Depressão é o oposto da Gratidão

“Depressão ou transtorno depressivo maior é uma doença comum e séria que afeta negativamente como você se sente, como pensa e como age. Felizmente, também é tratável. A depressão provoca sentimentos de tristeza e/ou perda de interesse em atividades que em momentos anteriores traziam prazer.” (Fonte da Internet)

Mais uma doença crônica da alma… ou do ego?

A depressão costuma se instalar após um desânimo local em função de perdas ou eventos desagradáveis que não foram trabalhados pela compreensão. Uma pessoa que se diz “espiritualizada” nunca poderia abrigar depressão ou alimentar o desânimo circunstancial de tal forma que ele se converta em depressão.

Isso porque, tudo o que alimentamos em nossa mente, é tudo o que irá controlar a nossa vida.
Problemas, que não os têm?
Pêrdas, quem não as sofre? Todos, todos nós.
A forma como reagimos diante de tudo isso, com pena de nós mesmos (auto-piedade) ou com coragem, é o que define os rumos da cura… ou da doença.

A depressão acontece dentro de uma combinação de auto-piedade com egoísmo, porque a pessoa fica tão centrada no próprio problema (ego-centrismo) que se esquece do mundo lá fora e das pessoas que a amam e lhe precisam.

Por outro lado, quando um problema acontece a esta pessoa, ela se concentra tanto nesse problema ou perda que se esquece depressa de todas as outras dádivas que a vida lhe deu, e que não deixaram de existir por causa daquela perda ou problema circunstancial que lhe está abatendo.

Assim, a depressão só se instala e se propaga numa alma carente de gratidão.
E por causa de um único problema, ela se esquece de todas as dádivas que a vida lhe deu.
E se entrega ao derrotismo, movida por auto-piedade.

Faria bem a essa pessoa, de repente, circular por hospitais e constatar tantas pessoas com doenças realmente graves e sérias, com risco de morte, mas que podem estar rindo ou lutando com alegria contra seu problema.
E nos mesmos hospitais, e orfanatos, e asilos, ver outras pessoas voluntárias levando alegria e amizade aos que sofrem. De repente, o ser deprimido poderia se curar somente participando destes grupos voluntários de alegria e amor aos que sofrem, resolvendo seu problema simplesmente deixando de focalizar sua atenção total nele, deslocando o ego-centrismo para o altruísmo.

Depressão é uma doença da alma ainda ego-centrada e repleta de auto-piedade, que por causa de um problema, se esquece de agradecer as mil dádivas que a vida lhe deu e ainda lhe dará.
Se é uma doença da alma, só pode ser curada pela alma, e não por remédios de farmácia, que só mascaram o problema.

A Gratidão e o Altruísmo certamente são as curas infalíveis para a depressão.
Curas saídas diretamente do coração que muda sua polaridade, de auto-piedade para Gratidão.
E de egoísmo para Fraternidade.
Esse remédio da alma permitirá que o ser deprimido encontre a coragem necessária para vencer o problema que lhe aflige.

Porque, como diz o ditado: é dando que se recebe.
É nessa hora que a nossa fé em Deus é testada.
E o quanto temos de amor ao semelhante em nosso coração.
Só assim fazemos o Universo nos ajudar.

JP em 08.03.2020

E por falar em DEUS…

O Entusiasmo é o único antídoto para a depressão.

A começar pelo significado da palavra entusiasmo:
“Deus dentro”.

Nessa vida, tudo é uma questão de aprendizado, e nunca podemos esquecer que as coisas realmente são passageiras por aqui. Não nascemos para ficar aqui para sempre, e a morte sempre demonstrou isso.

Nosso erro é transformar as situações passageiras da vida em entidades absolutas e imutáveis.
E quando essas coisas mudam ou não são tomadas, então reagimos com protesto ou desânimo.

Quanto mais nos agarrarmos às coisas, pessoas e sentimentos ligados a este mundo, mais sofreremos quando perdermos tudo isso.

Isso leva a outro ponto: todas as situações que vivemos na vida não são obra do acaso.

Se existem lei de atração e karma envolvidos em tudo, tudo o que passamos, por pior que seja, tem uma finalidade, um propósito, uma lição implícita.
E culpar a Deus por tudo, fazendo o eterno papel de vítima, não irá ajudar em nada.

