General brasileiro afirmou ter tido contatos diretos com OVNIs

Um general brasileiro que se interessou por OVNIs por causa de um filme da Força Aérea dos EUA passou os últimos trinta e seis anos de sua vida proclamando publicamente que os OVNIs existem, porque ele viu mais de sessenta, alguns deles bem de perto.

Foto ilustrativa.

Alfredo Moacyr Uchôa, ex-vice-diretor da Academia Militar das Agulhas Negras, disse:

Eu não acredito que os OVNIs sejam reais. Eu sei que eles são.

O general Uchôa criticou oficiais e cientistas que alegam que os OVNIs não existem:

Vi OVNIs e entrei em contato com eles. Com milhões de pessoas vendo-os e os governos e cientistas do mundo dizendo: ‘Não, você não os vê’, isso é ruim, muito ruim.

Os cientistas preferem não pensar em OVNIs porque seria uma verdadeira revolução para sua ciência. Isso ameaça a estrutura da ciência. É por isso que os cientistas não querem estudar ou mesmo reconhecê-los.

Mas a longo prazo eles irão.

Durante uma entrevista em sua casa em Brasília, ele disse que se lembrava vividamente de como se interessou por OVNIs. Ele tinha cinquenta e quatro na época:

Em 1960, quando eu era estudante da nossa Escola Superior de Guerra, todos os alunos foram convidados à Embaixada dos EUA para assistir a um filme feito pela Força Aérea dos EUA, e no filme vimos o grande evento da visita de muitos objetos sobre Washington na década de 1950 que foi pego no radar. Vi isso e me inspirei, me interessei. A Força Aérea Americana não teria entregue este documento sem que fosse verdade. Fiquei impressionado e decidi estudar o assunto se a oportunidade surgisse.

O general Uchôa se aposentou em 1963, após mais de quarenta anos no exército. Nos últimos vinte e cinco anos de sua carreira, ele foi professor de mecânica de engenharia na academia. Ele também foi chefe do departamento de matemática e, durante doze anos, foi diretor adjunto da academia, localizada perto do Rio de Janeiro.

Um porta-voz da Força Aérea no Pentágono reconheceu que a Força Aérea fez um filme baseado na investigação do Projeto Blue Book dos OVNIs após a famosa “invasão” de OVNIs em 1950 em Washington, DC. No entanto, nem ele nem ninguém na Embaixada dos EUA no Brasil se lembraram que isto havia sido mostrado no Brasil.

General Uchôa.

Primeiros avistamentos em 1968

Para o general Uchôa, a oportunidade de estudar pessoalmente os OVNIs ocorreu em 1968, depois que ele se mudou para Brasília, a capital do país:

Quando cheguei aqui, um filho meu, oficial do exército, sabia que em uma fazenda perto da comunidade de Alexânia algumas coisas haviam acontecido. Ele nunca tinha visto nada lá, mas sabia que os outros tinham. Fui apresentado ao dono da fazenda. Organizamos um grupo e iniciamos nossa pesquisa lá em março de 1968.

Alexânia está longe daqui, cerca de cento e vinte quilômetros a oeste de Brasília. Tivemos aquela longa jornada de dirigir duzentos e quarenta quilômetros até lá e voltar à noite duas ou três vezes por semana.

Éramos em oito, incluindo eu e o dono da fazenda. Tínhamos três militares, incluindo meu filho, então tenente e agora major, e um amigo dele, major na força aérea, professor de física, professor de direito e outros em diferentes profissões.

O primeiro contato foi em 22 de julho de 1968. O primeiro contato foi extraordinário. Éramos oito, todos amigos, e vimos o objeto claramente à nossa frente, irradiando uma intensa luz azulada-esbranquiçada. Então rapidamente o objeto desapareceu e imediatamente apareceu à direita em um ponto mais alto nas montanhas.

Quando começamos a nos concentrar na nova posição, ele desapareceu e voltou à primeira posição. Mais tarde, o objeto subiu ao céu, talvez dois mil metros, e dali iluminou toda a área onde estávamos.

