A cosmologia dos quatro deuses primordiais

O que quatro culturas tão afastadas – bíblica, sumeriana, chinesa e grega – têm em comum?

Aliás, não somente estas quatro, mas diversas outras culturas, afastadas no espaço e no tempo, mas preservando conceitos muito similares entre si?

A cosmologia velada em seu panteão central de quatro deuses, ou família divina original do Universo, formada pelo Deus criador, sua esposa a Terra, e seus dois primeiros entes criados ou filhos.

Quatro elementos, quatro estados da matéria (energia), quatro forças primitivas, quatro direções, enfim, o simbolismo universal quaternário é extremamente vasto e presente em todas as culturas antigas e seus mitos primordiais da Criação. Todas elas comportando um princípio superior chamado Pai, geralmente masculino e associado ao céu ou primeiro elemento, fogo ou éter, ou ainda, energia, ou a Palavra. Oposto a ele, o princípio inferior, chamado Mãe e associado a Terra, a matéria e Mater-Mãe, a base da criação do Pai.

Este casal primordial têm dois filhos. Dois irmãos ou um casal.

Na cena da Bíblia, YHWH (IEVE) é o Pai criador, e o Éden, a Terra, chamada também de Eretz (não aparece objetivamente como esposa dele, mas cenário material da criação). E seus dois filhos, o primeiro casal, Adão e Eva (sem contar os outros seres criados por YHWH, os Anjos, e a parte caída, os Nefilim).

Na mitologia sumeriana, ANU, o céu, foi pai de todos os seres, e sua esposa, Ki, a Terra, a Grande Mãe, também chamada Ninmah, a Grande Dama, ou Nin-Hur-Sag, a dama da montanha cósmica.

Do casal, nasceram dois filhos principais, Enlil e Enki. O primeiro, vingativo (o Karma) e o segundo, compassivo (a Misericórdia). Anun governava o céu, o éter, a energia da Palavra, enquanto Ki governava a Terra, a matéria, o elemento denso. Enki e Enlil polarizavam-se em ar e água.

Na mitologia grega, a mesma coisa. Urano, o pai criador, o céu, se uniu a Gaia, a Terra, esposa, e dentre os muitos filhos, incluindo seres monstruosos, nasceram dois deuses do panteão principal: Saturno (Cronos) e Vênus (Afrodite).

Vênus, nascida das águas do mar, pode ser associada a Enki, deus das águas e da sabedoria, enquanto o punidor Enlil se associa a Saturno, o Karma, o tempo, as duras experiências e seus resultados.

E por fim, no lugar mais impensado, a mitologia chinesa-taoísta e seu diagrama cósmico, o I Ching, a Roda dos oito elementos e o Livro das Mutações. Quatro elementos centrais são destacados, e eles se alinham perfeitamente com a cosmologia dos mitos anteriores.

No topo do diagrama, composto de oito trigramas em disposição circular, está o princípio Céu, K’ien (três barras inteiras) e oposto a ele, na base, o princípio Terra, K’uen (três barras segmentadas). A esquerda e a direita, o fogo e a água, Li e K’an. Os filhos do meio daquele casal. O fogo se associa a Enlil e a água, a Enki.

O fogo é representado com uma barra central partida cercada por duas barras inteiras, enquanto a água é o inverso, barra central inteira cercada por duas barras quebradas.

Na linguagem do I Ching, a barra inteira é Yang, o masculino, e vale 1, enquanto a barra quebrada é Yin, o feminino, e vale zero na mesma codificação binária.

Ou seja, princípios fundamentais da cosmologia universal, e é muito amadorismo interpretar essas potências, ora criadoras, ora destruidoras, na forma de deuses temperamentais, malvados e vingativos, inimigos da raça humana, como temos visto em vários discursos ignorantes sobre os mistérios da criação e sua rica simbologia cosmológica nestes panteões sagrados.

ANU é o Criador, a energia primordial, a Palavra, enquanto KI, a Terra, é a matéria. Aqui temos a primeira polarização binária da criação, matéria e energia. E seus dois primeiros filhos seriam a segunda polarização da criação, saída diretamente dos jogos de matéria e energia. O masculino e o feminino, o dia e a noite, nascimento e morte, enfim, a segunda dualidade que, somada à primeira, completa a estrutura da Roda e os ciclos da Criação dentro do que chamamos TEMPO.

Isso explica porque a CRUZ é o símbolo mais presente nos simbolos mitológicos do passado, associados aos quatro deuses e a Criação do Universo que se completa na criatura consciente e inteligente, o ser humano.

Cristo na Cruz, sob a leitura INRI, potência do fogo universal criador, é outra bela página do esoterismo crístico desconhecido pelas doutrinas da letra morta, fogo chamado VERBO e que pode encarnar e ressoar na potência mental dos seres cristificados pelo poder do NOME, que também é quaternário: YHWH.
Porque Cristo, no centro da Cruz, completa o quinto elemento da mesma Cruz ou família de quatro membros, que estão nas bordas da Roda, girando na Eternidade dos ciclos sem fim.

Lembrando ainda que Adão e Eva tivera igualmente dois filhos, o rebelde Caim (associado a Enlil) e o amoroso Abel (associado a Enki). E depois que Caim matou Abel, o terceiro filho do casal, Set, completou e equilibrou o jogo das forças quaternárias da Criação num sentido de renovação, continuação do movimento perpétuo da cruz em seu eixo central equilibrado pelo “Terceiro Filho”, não obstante, o Primogênito.

A simbologia crística reside no centro da roda como solução final do grande enigma cósmico proposto pelo mais antigo e elementar dos símbolos. Se a Cruz é o tempo como resultante final dos quatro agentes cósmicos, Cristo é a eternidade que transcende o tempo, o que explica sua Verdade falando em resgate do Adão imortal que a humanidade já experimentou um dia.

Grande é a sabedoria antiga, infelizmente sendo destruída pela especulação racional cega e ignorante de muitas vertentes do pensamento moderno. Se a ciência moderna investigasse mais a fundo estes modelos cosmológicos por detrás de todas essas simbologias religiosas do passado, poderia compreender muito mais o Universo em mutação, já que todas estas informações simbólicas foram passadas aos nossos ancestrais pelos deuses astronautas, tentando nos ensinar e nos tornar nivelados com sua consciência para que, um dia, a declaração de ELOHIM, o Anunnaki bíblico, se cumprisse:

“Eis aí fiz o homem a minha imagem e semelhança”.
“Eis aí que o homem é como um de nós, conhecendo o Bem e o Mal”.

A imagem dos deuses antigos é, antes de mais nada, a expressão de um vasto conjunto de códigos de simbolismos cosmológicos guardando relação com as forças primordiais da criação, destruição e renovação, sem as quais, nada existiria, nem tempo, nem espaço, nem vida e consciência. Precisamos de um olhar mais profundo e munido dos conhecimentos adequados para não sairmos palpitando de forma equivocada que deuses foram cruéis e inimigos da humanidade.

Se você não tiver um olhar profundo e munido da sabedoria adequada, continuará a olhar e a julgar as coisas pela casca, prisioneiro do mundo superficial que faz refém todo aquele que não arremessa sua consciência para além dos muros dos cinco sentidos!

JP em 26.08.2020

Comentários
Compartilhar