Aos críticos da Bíblia

Bíblia, folclore de primitivos?
Para alguns “entendidos”, parece que sim!

Mais folclore vemos na televisão todos os dias. Folclore estúpido é a cultura moderna. No passado, a verdade era levada a sério. No passado, as mentes dos homens não estavam atrofiadas por causa de horas e horas no computador e no celular. Eles tinham visão e audição além do alcance. a intuição existe neles. Folclore é Big Brother, É futebol , é carnaval, é novela, é tudo o que está nessa cultura lixo da modernidade. A Bíblia tem registros de contatos reais com os deuses,. como todas as escrituras do passado. Então, quando Ezequiel viu um carro de fogo descer do céu com querubins e um ser no trono, isso também foi folclore?

Folclore é toda essa cultura-lixo moderna, de cinemas, games e entretenimento.

E que eles estudem mais a Bíblia, e procurem aprofundar na Cabala.


Os antigos realmente viram anjos e tiveram contatos com Ets, porque eram puros de coração e suas mentes não estavam entupidas de tecnologia. Hoje, nós é que fazemos mitos de jogadores de futebol, astros da Tv e da música, esportistas e outros ídolos de plástico da mídia. O pior de tudo é que estamos jogando nos antigos tudo o que fazemos hoje. Por isso é que os Extraterrestres não falam mesmo com a humanidade local.

A tecnologia nos tornou piores, mais mentirosos, mais enganadores, mais artificiais. O cérebro atrofiando, a inteligência criadora se apagando, a ilusão tomando conta. A maldade crescendo, a mentira se tornando hábito. Extraterrestre esperto passa longe da gente…

As percepções superiores da mente humana estão morrendo, sufocada por uma cultura cada vez mais distante da Realidade cósmica e do verdadeiro propósito da existência.

Na minha opinião, muitos críticos nunca abriram uma Bíblia, quanto mais estudá-la e tentar interpretá-la sob outras luzes. No mais, eles apenas pegam um rótulo saído da mesma cultura moderna e estúpida de nosso tempo e carimbam a Bíblia, e outras escrituras de precioso valor, testemunhos reais e registros inestimáveis de um conhecimento perdido, apenas a carimbam com o rótulo de folclore, sem jamais ter lido e estudado a fundo tais conhecimentos.
São os grandes desastres morais causados pela ignorância ilustrada…

Além dos registros tão importantes para a História e a Arqueologia de todos os tempos, como sabemos.

Eu não consigo me conformar com isso, com gente que rotula as coisas sem conhecimento, sem estudo, sem saber do que se trata, apenas pegando carona nas idéias populares difundidas.


A Bíblia contém os relatos extraterrestres mais precisos, como o caso de Elias, Moisés e Ezequiel, entre tantos outros. Como chegam a esse ponto de julgamento?

A tecnologia artificial está transformando o homem num ser de pouca profundidade e nenhuma intuição. Não se cria mais nada com a inteligência, os gênios legítimos estão sumindo para dar lugar aos técnicos. Uma coisa é certa: se os antigos conheciam estas coisas e conseguiam estes prodígios com suas faculdades mentais despertas, então, comparando a nossa mentalidade moderna com aquela, com certeza, em linhas gerais, começou a involução humana, rumo aos grays e às cavernas. É de se pergunta sempre: porque os Anjos e os ETs lidavam diretamente com os antigos, e agora, fogem dos modernos, como o diabo da cruz?

O que os antigos tinham que os modernos não têm?

Tudo pode ser uma questão de terminologias em choque, e não de leis ou verdades. Átomos já eram coisas teorizadas muito antes dos gregos, até mesmo por indianos ou budistas tibetanos em seus próprios termos. A Física do TAO é uma boa fonte de instrução nesse aspecto. Afinal, as leis universais no tempo de Moisés, o primeiro escritor da Bíblia, não mudaram para cá. A cultura evoluiu, o DNA da humanidade sofreu alterações, mas as leis da Física continuam as mesmas. E não é porque temos hoje um LHC em operação (até agora tá tentando criar um mini big-bang, vai continuar tentando) que isso deve anular as capacidades extra-sensoriais dos antigos na coleta de informações muito mais na raiz, na fonte da Criação, que é o Espírito.

Bem, o LHC estourou tudo o que podia estourar pela frente, e ainda não achou o espírito entronizado. Em resumo, não só a Biblia, mas o Baghavad Gita, o Alcorão, o Vedas, Talmude, Sefer Zoar e Sefer Ietzirá, e outras pérolas da Sabedoria ancestral, tem um monte de definições científicas que não estão sendo aproveitadas pela ciência moderna não por conterem folclore, mas tão somente por estarem em uma terminologia completamente estranha aos modelos da ciência atual, piorando pelo fato de acrescentar espírito e inteligência criadora por detrás dos mesmos fenômenos.

Então, ao fator choque de termos, soma-se o fator preconceito. E quem sai perdendo é a humanidade. Porém, de minha parte, compreendo bem a junção da ciência e da espiritualidade em uma mesma raiz, em uma raiz comum. Não vejo nenhuma dificuldade em conciliar o conhecimento moderno com a sabedoria antiga, até porque, segundo a mesma sabedoria, passado e futuro são ilusão.

Eu me considero apenas um estudioso que consegue estudar tanto os avanços da ciência moderna como os segredos do conhecimento hermético ancestral e conciliar tudo numa síntese unificada.

E ainda, transformar tudo isso numa fé prática, legítima, que traga soluções para o crescimento da alma e o despertar da consciência no universo além das três dimensões, da matéria e do tempo.

