Os Grandes sinais de alerta do Apocalipse nos últimos sete anos (2014-2020)

Ao longo dos últimos sete anos (2014 a 2020), logo após o fechamento do calendário maia em 2012 (num encaixe perfeito com as profecias do calendário bíblico, como era de se esperar) as transformações planetárias entraram num ritmo extremamente acelerado, e dentro desse ritmo, pudemos identificar todos os sinais astronômicos anunciados pela Biblia nestes últimos sete anos.

Sete anos é sempre um período importante, sob diversos pontos de vista, numerológico, astrológico, profético e espiritual, geralmente representando um período de consumação, de tempo concluído para alguma coisa, ou o tempo limite para uma crise. Sete é o número regente do Apocalipse, ao lado do 12 e seus múltiplos (144 e 144.000).
Por exemplo, os sete dias da Criação e os sete selos do Apocalipse.

Podemos encarar estes sete últimos anos, de 2014 a 2020, como os sete selos, trombetas e mensagens dos sete Anjos do Apocalipse numa linguagem cronológica figurada.

E por mais que as teorias anticristãs tentem invalidar a Bíblia (especialmente o Novo Testamento, atribuindo-lhe uma invenção humana da antiga Igreja), tais teorias rasas de mentes que odeiam a verdade crística não se sustentam, por uma simples razão:

Profecias inventados por seres humanos têm poder para acontecer nas suas épocas anunciadas, trazendo todas as mudanças planetárias também anunciadas?

E como poderiam os eclesiásticos do passado medir sinais com tamanha precisão, e eventos desencadeados com tamanho grau de acerto? Não é possível explicar nada disso.

Esse é o grande detalhe que os inimigos da fé cristã fingem desconhecimento.

Prosseguindo,
várias profecias bíblicas, tanto do Velho como do Novo Testamento, anunciaram sinais no Sol, na Lua e nas estrelas. Eclipses de lua de sangue tinham especial conexão profética para os antigos (e atuais) judeus, especialmente quando essas luas de sangue caiam em datas sagradas, tal como aconteceu ao longo destes sete anos.

Duas amostras biblicas:

“Diante dele tremerá a terra, abalar-se-ão os céus; o sol e a lua se enegrecerão, e as estrelas retirarão o seu resplendor.
E o Senhor levantará a sua voz diante do seu exército; porque muitíssimo grande é o seu arraial; porque poderoso é, executando a sua palavra; porque o dia do Senhor é grande e mui terrível, e quem o poderá suportar?”

Joel 2:10,11

O Dia do Senhor é igualmente anunciado no Apocalipse, na abertura do sexto selo, e aparece como um dia de Juízo divino com a humanidade pecadora, que viria logo após uma sucessão de eclipses solares e lunares (estes, luas de sangue) bem como a queda de muitas estrelas (no caso, meteoros, asteroides e meteoritos).

Os evangelhos também comportam essa profecia:

E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas.
Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória.
E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus.”

Mateus 24:29-31

Um grande sinal é anunciado nos céus, surgindo depois de todos os eclipses proféticos, e esse sinal, chamado de Sinal do Filho do homem, fala literalmente na aparição de Cristo nas nuvens (o que, na linguagem ufológica extraída do profeta Ezequiel, interpretamos como a chegada da Merkabah, a grande nave mãe).

Porém, todos os sinais celestes que vêm surgindo ao longo destes anos podem ser incorporados nestas declarações proféticas.

Imagem que aareceu na Rússia, em março de 2011

Mateus 24 vai além, onde Jesus anuncia que a figueira (Israel) se aproximava do verão, quando o calor é máximo. E define que Israel não veria 70 anos se passar (uma geração inteira, naquele sistema de tempo) sem que tudo isso que foi anunciado se cumprisse:

Aprendei, pois, esta parábola da figueira: Quando já os seus ramos se tornam tenros e brotam folhas, sabeis que está próximo o verão.
Igualmente, quando virdes todas estas coisas, sabei que ele está próximo, às portas.
Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam.
O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar.
Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai.
E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem.
Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca,
E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem.”

