, adaptações da cruz ou sinal de Constantino I

BIZÃNCIO

Bizâncio (em grego: Βυζάντιον; em latim: Byzantium) foi uma cidade da Grécia Antiga, fundada por colonos gregos da cidade de Mégara, em 658 a.C., que recebeu o nome de seu rei, Bizas ou Bizante (Βύζας ou Βύζαντας, em grego). Os romanos latinizaram o nome para Byzantium. A cidade veio a se tornar o centro do Império Bizantino, a parte oriental do Império Romano que falava o idioma grego, da Antiguidade tardia até a Idade Média, sob o nome de Constantinopla. Foi conquistada pelos turcos otomanos, em 1453, e passou a fazer parte do Império Otomano; em 1930 seu nome foi mudado novamente, e passou a se chamar Istambul.

O nome da cidade Constantinopla é uma referência ao imperador romano Constantino, que tornou esta cidade a capital do Império Romano em 11 de maio do ano 330. Dependendo de seus governantes, teve diferentes nomes no decorrer do tempo. Constantinopla foi fundada pelo imperador romano Constantino (r. 306–337) em 324 no local de uma cidade já existente, Bizâncio, que se instalou nos primeiros dias da expansão colonial grega, em torno de 657 a.C., por colonos da cidade-estado de Mégara.

A Aparição da Cruz (Rafaello)

IN HOC SIGNO VINCES

O historiador Eusébio de Cesareia diz que Constantino, ao olhar o sol, viu uma cruz luminosa acima deste, e com ela as letras gregas (X) Chi e (P) Rho, as duas primeiras letras do nome de Cristo, pouco antes da batalha da Ponte Mílvia contra Magêncio, em 28 de Outubro de 312.

Ki-Ro e variações

O monograma é símbolo dos primeiros cristãos e consiste de um composto das supra citadas letras gregas.

Eusébio de Cesareia também nos descreve o Lábaro, o padrão militar histórico usado por Constantino em guerras mais tarde, contra Licínio, mostrando o sinal da (X) Chi e (P) Rho.

As origens do símbolo na junção com o início do Cristianismo apontando para um renascimento da Verdade crística sob novas bases, renovadas bases, em consciência do amor e amor consciente.

“Amor será em amor sem distinções. A nova cruz será cruz em amor”.

“O Amor do novo milênio mostrará a nova cruz, da fé renovada e a cruz nova será em âmbito de irmandade”

“O mundo se afunda e a Mão em amor se eleva: chega a cruz orlada”

“O mundo cairá para o espaço, mas a cruzada do novo símbolo: a cruz no coração, cruz orlada em amor. Cristo-circulo-Deus lhe situará”

“Chegam as cruzadas e serão legião. A Cruz orlada”

“A nova cruzada começará com os fumos. Três serão e três serão as suas etapas: cruz orlada, amor em amor, e Cristo”

Três fumos, na linguagem de Parravicini, são um conjunto de forças caóticas previstas para os fins dos tempos, algo que o Apocalipse chamou de “três ais” de forma similar.

“A nova fé transformará a civilização desfeita. A cruz orlada dará fe”

“A nova cruz derrotará o ateísmo”

“Orla, Sol, amor, luz. A Nova cruz e a Igreja renovada”

Paz, amor, chega a nova cruz orlada”

“Peregrinos cruzados correrão os âmbitos pregando a verdade da cruz orlada. O mundo será em amor”.

Chegam os cruzados da cruz orlada”

A hora da cruz orlada. Mensagem branca na hora gris (cinza)


A Cruz celta

Diante da grande semelhança entre vários desenhos do profeta com a cruz celta, anterior ao próprio cristianismo, algumas palavras sobre ela:

A cruz celta ou cruz céltica combina a cruz com um anel que lhe faz interseção por trás. É um símbolo que caracteriza os celtas, e suas origens são anteriores ao cristianismo. Esta cruz representa uma das principais formas na arte deste povo.
Existem numerosas representações da cruz combinada com um círculo, ao longo da história da cristandade. A chamada Cruz do Sol, que tem sua origem no paganismo do Noroeste Europeu – que simbolizava o deus nórdico Odin – e ainda nos Pireneus e na Península Ibérica – sem que haja uma origem comum entre estas e a cruz cristã.

Note-se que antigamente a palavra “cruz” no Inglês antigo/Anglo-saxão, significava “rood” (cruz de Cristo ou crucifixo). A palavra “cruz” em Inglês tem origem indirecta do Latim crux, crucis, passando para kross através do Nórdico primitivo. Linguisticamente é surpreendente a forma como os invasores pagãos nórdicos/escandinavos (“vikings”) devem ter adaptado a palavra deles para “cruz” nos anglo-saxónicos que se tornaram Cristãos.

