Alquimia Mental Sônica

A Alquimia mental

A Alquimia, essencialmente falando, reporta-se a um segredo: como obter o elemento andrógino da realização suprema a partir das metades essenciais?

Essas metades essenciais foram representadas por uma vastidão de símbolos, desde o Yang-Yin do Oriente até o enxofre e mercúrio dos magos da Idade Média, simbolizados pelo Sol e Lua em seu fluxo contínuo no Universo acima de nossas cabeças, alegoria da alquimia das estrelas.

E os magos do passado tinham um conhecimento que ia além, pois sabiam captar os pontos de culminância destes fluxos de energia promovidos pelas lunações para expansão de campo mental, especialmente nos períodos dos eclipses e outros alinhamentos, conhecendo como as forças cósmicas interagiam com a matéria e a sensibilidade psíquica, coisa que hoje, a ciência moderna cega e arrogante repele como sendo “misticismo dos povos ignorantes”.

A redução do homem em metades (masculino e feminino) é mencionado por Platão (e as origens da alquimia na Grécia antiga) como a limitação que os deuses impuseram à humanidade, porque, no princípio, sendo andrógina, a humanidade tinha muitos poderes, e por abuso, perdeu todos eles na redução ás metades.

A restituição do princípio andrógino começa no plano da mente.

Nosso cérebro é polarizado em dois hemisférios, que polariza por efeito todo o nosso corpo, lado esquerdo e lado direito, canhoto e destro, etc. Mas o que está polarizada é a energia mental, e além disso, defasada.

A polarização entre os dois hemisférios é desigual, porque estamos o tempo todo num polo preferencial, e isso cria um desajuste permanente das nossas energias internas, gerando todo tipo de decaimento vital e psíquico com o passar do tempo.

Um Anjo é, por definição, um ser andrógino, representado pelo par de asas, e antes de qualquer outra coisa, o par de asas representa sua energia mental polarizada em equilíbrio ao ponto de contato com o andrógino primordial – porque assim fomos criados, nem homem e nem mulher, mas andróginos.
Aqui está a busca real da Alquimia. O Estado de androginia é a pedra filosofal de milagres, maravilhas e prodígios.

Uma trilha de símbolos secretos foi deixada no passado pelos mestres para indicar ao homem o caminho.
Querubins na Bíblia eram andróginos.
E estes querubins foram retratados no Arcano 14 do TARO: o Querubim e a alegoria da temperança.

Repare nas cores da vestimenta do anjo, a parte do lado direito de sua túnica é azul, enquanto a parte do lado esquerdo é vermelha. Azul e vermelho entre as cores representam a água e o fogo, ou seja, as polaridades do andrógino a serem reunidas pela Alquimia.

E a chave da reunião dos dois elementos passa, antes, pela calibração entre ambos.
Dois elementos não poderão ser reunidos se não estiverem nivelados. Por isso, o arcano 14 se chama Temperança.
É preciso temperar bem as duas medidas dentro de nós para que elas alcancem o nível da fusão, o alvo final da Alquimia, que não começa no sexo, como muita gente pensa:
Mas na Mente!

Note que o Anjo da temperança carrega duas urnas, uma em cada mão. E essas urnas também alternam cores em suas mãos, azul e vermelho (em outras versões, ouro e prata).
E ele mistura a água entre as duas urnas até obter uma liga ideal.
A água é a mesma, trocada entre as urnas, o que muda é o fluxo entre uma e outra.
A energia mental é a mesma, o que a faz fluir é a polarização entre os dois hemisférios cerebrais.Tal como as asas do Anjo.
E qual a chave desta alquimia?
Elementos químicos? Não.

Frequências específicas sobre a mente? Sim.
E os crops circles nos têm revelado tudo isso desde o começo.

A Alquimia tem relação com o raio planetário de Mercúrio, a nota Ré pura (72, 144 Hz…) e a cor laranja ou açafrão. A cor do manto dos monges budistas tibetanos.

A cor da cura e da vitalização, porque ela combina os dois princípios mentais.
Sete mais sete soma quatorze, porque Sete representa o top da escala musical, cromática e temporal.

Sete dias da criação, sete dias da semana, sete cores, sons.
Sete e dois, 72, isso é outra chave da frequência mencionada de Mercúrio.

RA, RAM, RAVI, AHAU, nomes do deus Sol e da luz com a letra R, cabeça (no hebraico), número 20, Anjo que toca a trombeta para o despertar dos mortos… outro símbolo patente. A trombeta soa nas nossas mentes por ressonância.

Aplique estes códigos no cerebelo (voce vai notar com a letra R mantralizada com a ponta da língua vibra poderosamente na nuca). E ali, no cerebelo, quando a energia vital transmutada que sobe pela espinha se acumular na devida “quantidade” e intensidade, o cérebro comungará a energia mental nos dois hemisférios ao ponto da liga alquímica.
E os chakras superiores se abrirão.

