O Olho de Deus e o código dos portais dimensionais

A chave da Cabala

O Olho de Hórus é um dos símbolos mais antigos relacionados ao Olho de Deus e à Onisciência Divina.

O Olho que tudo vê, e todas as derivações que o símbolo sofreu com o passar do tempo ao cair nas mãos dos maçons e das ordens secretas, transformando assim um símbolo positivo e divino num símbolo maligno, que significa AS TECNOLOGIAS DE CONTROLE DA HUMANIDADE, o que acontece literalmente, de fato, nos tempos em que vivemos, onde esse OLHO QUE TUDO VÊ está presente em todos os setores que empregam tecnologia moderna para sondar as pessoas, seus hábitos, transações financeiras, etc.

Por isso, o Olho que tudo vê foi usado como LOGO do Sistema para desenvolver e aplicar tais tecnologias de controle, o que facilita o domínio do mundo.

O Olho artificial, diferente do Olho espiritual da Onisciência Divina, como era o significado do Olho de Hórus para os sábios do Egito antigo.

Infelizmente, pela ignorância moderna manipulada pelo Sistema, todos estes símbolos sagrados do passado estão sendo interpretados como malignos, satânicos desde a antiguidade.

Mas a verdade é que quem satanizou tais símbolos foram as Ordens secretas de humanos interessados no poder que estes símbolos e conhecimentos do passado continham, já que os antigos sábios os usavam como meio de acesso e comunicação com os seres superiores do Universo.

Logicamente, o sentido desse Olho que tudo vê também é de natureza paranormal, especialmente relacionado à terceira visão (no centro da testa) e na polividência (glândula pineal), faculdades mentais superiores que os antigos sábios desenvolviam mediante técnicas e trabalhos específicos de alquimia, transmutação das energias internas (energia vital instintiva transformada em psiquismo mental superior), o que também lhes abria faculdades de contato com os deuses em suas dimensões invisíveis.

Muitas são as passagens bíblicas onde Deus abre a visão de certas personagens, e elas passam a ver além do véu 3D.

Um conhecido caso foi o do servo de Eliseu que, tendo sua visão aberta, viu exércitos espirituais (ou alienígenas) no céu, na forma de um exército de cavalaria e cavalos de fogo.

Isso nos leva a refletir como a humanidade limitada em sua visão formula conceitos deturpados de tudo!

“E o servo do homem de Deus se levantou muito cedo e saiu, e eis que um exército tinha cercado a cidade com cavalos e carros; então o seu servo lhe disse: Ai, meu senhor! Que faremos?
E ele disse: Não temas; porque mais são os que estão conosco do que os que estão com eles.
E orou Eliseu, e disse: Senhor, peço-te que lhe abras os olhos, para que veja. E o Senhor abriu os olhos do moço, e viu; e eis que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu.”

Leia também  Monolitos: a Dualidade

2 Reis 6:15-17

O Sistema inverteu isso, e explorou tais símbolos e conhecimentos não para se contactar com os deuses e espíritos superiores, mas sim, para aprisionar a humanidade em eterna ignorância, exercendo o controle de tudo pelo poder obtido.

Conhecimento dá poder, mas a intenção do poder depende de quem o utiliza.

Contudo, o Olho traz outro código oculto interessante:
Ele se relaciona ao código dos portais para as dimensões paralelas do Universo (onde moram os deuses que conhecem os humanos, mas os humanos não podem conhecê-los nas masmorras do mundo tridimensional).

Desde o episódio da Torre de Babel (Gênesis 11) onde os homens queriam construir uma torre tão alta que checasse o céu e a casa de Deus, intenções tecnológicas de se rasgar o véu e conhecer o outro lado da matéria são conhecidas.

Tentam lançar foguetes e naves cada vez mais longe, no espaço aberto, e tentam mergulhar no coração da matéria, cada vez mais fundo, NÃO PARA PROVAR AO MUNDO QUE DEUS EXISTE, mas para descobrir que poderes são estes que os antigos conheciam e sabiam manipular, conforme os registros de todas as partes do mundo antigo.

