Os círculos de areia numa praia do Rio Grande do Sul e a mensagem decifrada podem estar indicando o segundo Sol e nosso sistema solar binário!

Por quatro vezes círculos alienígenas aparecem nas praias de Tramandaí, Rio Grande do Sul, Brasil, repetindo a mesma mensagem!

(Com a colaboração de Nana Ufológica, moradora local e incansável pesquisadora)

Uma ufóloga moradora de Tramandaí, a região onde nas praias apareceram os círculos de areia, no Rio Grande do Sul, entrou em contato conosco e, graças a Deus, teve a inteligência de registrar os novos círculos de areia que apareceram na praia antes daquele ciclone-bomba, e que passou dias depois da formação (em 30 de junho), como um alerta – e todos temos constatado o caráter de alerta de muitos crops circles, alerta nuclear, alerta de pandemia, de eventos planetários, etc.
Com os círculos de areia, não foi diferente.

Porque, de fato, o ciclone-bomba veio dias depois do surgimento dos círculos de areia, precedidos de uma onda ufológica na região. E algum tempo depois do ciclone, vieram muitas chuvas na região Sul trazendo muitos alagamentos, com muita gente desabrigada.
As coisas aconteceram, os sinais realmente assumiram um caráter de alerta, apesar do deboche geral.

Segundo Nana, a primeira formação apareceu em 17 de junho, conforme uma publicação no facebook.


Apenas um enorme círculo composto, aparentemente com mais de 30 curvas concêntricas ao redor do centro, traçadas de forma muito simétrica e alinhada. E na maioria destas e de outras fotos e registros de vídeo, não vemos qualquer trilha de pegadas na areia e rastros que indicassem grupos humanos ao redor destas marcas, deixando o lugar após a conclusão dos mesmos.

Imagens registradas em 23 de junho de 2020

O segundo grupo de imagens apareceu em 23 de Junho, conforme muitas publicações no facebook e sites locais.
Em vez de um único círculo, um grupo de círculos menores em arranjo ao redor de um círculo maior, mesmo estilo daquele primeiro.
Entre 17 e 23 de junho, cinco dias.

O terceiro grupo de imagens foi descoberto com exclusividade por Nana, que visitou as praias na manhã de 28 de junho. E de 23 a 28 de junho, outros cinco dias se passaram.

Diagrama dos círculos registrados em 28 de junho de 2020


O grupo de imagens que ela descobriu não poderia ser a mesma que do dia 23, afinal, cinco dias é muito tempo para marcas na areia permanecerem sem que a maré, os ventos e outros fatores a apaguem em pouco tempo.
Esse terceiro grupo é, no entanto, bastante parecido com o segundo, com algumas modificações importantes.

Diagrama dos círculos registrados em 29 de junho de 2020

E, finalmente, retornando para a mesma praia no dia seguinte, 29 de junho, Nana identificou uma nova formação, a quarta a contar desde a primeira em 17 de Junho, que constava de um duplo círculo (dois círculos idênticos) com níveis simétricos e um duplo eixo em forma de X (diagonal dupla) ligando os dois.

Um modelo que lembra a Leminscata, ou Santo Oito, e não seguiu o padrão das formações anteriores.


O único padrão evidente em todas as formações é a repetição de círculos com curvas de nível, isto é, circulos concêntricos com níveis variados ao redor do centro. Esse tipo de geometria é amplamente usada para representar modelos de propagação de ondas, por exemplo, ondas sonoras ou ondas sísmicas (terremotos).
Ou como as ondas de propagação na superficie das águas (o que me lembrou Tsunamis).

Tudo isso pode nos levar a outro contexto dentro do caráter de aviso dos círculos.

Localização no Rio Grande do Sul onde todos estes eventos aconteceram, Cidreira e Tramandaí

E todos aqueles eventos climáticos no Rio Grande do Sul e Santa Catarina aconteceram imediatamente DEPOIS do surgimento das figuras, entre os dias 17 e 29 de junho, segundo a última constatação feita por Nana.

