MistériosTerra

O Grande Dragão Vermelho P 7X

(interpretação do texto do Apocalipse)

“E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça.
E estava grávida, e com dores de parto, e gritava com ânsias de dar à luz.
E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas.
E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra; e o dragão parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o filho.”
Apocalipse 12:1-4

A cronologia dos eventos cosmológicos descritos no Apocalipse está perfeita.
O Apocalipse 12 fala de dois grandes sinais que, no final dos tempos, seriam vistos:
Primeiro, uma Mulher vestida de Sol, com a Lua aos pés e doze estrelas sobre a cabeça, grávida, prestes a dar a luz a uma Criança.

Em seguida, surge diante dela um grande dragão vermelho.

Ora, o sinal da Mulher celeste ocorreu com precisão astronômica dentro do alinhamento planetário de 23 de setembro de 2017, verificado entre as constelações de Leão e Virgem (a Mulher celeste).

E de uns anos para cá, o objeto P 7X foi se aproximando e mostrando sua aparência, que realmente lembra um “dragão vermelho com grandes asas” (conforme a visão do profeta de Patmos, há dois mil anos).

Na cronologia dos eventos, o dragão apareceu DEPOIS daquela Mulher solar (depois de 2017) com maior nitidez, mostrando suas asas abertas.

E ele derruba com sua cauda 1/3 das estrelas do céu.
Sabemos que o objeto não vai colidir com a Terra. O perigo é o estímulo gravitacional que ele produz com sua passagem (a cauda derruba as estrelas do céu).
E a cauda deste dragão é repleta de objetos que ele carrega, detritos, asteroides…
Esses objetos da cauda podem também cair na Terra conforme a passagem da estrela vermelha pelo Sol, contornando-o como um cometa cíclico.

Artigos relacionados

E o dragão duelará contra o Sol, na seguinte passagem:

“E houve batalha no céu; Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e os seus anjos;
Mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus.
E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele.”
Apocalipse 12:7-9

Miguel é o Anjo do Sol, e este Dragão vai encarar o Anjo do Sol.
E quando se aproximar dele, em órbita de máxima aproximação, gerará uma “batalha gravitacional” intensa, e o Sol, claro, prevalecerá, e o resultado será a queda do dragão (e seus demônios, os detritos que carrega na cauda) na Terra.

O dragão mesmo não cairá na Terra, o que cai é a sua energia gravitacional.
Quanto aos objetos que ele carrega na cauda, podem sim, cair.
E foram descritos como os demônios do exército daquele dragão.

E a visão do Apocalipse 12 (o divisor de águas de todo o livro da Revelação) termina com o Dragão caido na Terra e perseguindo a mulher que, em certa medida, é Gaia, a própria Terra, sofrendo os efeitos cosmológicos daquela passagem violenta do objeto pelo Sol.

E em seguida, o Dragão inicia uma guerra mundial!

A impressionante cauda do objeto P 7X

A precisão da cosmologia profética do Apocalipse é assustadora.
E em paralelo com estes eventos do Apocalipse 12, João anuncia a grande guerra global para uma mesma época (a Besta de Sete cabeças em conflito sobre o mar da humanidade).

Eventos acontecendo ao mesmo tempo, conforme o Apocalipse.


E se uma guerra global é uma ameaça cada vez maior, a aparição do dragão vermelho a olho nu também, e sabemos que a energia desse objeto afeta também a psicologia das massas, de modo negativo.

Essa é a ciência da visão unificada de tudo, causas em movimento, efeitos em manifestação.
Universo integrado ao humano, à humanidade.

A Doutrina do amanhã.

JP em 31.03.2022

Comentários

Botão Voltar ao topo