China lança projeto para mudar drasticamente clima

A China está se encaminhando para o maior projeto de engenharia climática da história. Embora no passado já tivesse feito experimentos para inibir as chuvas de nuvens estratiformes, agora a intenção é massiva. Segundo o La Vanguardia, o objetivo é tentar manipular nuvens, chover, gerar neve ou alterar granizo em grande escala. Para muitos especialistas, isso é mais uma tentativa de imprensa do que uma opção realista, além de realizações em pequena escala e eventos de baixo consumo de energia.

Além disso, o objetivo é aplicar o programa em uma escala que ultrapasse a metade da superfície do país, ou seja, cerca de 5 milhões de quilômetros quadrados, o equivalente a mais do que a metade da superfície do Brasil. O anúncio oficial foi feito em dezembro de 2020, encerrando um ano em que a China permaneceu no centro das atenções mundiais, e sobre o qual ainda deve muitas explicações aos demais países para a gestão do início da pandemia de COVID-19, que modificou a vida de bilhões de habitantes, mais aqueles que morreram.

O que é preocupante é que, no anúncio do Conselho de Estado de dezembro, a intenção final é aplicar esse programa globalmente, algo que ninguém no mundo científico hoje acredita ser possível. Além das já conhecidas técnicas de semeadura de nuvens, a China não forneceu mais detalhes inovadores sobre o assunto e afirma que o sucesso será dado pela magnitude do desenvolvimento.

Uma técnica conhecida

Muitos dos usos do iodeto de prata foram experimentados pelos EUA na Guerra do Vietnã, e a China também tentou experimentá-lo. A verdade é que atualmente seu uso se limita a uma pequena escala e os resultados são altamente controversos. Segundo a BBCPequim é uma das cidades mais poluídas do mundo, mas quando há uma importante reunião política o governo semeia as nuvens e alcança algumas horas de sol forte. A verdade é que a nebulosidade é principalmente do tipo estratiforme baixa, e esse tipo de processo precipita poluentes para a superfície, algo que não se mede.

A China já fez pequenas mudanças no clima, mas geralmente nos dias em que paralisa suas fábricas para reduzir a poluição.

A iniciativa da China já gerou preocupação em países vizinhos como a Índia, em meio à incerteza sobre o impacto dessa tecnologia e às tensões regionais. Segundo o governo, o plano contém três etapas. A primeira, que até 2025, a área afetada pelas operações para aumentar a chuva artificial (ou neve) chegará a mais de 5,5 milhões de quilômetros quadrados no país.

Em uma segunda etapa, na mesma data, está prevista a ampliação da área protegida por operações de prevenção de granizo para mais de 580 mil quilômetros quadrados. E, finalmente, que em 2035 um nível global avançado será alcançado graças à inovação em pesquisas e tecnologias essenciais, bem como à prevenção abrangente e aprimorada de riscos de segurança. O programa ajudará no socorro a desastres, produção agrícola, resposta a incêndios em florestas e pastagens, bem como na gestão de altas temperaturas ou secas incomuns, embora não tenham sido fornecidos muitos detalhes.

Leia também  A Mensagem aberta de Valiant Thor para a humanidade

Poucos detalhes do projeto

A já conhecida semeadura de nuvens, e que a China pretende aplicar, consiste em borrifar nas nuvens substâncias como o iodeto de prata, para tentar fazer com que elas produzam precipitação agindo como núcleos de condensação adicionais. Essa técnica já é aplicada em várias partes do mundo, mas com resultados altamente questionáveis em pequena escala. Em diálogo com a BBC Mundo, John C. Moore, cientista-chefe da Faculdade de Ciências do Sistema Terrestre e Mudança Global da Universidade Normal de Pequim, indicou que “existem muito poucos artigos científicos escritos sobre sua eficácia e os que existem não foram aprovados por nenhum tipo de validação científica por pares em nível global. “

A verdade é que a conquista da China de melhorar as condições climáticas em dias de eventos políticos não se deve apenas a algum processo de propagação de nuvens, mas nesses dias as fábricas são fechadas para reduzir a poluição. O uso de técnicas de modificação do clima pela China são mais ações de propaganda do que desenvolvimento de pesquisas.

De qualquer forma, no momento o plano da China incomoda muitos, porque alguns acreditam ver uma luta pela água que poderia estar envolvida. Mas os meteorologistas argumentam que a quantidade de energia envolvida é muito grande para uma modificação sustentável de alto volume. Um artigo recente na revista especializada New Scientist indicou que uma investigação recente que constatou que a propagação de nuvens orográficas pode aumentar as precipitações, mas indicou que o aumento é inferior a 10 por cento.

Leia também  Quando eu comecei a prever crops circles?

Fonte

Comentários
Compartilhar