E a mente estará preparada para recepcionar as novas luzes de um Universo até então desconhecido.
Esta é uma pequena síntese de todo o procedimento.
Mas a prática constante é que garante o êxito.

A Chave da Alquimia, portanto, não está na química, mas na Música, nas frequências.

Afinal, porque o Universo não foi criado por substâncias químicas… antes, todas elas é que foram criados pela Palavra consciente dos Espíritos cantando em acordes musicais.
Temos que seguir a mesma cartilha, então, para promover criações reais dentro de nós… e ao redor.

RAM

A Ressonância Mental

O belo e inaugural crop circle do Anjo revela muitas conexões com antigas mensagens, especialmente porque os raios projetados das asas do Anjo convergem para o centro da cabeça, e não do coração (linhas amarelas).

E na verdade, projetando as asas por outro ângulo, temos uma interessante grade geométrica, que faz com que estes raios secundários de projeção se alinhem com um eixo que liga a cabeça ao coração (linhas vermelhas).

Esse eixo de conexão das projeções destas linhas vermelhas parece indicar o papel da coluna vertebral como ponte entre as energias psíquicas da mente e as energias vitais centralizadas no coração.

Crops circles tem muitas mensagens. Aliás, Anjos são mensageiros do céu. A palavra Anjo vem do latim, e significa, literalmente, Mensageiro. Nada mais apropriado do que começar a temporada 2020 com esta figura.

E além das mensagens que o próprio momento do mundo tem dado a toda a humanidade, como sempre, existem chaves, técnicas e segredos nestes crops circles indicando o mapa de um tesouro muito maior: as chaves do despertar da consciência através da expansão dos poderes da mente, já que a mente expandida se torna um veículo de expansão da própria consciência.

Um dos primeiros crops circles alados apareceu em 2005, final da estação, na forma de um grande escaravelho com par de asas, carregando o Sol – ou o globo terrestre. Um símbolo do antigo Egito repleto de significados cósmicos e humanos.
A começar pelo escaravelho representar a força que gira o mundo (rotação).

E terminando pela analogia precisa entre o formato do crânio e o corpo do escaravelho.

Ele tinha sete penas em cada asa, somando quatorze penas como referência à ressurreição do corpo do deus Osíris, que foi morto e cortado em 14 pedaços pelo irmão rival, Seth-Satan.
O ornamento do disco solar entre as suas patas forma a coroa de Ísis, outra referência à cabeça.

Aliás, coroas e cocares, no mundo antigo, faziam relação com os poderes exaltados da mente dos governantes do mundo, simbolizando o chakra resplendente da coroa, mais o diamante brilhante sobre a testa (os dois chakras mentais).

Na mitologia egípcia, o deus Sol tinha três faces.
Era Kehpri, o escaravelho, deus do retorno do Sol nas manhas.
Era Rá, o deus Sol no zênite (meio-dia) ou ponto mais elevado.
E era Tum, o deus Sol do poente, cruzando a porta da morte.

O deus das manhãs, Kehpri, o Escaravelho, representava os renascimentos, bem como o despertar pela manhã.
Quando acordamos, nossa alma entra de volta no corpo pela CABEÇA. Este fato demonstra a importância da expressão cerebral na relação entre corpo e alma (encarnada).

Sabemos que o cérebro tem que entrar numa vibração diferente (estado mental de fase) para permitir a entrada e a saída da alma de seu corpo físico. E essa vibração é representada pelo bater das asas do besouro. Ou do Anjo.

Porque ambos os crops circles destacam a cabeça na relação com as asas, asas que batem, que geram vibração e fazem a alma voar.
Estudos notaram a semelhança entre a caixa craniana e o corpo do escaravelho.
E os egípcios também.

O cérebro e seus dois hemisférios de energia podem ser consideradas essas asas do escaravelho – ou do anjo, as quais, se acionadas além de seu poder habitual, se ligarão numa alquimia mental que equilibre as duas correntes do pensamento num único estado mental “andrógino” que então crie o veículo para a expansão da consciência, analogia com o caduceu de Mercúrio.

E por falar em Mercúrio, repetindo aquele padrão numérico de 9-9 asas do Anjo e os múltiplos da nota Ré (D) em oitavas (conforme a afinação natural dos 432 Hz): 9, 18, 36, 72, 144…
Muitos pensam em substâncias químicas nas operações da alquimia, como enxofre para o Sol e mercúrio para a Lua, mas poucos pensam numa alquimia operada não com substâncias, mas com frequências… instaladas no cérebro até que se produza a ressonância mental do psiquismo andrógino, com o qual o pensamento ganha asas e voa para longe…

O famoso crop circle da face de índio coroada com cocar, de 2009, repetiu o padrão do escaravelho ao colocar sete penas de cada lado do cocar, com numeração maia em código (já decifrada em outros tópicos).