Mateus 24:32-39

Ninguém sabe o dia e a hora, exceto o Pai.
Mas os evangelhos deixam claro que saberíamos, através dos sinais enviados, que estes tempos estariam próximos. E na análise destes sinais, ficamos sabendo que os tempos chegaram.
Todas as coisas estão acontecendo debaixo dos sinais anunciados, e os teóricos da matéria e suas coincidências insistem em dizer que é tudo coincidência (na falta de conhecimentos mais profundos e específicos, saem também com a teoria da superstição).

Vamos aos sinais, ano após ano:

1) 2014
Duas luas de sangue em festas judaicas

Primeira Lua de sangue em 15 de abril de 2014 (Páscoa)

Lembrando que a crucificação de Jesus Cristo ocorreu durante uma lua de sangue, foi uma Páscoa sangrenta… o que impacta diretamente em todas estas luas de sangue da nossa época, como uma memória permanente do maior crime da humanidade.

O eclipse lunar de 15 de abril de 2014 foi um eclipse total, o primeiro de dois eclipses lunares do ano. Marcou também o primeiro de uma série de quatro eclipses totais consecutivos, conhecida como tétrade, com dois eclipses em cada ano – 2014 e 2015.

Esta Tétrade em específico tem um significado especial para os judeus, pois as “Luas Sangrentas” coincidem com datas do calendário judaico. Primeira em 15 de abril de 2014, coincidindo com a Páscoa judaica. Segunda em 08 de outubro de 2014, coincidindo com a festa judaica dos Tabernáculos. Terceiro em 04 de abril de 2015, mais uma vez coincidindo com a Páscoa judaica. E a quarta, neste domingo, 27 de setembro de 2015, novamente coincidindo com a festa judaica dos Tabernáculos.

Os eclipses de luas de sangue, portanto, de 2014 e 2015, foram os mais significativos dentro destes presságios.

Se a Páscoa representa a libertação do povo pelo sangue de Cristo e o pacto de amor com a humanidade, a festa dos tabernáculos se associa a colheitas e, portanto, de uma forma direta, aos arrebatamentos.

Segunda lua de sangue em 08.10.2014 (Festa dos Tabernáculos)

Festa dos tabernáculos
Nesta festa, era exigido que todo homem judeu fizesse uma peregrinação até o Templo de Jerusalém. O povo trazia as primícias de suas colheitas, e parte da colheita era distribuída entre a família dos sacerdotes.

Também chamada festa das tendas, ela passou a significar e a comemorar a peregrinação de quarenta anos do povo de Israel no deserto do Sinai, a caminho da Terra Prometida, durante os quais viveu em tendas. Desse modo, o rito agrícola recebe uma primeira transformação, ao ser situado na vida nômade do deserto

2) 2015
Mais duas luas de sangue em feriados judaicos (completando a Tétrade de sangue).

Lua de sangue em 04 de abril de 2015 (Páscoa)
Lua de sangue em 27 de setembro de 2015 (Festa dos tabernáculos)

A Páscoa e a festa dos tabernáculos acontecem em épocas antípodas do ano.

A Páscoa na entrada da primavera (Hemisfério Norte), quando a semente é lançada na terra, e morre para germinar (Jesus Cristo, a semente da renovação e da redenção), e a festa dos Tabernáculos acontece na entrada do Outono e a chegada das colheitas (o arrebatamento, colheita dos eleitos de Cristo, o fruto da semente do sacrifício de Cristo na cruz, o efeito da crucificação, o arrebatamento, a colheita).