Ela observa que, entre os círculos, haviam espécies de códigos marcados, porém, danificados pela movimentação de pessoas e carros perto das formações.

Dois eventos, as luzes e aparições aconteceram na região de Cidreira, RS, com maior destaque, embora avistamentos também tivessem sido relatados na região de Tramandai, onde os circulos da areia foram deixados logo após a onda ufológica na região, noticiada em 22 de Junho. Com certeza, os dois eventos, avistamentos e círculos, tem relação direta com as ocorrências climáticas logo a seguir, numa espécie de alerta.

Luzes registradas em avistamentos na região de Cidreira, RS, um dia antes dos círculos de 23 de junho na praia de Tramandaí

Mas os círculos de areia de Tramandaí guardam muito mais informação do que um mero alerta de mudança climática repentina. Eles estão trazendo uma importante revelação sobre o nosso sistema solar, aliás, tal como os crops circles da Inglaterra e de outros países estão fazendo a vários anos, e também, no presente ano.

Entre 17 e 29 de junho, 12 dias.

Além de registrar tudo com precisão, em fotos e vídeos, Nana nos relata que se surpreendeu com a precisão milimétrica dos círculos, e que dificilmente poderiam ser reproduzidas por humanos nas areias de uma praia, ao menos, sem o uso de instrumentos adequados para isso.

Diagrama de agroglifos de Ipuaçu, Santa Catarina, em 2013

Estes modelos de círculos concêntricos já apareceram em crops circles anteriores no estado de Santa Catarina, sempre na cidade de Ipuaçu.

O material está completo agora, graças a ela.
Se não fosse por ela, tudo estaria perdido.


Os círculos de Tramandaí
A Tetralogia da Mensagem

Seguem os diagramas com precisão de números e formas.

Interpretando as formas, os números, os códigos.

Vou dividir os circulos em quatro partes, porque são quatro grupos.

Grupo 1 (17.06.2020)
Apenas um enorme círculo com mais de 30 níveis circulares concêntricos.

Grupo 2 (23.06.2020)
Uma série de nove circulos (sempre em níveis circulares concêntricos) alinhados com um grande círculo, bem maior que os demais, e cercado por 16 satélites circulares em distribuição simétrica.
Deste grupo eu fiz diagramas e interpretações, segue o link:

Grupo 3 (28.06.2020)

Uma série dupla de círculos concêntricos alinhados em relação ao círculo maior central, modelo muito parecido com o anterior (grupo 2) exceto pelo fato de haver uma nova sequência de círculos à esquerda do grande círculo central. Outra diferença é que, desta vez, o círculo maior central não veio cercado por satélites em disposição simétrica, como aconteceu no grupo 2.

Grupo 4 (29.06.2020)

Dois círculos idênticos ligados por um duplo eixo cruzado (diagonais), e também, concêntricos.

Os dois primeiros grupos estão verificados (falta uma imagem mais precisa do circulo isoladodo grupo 1).
Vamos aqui completar o trabalho de interpretação analisando os últimos grupos, 3 e 4, através do material fornecido por Nana.


Os grupos 3 e 4 serão agora analisados.
Começando com o grupo 3, do dia 28 de Junho de 2020

Grupo 3

Para facilitar, eu separei o diagrama do grupo 3 em 3 partes:
Parte A, parte B, Parte C (como indicado nas imagens)

Parte A
Nove círculos

A parte A tem nove círculos em tamanhos desiguais, à direita do círculo central maior, que seguem uma linha de progressão (aumento de tamanho) e depois diminuindo, até “desembocarem” no círculo maior, quase no centro, com 33 niveis (círculos concêntricos).

A série de 9 círculos forma a seguinte sequência de numeração (da direita para a esquerda):

3 – 5 – 7 – 9 – 11 – 9 – 7 – 5 – 3

Ora, uma progressão aritmética simples, acrescentando 2 a cada novo círculo e, ao chegar no círculo maior central da série (com 11 níveis) regride na mesma proporção 2, subtraindo, até voltar para o círculo com 3 níveis, como o primeiro da série no lado oposto.

