Anvisa emite alerta de “superfungo” fatal no Brasil

The director of the National Reference Centre for Invasive Fungus Infections, Oliver Kurzai, holding in his hands a petri dish holding the yeast candida auris in a laboratory of Wuerzburg University in Wuerzburg, Germany, 23 January 2018. There has been a recent rise of cases in Germany of seriously ill patients becoming infected with the dangerous yeast candida auris. Photo: Nicolas Armer/dpa (Photo by Nicolas Armer/picture alliance via Getty Images)

Por meio de um alerta emitido na última terça-feira (08), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou que está sendo feita uma investigação sobre o primeiro caso de Candida auris no Brasil. Chamado de ‘superfungo’, é estimado que o patogênico já causou a morte de 30% a 60% dos pacientes no mundo.

De acordo com a Anvisa, a infecção por C.auris pode ser fatal, já que o fungo tem demonstrado resistência a medicamentos e tratamentos hospitalares. Análises laboratoriais indicaram que os genes presentes no superfungo possuem a capacidade de se transmitir para outras espécies, como a Candida albicans (C. albicans) – um dos principais causadores da candidíase.

A descoberta da C. auris no Brasil foi feita através de uma amostra de ponta de cateter colhida de um paciente internado na UTI de um hospital na Bahia, região nordeste do país. O estudo foi realizado pelo Laboratório Central de Saúde Pública Profº Gonçalo Moniz (Lacen-BA), em Salvador, e pelo Laboratório do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Riscos de contaminação

Segundo o alerta, a Anvisa recomenda que sejam feitos reforços na vigilância laboratorial em todos os serviços de saúde brasileiros, além de outras medidas de controle e prevenção, evitando que um surto possa acontecer. A amostra também passará por novas análises para identificar a sensibilidade e resistência do fungo.

Na América Latina e Caribe, a primeira aparição da C.auris ocorreu na Venezuela entre 2012 e 2013. Por ser considerado raro, o fungo pode ser confundido com outros tipos de infeção, o que dificulta o seu diagnóstico. Entre os sintomas mais comuns, estão a febre, fadiga e dor. Um dos maiores riscos causados pelo patogênico é a infecção na corrente sanguínea, que pode ocorrer através de cortes e machucados.

Uma força-tarefa foi organizada pelas autoridades a fim de prevenir uma possível disseminação do fungo. Agora, cientistas buscam por alternativas eficientes para tratar a infecção fúngica, encontrando meios em que a C. auris não apresente resistência.

Fonte

Comentários
Compartilhar