3) 2016
Ano e ciclo do Sol


Em 2016, não houve um sinal celeste bíblico específico, mas um grande sinal astrológico e numerológico perfeitamente inserido no contexto.
Um ciclo de 36 anos sob a égide do Sol (começou em 1981 e terminou em 2016)
Em 2017, entrou um novo ciclo de 36 anos sob a regência de Saturno (a colheita do tempo)!

E mais, os números de 2016 podem ser mudados no formato 1260, o que é um número expressivo da linguagem bíblica, associado ao tempo do refúgio da Mulher (a família cristã reunida) no deserto, por 1260 dias, ou 42 meses, ou 3,5 anos.

Outra expressiva correlação numerológica acontece se somarmos três vezes o valor 666 e três vezes o valor 6, isso produz 2016. Sendo que 666 é a soma total do quadrado mágico do Sol, instrumento teúrgico da Cabala.

4) 2017
O eclipse solar total de 21.08.2017
O grande alinhamento na constelação de Virgem em 23.09.2017

Mais uma vez, com absurda precisão sequencial, estes dois sinais foram muito importantes na cronologia cristã. O eclipse foi tão poderoso que diversos eventos geológicos e climáticos aconteceram naquela época em diversas partes do Mundo.

O grande alinhamento, por sua vez, foi um m sinal raríssimo, e que acontece a cada 5.000 ou 6.000 anos, e tivemos um sinal parecido na época do nascimento de Cristo.

E o alinhamento de setembro realizou a profecia do Apocalipse 12 na íntegra, e a chegada dos tempos da fuga da Mulher para o deserto, fugindo do Dragão Vermelho (Anticristo, Nova Ordem Mundial, Nêmesis etc) porque haveria revolução e guerra no mundo humano deixado para trás.

5) 2018
Duas luas de sangue (não em feriados judeus)
O aniversário de 70 anos da nova Israel

Lua raríssima em 31 de janeiro de 2018
Lua de sangue, Lua azul e super lua ao mesmo tempo!
(Lua de sangue pelo eclipse, lua azul por cair no mesmo mês, 1 e 31 de janeiro, e super lua por acontecer num ponto orbital mais aproximado da Terra).

Lua de sangue em 27 de julho de 2018
Maior eclipse lunar do século, ‘lua de sangue’ aconteceu em 27.07.2018 e pode ser vista do Brasil. Na sexta-feira, dia 27 de julho, o Brasil viu aquele que foi o mais longo eclipse lunar total deste século 21.

Jesus Cristo foi crucificado em 03 de abril de 33 dC, durante um eclipse de lua de sangue!

Não cairam em feriados judaicos, mas ambas as luas de sangue de 2018 se deram em circunstâncias muito raras. O conjunto de sinais ao longo destes sete anos é totalmente raro e não acidental em termos de efeitos postos em marcha na Terra, conforme a agenda divina.

O aniversário de 70 anos da Nova Israel.
Desde a destruição de Jerusalém e a fuga dos judeus de Israel, ano 70 dC (70 anos após o nascimento de Cristo, uma geração) os judeus foram exilados, perseguidos e mortos, e as nações não lhes recebiam, com medo da maldição que os perseguia, como uma marca de Caim (por terem assassinado o Messias de Deus).

Pois bem, por causa de articulações na ONU, em 1947, envolvendo um brasileiro inclusive (Em 1947, a pátria dos judeus é aprovada por assembleia da ONU – a Criação do Estado de Israel foi aprovada em assembleia da ONU, presidida por Oswaldo Aranha) os judeus tiveram uma data para finalmente retornarem ao seu lar: 14 de maio de 1948.

Em 14 de maio de 2018, outros 70 anos foram dados aos judeus para que aceitassem Jesus Cristo como o Messias por Deus enviado e a eles notificado nas profecias. Até hoje eles negam e crucificam o Messias Jesus como podem, declarando que preferem a morte do que aceitá-lo.

Assim seja, em 14 de maio de 2018, o planeta Urano entrou em Touro, signo de Gaia, a Terra, e foi outro fator astronômico raro que se juntou a estes outros na transformação planetária acelerada e acelerando.