O código da Cabala nos alinha três termos em hebraico, que contém uma correlação de significados dentro do contexto das dimensões ocultas, o alvo do Olho amplificado.

O Monte Sinai
A Escada de Jacó
O Olho de Deus

Porque cada um destes termos tem o mesmo valor numérico: 130
E 130 se reduz a 1+3 = 4, os domínios da quarta dimensão onde o acesso (ponte, teletransporte, portal) se manifesta.

E o arcano 13 no Taro significa MORTE ou PASSAGEM para outro estado, consciência, dimensão, etc. Porque mudar de dimensão implica antes em mudar de frequência mental e consciência que habilite a pessoa a perceber que está em outro plano do Universo.

SINI (Sinai) = SLM (escada) = HwIN (Olho)

Começando com o Monte Sinai, onde Moisés teve um encontro com “Deus” ao entrar nos domínios dimensionais dos deuses (Sinai, a ponte de acesso á quarta dimensão).

Este nome vai buscar a sua origem no deus Sin, deus da Lua.
Por isso se diz que Sinai é a “Terra da Lua”; e a terra das águas turquesa da Paz.

Sinai, Terra da Lua, isto é, fora da terra, num outro plano, dimensão.
E exatamente, os cabalistas antigos associavam a esfera da Lua com a quarta dimensão, nomeada, na Árvore sefirótica das dimensões do Universo, de JESOD, o fundamento da matéria.
A Quarta dimensão é o fundamento energético da terceira dimensão.

Leia também  A Verdadeira Magia é operada pela Mente

SLM, escada.
Esse é o termo usado no Gênesis 28 para identificar o sonho de Jacó, que viu o céu aberto e nele, suspensa, uma enorme escadaria por onde os Anjos subiam e desciam do céu, encimada pelo Senhor dos Espíritos, YHWH.

E finalmente, o Olho, Hwain, a letra 16 do hebraico, assimilada ao arcano 16 do Taro.

A imagem simbólica deste arcano é a de uma grande torre que tem acesso à casa de Deus (outro nome deste arcano) e que lá do alto, despencam duas entidades, um rei e um plebeu.

Monólitos, na qualidade de objetos que ligam a terra ao céu (representavam isso na antiguidade) e que também podem figurar como artefatos tecnológicos de teleportação, também se ajustam ao simbolismo antigo da “Torre”.

Fora o contexto psicológico de significação da carta, ela é uma clara alusão à Torre de Babel no passado, e na era moderna, aos riscos de uma tecnologia inconsciente se propor a abrir os domínios dos deuses em outras dimensões.

Projeto Philadélfia (1)

O exemplo não oficial mais conhecido foi o projeto Philadélfia, onde um barco foi transportado acidentalmente para a quarta dimensão, ocasionando mortes.
Tal barco ficou cercado de portais em forma de OLHO, o que justifica o uso dessa simbologia no passado para todos estes conhecimentos.

Porque era em forma de OLHO que os portais apareciam para os antigos.

Experiência Filadélfia ou Projeto Filadélfia foi um suposto projeto naval militar realizado no Estaleiro Naval da Filadélfia em Filadélfia, Estado da Pensilvânia-EUA, por volta de 28 de Outubro de 1943,e que foi atribuído a Nikola Tesla, na qual o destróier de escolta USS Eldridge tornou-se invisível aos observadores por um breve período.
É também referido como Projeto Rainbow.

Farsa ou acobertamento? Quem acredita totalmente nessa ciência manipulada pelo Sistema que a financia?

Através dos Olhos de Deus abertos, eles subiam nas pontes, nos montes e nas escadas que davam acesso às suas muitas moradas.

Projeto Philadélfia (2)

O risco está em empregar estes conhecimentos com tecnologia sem consciência, isto é, movendo-se por outros interesses, poderio militar, por exemplo.

A queda da torre através de um raio fulminante significa
QUE O HOMEM SEMPRE SOFRERÁ AS CONSEQUÊNCIAS AO LIDAR COM ENERGIAS, FORÇAS E MISTÉRIOS QUE DESCONHECE… perante os quais ainda tomba completamente inconsciente.

JP em 08.04.2021

Comentários
Compartilhar