A Força do Puro

Antes de se revelar como um animal real, uma espécie de cavalo desconhecida, o unicórnio é um grande símbolo na Ciência Secreta e Ocultismo. Ele representa a grande força do Puro. Como os lírios brancos que nascem nos pântanos, ou o divino Lótus que emerge puro, mesmo de águas lamacentas. O signo da transmutação. A refinação do animal no divino.

Branco e puro como as águas dos rios e fontes que ele guarda na floresta sagrada, o Unicórnio representa a transmutação de todas estas águas, sublimadas pelos instrumentos do deus Hermes ao nível do cérebro, para a refinação mental.

Tudo isso está representado no chifre único que lhe brota na cabeça, símbolo claro do Terceiro Olho que se abre na testa do devoto e discípulo quando ele assume a força da pureza em seu corpo e, principalmente, em seus pensamentos. E se o chifre simboliza a Força, então o discípulo puro e casto ganha pensamentos fortes, penetrantes, invencíveis em seu poder de realização!

Contudo… não há inimigo pior para o Unicórnio do que a serpente venenosa que lhe cruza a estrada! Essa serpente são os maus pensamentos, os pensamentos impuros e desejos que sempre invadem o santuário da mente, sua floresta sagrada, qual um ladrão sorrateiro, num momento de distração, para inocular o veneno do desejo e lhe roubar o estado de pureza, e então, fazer decair toda a sua força. Porque a força do espírito abandona a mente poluída pelo desejo…

Tanto que a única entidade que poderia conter a fúria de um Unicórnio, segundo os mitos, era uma donzela, uma virgem, mulher pura em sua presença. E era tão poderoso o Unicórnio que até os leões o temiam, e os elefantes o respeitavam.
Estes mitos são leituras da ciência hermética dos sábios.

O Unicórnio representa o elemento água que, em condição de pureza, é o símbolo da base do Templo, da raiz da árvore sagrada, as fontes que devem estar sempre puras e cristalinas para garantir a força invencível do Ser que se estabelece sobre suas bases e bebe de suas águas!

Sem a pureza do Unicórnio, sem a castidade das crianças, sem a virgindade da alma e sem as águas cristalinas do Espírito Santo sorvidas na fonte da Vida, ninguém renascerá e verá a Deus face a face, por mais que as filosofias modernas te ensinem o contrário, e preguem um monte de baboseiras e ladainhas que ignoram esta condição vital do ser humano, já que foi pela perda de sua pureza e inocência que toda a raça caiu na geração mortal e inconsciente.

Medite na linda imagem de Johfra.
Ela ensinará tudo isso e muito mais!
Ela te dirá que o Unicórnio representa a força mais poderosa do mundo: a força do Puro!

O Universo tem desejo pelo puro, e a Luz Divina enche somente as taças limpas e penetra somente nos Santuários Imaculados! E a Força da Vida se sente atraída por Entidades Imaculadas, como aquela que gerou o Cristo no Seio de Maria…

Não é a toa que, na Cabala, a base da Árvore da Vida é chamada Jesod, termo hebraico que significa FUNDAMENTO, a base da vida de toda a árvore, cuja raiz mergulha na matéria e é sustentada pelas águas lunares, e tudo isso quer dizer que a PUREZA é o fundamento do Universo.

O próprio nascimento de Jesus Cristo começa a partir de uma Mãe virginal, para demonstrar que o Puro só pode nascer do que é puro, como ele. E que a força real do espírito só pode ser construída sobre a rocha invencível da pureza.
A natureza ama o puro.

Se você regar um jardim com águas contaminadas, ele morrerá em poucos dias.
Se o santuário da mente se mantiver com pensamentos poluídos, nenhuma espiritualidade real se desenvolverá na luz da consciência.

A raiz da força do Ser está na resistência contra as várias tentações da vida.
Essa resistência é que torna sua mente e alma realmente fortes.
Essa resistência ou força interior é a pedra fundamental que irá dar base firme e sólida à edificação espiritual verdadeira.
Sem essa pedra, toda espiritualidade é falsa.

Uma floresta de virtudes pode ser contaminada por uma única gota do veneno das más intenções.
Se é puro, é 100% puro.
No terreno da espiritualidade prática, não existe meio puro, meio virgem, meio santo.
Ou é puro, ou é virgem, ou é santo, ou não é.

O Bem e o Mal começam sua batalha na mente, forjando suas armas com o arsenal do pensamento.
Enquanto a virtude do puro tenta esmagar as más intenções da natureza humana defeituosa, essa mesma natureza humana defeituosa seguirá tentando morder o calcanhar do puro.
E não há meio-termo aqui.
Ou você vence a sua natureza tenebrosa, ou ela lhe vencerá.
Porque foram vistas vestes brancas nas almas cujo número eram 144 mil.
Elas não tinham cor cinza.
Mas sim, de um branco reluzente!
E os quatro animais sagrados do Trono celebravam o Criador por um Nome inicial:
Kadosh, o Santo, o Puro!

Que o aspirante ao terreno prático da espiritualidade compreenda a força e o valor do puro.
Porque todo o resto será argumento do ego tentando distorcer a Verdade a favor dos seus vícios degradantes de estimação em nome de uma “nova era” do pensamento livre que somente esconde a peçonha do primeiro vício que levou uma humanidade inteira abaixo, rolando o barranco até hoje.

Renunciar ao Impuro e abraçar o Puro, em todos os sentidos da vida.
Afinal, se a boa saúde do corpo começa com hábitos de limpeza e higiene, por que não seria da mesma forma com a saúde da alma?
De qualquer modo, manter a pureza de corpo, alma e sentimento na atual Babilônia libertina  é uma proeza, uma façanha que somente os seres mais fortes podem realizar.
Porque o que salvou Noé da extinção não foi um barco de madeira.
E sim, a sua integridade preservada no meio de uma generalizada e devastadora corrupção.

“Bem-aventurados os puros de coração, eles verão a Deus!”
(Mateus 5: 8)

JP em 05.02.2019

Comentários
Compartilhar