O dia dos quatro cavaleiros do Apocalipse no céu?

Pelos meus conhecimentos de Astrologia, o que poderia significar atualmente vetores de influência astrológica relacionados com a atual pandemia e os tempos do Juízo Final, conforme as marcações do Apocalipse?

O principal argumento está em Netuno-Peixes.
E o segundo, a reunião planetária em Capricórnio: Marte, Júpiter, Saturno e Plutão.

Netuno se encontra em seu próprio domicílio zodiacal, Peixes.
E Netuno fala em dores, em penitência, em perdas materiais e ganhos espirituais.
Ilusões e enganos (e o mundo nunca esteve tão confuso diante das teorias conspiratórias e dos teatros dos poderosos, sem saber para onde ir).
Netuno em Peixes pode multiplicar sim, tudo isso.
Netuno entrou em Peixes no ano de 2011, em 4 de abril daquele ano, menos de um mês após a terrível tsunami do Japão. E há pouco para 2012, as coisas não tem sido fáceis desde então, e o mundo nunca mais foi o mesmo.

Curiosamente, Netuno começa a sair de Peixes em meados de 2025, e esse ano cumpre sete anos exatos desde a profecia dos 70 anos de Israel, cumprida em 14 de Maio de 2018 (2018 + 7 = 2025).
Até lá, os sete anos finais de Netuno na casa da Expiação (XII) continuarão.
Os sete anos finais da profecia de Daniel? Tudo está indicando.

Outro astro impactante é Urano, que entrou no signo de Touro no mesmo dia em que Israel completou 70 anos, em 14 de maio de 2018. Atualmente, Urano transita sobre o primeiro decanato de Touro. E Touro é, tradicionalmente, o signo do planeta Terra. E Urano passa em média, sete anos em cada signo. Então, Urano passara sobre Touro até meados de 2025, se alinhando com o mesmo período de Netuno sobre a segunda metade de Peixes.

Urano traz transformações aceleradas e imprevistas, estas coisas foram todas faladas em postagens antigas, do ano de 2018, que estão se efetivando na atualidade.

A Astrologia é o Livro do Destino e o Relógio do Karma, quando bem interpretada.

E quanto à reunião planetária atual em Capricórnio?

Capricórnio é o signo de Saturno, relacionado à morte e ao destino.
E atualmente, quatro planetas transitam sobre si:
Marte, Júpiter, Saturno e Plutão (além do misterioso objeto P 7X).

João fala que, quando os quatro primeiros selos do Grande Livro do Destino fossem desatados, quatro cavaleiros sairiam, e quatro anjos (analogamente) iniciariam processos apocalípticos sobre a Terra, baseados no Dia do Juízo Final (Sexto Selo).

Ora, Marte sempre foi o planeta ligado à guerra, associado à cor vermelha (o segundo cavaleiro).
Júpiter é o pai dos deuses e líder do Olimpo: ele pode ser associado ao primeiro cavalo, branco, e o líder armado sobre ele. Porque o cavaleiro tinha um arco e flecha como arma, e essa é a arma do Centauro, signo de Sagitário, regência de Júpiter.
Saturno é o astro das colheitas, do tempo, do karma e destino em geral.
Cronos é o pai dos deuses maiores (Júpiter, Netuno, Plutão) e suas regências.
Sua cor sempre foi negra (o Anjo da morte) mas aqui, pode ser facilmente associado ao terceiro cavaleiro, e o cavalo de cor negra.
Finalmente, Plutão, cujo nome é Hades e Inferno… e é a morada dos mortos, e que pode ser associado facilmente ao quarto cavaleiro, no aspecto astrológico e simbólico.

Quando começou a reunião planetária destes quatro astros em Capricórnio?
Começou a ficar intensa quando Marte entrou em Capricórnio, no dia 17 de fevereiro.
Neste signo já se encontravam, então, Júpiter, Saturno e Plutão, e seu maior agrupamento se deu por estes dias, entre 18 e 20 de março, com efeitos planetários descritos.

A reunião dos quatro astros continua, mesmo com Saturno entrando agora em Aquário, no dia 22 de março (amanhã).
E prossegue até o começo de Abril, com os quatro planetas “confinados” dentro de um arco de cerca de seis graus, intensificando as energias relacionadas. E como o objeto P 7X está no meio dessa reunião toda, poderemos continuar a sentir impactos da energia sobre a Terra no período.

Mas o que me parece é que, combinado esse sinal com os eventos galopantes na Terra na entrada desse ano de 2020, e realizando aquelas somas, 20+20 = 40, e 40 é penitência e, literalmente, quarentena (e todo o planeta de quarentena obrigatória bem nos tempos da quaresma de Pascoa), e o fato de 2+2 = 4, 4 cavaleiros, 4 planetas numa reunião relativamente rara e com símbolos planetários e astrológicos tão bem alinhados com o livro do Apocalipse… eu diria que o dia 18 de Março de 2020 começou a realizar essa profecia em termos de aspectos de sinais celestes.

Outros sinais já foram identificados, como o grande eclipse solar de 21 de Agosto de 2017 e, 33 dias depois, o grande sinal do alinhamento planetário na constelação de Virgem, em 23 de setembro de 2017, como anunciado no Apocalipse 12. E no ano seguinte, 2018, aniversário de 70 anos de Israel, conforme a profecia declarada por Jesus no capítulo 24 do Livro de Mateus, que anuncia que, a partir deste dia, tudo o que foi anunciado na Escatologia seria cumprido.

Mas as pessoas esquecem os eventos dos anos anteriores, se esquecendo que são níveis e níveis de uma construção astrológica de um edifício chamado Destino… Então, chegamos em 2020, e os quatro planetas do Apocalipse se reunindo.

Quatro cavaleiros, quatro espíritos planetários, Marte, Júpiter, Saturno e Plutão no signo do Destino, Capricórnio, signo X, a Roda, o Tempo, o Karma.

E pertinho do objeto P7X, Nêmesis e dragão vermelho no céu, também descrito no Apocalipse 12!

Lembrando que o Apocalipse tem muitas relações entre visões do profeta de sinais astrológicos que deveriam ser lidos conforme seus efeitos no destino.

Mas se a astronomia oficial mal sabe explicar o motivo de eclipses, agrupamentos e alinhamentos planetários gerarem todas essas perturbações de energia no Sol e na Terra, quanto mais saberão explicar sobre o potencial psíquico dos astros imprimindo mudanças nos destinos da humanidade…

*************************************************

Para quem não acredita em Astrologia…

Boris Cristoff, um dos astrólogos mais famosos do Uruguai, previu uma pandemia que afetaria muitas pessoas em 2020.

Em abril de 2016, o astrólogo fez uma previsão terrível em uma entrevista ao El País durante o ciclo de Encuentros en El País.

Ele explicou que, ao contrário do que aconteceu em ocasiões anteriores, neste caso haveria mais população no mundo, o que daria uma magnitude maior:

Neste século, em breve, em 2020, haverá outra pandemia. Em 2020 haverá outra pandemia e essa é pior.

E tão obviamente aconteceu. Em 11 de março, o Diretor Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou que o coronavírus (Covid-19) passou de epidemia a pandemia, afetando muitas pessoas em todo o mundo.

JP em 21.03.2020

Comentários
Compartilhar