Essa característica eu percebi no meu primeiro trabalho, isto é, nove círculos numa progressão/regressão aritmética de círculos concêntricos, e agora, pelo trabalho minucioso de Nana, podemos finalizar.

Soma parcial 1:
S1 = 3+5+7+9+11+9+7+5+3 = 59

Parte B
O círculo maior com muitas curvas concêntricas

Ele é a maior figura em tamanho, com 33 níveis concêntricos.

O círculo maior tem 33 níveis, e este número, por si só, é altamente significativo nos aspectos cabalisticos e herméticos que envolvem a ciência dos números, ou numerologia e sincronicidades

Soma parcial 2:
S2 = = 59 + 33 = 92 (que soma 11, 9+2)

Outro 11. Temos um 11 no centro da série de círculos na parte A, e temos um 33 (11+11+11) no círculo maior.
E uma soma que resulta 11 até aqui (92)

Parte C
Quatro círculos à esquerda do círculo central maior

A Série de Quatro círculos, da direita para a esquerda, não tem a mesma simetria da primeira série, de nove círculos:
15 – 7 – 5 – 15
Somando 15+7+5+15 = 42 no total de curvas concêntricas

Soma parcial 3:
S3 = 92 + 42 = 134


Grupo 4

Os dois círculos iguais unidos na parte superior.
Cada um tem 19 círculos concêntricos, e projeções diagonais unindo os mesmos.
Somando 19+19 = 38 (e 38 soma 11, 3+8)
Outro 11 no conjunto de somas.

Soma parcial final:
S4 = 134 + 38 = 172

Estes dois círculos gêmeos são ligados por duas diagonais (em X) com níveis ou linhas internas, e cada eixo tem 3 linhas.

Uma constatação interessante
Todos os números de círculos totais das imagens do grupo 3 e 4 fornecem números ímpares
(3, 5, 7, 9, 11, 15, 19, 33), oito números com repetições (os números 5 e 7 se repetem nas duas séries de círculos do grupo 3, esquerda e direita do círculo maior central).

As dimensões dos círculos
(proporções)

Segundo Nana, todos os círculos concêntricos tem um espaçamento de 15 centímetros entre si.
O grupo 3, numa fileira única, mede cerca de 65 metros, e o grupo 4, 35 metros.
Um tamanho considerável para formas na areia e compatível com as medidas de muitos crops circles ingleses.

Somando a extensão total dos dois grupos, 65+35 = 100 metros.
Número perfeito proposital? Quadrado de 10, símbolo da plenitude.
Outro número que incorpora as funções quadráticas estudadas nos círculos anteriores, do dia 23 de junho.


Interpretações

Algumas das interpretações do grupo 3 e 4 seguem o rastro das interpretações do grupo 2 (postagem acima publicada anteriormente).

A parte A do grupo 3 repetiu a mesma série de nove círculos enfileirados, e em progressão arimtérica de tamanhos que, chegando num ápice (11 círculos concêntricos) decrescem ao ponto original, e é interessante notar como esse último círculo da série intercepta o círculo maior central (de 33 níveis).

Pode representar, a primeira vista, a série planetária do nosso Sistema solar, e o pequeno Sol (estrela anã marrom, Nêmesis) interceptando o Sol no previsto periélio do objeto P 7X para março de 2021.

Inclusive, um crop circle na Inglaterra, Cley Hill, dia 11 de julho, combinando um labirinto com um sistema solar com seis órbitas representadas (de Mercúrio a Saturno) e dois planetas maiores internos reunidos (Jupiter e Saturno estão agrupados nesta época, constelação de Capricónio) e no centro, o Sol colado a um segundo Sol, menor, exatamente como apareceu no modelo dos circulos de areia do RS, Brasil, final de junho!
Ecos dos crops circles em partes distintas demonstrando uma mesma autoria?

