O Poder dos Arquétipos Mentais

Um arquétipo é uma ferramenta muito útil no mundo astral, permita-me explicar um pouco.

As pessoas normalmente se deitam para dormir com a mente cheia dos pensamentos ordinários do dia comum, ou seja, dinheiro, mulheres, contas a pagar, diversões, datas marcadas, trabalho, compromissos, sexo, etc etc, e quando a alma é expulsa do corpo (como acontece todas as noites) então ela sai cercada por todas essas imagens comuns, como uma nuvem de moscas que a acompanha, e por vezes, imagens baixas de formas-mentais que, de arquétipos, nada têm, e portanto, carecem de poder e vibração superior.

Então, nessa condição baixa de energia mental isenta de qualquer conexão superior, acabam caindo no Limbo astral inferior e se somam aos milhões de outras almas ali adormecidas como elas, quer vivas ou mesmo mortas, mas todas trazendo o mesmo sonho com imagens comuns, sem qualquer valor espiritual ou ressonância com os planos superiores, e neste lugar, o Umbral, ficam rodando, imersos em seus sonhos baixos, como zumbis e autômatos, até o dia clarear e a biologia dos corpos as chamarem de volta – diferente dos mortos, que por lá ficam por anos, séculos, até reencarnarem, sonhando no seu tempo de adormecimento.

E para piorar, temos toda essa cultura de mídia de filmes de terror, zumbis, demônios e vampiros, sangue, violência, assassinato, promiscuidade, etc, que as pessoas assistem abundantemente, impregnando seu subconsciente de formas mentais muito baixas, que as conectam todas as noites aos mundos inferiores da Terra, salões do Inferno a gerar seus pesadelos recorrentes.

Mas o arquétipo é um valioso instrumento das religiões antigas e das legítimas doutrinas da luz.

E como ele funciona? Simples: antes de dormir, em vez de se atirar na cama como uma pedra repleta de imagens vulgares e desconectadas com o Infinito na mente, fica-se um tempo orando e se concentrando numa imagem DIVINA por assim, dizer, pode ser o Cristo, pode ser a Virgem, pode ser um Anjo, pode ser uma forma geométrica, etc, todas funcionam se voce souber transferir a ela seu poder mental até que ela se torne uma entidade viva e se cristalize na sua presença espiritual, e ela então se tornará um verdadeiro barco ou bussola a guiar a alma nos planos superiores, conectada as suas esferas próprias conforme sua qualidade e intensidade vibratória, segundo a Lei da Imantação Universal.

Os arquétipos ganham uma espécie de vida mental do outro lado pela transferência de sua energia mental concentrada, e se tornam veículos para o despertar da consciência, muito úteis, e estão debaixo de regras e disciplinas, segundo suas formas de construção e de conexão com os departamentos dos mundos superiores e suas dimensões, onde os arquétipos realmente têm vida, o que é algo mágico e místico, cheio de beleza, poder e mistério.

Jung celebrava o poder dos arquétipos mentais, e ele, sábio que era, conhecia a origem dos mesmos no exercício das religiões mais profundas, mais esotéricas e menos exotéricas, chaves poderosas do despertar astral.

Ps: todos os crops circles são arquétipos, porque derivam da Geometria Universal, a grande matriz dos Arquétipos!
Mas para que um arquétipo por voce escolhido assuma tal poder e condução ao despertar astral, precisa ser construido pela visualização constante e contínua, em estado de fé e vontade inabaláveis, dentro da mais rigorosa disciplina que não admite dispersão ou desânimo no curso dos trabalhos.
Associá-los a mantras, orações e palavras de poder resulta também parte vital desta chave: a Palavra de fé concede vida aos arquétipos mentais!

JP em 07.08.2020

Comentários
Compartilhar