Idolatria e fanatismo

São ações geralmente conjugadas num mesmo espírito acometido por uma paixão desenfreada, uma adoração cega, uma emoção perturbada por uma terrível confusão de valores.

“Fanático” veio do Latim FANATICUS, “louco, entusiasta, inspirado por algum deus”, originalmente “relativo a um templo”, FANUM.
“Ídolo” vem do Grego EIDOLON, “aspecto, imagem mental, fantasma, aparição”, também “imagem material, estátua”, de EIDOS, “forma”.
O fanático é inclinado a Idolatria, ao endeusamento de coisas, objetos e pessoas totalmente destituídas de caráter sagrado.

Essa é uma notável fraqueza humana que o Sistema explora abundantemente, criando ídolos de adoração popular que possa adormecer a massa e ao mesmo tempo se tornar fonte de tributos da parte da mesma massa adormecida, que fará tudo pelo seu ídolo pessoal, e não economizará nem dinheiro e nem paixões para manter seu cultivo.
Para se construir um ídolo qualquer, basta uma exposição maciça da “personalidade” do ídolo nos meios de comunicação, e o culto rapidamente se estabelece.

O ídolo, como a origem do termo define, procede de uma imagem mental esculpida pelas mídias. Como pessoa, o ídolo não corresponde geralmente a nada do que se prega a seu respeito, como se fosse um ser sobrenatural.
Geralmente são até piores que as pessoas comuns em suas vidas comuns.

Mas as mídias os esculpem como se fossem divindades, e consegue fazer multidões se arrastarem atrás deles, quando isso se faz lucrativo para diversos setores envolvidos na projeção do ídolo como um boneco manipulado por outros interesses.

Desde o episódio do bezerro de ouro e a idolatria no deserto praticada pelos hebreus, sabemos que toda forma de idolatria não precisa ser necessariamente direcionada a objetos inanimados.

Leia também  A Partícula de Deus em nós

Pelo contrário, ela é muito mais comum e lucrativa quando envolve seres humanos esculpidos pelo sistema à imagem e semelhança de “deuses”. repletos de carisma, beleza, ou qualquer outro atributo explorado e comercializado que possa exercer fascinação popular.

Porem, eu só não entendi uma parte dentro da mais atual reação alucinada das pessoas diante de mais um ídolo fabricado pela mídia que se vai:

Deus morre?

Jonas Passos em 26.11.2020

Comentários
Compartilhar