Voltando aos círculos de areia,
a forma como esses nove círculos crescem, alcançam um ápice e, depois decrescem, pode também representar fenômenos de alinhamentos planetários eventuais que geram ondas gravitacionais e maré cósmica exaltada na mesma relação simbólica: começam do ponto de normalidade, crescem ao ponto máximo e, depois, decrescem e voltam a normalidade.

O grande círculo central representa o Sol, a série de nove “planetas” da direita, seriam os nossos planetas conhecidos do sistema solar (considerando de Mercúrio a Plutão) enquanto que os quatro círculos da Parte C poderiam representar objetos desconhecidos da zona cósmica além de Plutão (cinturão de Kuiper), incluindo o objeto P 7X (donde teria vindo, atualmente na altura da órbita de Júpiter) e talvez seu sistema próprio de planetas (quatro objetos representados).

Quanto aos dois círculos gêmeos (grupo 4) cada qual com 19 níveis concêntricos, e ligados por um duplo eixo, como rodas com correias, pode representar simplesmente o nosso sistema em sua realidade binária ainda desconhecida pela astronomia oficial.

Assim, o grupo 3 seria o modelo descritivo deste duplo sistema solar, com seus dois sóis (maior e menor) e seu sistema planetário próprio (nove de um lado, quatro do outro) e o grupo 4 seria um modelo simbólico das duas estrelas conectadas gravitacionalmente no nosso sistema binário (Hélio x Nêmesis).

Esses modelos tem grande semelhança com antigos crops circles do mundo inteiro, há padrões na estrutura destes objetos.

Inclusive, um crop circle recente, do dia 11 de julho, na Inglaterra, fez justamente essa associação entre um labirinto e as órbitas planetárias do Sol, apontand alinhamentos e a própria existência de um segundo Sol nele inserido e oculto, como parte de um grande enigma a ser solucionado pela ciência moderna (labirintos sugerem enigmas a serem solucionados).
O crop circle apareceu num dia 11 e a data reproduziu 11-11 na sua estrutura numérica: 11.07.2020
(11.722, 7+2+2, 11-11).

O fato destes círculos terem sido colocados QUATRO VEZES justamente às portas daquele evento climático inesperado (o ciclone-bomba) que afetou o Rio Grande do Sul e, principalmente, Santa Catarina, imediatamente antes do evento acontecer, pode também fazer relação como uma das causas provocadas pela realidade do sistema solar binário e do objeto que se aproxima, candidato a Nêmesis (P 7X).
Note que a letra X aparece bem destacada entre os dois círculos do grupo 4, o último a aparecer nas praias da Tramandaí, RS, manhã de 29.06.2020.

Os valores numéricos
Grupo 3:
A Parte A do grupo 3 tem nove círculos que somam 3+5+7+9+11+7+9+5+3 = 59 círculos totais (círculos de nivel).
(Curiosamente, o pequeno círculo da série nove que intercepta o círculo maior central – o Sol – pode também representar Mercúrio em uma espécie de trânsito solar, porque a órbita de Mercúrio dura 59 dias).

Veja como há uma elipse imaginária contendo a série de nove círculos da parte A, e ela pode sugerir as órbitas elípticas de Plutão e Mercúrio (o primeiro e o último do sistema solar, aquele círculo menor dos dois lados da perspectiva da imagem) bem como a órbita muito elíptica do objeto P 7X ou segundo Sol estimado nessas mensagens todas.

A Parte B, o círculo maior, tem 33 círculos totais.
A Parte C, quatro círculos que somam 15+5+7+15 = 42 círculos totais.
A soma geral destas três partes é S = 59+33+42 = 134.

A primeira proporção: nove círculos à direita, quatro à esquerda: 9/4 = 2.25
Uma proporção que nos leva ao número 225 (x100) que várias vezes apareceu em construções crop circle da Inglaterra.

A segunda proporção: 59 circulos totais à direita, 42 círculos totais à esquerda:
59/42 = 1.404

Se eu desconsiderar o último círculo de 3 níveis da série da direita, porque ele intercepta o círculo maior central (Sol), a soma 59 se torna 59-3 = 56, e isso torna a divisão um número irracional familiar:
56/42 = 4/3 = 1.333 333 333…
Essa proporção equivale ao Fá harmônico puro, nota muito relacionada ao salto dimensional e aos segredos do Hiperespaço.