O correto é buscar compreender por que passamos tal ou qual situação, e dela extrair força e consciência.
Porque nada acontece por acaso, por pior que seja.
Se passamos por algo ruim, isso foi necessidade e não acaso.
E se foi necessário passar por tal situação, precisamos nos armar de aceitação para alcançar a compreensão que pode nos dar a paz de espírito.

A tendência da pessoa deprimida é se fechar em si mesma negando a aceitação dos eventos, negando também todo tipo de ajuda e consolo exterior, o que é um erro. Nesses momentos é que ela precisa mais de abertura e apoio de pessoas amigas. É nesse momento que ela precisa mais cercar-se de amor ao invés de travar batalha contra si mesma.
Agarrar-se num orgulho ferido é trancar-se a si mesmo numa prisão sem muros.

Assim como uma tempestade começa com uma leve brisa, a depressão se instala por sentimentos de desânimo que foram acampando gradualmente no coração pelo próprio consentimento, e sendo alimentados ao longo do tempo.
Esse é um detalhe importante.

Sentimentos são como alimentos para a alma.

Se o entusiasmo é o lobo branco, e o desânimo é o lobo negro, vencerá o lobo que alimentarmos no coração.

Lobo branco e lobo negro são estados de alma que nós mesmos construímos com sentimentos que preservamos e alimentamos. Todo vício começa sempre no primeiro gole, na primeira tragada. Quem não quer cair no vício e teme por sua própria fraqueza no futuro, que não dê o primeiro trago, porque depois, será mais difícil escapar dos demais tragos que virão, até que o status de vício seja instalado na mente.

Se entusiasmo é a presença de Deus dentro, a depressão é um estado perigoso de alma em que sentimentos negativos foram sendo alimentados por escolha própria a tal ponto que eles conseguiram criar uma capa emocional tão densa na alma que a isolou da vibração divina interior.
Ora, se a depressão é algo que a própria pessoa constrói devagar vivendo essa didática, o entusiasmo também pode ser construído com ações positivas e bons sentimentos ao longo da vida vivida da melhor maneira possível.

Cercar-se de amor por fora e por dentro.

A ajuda dos amigos, das pessoas amadas, e tudo mais.

Mas principalmente, o poder de Deus!
O ser deprimido entra num eclipse da luz interior, e passa a desacreditar de tudo. Mil coisas boas já lhe aconteceram na vida, mas por causa de uma coisa ruim, ela se esquece das mil outras coisas boas e se ego-centraliza nesse evento negativo, e começa a alimentar a alma com toda sorte de sentimentos negativos, até que um estado tenebroso chamado Depressão se instala na alma.
Não é nada sábio duvidar do poder de Deus exatamente nas horas em que ele é mais necessário.

Para onde DEUS foi conduzido nessa construção do desânimo?

Se entusiasmo é Deus dentro, precisamos procurar pelas situações e sentimentos que alimentem essa condição.
Se tudo é vibração, depressão é Deus banido do coração, mas entusiasmo é Deus presente.

Então, quando o desânimo entra, a fé vai embora.

Se as pessoas soubessem o grande valor das orações, das conversas com Deus, e que nunca deveriam ser subtraídas de suas vidas, sob qualquer motivo, dor ou perda, porque nada é por acaso… se as pessoas soubessem que o papel de vítima é a pior coisa que pode haver numa postura diante do Pai, e que a vitimização se opõe ao processo do amadurecimento espiritual que começa com a aceitação e termina na força real para superar e suportar os problemas… elas nunca deixariam de buscar a Deus, ainda que com lágrimas, em suas noites de desespero e aflição.

No começo, pode ser difícil, mas a medida que o hábito se desenvolve, mesmo que não notemos, a energia divina começa a nos curar, devagar e silenciosamente, e também a atrair situações positivas e circunstâncias favoráveis para nos ajudar lá fora.
Na paciência, possuireis vossas almas, disse o Mestre da perfeição.