Em novembro de 2021, a curva dos primeiros três anos e meio desta data vai inverter, e entrará, segundo relações com a profecia dos sete anos finais de Daniel, no período mais intenso e severo de tribulação planetária, justificando a agenda preparatória do arrebatamento.

6) 2019
A sétima Lua de sangue da sequência, desde 2014 e a primeira Tétrade.

Na madrugada de segunda-feira, 21 de janeiro (da noite de domingo para o despontar da segunda-feira) ocorreu o primeiro eclipse lunar total do ano de 2019, que resultou em uma super lua de Sangue visível na América do Norte, América do Sul, oeste da Europa e África.

Também foi rara por coincidir com uma super lua.

Esta foi a sétima lua de sangue numa sequência rara de 2014 a 2019, sinal paralelo a todos os outros descritos, tornando esse conjunto algo muito raro e expressivo, tanto do ponto de vista astronômico como do ponto de vista profético.

O sétimo toque de trombeta, a sétima e última nota da escala de alertas cósmicos, etc.

7) 2020
A Estrela de Belém (a grande conjunção Júpiter-Saturno)

Mateus 24 fala que, após os sinais no Sol, na Lua e nas estrelas (e realmente, de uns anos para cá, a queda de asteroides e meteoritos aumentou vertiginosamente), após todos estes sinais, viria o Sinal do Filho do Homem nos céus, sobre as nuvens, que em primeiro aspecto, associamos a algo ufológico do estilo Merkabah, porque o Sinal fala claramente na pessoa literal de Jesus Cristo sobre as nuvens.

Cruz fimada em 2011 no Sol, Colômbia

Porém, no contexto astronômico, outro raríssimo sinal se reuniu ao grupo: a conjunção raríssima de Júpiter e Saturno em 21 de dezembro de 2020, quase no mesmo dia do Natal (data paganizada pela Igreja católica).

E esse grande sinal, que só aconteceu nesse grau de alinhamento previsto, em 7 aC (época do nascimento de Jesus Cristo) e em 1226 (ano em que morreu São Francisco, reformador da Igreja Católica, a pedido do próprio Cristo em uma visão que ele teve), esse grande sinal pode ser interpretado como a Nova Estrela de Belém e o advento de Cristo e de uma nova consciência espiritual cristianizada (a Criança que nasce da Mulher coroada de doze estrelas, Apocalipse 12).

Mas não será o único sinal.
Poderão haver novos sinais envolvendo não somente a Merkabah de Deus, mas também Nêmesis, o astro que se aproxima, aquele Dragão vermelho que derruba as estrelas do céu (efeito gravitacional sobre os meteoros circulantes dos aneis onde orbitam dentro do sistema solar).

Lembrando que o ano de 2020 também se tornou raro por se alinhar com dois fenômenos de natureza ufológica e extraterrestre:
ciclo de 30 anos crops cicles e o fenômeno dos monolitos.

Em 2020, completamos 30 anos do fenômeno crops circles, mensagens enviadas ao mundo a partir da Inglaterra, desde 1990, com o mesmo teor de alerta em relação a todas as transformações planetárias em curso, com base no calendário maia acoplado ao calendário bíblico.

E 30 anos é um ciclo de Saturno, que significa COLHEITA do tempo.

Ora, os crops circles do ano de 2020 encerraram sua mensagem no Brasil, no dia 29 de outubro, com um agroglifo em Santa Catarina.

Dias depois, em 18 de novembro, a partir do misterioso monolito descoberto em UTAH, USA, no deserto, uma série de objetos começou a aparecer em larga escala pelo mundo, especialmente na Europa e na América do Norte (USA, principalmente), e se alguns foram atribuídos a artistas, a grande maioria continua com origem misteriosa e não explicada.

