O que se sabe sobre o suposto asteroide que pode colidir com a Terra em setembro?

Steven Ben tem causado agitação nas redes sociais por causa de sua declaração que fala do grande risco de um asteroide colidir com a Terra em setembro de 2020.

De fato, todos nós temos testemunhado o grande aumento da circulação de asteroides e meteoros no céu nos últimos meses, em todas as partes do mundo, como que por causa do efeito do objeto P 7X (atual candidato a estrela Nêmesis, anã marrom-vermelha)

Segundo ele, um engenheiro da FEMA teria compartilhado em “off” essas informações de posse dos governos.
Não fala em 100% de certeza, mas fala na possibilidade real.
Ele fala em diversas fontes que não se conhecem, mas que concordam com o mesmo depoimento, seja de conselheiros do presidente Trump, físicos e cientistas, e altos oficiais do Pentágono conectados à Casa Branca, com quem Steven Ben diz ter contato direto.

Ele também diz ter conversado com engenheiros, e todos estavam a par do problema acontecendo no Cinturão de Asteroides, impactado de uma forma misteriosa, fazendo com que a incidência de asteroides e meteoros aumentasse muito em nossos céus nesse tempo.
Um asteroide que seria um segredo de Estado.

E esse aumento dos asteroides é real, todos nós temos constatado isso.
De tal forma que não é impossível que algum ou alguns destes objetos possa mesmo estar em rota de colisão, até por uma questão de estatística.

No ano da pandemia, tudo se inteinsifica no sentido de alertar a humanidade, para que busquem lugares seguros, em especial, longe de certas regiões costeiras dos EUA e do planeta.

Inclusive há um filme recente muito comentado, Greeland, que fala exatamente sobre a queda de um asteroide, filme esse que muitos acreditam ser uma mensagem indireta para a humanidade via Hollywood.

A existência de um asteroide que se aproxima perigosamente da Terra, e que cruzará com a nossa órbita de maneira muito próxima em setembro.

O nome deste asteroide, segundo a NASA, é 2010 FR. E sua aproximação máxima da Terra será em 6 de setembro.
Sua distância mínima da Terra será de 0.05 U.A. cerca de 7.5 milhões de Quilômetros… aparentemente, uma distância segura. Porém, os efeitos da energia gravitacional podem fazer o asteroide se aproximar ainda mais, dependendo da sua massa, que não é pequena.

Nos cálculos da Mecânica celeste, pelo menos três coordenadas são importantes:
a distância entre dois objetos, a massa dos dois objetos e a velocidade dos objetos.

O asteroide em questão tem 196 metros de comprimento (bem grande!)
Um suposto impacto com a Terra liberaria uma energia equivalente a 277 Megatons, gerando cataclismas onde quer que caia, na terra ou no mar.

Se Steven Ben está falando a verdade, isso será revelado em setembro.
O asteroide existe, e passa em setembro, essa é a parte verdadeira.
Se vai colidir, e se Steven realmente recebeu todos aqueles alertas em “off”, essa é a suposição.

De qualquer forma, cedo ou tarde, alguma coisa vai cair sim, seja por pura estatistica, seja por profecia.
E se realmente existe um astro invasor descendo a órbita de Júpiter (P 7X) em direção ao cinturão de asteroides, isso não é mais especulação, é ciência real.

Só nos resta aguardar.
Porque nada se poderá fazer para evitar.

E o primeiro anjo tocou a sua trombeta, e houve saraiva e fogo misturado com sangue, e foram lançados na terra, que foi queimada na sua terça parte; queimou-se a terça parte das árvores, e toda a erva verde foi queimada.
E o segundo anjo tocou a trombeta; e foi lançada no mar uma coisa como um grande monte ardendo em fogo, e tornou-se em sangue a terça parte do mar.
E morreu a terça parte das criaturas que tinham vida no mar; e perdeu-se a terça parte das naus.
E o terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela ardendo como uma tocha, e caiu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas.

Apocalipse 8:7-10

As três primeiras trombetas do Apocalipse falam de um mesmo evento sob diversos ângulos, a estrela da amargura, Absinto, caindo no mar, na terra e nas fontes das águas.

Chuva de saraiva (chuva de pedras do céu, asteroides, primeira trombeta) até que uma delas cai como grande montanha de fogo (segunda trombeta) e sua energia penetra nas fontes da Criação, amargando tudo com sabor de morte (terceira trombeta).

Investigando as possibilidades… e setembro dirá.

Fato inegável, no entanto, é a grande incidência de asteroides e meteoros que estão escapando do Cinturão e circulando sobre nossos céus.
Isso já é realidade. Se alguns deles está em rota de colisão, impossível não é, por uma questão de estatística.

Mas se não tiver ainda chegado a hora da humanidade conhecer a amargura de Absinto, Deus nos livrará novamente, como tantas vezes…

Vídeo da entrevista de Steveb Ben dublado:

Veja também:

JP em 29.07.2020

Comentários
Compartilhar