Você sabe o quanto da Terra os humanos destruíram nos últimos tempos? “Em breve pode não restar nada”, cientistas alertam

As atividades humanas fizeram com que as populações de animais selvagens do mundo despencassem em mais de dois terços nos últimos 50 anos, de acordo com um novo relatório do World Wildlife Fund.

O declínio está ocorrendo em um ritmo sem precedentes, alerta o relatório, e também ameaça a vida humana.

Um terço, essa é a quantidade.

“As descobertas são claras”, afirma o relatório. “Nosso relacionamento com a natureza está quebrado.”

relatório Living Planet Report 2020 baseou-se no monitoramento da vida selvagem de mais de 4.300 espécies diferentes de vertebrados – mamíferos, peixes, pássaros e anfíbios – de todo o mundo. Ele descobriu que o tamanho da população dessas espécies monitoradas diminuiu em uma média de 68 por cento de 1970 a 2016.

Nos trópicos americanos, incluindo o Caribe e a América Latina, o tamanho da população diminuiu em impressionantes 94%.

O desmatamento da floresta para fins agrícolas foi a causa predominante do declínio, diz o relatório, observando que um terço das terras do planeta está sendo usado atualmente para a produção de alimentos. A mudança climática causada pelo homem é outro fator crescente.

“Não podemos ignorar as evidências – esses graves declínios nas populações de espécies selvagens são um indicador de que a natureza está se desintegrando e que nosso planeta está exibindo sinais de alerta vermelhos de falha de sistemas”, escreveu Marco Lambertini, Diretor Geral do World Wildlife Fund International.

O documento de 83 páginas, uma colaboração com a Zoological Society of London, se junta a uma lista crescente e ameaçadora de pesquisas acadêmicas e relatórios internacionais alertando que as atividades humanas estão causando um declínio acentuado na biodiversidade global.

Proteger a biodiversidade significa proteger a humanidade.

A baby turtle is released into the ocean in Bali, Indonesia, Tuesday, June 9, 2020. Roughly a hundred newly hatched Lekang turtles were released during a campaign to save the endangered sea turtles. (AP Photo/Firdia Lisnawati)

A Organização das Nações Unidas publicou um relatório abrangente no ano passado advertindo que 1 milhão das cerca de 8 milhões de espécies de plantas e animais do planeta estão em risco de extinção, muitas em décadas, por causa das atividades humanas. Fez um apelo semelhante para que as pessoas se importassem, pontuado com um aviso:

“Proteger a biodiversidade significa proteger a humanidade”, disse a diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, na época da divulgação do relatório.

Um relatório subsequente das Nações Unidas, publicado em julho deste ano, advertiu que a perda de biodiversidade e a destruição da natureza pelo homem levaria a um aumento nas doenças de animais para humanos , como o COVID-19. A pandemia também supostamente contribuiu para um aumento no desmatamento em algumas partes do mundo, ampliando o risco.

Os cientistas há muito alertam que o mundo está entrando na sexta extinção em massa , impulsionado pelo consumo de vida selvagem e de espaços selvagens pela humanidade e pela queima de combustíveis fósseis. O aquecimento global também fará com que os ecossistemas mudem mais rápido do que algumas espécies podem se adaptar.

Ações podem ser tomadas para retardar o declínio. Um artigo publicado na quinta-feira na revista Nature delineou os passos que a comunidade global poderia tomar para ” dobrar a curva ” na perda de biodiversidade. As pessoas poderiam cortar rapidamente as emissões de gases de efeito estufa, evitando os piores cenários de mudança climática; vastas extensões de terra e mar podiam ser conservadas; áreas danificadas podem ser restauradas; e as práticas de produção de alimentos podem evoluir para diminuir seu impacto nos ecossistemas existentes.

O relatório do World Wildlife Fund diz que os ecossistemas do planeta têm uma capacidade limitada de regeneração, um processo que ele diz ser essencial para toda a vida na Terra.

Os autores do relatório compararam a capacidade dos ecossistemas de se regenerar com a crescente população humana e encontraram um desequilíbrio ecológico.

“O empreendimento humano atualmente exige 1,56 vezes mais do que a quantidade que a Terra pode regenerar”, diz o relatório.

Fonte

Comentários
Compartilhar