Repetindo a profecia decisiva de Isaias 19:

“Naquele tempo o Senhor terá um altar no meio da terra do Egito, e uma coluna se erigirá ao Senhor, junto da sua fronteira.
E servirá de sinal e de testemunho ao Senhor dos Exércitos na terra do Egito, porque ao Senhor clamarão por causa dos opressores, e ele lhes enviará um capitão e um salvador, que os livrará.”
Isaías 19:19,20

O Egito, na linguagem atualizada da profecia, é o mundo inteiro, Babilônia, cheia de ídolos, vícios impuros, materialismo e desonra cobrindo a Terra.

Os dois enviados para salvar o povo, na expressão do Apocalipse 11, são as duas testemunhas diante do Senhor de toda a Terra, Adonai, o Senhor da Merkabah.

A grande raridade destes sinais é o seu acontecimento AO MESMO TEMPO, num curtíssimo período de sete anos reunidos, sendo que ocorrem a cada centena de anos, séculos ou mesmo milênios, considerados isoladamente.

Sinceramente, diante desse conjunto, você acha que tudo o que acontece no mundo é por pura coincidência ou pelo efeito de uma agenda divina e extraterrestre, muito bem precisas e combinadas em nosso tempo?
Porque, se a Nova Ordem Mundial tem a sua agenda, Deus e seus servidores também tem.
E ambas estão sendo cumpridas.

O ano de 2021 tenderá a ser pior, principalmente perto da inversão da curva em novembro de 2021.

Preparações já estão sendo feitas.
Os infiltrados estão com passos calculados.
Nada será em vão, por acaso ou coincidência.
Mas tudo se cumprirá de acordo com a Primeira Inteligência deste mundo perdido.


Conclusão

O maior de todos os sinais

A maior certeza que eu tenho da chegada dos tempos da grande tribulação não está nem nas profecias alinhadas com sinais no céu…. mas na grande maldade humana, crescendo a cada dia, em toda a sua violência, ódio, depravação e vida a serviço do corpo, dos prazeres e do materialismo. Na linguagem do agricultor, a fruta já está madura para ser colhida…

Mas nem com uma pandemia global que virou tudo de cabeça para baixo, ainda assim o ego humano continua tentando se iludir e não querer ver o anúncio claro do acerto de contas do Karma mundial diante de seus olhos. Busca escapatórias e coloca uma vacina no altar das suas esperanças, e insiste em negar o Criador para idolatrar a ciência corrompida e materialista desta Nova Ordem Mundial preparando novos currais para a sociedade de consumo.

Mas se a pandemia foi grave, e se o Criador continua sendo desonrado debaixo de deboche e mais deboche, as coisas podem ainda ficar piores.

Na Justiça Divina, joio e trigo não partilharão o mesmo destino.
Simples assim mesmo!
O conselho é o mesmo de sempre.
Mudar de joio para trigo enquanto se pode fazer isso.

Depois que a ciência se desenvolveu, o homem passou a se achar Deus sobre a Terra, agindo com se fosse um e descartando completamente a existência do Criador.
Esse será o seu maior erro.
Um erro também previsto em profecia.

E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno.
Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça, como as estrelas sempre e eternamente.
E tu, Daniel, encerra estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e a ciência se multiplicará.”
Daniel 12:2-4

Agora é a hora de ser sábio.
Porque o livro selado de Daniel, bem como do Apocalipse, tem sido abertos diante de todos nós pela potência dos sinais cósmicos.

Se a Nova Ordem Mundial tem a sua agenda, Deus também tem uma agenda.
E ela está acontecendo com precisão diante de todos os habitantes da Terra.
Em sete anos ela manifestou sinalizações cósmicas.
Passados sete anos… é bom se preparar.

Porque o que virá, é tão certo e seguro como tudo o que já veio e fora anunciado antes, pelos profetas do Altíssimo.

JP em 19.01.2021

Comentários
Compartilhar