Mandala misteriosa aparece na praia de Santos

Desenho encantou moradores e turistas que passavam pelo local

Da redação
Publicado em 03/03/2021 às 10:12

Uma mandala misteriosa apareceu na areia da praia do Canal 4, em Santos (SP). na manhã de 03 de março (ontem).

O desenho encantou moradores e turistas que passavam pelo local, e levantou questionamentos de quem teria feito a obra de arte.
O artista segue misterioso, mas sua obra continua arrancando suspiros dos cidadãos.   

Mandala para comemorar 2021

Mesmo não tendo assinado (ainda) esta mandala, existe um artista conhecido na região, que já apareceu inclusive em outras reportagens.

Seu nome é Renato Machado Rodrigues, e que, mesmo estando desempregado, elabora sua arte com grande maestria, mesmo usando instrumentos precários e nenhum sistema de cordas e estacas para medição: apenas o dom e a percepção natural.

Ele trabalha nessa área há mais de 10 anos.
Ele costuma começar seu trabalho bem cedo, por volta das cinco horas da manhã, na faixa de areia perto do mar, que é mais dura e compacta, facilitando o trabalho.

Esta última mandala ainda não foi reconhecida, mas provavelmente é dele.
O estilo é próximo (embora esta mandala seja superiormente mais elaborada e detalhada que as demais)!

E com certeza, ele e muitos outros se inspiraram nos crops circles em sua arte.

No entanto, esta mandala é a mais perfeita e elaborada que o artista já produziu.
Seria dele mesmo?

Até porque ninguém o viu fazendo desta vez, ou registrou em celular.

Mandala Budista

A mandala que apareceu na praia de Santos, dia 3 de março, seja lá quem a fez, é uma mandala budista.

A palavra mandala vem do sânscrito e significa “círculo mágico”. … Por essa razão, meditar corretamente, olhando para o centro da mandala, pode reordenar os processos mentais, trazendo paz e soluções para conflitos sobre os quais nem mesmo conseguimos ter consciência.

Contei 108 nós no anel externo, e 108 é um número significativo no Oriente, o número de contas do Japamala budista.
O anel externo parece mesmo um cordão enrolado ao redor da Mandala.

O Japamala é um cordão de geralmente 108 contas que é utilizado para recitar mantras, auxiliar na meditação e como amuleto de proteção. O nome vem do sânscrito, “Jap” que significa sussurrar e “Mala” que nada mais é do que cordão de contas.

A Flor central é um octógono estrutural com 16 pétalas. Uma flor que simboliza a estrela, a energia da estrela (oito pontas), conforme os signos da antiguidade. A energia das estrelas a ser capturada pelos instrumentos da meditação, mandala e japamala.

E outra: flor de 16 pétalas é chakra da garganta, Visshdda, com o qual entoamos mantras e orações do Japamala indicado na corrente vibratória do SOM criador, como OM.

E o anel externo a este tem 26 ornamentos, o número do Nome de Deus, IHVH!
Segue-lhe um anel escuro, e o círculo com as 108 contas do colar budista, e outro anel externo final com novos detalhes.
Uma grande complexidade da figura no conjunto!

A obra totaliza nove níveis geométricos (3+3+3).

Seja lá quem for que fez esta mandala, a estruturou em conceito budista.

O dia escolhido, 03.03.21 (considerando somente o dígito final do ano de 2021) também parece calculado, porque produz 3.3.3 (a hora dos contatos, 03h33) e soma 9, como 108 soma 9, significando o nascimento espiritual, a espiritualidade e a iluminação.

O autor local que costuma fazer estes trabalhos, Renato Machado, nunca fez uma mandala com este estilo, nem budista e nem tão complexa quanto ela.

Seja lá quem foi que fez, se inspirou também na Igreja neo gótica de Santo Antonio do Embaré, na praia onde a mandala surgiu, repleta de mandalas (rosetas) arquitetônicas em forma de mandalas.
A Igreja ressalta o sentido de comunhão com as forças espirituais através dos instrumentos da meditação.

Leia também  A Mensagem oculta do coronavírus para o mundo

E a mandala central da entrada da Igreja também é octogonal, como o núcleo desta mandala nas areias da praia bem diante da Igreja. E tem 16 círculos externos à flor, exatamente como o modelo da mandala na praia.

Até o presente, o artista não registrou nada sobre esse possível trabalho, estou aguardando isso para esclarecimentos.

De qualquer forma, seja lá quem tenha feito, é uma mandala budista de 108 nós externos, como se o anel externo representasse o círculo das 108 contas do colar de Buda, Japamala.

Nenhum dos trabalhos daquele artista têm essa assinatura budista e complexidade de traços, embora todo mundo ache que é dele sem maiores questionamentos e análises de detalhes e pormenores.
Mas eu não sigo opiniões populares.

Investigo muito um assunto até a exaustão antes de dá-lo por encerrado.
Como o Japamala e as Mandalas são instrumentos milenares de meditação, talvez a mensagem do artista – seja ele quem for – seja simplesmente:

“Meditem mais, busquem mais a conexão com o espírito, diante das coisas que estão por vir”
Sinceramente?

Essa mandala está mais para crop circle do que para um trabalho ligeiro nas areias.
Não desmerecendo o artista local, apenas constatando que esse objeto não é seu estilo de trabalho, se compararmos com todos os que ele já fez até então.

Há uma rígida e muito bem detalhada estrutura budista nesta mandala, como nos melhores modelos dos antigos artistas do Tibet, que inclusive fazem mandalas na areia para ilustrar a efemeridade das coisas.
O artista que fez isso também pensou na “areia do tempo”…

JP em 04.03.2021

A mandala misteriosa na praia de Santos em 03.03.2021

Realmente, aquela mandala que apareceu nas praias de Santos em 3 de março de 2021 não foi feita pelo artista local, Renato Machado.

