Templates by BIGtheme NET

O Segundo Sol e o objeto P 7X – uma possibilidade astronômica (IV)

O objeto P 7X em janeiro de 2020

imagens do dr SAM

Percebemos que, depois dos eclipses de dezembro 2019 e janeiro 2020, vários vulcões entraram em atividade, e mais recentemente, muitos terremotos espalhados pela Terra começaram a acontecer.
Ninguém sabe, na verdade, quando os gatilhos gravitacionais dos alinhamentos planetários começam a fazer efeito.


Muitas vezes, durante o tempo dos eclipses, mas outras vezes, depois deles.
Nas imagens do dr Sam, entre 15 e 20 de janeiro, o Sol se alinhou com o objeto P 7x na constelação de Sagitário a Capricórnio, perto de Saturno.
E na imagem da Soho, em 20.01.2020, como o Sol passou sobre a região do objeto P 7X, podemos ver uma imagem semelhante a um grande cometa, no entanto, ainda não visível para nós, seja por razões de distância, seja porque esta é a época da ocultação do Sol, ou seja, a região celeste onde o Sol transita ficará alguns meses oculta por sua luminosidade, e é por lá que o objeto P 7X se move.


E pela imagem, já dá para ter uma noção do seu corpo e comportamento de cometa.
Ao estilo Nêmesis e o Dragão celeste de longa cauda do Apocalipse 12, derrubando estrelas pelo caminho…

A partir de Abril a Maio, o objeto volta a ser visível por telescópios no céu, e quem sabe, em breve, por nossos olhos…

JP em 23.01.2020


Os primeiros rastros do Segundo Sol?
O objeto P 7X diante da SOHO da NASA

Para a maioria das pessoas que não dispõem de um telescópio e conhecimentos técnicos para avaliar os objetos distantes no céu e aqueles invisíveis a olho nu, como é o caso do objeto P 7X estudado por astrônomos do Oriente Médio, Rússia e outros lugares, as imagens da SOHO da NASA podem comprovar a sua existência.

Temos na imagem duas tomadas, a primeira, em azul, no dia 2 de dezembro de 2019, e a segunda, em vermelho, no dia 20 de janeiro de 2020, 48 dias depois.
Vemos claramente que se trata do mesmo objeto, um objeto que deve estar se movendo a grande velocidade, porque já apresenta uma grande cauda atrás de si, e um rastro de materiais dispersos no espaço.

Vemos também a mudança angular o objeto em relação ao Sol centralizado no foco da SOHO, e em 48 dias, o Sol, em movimento aparente, se deslocou cerca de 50° de arco no céu, o que também está demonstrado pela mudança do eixo de posição do objeto em relação ao Sol nas duas tomadas.

E se não há nenhum cometa importante naquela região do espaço nesta época do ano (entre as constelações de Escorpião e Sagitário) no tempo do registro das duas cenas, que objeto é esse, senão que, confirmadamente, o objeto P 7X, diante da SOHO, para quem quiser ver?

Se este objeto é ou não é o Segundo Sol, Nêmesis, a estrela marrom ou vermelha, estrela gêmea, de grande massa e que se comportaria como cometa ao se aproximar do Sol, não se tem ainda absoluta certeza, apesar de todos os efeitos causados na Terra durante a época prevista dos alinhamentos, especialmente na época dos últimos eclipses de 26 dezembro de 2019 e 10 janeiro de 2020.

Porém, uma coisa é certa:
o objeto existe, está lá, é real.
E se aproxima da Terra rapidamente.

Ps: em 14 de dezembro deste ano, 2020, teremos outro eclipse solar total na região da constelação de Sagitário, onde o objeto se localiza, e até lá, bem mais próximo do Sol. Será uma época interessante de avaliar nova onda de energia gerada e efeitos sobre a Terra.

Aliás, Nostradamus tem uma quadra que disse que o “monstro” seria revelado no céu por um eclipse solar.

E que a humanidade lamentaria por não tê-lo previsto ou interpretado corretamente…

JP em 24.01.2020

Agrupamento planetário, eclipses e onda de terremotos em janeiro de 2020

Como sabemos, tivemos dois eclipses importantes, um eclipse anular (solar) em 26 d dezembro de 2019, e outro eclipse (lunar) penumbral em 10 de janeiro de 2020, e os efeitos logo apareceram, a princípio, numa incrível atividade vulcânica em toda a Terra, acordando inclusive vulcões dormentes há décadas, como foi o caso do Vulcão Taal nas Filipinas.

Agora, chegando num período em que um raro agrupamento planetário acontece, de uns dias para cá, e principalmente de ontem, 28 de janeiro, para hoje, 29, muitos terremotos acontecendo no planeta, com índices 5, 6 e 7, inclusive com um terremoto de quase 8 graus atingindo o mar do Caribe, perto da Jamaica, com risco de Tsunami (que já foi descartado), o que significa uma tremenda energia símica no planeta.

Analisando o céu, percebemos que, além dos eclipses citados (que sempre servem como gatilhos de energia gravitacional propagante), nestes últimos dias, com o movimento da Lua, um raro agrupamento planetário acontece, exatamente entre 27 e 29 de janeiro (hoje), colocando os planetas dentro de um arco celeste de cerca de 135 graus, o que significa outro fator de turbulência da maré gravitacional nos espaços.

Mas o fator principal é que o SOL, nestes dias, está transitando exatamente sobre a região do objeto P 7X, atualmente entre as constelações de Sagitário e Capricórnio, então incluido no citado agrupamento.

Seria outra demonstração experimental da sua existência muito relevante no cenário astronômico?
Ps: novos eventos poderão ocorrer.

JP em 29.01.2020

Comentários