Mas aquele distanciamento de Deus, da Fonte da Cura e de todo o Poder, nos momentos em que se sofre, é o que vai dando espaço para o monstro se acampar no coração.
Se tudo tem um começo, este pode ser um dos começos da depressão. Porque a primeira coisa que muita gente faz ao sofrer é abandonar o socorro divino, isso quando não começa a culpar a Deus e ao destino pelas coisas que lhe acontecem.

Vitimização e auto-piedade são inimigos da alma.
O desânimo é uma negação da fé e da confiança no Bem Maior.

Ações diárias para preservar o entusiasmo, praticar o bem, partilhar a dor, orar e meditar, fazer uma viagem, iniciar um curso, arte, terapia, qualquer medida que faça o ego sair do foco do problema, e que interrompa o processo de auto-nutrição das emoções negativas.

O principal aqui é tentar lidar com a aceitação do problema.
A aceitação desarma o coração, que deixa de se rebelar contra as circunstâncias, ficando mais aberto e próximo de uma situação ou contorno dos problemas.

Se a depressão é um monstro, as emoções negativas foram seu alimento ao longo dos anos.
Ela não aparece de repente, antes, ela foi alimentada por um longo tempo. Não deixar as coisas tomarem essa proporção é a melhor forma de lidar com tudo isso.

Mas quem decide alimentar o monstro da depressão ou a força divina do entusiasmo, somos nós mesmos.
Todos sofrem, todos choram, todos perdem coisas que amam, todos passam dor e dificuldade.
Porém, cada um reage de forma diferente.

Centrar-se no EU e no problema, revivendo-o no coração por meio de sentimentos negativos, certamente vai criar um estado de desânimo e desmotivação que, se não trabalhados, esculpirão o monstro da depressão dentro da alma.

Mas buscar com todas as forças a Força de Deus chamada AMOR, que tudo pode, cura e conserta, cercando-se de ações positivas e bons sentimentos, tentando compreender as situações negativas da vida como partes do aprendizado que todo mundo passa neste plano inferior onde nos encontramos, é a única forma de encontrar a luz no final do túnel escuro.

O que não podemos é alimentar um monstro dentro de nós mesmos até o dia em que ele se torne invencível.

Temos que vencê-lo assim que percebemos sua presença.
E se você quer vencer um inimigo ao mesmo tempo em que o acolhe e o alimenta, então na verdade você estará entrando uma batalha perdida, se tornando você mesmo o seu pior inimigo.

O Poder de Deus está em toda parte, dentro de nós e ao redor.
Mas é preciso acreditar nesse poder, com todas as forças do coração, para que ele produza o milagre.
Eis o valor da fé.

E o coração que não deixa de acreditar em Deus mesmo nas suas piores tempestades da vida, este provou ser merecedor das gloriosas manhãs que sempre brilham após cada tempestade da vida… e é por isso que Deus coloca tempestades em nossa vida… para despertarmos em nossa alma o Sol interior que criará todas as manhãs abençoadas em nosso destino.
Nada é pra sempre aqui em baixo. Nem a dor e nem o prazer.
Tomar a vida como boa em função de prazeres e má em função de dores está longe de uma consciência madura do real propósito da existência.

Somos geração caída, pecadora, a dor será inevitável na escola do tempo. Aceitar isso ajuda muito a despertar a consciência e localizar dentro, e não fora, a causa de tudo o que sofremos.

Mas trancar-se no orgulho ferido através de vitimização e da auto-piedade causadas pelo ego-centrismo, eis uma estrada de fracasso antecipado.

O mais importante a se saber é que, tanto a depressão como o entusiasmo, são estados de alma construídos, eles não aparecem como são, de repente, num belo dia… a pessoa é que o construiu ao longo do tempo, através das emoções e atitudes na vida que ela própria escolheu.

É sempre mais simples vencer o monstro quando ele ainda é um embrião dentro do pensamento que você decide não alimentar. E se a Batalha entre o Bem e o Mal começa sempre dentro de nós antes de se instalar num mundo cada vez mais dividido, aprender a não alimentar o inimigo é o primeiro passo para a vitória.
E acreditar na vitória, o passo decisivo.

Porque não ha nada que o Poder de Deus não cure.
O entusiasmo acredita nisso.
Mas o desânimo questiona.
Aqui reside toda a diferença!

JP em 09.03.2020

Comentários
Compartilhar