Vejo em Jesus Cristo um mutante legítimo dessa operação, a semente do Filho de Deus em um terreno fértil de alma, que encontrou receptividade, e se transformou em homem-Deus. Se a ciência não puder investir principalmente no homem, não somente no seu conforto material (o que contradiz a lei do desapego e renúncia material) mas diretamente no sentido de convertê-lo à imagem e semelhança do Pai, como preconizam todas as religiões dignas, então para que servirá a ciência? Descobrir leis maravilhosas da criação para aplicá-las apenas em máquinas? Não, a ciência deveria ter no homem e nas potencialidades internas do corpo e da mente o seu alvo central. Nisso é que eu encontro o seu maior pecado.

Os verdadeiros alienígenas criadores estão com tudo na planilha de cálculo. Não só eles, como também os anjos, e as forças invisíveis do universo, tem um critério: não podem aparecer e se manifestar fisicamente, não antes do homem promover sua transformação pelo chamado interno, do lado de dentro. Aparecer externamente frustraria todos os planos da fé pura, aquela que Jesus deixou bem clara a São Tomé, e a todos os Tomés que viriam depois, principalmente nos dias atuais:

“Tomé, voce acreditou porque viu. Bem aventurado aquele que crê sem ver”.

Porque essa fé é a que transforma o homem. Se os nossos sentidos pudessem ver as coisas divinas pelo lado de fora, então falharíamos na principal verdade deixada para todos nós:
“Deus está dentro”. E somente despertando Deus dentro é que poderemos um dia experimentá-lo do lado de fora, junto com todos os seus filhos, Anjos e ETs.


Essa é a regra. Essa é a principal lição que temos que dar para garantir uma evolução de consciência, com a subida da oitava dos poderes mentais.

Ver para crer é continuar na mesma oitava baixa de consciência tridimensional, e pior, já em estado de involução.

Quem puder compreender isso e viver na prática, já está estabelecendo contato com eles, ainda que não perceba ou se dê conta disso.

E pelo outro lado, um outro porque de tais manifestações não acontecerem: seria pesado demais para muitas mentes. Então não creio que essa regra será mudada. No mais, didática de quem ensina e sabe o que ensina, e para quem.

Os manuscritos originais do Antigo Testamento existem até hoje, bem como os originais do grego-copta do Novo Testamento, muito bem guardados no Vaticano e outras instituições de Israel. Os manuscritos do Mar Morto, por exemplo, descobertos em 1945, confirmaram várias passagens do Velho Testamento, validando-o. As alterações não são referentes ao manuscrito original, e sim, às sucessivas traduções e interpretações que se seguiram.

Os próprios judeus eram rigorosos na questão da letra, há inclusive estudos que decodificaram o hebraico original do Velho Testamento em super computadores que encontraram códigos presentes, especialmente na Tora. As bíblias hebraicas, portanto,são cópia fidedigna desses originais. O problema está nas traduções e interpretações. Aí sim, muita coisa se perdeu, sem dúvida. Mas mesmo com as interpretações seculares dos padres e teólogos da Igreja, o essencial se preservou. Tanto que muitas descobertas arqueológicas importantes se guiaram na Bíblia traduzida, o que demonstra que o poder de verdade da mesma ainda existe.

As tantas alterações mencionadas pelos doutores entendidos, estes que pretendem invalidar as sentenças morais da Bíblia ao fazer desacreditar sua maior Entidade Divina, elas não chegam a ser vitais, são variantes de cultura, época, ambientação dos eventos, e coisas assim. Não chegaram a comprometer a Bíblia. Até porque a mensagem essencial do fazer o bem, amar e respeitar o Criador e a Criatura, dar e receber, e coisa do tipo, chegaram sãs e salvas ate nós.

Alterações como “camelo” (kamelos) por “corda” (kamilos) não chegam a alterar o sentido da frase que todo mundo bem entende sobre o rico que não passa no buraco da agulha. É de se saber que qualquer texto de um idioma traduzido para outro perderá parte da sua conotação e contexto originais, e quem fala inglês, por exemplo, sabe muito bem disso. É o que se deu da tradução e interpretação do hebraico para os idiomas do mundo ocidental, muito diferentes daquele. Mas o grego copta não é tão diferente assim, muita coisa está preservada.

Muitos destes estudiosos da Bíblia não tem interesse em explorar a sabedoria antiga em seus estudos, ficam apenas procurando provas para negá-la. E por incrível que pareça, a Bíblia até previu a existência deles, chamando-os de doutores da letra morta. São aqueles mesmos fariseus coando mosquitos e engolindo elefantes!

Aqui, um relato da existência de vários destes manuscritos bíblicos. Os judeus tinham especial rigor na preservação dos textos conforme os originais em suas cópias, isso era até parte da religião deles, o de não ferir a originalidade dos testemunhos dos antigos profetas e patriarcas, em uma letra sequer. Justamente por causa da SACRALIDADE que a Palavra, escrita e falada, tinha para eles e para outras culturas paralelas. Essa crença ajudou na preservação dos textos originais.

Curiosamente, o próprio Apocalipse lança uma condenação a todo escriba que se atrevesse a alterar uma letra sequer do manuscrito original, falando mesmo em Inferno para estes. Eles levavam isso muito a sério antes de se atrever a alterar uma única letra ali.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Manuscrito_bíblico

“Vai e toma o pequeno livro aberto da Mão do Anjo de Deus… e eu o tomei, e eu o comi, e suas palavras se fizeram doces como o mel na minha boca, mas amargas como o fel em meu ventre”… Apocalipse 10

Esse é o duplo sabor na alma que conhece a verdade… quem conhece a luz, conhece também as trevas.

JP em 20.02.2019
Comentários
Compartilhar