O objeto P 7X

Coordenadas do objeto P 7X pelo programa SN 8 PRO em 19.07.2020
O programa nomeia o objeto como Nibiru e o define na categoria de cometa.

Este programa nomeia o objeto P 7X de Nibiru, para ser mais comercialmente aceito, já que objeto P 7X ninguém conhece, exceto os astrônomos envolvidos com o estudo e monitoramento do astro, que agora está em Capricórnio, as vezes retornando para Sagitário (efeitos de movimento retrógrado) posicionado na órbita de Júpiter.


Coordenadas do objeto P 7X em 19 de julho de 2020

Distância da Terra: 3.38 UA (507 milhões Km)
Distância do Sol: 4.39 UA.
Distância de Júpiter: 0.81 UA.
Separação angular Terra-P 7X = 33°36′
Azimute: 83°4.096′
Altitude: -21°56.277′
RA: 21h 4.412m
Dec: -24°19.935′
Raio: 43.496,2 Km
Magnitude aparente: 5.55


Com efeito, encontro várias destas coordenadas nos números dos círculos de areia de Tramandaí, RS.
Além dos modelos e simbolos planetários e de um sistema solar duplo já mencionados antes.

Por exemplo: 3.38 UA, distância da Terra e separação angular da Terra 33° (33 círculos parte B)
O fato do círculo maior central, que representa o nosso Sol, conter 33 círculos de nível, realça essa semelhança.
E 38 círculos totais do grupo 4 (19+19) e os dois círculos ligados pela letra X (P 7X).

Distância do Sol: 4.39 UA (quase o valor 42 transformado, 42/10 = 4.2, soma dos círculos do lado da esquerda, supostamente, o sistema planetário do segundo Sol).

Raio 43 mil quilômetros, outra aproximação de 42.

Magnitude 5.55, quase 5.6, a soma transformada dos círculos concêntricos dos círculos do lado direito (exceto o pequeno círculo que intercepta o círculo maior central).

Os valores de medição do P 7X mudam diariamente, por isso, algumas imprecisões na tabela de 19 de julho relacionada ao dia dos últimos circulos na areia de Tramandaí, de 28 para 29 de junho.


Outro detalhe a ser observado é que essas medições fornecidas pelo programa são oriundas de astrônomos envolvidos com o estudo do objeto, e eles mesmos afirmam que não são dados absolutos, e que eles podem sofrer correções importantes com o tempo e ajustes conforme novas descobertas.

Porém, alguns dos valores aqui encontrados são muito próximos da exatidão, e eu acredito que alguns números destes circulos não encontrados nos dados do programa SN 8 PRO se referem a dados existentes do objeto ainda desconhecidos para nós. E conforme os dados sejam ajustados e atualizados pelos astrônomos, esses valores vão se aproximar cada vez mais da realidade.


Conclusão

Não me surpreende essa descoberta nos círculos de areia do Rio Grande do Sul porque, desde 1990, esse sistema solar binário é revelado em detalhes pelos crops circles ingleses e de outras partes do mundo.

E como eu acredito na mesma autoria de todas essas mensagens, fica evidente que a urgência dessa revelação da parte deles para o mundo tem grande relevância para o momento atual da Terra, tão sacudida por eventos inesperados e por todo esse “Novo Normal”, apelido que as midias e os meios de comunicação deram para o estado de anormalidade geral das coisas, digamos, para suavizar o seu impacto perante a opinião pública.

Vídeos

(Dia 28 de Junho de 2020, praia de Tramandaí, RS)

Os círculos já aparecem com muitos rastros e pegadas de visitantes e curiosos, não significando que sejam marcas de humanos que fizeram os tais objetos na areia).
Impressiona a simetria dos objetos.

Agradecimentos a Nana Ufológica pela sua iniciativa neste trabalho.

JP em 21.07.2020

Comentários
Compartilhar