Isso porque ele publicou, há cinco dias, 18 de março, o seu mais novo trabalho no INSTAGRAM, e nada comentou sobre a mandala anterior atribuida a ele. Nenhuma publicação, como você pode ver na sua conta:

https://www.instagram.com/renato_artees/?fbclid=IwAR0zMXWkImetwrCJPLiEOlyfbKldFGj6wsXFDJigRNf7VrbVBzD0b64O3Ck

Não negando o talento do artista, mas confirmando que realmente a mandala sem autoria é muito mais complexa, alinhada (há alguns erros neste trabalho recente do artista) e carregada de elementos simbólicos que ecoam nas doutrinas antigas do Tibet e Índia.

Pelo fato do autor nada ter dito sobre a mandala do dia 3, é porque não foi um trabalho dele, já que ele publica tudo o que faz (vive da arte), como propaganda.

E por isso, agora posso traduzir aquela mandala misteriosa à luz do conhecimento, como traduzo crops circles, porque é um estilo crop circle, só que na areia.

De autoria desconhecida. Até que se prove concretamente o contrário.

Obs: vendo o novo trabalho dele, me parece que ele teve conhecimento da mandala do dia 3, que o povo associou a ele, e se inspirou nela, tem algo parecido no seu trabalho. Ele se inspirou mas nada disse, tentou fazer um novo modelo parecido com aquele anterior.
Percebem isso?

JP em 23.03.2021

Atualizando

Leitura da mandala na praia de Santos

E não foi obra do artista local.

(como você pode conferir no Instagram dele, que NÃO PUBLICOU na sua linha do tempo esta mandala, e nem tocou no assunto – ele sempre publica seus trabalhos na sua página, como propaganda, porque vive de sua arte. E nada ter publicado sobre esta mandala, que seria a sua obra-prima e melhor trabalho até agora, demonstra que realmente não é dele).

Leia também  Misterioso símbolo que apareceu em fazenda ainda intriga pesquisadores

Esta mandala misteriosa apareceu na praia de Santos, na manhã de 3 de março, perto da Igreja neo gótica de Santo Antonio do Embaré, que aliás, traz mandalas e rosetas em sua fachada.
Considerada a mais bela igreja da região, por dentro e por fora.

Moradores dizem que, antes da mandala aparecer, choveu muito forte, com trovoada.
E depois, lá estava a imagem, até agora sem autoria conhecida.

E se compararmos com as obras do artista local, Renato Machado, veremos que esta mandala é superiormente complexa.

Ela tem uma combinação numérica em sua geometria que acrescenta informações.

Mesmo com a única foto disponível bastante imprecisa, consegui identificar números importantes em sua geometria: 8 – 16 – 26 – 54/108.

O número 8 central ilustra uma estrela de oito pontas. O símbolo antigo e universal para as estrelas, desde a Suméria, que se propagou em outras culturas, como a cultura maia.

A estrela central da Cristandade, Sirius, Estrela de Belém, a casa do Pão e da Luz.
Esse plano octogonal é a base central de construção da mandala.

A estrela se desdobra numa estrutura secundária de 16 pontas, o que equivale ao formato do chakra da laringe, o chakra Vishudda. A alusão a este chakra nos fala do exercício de mantralização, o que se alinha com a geometria externa dos 108 niveis da borda.

O arco intermediário tem 26 ornamentos, e 26 soma 8, retomando a geometria do centro (estrela).

Além disso, 26 é o número mais sagrado da Cabala por expressar o valor numérico do Nome de YHWH, o Senhor Deus do Velho Testamento, que Jesus chamou de ABA (Pai).

Por fim, na parte externa, parece haver uma ornamentação na borda em forma de nós de um cordão, contendo 54 dobras, ou no total, 108 nós ou gomos.

E isso nos leva ao Japamala budista, um terço com 108 contas para se exercitar mantras nessa quantidade, 108 vezes.

Juntando todas as partes, temos uma mensagem final interessante:

Mantralizar (108) através do chakra da laringe criadora (16) no poder da Palavra ou Nome divino (26, YHWH) até obter o contato cósmico consciente com a Estrela (8).

E se somar os elementos numéricos?
S = 8 + 16 + 26 + 54 = 104
Este número retorna para 26, pois 104/4 = 26 (8×13)

E o padrão 13/8 é o que define a relação orbital entre Terra e Vênus, no chamado ciclo sinódico. Podemos intuir que, como os crops circles, se trata de uma mensagem venusiana.

E ainda mais:
a Mandala foi feita no dia 3 de março, 03/03, 33, e o domingo de Páscoa é hoje, 04/04, 33 dias depois da mandala!

Trinta e três, idade de Cristo, e o número de vértebras da coluna, a escala energética dos sete chakras fundamentais…

A reunião destes elementos não me parece acidental, mas integrada numa mensagem completa, tal como acontece com os crops circles.

Uma mensagem que diz que o contato com as estrelas e suas inteligências está no poder do nosso Verbo, palavra, oração de repetição. Aliás, não me surprende, já que o verbo divino criou e sustenta tudo. Entrar em ressonância com as inteligências criadoras é questão de usar a Palavra na sua forma de poder de atração e ressonância.

Não diminuindo o valor do artista local
mas realmente ele não produziu isso.

Posso considerar como uma mensagem “dos seres das estrelas”, semelhante aos crops circles.

https://www.instagram.com/renato_artees/?fbclid=IwAR0zMXWkImetwrCJPLiEOlyfbKldFGj6wsXFDJigRNf7VrbVBzD0b64O3Ck

JP em 04.04.2021

Comentários
Compartilhar