A SpaceX de Elon Musk quer impor seu próprio regime jurídico a Marte!

Ilustração do sistema de foguetes Starship da SpaceX decolando de uma cidade de Marte. Créditos: SpaceX / YouTube.

A SpaceX pode tentar impor seu “próprio regime jurídico” a Marte e formar um acordo “autônomo” e autossustentável onde as leis da Terra não se aplicariam.

Embora isso possa soar como algo retirado de um romance de ficção científica, a empresa aeroespacial de Elon Musk indicou suas intenções de fazer exatamente isso em duas recentes e famosas publicações.

Ilustração do sistema de foguetes Starship da SpaceX decolando de uma cidade de Marte. Créditos: SpaceX / YouTube.

Por Dave Mosher
Publicado no Business Insider

A SpaceX pode tentar impor seu “próprio regime jurídico” a Marte e formar um acordo “autônomo” e autossustentável onde as leis da Terra não se aplicariam.

Embora isso possa soar como algo retirado de um romance de ficção científica, a empresa aeroespacial de Elon Musk indicou suas intenções de fazer exatamente isso em duas recentes e famosas publicações.

  Somos uma plataforma dedicada ao conhecimento que só poderá continuar a existir graças a sua comunidade de apoiadores. Saiba como ajudar.

A primeira foi de uma ampla entrevista do Law360 com o conselheiro geral da SpaceX David Anderman, que revelou que está elaborando uma constituição para Marte. O segundo são os termos de serviço do Starlink, o novo projeto de Internet via satélite da SpaceX, que os usuários do Reddit compartilharam depois de receber um convite de teste beta público.

Mas para fazer com que a Terra reconheça a soberania de qualquer suposto estado marciano, a SpaceX terá que realizar uma surpreendente diplomacia e mudanças no direito internacional, diz Frans von der Dunk, um dos principais especialistas em direito espacial da Faculdade de Direito do Nebraska (EUA).

“Você pode encontrar muitos exemplos interessantes de pessoas tentando reivindicar um estado e não serem reconhecidas”, disse von der Dunk ao Business Insider.

Ainda assim, ele acha que a comunidade internacional deve levar a SpaceX e seu fundador Elon Musk a sério – e usar o momento para resolver possíveis dilemas jurídicos de um futuro humano tão fantástico que ainda não se tornou realidade.

“Nunca sabemos se vai funcionar ou quando vai funcionar”, disse von der Dunk sobre o assentamento marciano planejado pela SpaceX. “Ela é certamente uma empresa séria com um amplo apoio e uma sofisticada engenharia por trás desse objetivo”.

No vídeo abaixo, temos a perspectiva de Elon Musk de uma nave estelar possibilitando a construção de uma cidade em Marte:

As partes reconhecem Marte como um planeta livre

Musk há muitos anos compartilha seu sonho de povoar Marte com mais de um milhão de pessoas. Embora ele queira criar cidades completas com bares e pizzarias – o mais rápido possível – o objetivo final do magnata da tecnologia é “possibilitar a vida humana em Marte”, idealmente para proteger nossa espécie de alguma catástrofe futura indeterminada.

Para esse fim, a SpaceX expandiu suas instalações no sul do Texas para desenvolver e testar o Starship, um sistema de lançamento feito de aço de quase 122 metros de altura totalmente reutilizável.

Se funcionar como planejado, o custo de levar qualquer coisa para o espaço pode diminuir de 100 a 1.000 vezes. Em linha com esse esforço, a empresa começou a ponderar sua abordagem legal para lançar colonizadores em massa no Planeta Vermelho.

“Nosso objetivo é enviar 1.000 naves estelares com 100 pessoas nelas a cada dois anos”, disse Anderman à Law360, que publicou sua entrevista em 14 de outubro.

“Começaremos com 100, depois algumas centenas, depois 100.000 e depois um milhão, até termos uma colônia verdadeiramente sustentável. Isso acontecerá durante o meu período de vida. Mais rápido do que você pensa”.

Leia também  Missões da NASA, Emirados e China chegam a Marte neste mês

Quando questionado se a lei dos EUA governaria tal acordo, Anderman revelou que está ajudando a redigir “uma constituição para Marte”.

“Acho que a SpaceX vai impor nosso próprio regime jurídico. Acho que será interessante ver como isso funciona com os governos terrestres exercendo o controle”, acrescentou.

“Acho que teremos um papel muito importante a desempenhar em ver o que funciona e quais leis se aplicam”.

Cerca de duas semanas depois que a entrevista foi publicada, vários usuários do Reddit postaram os termos de serviço do Starlink. O texto continha a maior parte do que se esperaria de um contrato comum de provedor de serviços de Internet.

Mas em uma seção sobre quais leis governariam o uso do Starlink, o documento afirmava o seguinte:

“Para os serviços prestados em Marte, ou em trânsito para Marte via nave estelar ou outra espaçonave de colonização, as partes reconhecem Marte como um planeta livre e que nenhum governo baseado na Terra tem autoridade ou soberania sobre as atividades marcianas. Consequentemente, as disputas serão resolvidas através de princípios de autogoverno, estabelecidos de boa fé, no momento da colonização marciana”.

Com efeito, a SpaceX sinalizou suas intenções diplomáticas de fazer seus marcianos governarem a si próprios. No entanto, von der Dunk diz que a empresa não conseguirá isso sem um esforço extraordinário na Terra.

No momento, os EUA seriam responsáveis ​​pelo assentamento de Marte da SpaceX

Marte está a uma média de 158 milhões de milhas de distância da Terra, tornando a ideia de fazer cumprir as leis feitas na Terra em Marte algo potencialmente risível (apesar da existência de uma Força Espacial dos EUA).

