Feliz Ano Velho

Neste 2021
Olhos nos céus e pés na magia…

Já foi o tempo de se ter os pés na terra
quando ela não era contaminada pela mentira,
e pela manipulação dos que mandam na Terra
com o patrocínio da ciência ateísta, materialista,
míope e resistente ao universo extraterrestre
se portando da mesma forma como a Igreja medieval
resistente ao Sol, e não a Terra, no centro do sistema
e a possibilidade de outros mundos habitados.

A moderna ciência é tão medieval nesse aspecto
como era a Igreja católica.
E ainda se crê avançada?

Pés na terra, hoje, significa continuar dormindo
embalado pelas mentiras do Sistema
rezando nos altares falsificados da ciência moderna.

Ter os pés da magia significa acreditar
que o extraordinário, o impossível
e o transcendental
podem acontecer a qualquer momento
para quem traz seus olhos nos céus
e seus corações em Deus.
O ceticismo traz correntes nos pés
e por isso, nunca voa,
porque tem medo de sair de sua caixinha quadrada
aquele mundinho confortável que construiu para viver e sonhar,
regido pelo egocentrismo servido por muitas órbitas ao redor do seu umbigo.

Liberte-se do ceticismo,
porque essa é a viseira que a ciência negacionista,
ateísta, materialista, está colocando em todas as almas
para elas acreditarem que tudo é matéria
e tudo começa no berço
para terminar na sepultura
levando a humanidade a colocar todas as suas energias na matéria, no materialismo e no consumismo
o que dá renovado vigor ao Sistema que ela, a ciência míope
vem servindo desde quando passou a negar Deus
contrariando os grandes gênios do passado
como Galileu, Roger Bacon, Isaac Newton e Einstein
que nunca negaram Deus
e por preservá-lo em seus corações
receberam sua inteligência genial.

A ciência moderna vendeu a sua alma ao Sistema
e trabalha para você fazer o mesmo.

“Deixai vir a mim as criancinhas
porque delas é o Reino dos céus”.

“Feliz Ano Velho”

E a ilusão se repete todos os anos, na mesma data, 31.12, que, para o TEMPO em si mesmo, nada traz de novo, só porque nosso incorreto calendário muda os digitos finais do ano oficial em curso.
Desta vez, de 20 para 21.

Para o TEMPO EM SI MESMO, isso não acrescenta uma vírgula de NOVO a nada e a ninguém, embora para o ritual social e comercial dos anos, seja importante (e lucrativo) pensar assim, vestir branco, pular ondas, e todas as pequenas bobagens e pecados perdoáveis do costume humano.

O tempo é como um rio, e Leonardo da Vinci já fazia essa analogia.
Imagine um rio atravessando uma planície.
Vá em qualquer ponto da margem desse rio, e faça uma marca, e coloque à esquerda da marca (na parte anterior do rio) o número 2020. E coloque à direita da marca (na parte posterior do rio, que sempre corre para uma direção – o mar) o número 2021.

Você vê alguma mudança no comportamento do rio ao passar pela marca fictícia que você colocou ali?
O rio mudou alguma coisa no seu percurso depois de passar pela marca que os humanos inventaram, ou continuou sua marcha normal até o mar?

Vamos usar outra analogia.
Uma pedra caindo.
Imagine uma pedra caindo em vários estágios. Imagine cada estágio, um dia, mês e ano que passam.
O que atrai a pedra na sua queda é uma lei da Física chamada Gravidade.
Até podemos calcular sua força, segundo Isaac Newton: F = mg
Força da queda é igual a massa da pedra multiplicada pela aceleração natural da gravidade da Terra (g, que vale aproximadamente 9.8 m/s2)

Sendo assim, a Terra exerce uma força sobre os corpos, a qual é chamada de força gravitacional.

Pela equação, quanto maior a massa do objeto, maior será a força de impacto na queda, embora a taxa de sua aceleração na queda seja uma constante (g), o que significa que uma pedrinha e uma pedrona cairão juntas no chão, se atiradas de um mesmo ponto de altura h, porém, a força de impacto da pedra grande (M) será muito maior que a força de impacto da pedra pequena (m), ambas caindo juntas.

Isso me faz lembrar que o KARMA, a força de atração que prende todas as almas na matéria, é a mesma, seja para reis, seja para plebeus.

Na linha desta analogia, consentida pelo simbolismo do Arcano 16, a Torre fulminada, que é a Justiça do Karma fazendo precipitar de igual forma tanto reis como plebeus, é o Karma em ação que faz a humanidade cair.

Karma significa lei de ação e reação aplicada sobre uma causa original.
Da mesma forma que a massa da pedra rolando na montanha é que a torna pesada em sua queda, o Karma da humanidade é a CAUSA de sua queda, e essa queda não mudará em nada só porque os humanos fizeram uma marquinha no morro onde ela despenca.

Só existe uma forma de atrair o NOVO para o ano que vem, ou qualquer novo dia e mês.
Mudando a causa original que impele a queda da pedra.

A pedra chamada humanidade anda cada vez mais pesada, pesada em sua maldade, violência, arrogância, destruição do mundo e do semelhante em nome da cobiça, religiões de mentira e enganadores, apostasia, deboche contra o Sagrado, luxúria e depravação cobrindo os quatro cantos da Terra.

O NOVO em 2021?

Isso vai contra todas as leis da Física ou do Karma.
Se a pedra continuar com o mesmo peso e carga de maldades, ela continuará rolando no desfiladeiro do tempo com velocidade cada vez maior, até se espatifar contra o chão.

E nada poderá mudar isso. Somente a humanidade.
Mas a mudança não virá com rituais vazios e nem com modismos de positividade sem obras, sem ações reais na direção da mudança.

Tudo isso também será esquecido no dia primeiro de janeiro, e ao longo de 2021.
Da mesma forma como a humanidade fez sua marca no fluxo do tempo entre 2019 e 2020.
E nada funcionou.

É hora de acordar.
Porque tanto a Gravidade da Terra como o Karma cósmico continuarão no mesmo lugar.
Não são as leis de Deus que tem que mudar.
Mas a humanidade!

Observação importante:
O Ano Novo, o dia novo, o minuto novo daqui a pouco só virá para quem está mudando e criando o novo dentro de si mesmo. Isso também é karma, karma modificado segundo a lei da atração.
Para o resto, será o mesmo infeliz ano velho de sempre…

Feliz saída de 2021…

JP em 31.12.2020

Comentários
Compartilhar