A partir desse dia, durante os próximos dez meses, todas as noites em que fomos lá, tivemos a oportunidade de ver fenômenos extraordinários. Vimos pelo menos sessenta, talvez cem vezes. Eu escrevi um livro sobre isso.

No livro, intitulado A Parapsicologia e os Discos Voadores, o general Uchôa descreveu em detalhes os avistamentos mais espetaculares. Em cada caso, ele identificou todos que estavam com ele em cada uma das aparições. Eles incluem militares e profissionais de negócios.

Um deles foi o Dr. Oswaldo Franca, professor de Direito no Centro Universitário de Brasília.

Dr. Franca me disse:

Tudo o que ele escreveu é verdade. O general Uchôa, eu e os outros costumávamos ir lá muitas vezes por semana e tivemos a oportunidade de ver muitos fenômenos luminosos. Eu posso confirmar a verdade desse fenômeno. Vi isso muitas vezes com meus próprios olhos.

Troca de Sinais com o OVNI

O general Uchôa morreu em 5 de março de 1996, seis semanas antes de seu nonagésimo aniversário. Quando o entrevistei em 17 de fevereiro de 1979, ele disse que nunca teria escrito sobre o que ele e os outros tinham visto em Alexânia se ele estivesse sozinho. O livro detalha alguns dos próximos encontros:

Vi um amigo meu chegar a cerca de um metro de um ser do objeto, e o resto de nós assistiu a cerca de cento e quarenta metros de distância usando binóculos. Algum tempo depois, eu pessoalmente cheguei a dez a quinze metros do objeto.

O general Uchôa disse que queria se aproximar e entrar na nave, mas os ocupantes não o deixaram:

Eu estava muito perto. Estou certo de que eles não me convidaram para entrar e não deixaram o objeto. Eles não abriram a porta.

Eles conversaram conosco com sinais de luz. Pedi que me deixassem entrar no OVNI, mas eles não concordaram. Por exemplo, eles me deram três sinais indicando que eu poderia me aproximar. Mas quando eu lhes dava um sinal, eles me davam duas ou três vezes mais do que eu pediria.

Por exemplo, eu pensava: ‘Se eu puder ir até lá, me dê três sinais e vou me aproximar e entrar’, mas eles dariam cinco sinais ou dez sinais ou algo diferente do que eu pedia. Então eles não concordaram em me deixar entrar.

Os avistamentos foram frequentes por dez meses, mas depois disso diminuíram, disse ele:

Em 1973, comecei a ter outro tipo de experiência, a experiência telepática, lidando com a maneira telepática de entrar em contato com eles. Comecei a entendê-los de uma maneira telepática. Seus pensamentos vieram a mim…

O general Uchôa disse que, com esses seres, ele aprendeu que há muitos grupos visitando a Terra, a maioria deles de outros sistemas estelares, mas alguns de nosso próprio sistema solar. A maioria, mas não todos, não quer o nosso mal, disse ele:

Existem muitos tipos diferentes, muitos grupos de origens diferentes, com interesses diferentes. Essas pessoas com quem mantemos contato são de altas condições espirituais e são muito benevolentes. Eles não nos fazem mal algum.

Mas outros não se importam conosco, outros visitantes do espaço sideral. Eles são indiferentes para nós. Eles não se importam conosco. Eles querem estudar nosso planeta, nossas condições de vida, nossos animais, nossas plantas e assim por diante, sem prestar atenção em nós como homens responsáveis. Então, às vezes eles podem ser agressivos.

O general Uchôa, que publicou vários outros livros sobre OVNIs, disse que é possível que muitas pessoas no mundo tenham tido contato com seres espaciais:

Cedo ou tarde, todos no mundo terão provas concretas de que os OVNIs são reais e são do espaço sideral. Eles me dizem que estão preparando um contato mais ostensivo e pedem que sejamos pacientes, que esperemos um pouco mais.

O que as pessoas na terra podem fazer?

Ele disse:

Nada, além de esperar.

Fonte

Comentários
Compartilhar