NASA monitora asteroide em rota de colisão com a Terra

Desde 2016 há um monitramento de um asteroide vindo em direção ao Plane5ta Azul. Se um grande asteroide se dirigisse para um ataque direto com a Terra, a humanidade provavelmente não poderia contar com Bruce Willis e uma bomba nuclear para salvar o mundo de certa destruição, no estilo “Armagedom” .

Mas uma espaçonave robótica pode ser capaz de empurrar um asteróide mortal para fora de seu curso de colisão. 

Essa é a possibilidade que a Agência Espacial Europeia (ESA) e a NASA querem investigar com sua missão de Avaliação de Impacto e Deflexão de Asteróides (AIDA), proposta para lançamento em 2020. Um grupo de cientistas planetários e especialistas espaciais liberou uma carta aqui no Museum für Naturkunde de Berlim para angariar apoio para o teste de detecção de asteróides, poucas semanas antes de as autoridades europeias decidirem se irão em frente com a missão.

Risco de asteróide

Embora os cientistas acreditem que grandes asteróides ameaçadores da Terra sejam relativamente raros, a queda do meteoro Chelyabinsk em 2013 ofereceu um lembrete de que podem haver objetos potencialmente perigosos no sistema solar da Terra que ainda precisam ser descobertos e estudados. A rocha espacial que explodiu sem qualquer aviso prévio sobre a cidade russa de Chelyabinsk tinha apenas cerca de 20 metros de largura e, ainda assim, o meteoro feriu 1.200 pessoas e danificou milhares de edifícios.

Um asteróide maior pode destruir uma cidade inteira, disseram os cientistas.

“Nós sabemos o número aproximado de objetos nas diferentes classes de tamanho, mas não sabemos quase nada sobre suas características”, disse Alan Harris, um cientista sênior do Centro Aeroespacial Alemão (conhecido por sua sigla alemã, DLR) a repórteres em uma entrevista coletiva Segunda-feira. “Para nos prepararmos para a deflexão de um asteróide , precisamos saber muito mais.”

A carta que Harris e mais de 100 outros cientistas assinaram observou que, dos milhares de objetos próximos à Terra conhecidos, existem atualmente mais de 1.700 asteróides considerados potencialmente perigosos.

“Ao contrário de outros desastres naturais, este é um que sabemos como prever e potencialmente prevenir com descobertas antecipadas”, escreveram os cientistas na nova carta. “Como tal, é crucial para o nosso conhecimento e compreensão dos asteróides determinar se um impactador cinético é capaz de desviar a órbita de um corpo tão pequeno, caso a Terra seja ameaçada. É isso que AIDA nos ajudará a avaliar.” 

Duas missões, duas rochas espaciais

AIDA é realmente duas missões: Asteroid Impact Mission (AIM) da ESA e o Double Asteroid Redirection Test (DART) da NASA. Ambos voariam para o sistema binário de asteróides Didymos, que deverá passar a 6,8 milhões de milhas (11 milhões de quilômetros) da Terra em 2022.

Este sistema binário consiste no asteróide Didymos de 2.625 pés de largura (800 m) e seu menor “moonlet”, Didymoon, que, com apenas 560 pés (170 m) de diâmetro, tem aproximadamente o mesmo tamanho da Grande Pirâmide de Gizé.

Se a missão prosseguir conforme planejado, a espaçonave AIM (que teria o tamanho de uma mesa de escritório) será lançada em outubro de 2020 e chegará a Didymos em junho de 2022 para estudar o sistema de asteróides e colocar uma sonda em Didymoon. O AIM também terá um assento na primeira fila para testemunhar o impacto do DART com Didymoon. Quando o DART falhar, ele ajustará ligeiramente a órbita de Didymoon em torno de Didymos, testando o tipo de tecnologia que poderia um dia ser usada para tirar um asteróide perigoso de sua trajetória.

“Nunca visitamos um corpo tão pequeno”, disse o investigador principal da AIDA / AIM, Patrick Michel, do Observatoire Côte d’Azur da França e do Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS), que foi um dos cientistas que redigiu a carta.

O pequeno tamanho de Didymoon realmente apresenta alguns desafios. Por exemplo, os cientistas dificilmente foram capazes de caracterizar o moonlet do solo.

“Nós nem sabemos sua forma”, disse Michel à Space.com.

E a gravidade de Didymoon é minúscula. O objeto tem uma velocidade de escape de apenas 0,13 mph (0,21 km / h), o que significa que se você pudesse ficar na superfície do asteróide e pular, não voltaria para a superfície da rocha espacial; você simplesmente sairia flutuando, disse Michel. Colocar uma sonda na superfície de um corpo tão pequeno e fazer com que ela permaneça lá será difícil, acrescentou.

Fonte

Comentários
Compartilhar