Ainda assim, o Tratado do Espaço Sideral de 1967, do qual 110 nações atualmente fazem parte – incluindo viajantes espaciais como China, Índia, Rússia e os Estados Unidos – determina que as pessoas que deixam a Terra carreguem consigo suas identidades nacionais.

“Se [a SpaceX] tiver sucesso na construção de assentamentos, [Musk e] as pessoas que vivem lá, se forem estadunidenses, ainda estarão sob a jurisdição dos Estados Unidos”, disse von der Dunk.

“Não significa que o território seja dos EUA, mas que seus cidadãos continuem sendo considerados dos EUA”.

Além disso, os artigos 6 e 7 do tratado deixam claro que um país assume o ônus legal de suas atividades espaciais, independentemente de quem as inicia ou realiza. Como a SpaceX é uma empresa que opera sob licenças estadunidenses, os EUA teriam de assumir a responsabilidade pelo hardware e pelas ações da SpaceX.

“Imagine [se a SpaceX fizesse] algo que outros Estados poderiam alegar ser uma violação do direito internacional”, disse von der Dunk.

“Eles não precisam processar a SpaceX perante um tribunal dos EUA em caráter privado; eles podem abordar diretamente o governo dos EUA”.

Portanto, se algo de ruim acontecer no assentamento marciano da SpaceX, a empresa poderá sentir no bolso quando voltar à Terra, a ponto de potencialmente interferir em seus planos de assentamento.

Von der Dunk também diz que “não há uma diretriz clara e rápida sobre quando algo é um Estado”, mas ele observou que o direito internacional se estabelece em torno de três critérios objetivos: território estabelecido, população permanente e governo funcional.

Qualquer suposto assentamento de Marte presumivelmente cumpriria os dois últimos requisitos.

Mas von der Dunk diz que o primeiro é impossível de verificar, visto que as leis estão atualmente escritas. (Ele observou que o “reino espacial” Asgardia, que anunciou seus supostos planos de criar um Estado-nação em espaço aberto, está ainda mais sujeito a esse problema.)

Leia também  Elon Musk disse que os americanos não voaram para a lua em 1969

Especificamente, o Artigo 2 do Tratado do Espaço Sideral evita a ideia de possuir território fora da Terra, principalmente para evitar que as nações reivindiquem terras em corpos celestes simplesmente pousando sondas ali.

“Isso é algo que o Tratado do Espaço Sideral claramente proíbe”, disse von der Dunk. “Eles nunca pensaram na possibilidade de criar um estado inteiramente no espaço sideral”.

Créditos: SpaceX / Twitter.

É importante ficar de olho nessas coisas

Von der Dunk diz que as nações da Terra poderiam mudar ou abolir o Artigo 2, ou talvez criar alguma brecha legal para permitir que a SpaceX forme um assentamento marciano autônomo.

“Mas acho que seria um exercício muito difícil e certamente não acontecerá em breve”, acrescentou. “E, como você pode imaginar, se esse for [provavelmente] o caso de um território dos EUA ou de cidadãos norte-americanos que criam seu próprio estado, países como China e Rússia podem não ser muito simpáticos à ideia”.

E isso leva ao que von der Dunk descreveu como um quarto requisito subjetivo e “obscuro”: o reconhecimento internacional de um novo estado.

“Acho que, no final do dia, tudo se resume a saber se o resto do mundo – em particular, as principais nações que viajam pelo espaço -, concordaria ou não com isso”, disse ele.

Dois exemplos históricos de luta para aceitar uma nova nação se destacam, acrescentou.

Primeiro, há Taiwan, que tecnicamente atende a todos os três critérios objetivos de um estado – tem território, uma população permanente e seu próprio governo. Mas no cenário mundial, a China e outros disputam a independência de Taiwan, e não tem assento nas Nações Unidas.

Existem também os Estados Unidos. Em 1776, quando uma jovem e fragmentada coalizão de colônias declarou sua independência do domínio britânico, vários países se recusaram a reconhecer a nação nascente e devastada pela guerra. Isso mudou durante e após a Guerra Revolucionária Americana, que terminou em 1783.

Portanto, embora não seja impossível para a SpaceX formar um estado marciano soberano reconhecido pelas nações da Terra, von der Dunk disse que pode haver a alteração do Artigo 2 e esse eventual assentamento ganhar o reconhecimento internacional da soberania.

“Nenhum deles é, por sua própria natureza, eterno. Portanto, não posso excluir completamente que, daqui a 50 anos, teremos um estado em Marte”, disse ele.

Por essa razão, e pelo fato da SpaceX ser uma corporação privada, Von der Dunk disse que é importante levar a sério os planos da empresa e trabalhar para desenvolver uma regulamentação sensata – mesmo que pareça improvável que Musk algum dia coloque suas cidades no planeta vermelho.

“A SpaceX é uma empresa privada e eles querem ganhar dinheiro”, disse ele.

“É importante ficar de olho nisso e gerar discussões internacionais e ter certeza de que as coisas estão indo na direção certa – que, para obter um acordo em Marte, não pode ser algo totalmente imprudente e sem qualquer consideração pelo que nós, na Terra, consideramos no interesse geral da humanidade”.

Por Dave Mosher
Publicado no Business Insider

*************************

Os “conquistadores terráqueos do Espaço” deveriam antes ter certeza se MARTE já não tem dono!

Mas a história vai se repetir.
Elon Musk vai posar de Pequeno Príncipe de Marte, depois voarão para lá os russos, os chineses, os indianos, e a humanidade vai levar tudo o que não presta da Terra para Marte,
suas doenças, suas guerras, seu ego incorrigível…

Qual o lucro para Marte?

JP em 17.03.2021

Comentários
Compartilhar