A cosmologia da cruz orlada

Evidentemente, estamos diante de um símbolo realmente importado das estrelas, e é grande a quantidade de símbolos de cruz encontrados entre os povos pré-colombianos, cultura totalmente oposta aos modelos do Velho Mundo e no entanto, cheia de similaridades. Os povos das Américas diziam que era o simbolo dos deuses brancos que lhes ensinaram muitas coisas, os venusianos, e que prometeram voltar no final do grande ciclo (ajustado no calendário maia também entregue por venusianos a eles, conforme Parravicini atestou profeticamente).

Estamos diante da mesma renovação cristã proposta por São Francisco de Assis na Idade Média, quando a Igreja Católica assumiu o controle político de tudo, voltando seus interesses para o materialismo.
E São Francisco exaltou a pobreza, a simplicidade e a humildade como lemas dessa reforma da Igreja, a verdadeira Igreja de Cristo.
E qual foi o seu sinal de reconhecimento entre os monges franciscanos?
O TAU, cruz modificada!

O mesmo TAU ou sinal da cruz com sangue de cordeiro que Moisés ordenou que os hebreus cativos no Egito desenhassem nas portas e janelas de suas casas para protegê-los da passagem do Anjo da Morte. A mesma ideia da nova cruz em nosso tempo, como proteção e guia da luz em tempos de escuridão e incerteza nos chega daqueles que estão (infiltrados) neste mundo, porém, não são deste mundo.,,

Cruz solar orlada de Cristo aparece em Bucaramanga, Colômbia, 2011

Cruz, em todas as suas formas e expressões, signo da corrente ariana-venusiana no passado remoto da Terra, o Ank do Egito, o Tau franciscano, a cruz cristã, céltica, maia, suástica, enfim, cruz dos quatro cantos da Terra, sinalizando todos os pontos do planeta desde a sua fundação por venusianos (Sanat Kumará e o acervo dos Vedas), a cruz dos quatro espíritos sustentadores da matéria e dos quatro elementos, a cruz dos quatro ventos, chamando a grande família reunida no círculo e numa expressão unificada que pretende reunir o que o mundo moderno separou, fragmentou e caotizou com essas ações ateístas e materialistas da atualidade.

Se o Triângulo é o símbolo da identidade espiritual de Deus, a Cruz e o círculo representam sua identidade criadora em todas as partes, coisas e seres, centralizada no coração: essa é a mensagem central da cruz orlada, isto é, fazer expressar todo o poder do coração na forma do amor que se expande e abraça o mundo.
E a grande família será restituída. Isso é o conceito da Igreja de Cristo.
Nada mais e nada além…

Anjo crop circle, Inglaterra, 25.06.2020

O que explica porque o primeiro crop circle da temporada 2020 mostrou um Anjo com um enorme coração…


O sinal dos missionários dos tempos do fim no novo crop circle

Aqui está a matéria completa, e ela deu bastante trabalho. Deve ser lida e relida, estudada mesmo, dada a sua grande importância. E eu a compartilho gratuitamente com todos, aliás, solicito apenas um preço: compartilhem tambem com o máximo de pessoas que puderem. Porque a cruz da nova fé poderá ser a única porta para muitos quando os maus dias chegarem, e já chegam. Compartilhem e expliquem aos que não compreenderem e saírem a atacar o símbolo sagrado da cruz por causa do mal exemplo da Igreja mundana e das outras religiões, explicando-lhes que esses missionários não são deste mundo e não estão atrás de dízimos. Pelo contrário, eles é que nos doarão o novo sentido e poder da cruz de Cristo, tão rebaixada por causa dos maus exemplos da Igreja antiga e moderna.
Sei que muitos ficarão cegos e surdos por causa destas coisas, mas a Verdade de Cristo nunca mudou, e ele mesmo disse, nas palavras do Evangelista: “A Luz brilhou nas trevas, mas as trevas não a compreenderam”.
Esse mundo é trevas. As igrejas mundanas, apesar de cumprir um papel, são trevas.
Mas agora chega a luz da sua Verdade, que nunca foi deste mundo, embora precisasse descer a este mundo para fazer a luz brilhar nas trevas, sacrifício elevado porque as trevas mataram a luz do amor, e o amor não foi amado…

Temos que anunciar ao mundo o sinal daqueles infiltrados que chegam para nos ajudar, que estão neste mundo mas não são deste mundo, falando do verdadeiro significado da cruz e do verdadeiro espírito de Cristo entre nós.
Uma das postagens mais importantes escritas nesta página e blog.
Se não for a mais importante, considerando o teor dos dias futuros… e neles, saberemos o valor da cruz orlada.

E se alguém algum dia bater na sua porta, falando do Amor maior, vibrando o Amor maior e lhe assinalar com o sinal da cruz orlada… escute-o com atenção.
E com o coração!

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca falha…”

1 Coríntios 13:1-8

JP em 07.07.2020

Veja tambem:

Comentários
Compartilhar