Misteriosa “chuva de peixes” que ocorre em Honduras e não se sabe o motivo

Conhecida como Lluvia de Peces ou “Chuva de Peixes”, diz-se que ocorre pelo menos uma e às vezes duas vezes por ano na pequena cidade de Yoro: durante uma grande tempestade de chuva, centenas de pequenos peixes prateados supostamente caem do céu nas ruas da pequena cidade.

Diz-se que está acontecendo na cidade desde 1800 nos meses de maio ou junho, a cada ano uma grande tempestade rola pela cidade com uma chuva muito forte, e uma vez que a tempestade passa, as ruas são encontradas batendo e batendo, cheias de pequenos peixes ainda vivos.

Na década de 1970, uma equipe da National Geographic realmente testemunhou o evento, tornando-o um dos poucos avistamentos críveis de tal fenômeno, embora a prova de que os peixes estavam vindo do céu e nenhuma outra fonte permanecesse ilusória.

Conhecido como “chuva animal”, esse fenômeno climático tem sido relatado em todo o mundo há séculos, embora o conhecimento científico a respeito ainda seja vago.

Em 1823, o explorador e botânico Alexander Von Humbolt escreveu sobre a erupção vulcânica do Monte Carihuairazo em 1698, que aparentemente também cobriu quarenta e três milhas quadradas da região circundante com lama e peixes (possivelmente de um lago subterrâneo conectado ao vulcão).

De modo geral, os relatos de chuva animal geralmente dizem respeito a peixes e sapos, mas outros relatos muito mais perturbadores falam de pássaros, cobras, crocodilos de trinta centímetros, medusas, ratos, aranhas e até mesmo uma “chuva de carne e sangue”. Em alguns relatos, os animais já estão mortos quando caem no solo, enquanto em outros, eles estão vivos, e aqueles que sobrevivem à queda – embora certamente descombobulados – saltam ou caem para longe.

A explicação mais simples para essas chuvas de animais é que grandes tempestades forçam certos animais a sair de suas casas ou inundem rios, fazendo com que eles encham as ruas. Outra explicação simples é que uma enchente pode depositar peixes longe de suas águas antes de secar rapidamente, fazendo com que os espectadores acreditem que os animais devem ter caído com as chuvas.

Leia também  Um enorme UFO cilíndrico registrado por astrônomo na constelação de Órion

Embora essas possam ser a fonte de muitos relatos sobre chuva animal, o Northern Territory News of Australia relatou em fevereiro de 2010 “que comida caindo do céu é mais do que uma lenda. Foi relatado que em 25 e 26 de fevereiro, os peixes pousaram como chuva em Lajamanu, Austrália, a 200 milhas da costa. “

Como a chuva de peixes em Yoro, parece que, embora extremamente raro, os animais ocasionalmente caem do céu. A provável explicação científica para isso é elegantemente simples – trombas d’água.

As trombas d’água são como pequenos tornados que se formam sobre um corpo de água. Embora as trombas d’água não sugem água para o ar (o “bico” é na verdade a condensação), o redemoinho de trombas e tornados tem a capacidade de levantar pequenos animais da água para o ar, casos em que podem ser carregados para muito longe de seus corpos d’água e liberados em outro lugar. E alguns tornados realmente têm a capacidade de sugar lagoas inteiras. No geral, essa hipótese faz muito sentido, considerando que a maioria das chuvas animais consiste em criaturas aquáticas.

(No caso de relatos de “chuva de pássaros”, a explicação é diferente – um bando de uma espécie é surpreendido por um vento particularmente repentino e forte, soprado um pouco, morto e, à medida que o vento se dissipa, cai do céu. Isso também explica o que pode ser a chuva animal mais terrível – a chuva de sangue e carne. Neste caso, os pássaros estão tão maltratados que caem em pedaços. Qualquer outro animal sugado por uma tempestade violenta também pode voltar à terra como vísceras. Embora também haja casos em que as “chuvas de sangue” tenham sido feitas por poeira vermelha, uma explicação muito simples.)

Em Yoro, a explicação frequentemente apresentada é mais religiosa do que científica. O padre José Manuel Subirana, um padre católico que vive na região, rezou para que Deus desse sustento aos povos famintos e, no final de sua maratona de oração, dizem que choveu peixes pequenos. A festa, iniciada em 1998, é realizada em homenagem ao milagre que é a Lluvia de Peces, e realiza-se um desfile onde as efígies do Padre José Manuel Subirana são carregadas pelas ruas.

Leia também  Genética estelar nas origens da humanidade

Um dos elementos mais misteriosos do Departamento de Yoro “Chuva de Peixes” é que os próprios peixes não são locais da área e podem estar vindo de lugares tão distantes quanto o Oceano Atlântico a cerca de 200 km de distância, provavelmente trazidos por trombas d’água que os sugam o céu.

Uma teoria menos excitante postula que os peixes vivem em rios subterrâneos e, na verdade, estão sendo forçados a sair das ruas em vez de cair sobre elas. Esta hipótese é apoiada pelas equipes da National Geographic na década de 1970, descobrindo que os peixes são completamente cegos.

Fonte

Comentários
Compartilhar