Mais uma vez, chaves precisas para que a humanidade trabalhe com a alquimia mental lidando com as frequências certas até que o cérebro seja equilibrado nos seus dois fluxos psíquicos, hemisfério direito e hemisfério esquerdo, elevando o pensamento ao status do despertar e da iluminação.

Trata-se de promover a expansão dos poderes mentais para facultar ao ser humano o contato com as inteligências por trás destas mensagens. Porque, sem o despertar da mente, elas não passarão de belas imagens ornamentais que serão esquecidas depois, sem qualquer finalidade a mais do que essa. Mero adorno dos campos para mentes superficiais que não captaram suas mensagens ao nível desejado pelos mensageiros… ou Anjos… mensagens que ficam expostas aos especuladores cegos e mentes superficiais não habilitadas para nenhum tipo de interpretação consciente.

O que é a Ressurreição, senão que a Obra Secreta da Alquimia das energias polarizadas internas levada ao extremo, quando tais energias, totalmente desequilibradas e descompensadas no ser humano, energias vitais que se transformam em energia mental circulante, se fazem equilibradas na taxa ideal de 50% + 50% = 100%!

A ciência materialista e ateísta investe na Química e na Engenharia genética para buscar a imortalidade e a cura das doenças, mas se a Vida é um comando mental transferido pela palavra consciente do Espírito, a fonte, em vão busca respostas essa ciência falida, vencida e vendida ao Capitalismo.

Quem conhece a ciência divina legítima por trás dos mecanismos da natureza, não encara mais os seus caminhos como milagres, mas sim, como realizações do poder humano em níveis de consciência que o habilitam a manipular suas energias internas e os seus materiais de vida… para produzir vida.
E vida em abundância.
Se você souber fazer duas metades se nivelarem, e se souber casar essas duas metades numa unidade perfeita, tudo isso com os materiais da sua vida imperfeita… você viverá para sempre.

A chave?
Não está mais neste mundo porque simplesmente a humanidade não a merece.
Porque a humanidade quer viver para sempre a serviço do seu EGO e não do seu Criador.
E por isso, continua morrendo à sombra de sua arrogância que a cegou para a Luz Maior.

JP em 01.06.2020

Telepatia e o Caduceu de Mercúrio

Este notável símbolo da sabedoria antiga, carregado de todas as leis e princípios que regem o Mentalismo ou Lei da mente, conforme Hermes-Toth e seus discípulos, é interpretado como a chave ou sentença final da Alquimia entre duas energias que, se fazendo equivalentes e alinhadas, alcançam notas de expansão das faculdades da mente em função disso.

Geralmente nosso cérebro trabalha em meia banda, e a tendência é que a atividade se encontre no hemisfério esquerdo, racional. Raramente alguém emprega as duas bandas num nível equilibrado. Vivemos o tempo todo defasados nesse aspecto da energia psíquica e, por isso, as limitações acontecem.

E como a telepatia acontece no externo entre duas mentes?
É só transportar as leis do Caduceu aplicadas no interno para o externo! São análogas.

Da mesma forma, quando estas duas mentes, tal como as duas bandas cerebrais da realidade interna do nosso campo mental, entram em equilíbrio e conquistam uma alquimia energética tão rara e sutil que o resultado (um deles) é a comunicação mental a distância.

Se a telepatia acontece, é porque essas duas entidades, em suas naturezas mentais e emocionais, se tornam niveladas no universo das múltiplas dimensões, o que faz que entrem em conexão direta, ainda que seus corpos estejam fisicamente distantes. Os gêmeos idênticos costumam ter esses episódios de telepatia “natural” por razões genéticas que, oriundas de laços kármicos do passado, os tornam muito ligados um ao outro.

Porém, quando falamos em alquimia das energias internas, estamos falando apenas de um primeiro passo de preparação interna que nos preparará para alquimias maiores, em caráter externo e coletivo, com outras mentes, as quais, regidas pelos princípios da Egrégora, abrem as portas para infinitas possibilidades de expansão real da consciência que precisa de uma expansão então das faculdades e percepções da mente, já que a mente é o veículo da consciência que se constrói, dessa forma, na porção de alma encarnada.

Portanto, paciência… porque a alquimia interna e a equalização das energias mentais com base na refinação dos instintos básicos constituem apenas os primeiros e elementares passos na direção daqueles grandes passos, mais avançados, e suas conquistas inimagináveis nos domínios do conhecimento universal e da consciência cósmica que consegue acesso direto a ele, sem mais atravessadores em seu caminho!

JP em 21.08.2020

Comentários
Compartilhar