EspiritualidadeMistérios

O amor do casal divino em letras da Cabala

A Cabala, ou ciência do espírito, realmente se mostra um poderoso instrumento para desvendarmos os mistérios de Deus muito além da crença limitante e da letra morta.

Por exemplo, Deus na forma PAI e MÃE.
Porque, se Deus nos criou a sua imagem e semelhança, e nos criou homem e mulher (o sagrado gênero do Espírito Santo, tão violentado no final do ciclo, Kali Yuga, era das trevas, como era de se esperar), então Deus é Masculino e Feminino também.

Porque o gênero do Espírito Santo é a raiz da própria divindade em seus aspectos vitais e existenciais mais profundos. O Gênero espiritual é a essência do próprio Deus UM.
Lembrando que Jesus declarou que todos os pecados eram perdoáveis, exceto aqueles cometidos contra o Espírito Santo.

Porque são delitos de natureza eterna.

São crimes contra o AMOR em seu santuário mais sagrado e puro. Crimes que trazem consequências severas para uma humanidade cada vez mais carnal e material, e cada vez menos espiritual e consciente…

E olhando o mundo lá fora, e todos os seus crimes contra a sagrada face do Espírito Santo, entendemos a causa de tanto sofrimento, dor e desgraça.

O Cabalista Moisés foi tão preciso que colocou a Criação do Universo no capítulo 1 do seu Gênesis (Um, o Início, o ponto de partida). E a criação do GÊNERO homem e mulher, no capítulo 2, a Dualidade inerente a tudo o que existe.

Homem e mulher, prótons e elétrons, calor e frio, cheio e vazio, atração e repulsão, etc.
A Dualidade sagrada é o fundamento da Unidade original existencial.

E temos várias fórmulas herméticas contidas na Bíblia e que podem ser decodificadas pela Cabala.

Uma delas está nos dois nomes conhecidos de Deus, um no Velho, e outro no Novo Testamento.

YHVH, o Senhor (Velho Testamento)
ABA, o Pai (Novo Testamento)

Quando Jesus trocou o Nome de YHVH para ABA (Pai), ele quis demonstrar uma relação de maior aproximação e intimidade com o mesmo Deus que os judeus tomavam como severo e rígido, mais do que amoroso e compassivo.

Esse foi um dos principais motivos contidos na doutrina de Cristo que irritaram profundamente os judeus ao ponto de chamá-lo de herege e desejar a sua morte.
Essa intimidade com Deus, como a intimidade de um Filho com o Pai.

E quando Jesus disse:
Ninguém vai ao Pai a não ser por mim, porque EU e o PAI somos UM! isso levou os judeus a loucura, desejando urgentemente a sua morte.

Pois bem, vamos reunir então os dois nomes de Deus, o antigo e o novo:
YHVH e ABA

No hebraico, ABA se escreve AB e se lê AV (som de V em vez de B).
No aramaico do tempo de Jesus, foi transformado no ABA que conhecemos.

Então temos:

YHVH – AB = AHBH – IV
(processo de alteração de letras e anagramas ocultos)

AHBH = AMOR
IV, IO, o par, o Um e o Zero, Iod-Vav, o pleno e o vazio, aceso e apagado, código binário. A dualidade e o AMOR reunidos nos nomes YHWH e ABA, Senhor Pai.
Ou Senhor UM que é DOIS.

Lembrando que o nome romano do Pai dos Deuses, Júpiter, procede da raiz IO-PITAR.
PITAR, PATAR, PATER, FATHER, termos com o mesmo significado PAI.
Um dos deuses mais antigos do Egito, PTAH, era também o patriarca dos deuses.

E um dos nomes dos filhos de Noé, na Arca, se chamava Jefté, da raiz/verbo PTAH
que significa ABRIR.

IO-PITAR,
O Pai abre (portas, caminhos)
IO abre, a Dualidade abre,,,
o AMOR abre (portas, caminhos, consciência).

JP em 14.01.2021

Comentários
Compartilhar

Botão Voltar ao topo