Dinossauros viveram do outro lado da Via Láctea; entenda

Quando os dinossauros governavam a Terra, o planeta estava em um lado completamente diferente da galáxia.

Uma nova animação da cientista da NASA Jessie Christiansen mostra quanto tempo durou o reinado dos dinossauros – e como foi curta a era dos humanos em comparação – traçando o movimento do nosso sistema solar através da Via Láctea.

Nosso sol orbita o centro da galáxia, completando sua rotação a cada 250 milhões de anos ou mais. Portanto, a animação de Christiansen mostra que a última vez que nosso sistema solar esteve em seu ponto atual na galáxia, o período Triássico estava em pleno andamento e os dinossauros estavam surgindo. Muitos dos dinossauros mais icônicos vagaram pela Terra quando o planeta estava em uma parte muito diferente da Via Láctea.

Christiansen teve a ideia de ilustrar essa história quando liderava uma festa de observação das estrelas no Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena. Os participantes ficaram surpresos quando ela mencionou que nosso sistema solar estava do outro lado da galáxia quando os dinossauros vagavam.

“Foi a primeira vez que percebi que essas escalas de tempo – escalas de tempo arqueológicas, de registro fóssil e escalas de tempo astronômicas – realmente se encaixam”, disse Christiansen ao Business Insider. “Então eu tive a ideia de que poderia mapear a evolução dos dinossauros através da rotação da galáxia.”

O vídeo resultante coloca as duas linhas do tempo em perspectiva:

Christiansen disse que levou cerca de quatro horas para fazer o filme usando animações cronometradas em PowerPoint. Ela também observou algumas pequenas correções no texto em seu vídeo: Plesiosauros não são dinossauros, e completamos uma órbita galáctica a cada 250 milhões de anos, não 200 milhões de anos.

‘Uma espiral no espaço’

Mas o movimento galáctico é mais complicado do que mostra o vídeo. As outras estrelas e sistemas planetários da galáxia também estão se movendo, em diferentes velocidades e em diferentes órbitas. As porções internas giram mais rápido do que as regiões externas.

Além do mais, a própria galáxia está se movendo pelo espaço, aproximando-se lentamente da galáxia de Andrômeda.

“A animação meio que dá a impressão de que voltamos ao mesmo lugar, mas na realidade toda a galáxia se moveu muito”, disse Christiansen. “É mais como se estivéssemos fazendo uma espiral no espaço. Como toda a galáxia está se movendo e estamos girando em torno do centro, isso meio que cria essa espiral.”

Portanto, na rotação do sistema solar em torno do centro galáctico, não estamos retornando a um ponto fixo. O bairro é diferente da última vez que estivemos aqui.

A Terra, no entanto, não é drasticamente diferente; ainda suporta vida complexa. Isso é parcialmente graças ao caminho da órbita galáctica do nosso sol.

“Nosso sistema solar não viaja para o centro da galáxia e depois volta”, disse Christiansen. “Nós sempre ficamos a esta distância.”

Em outras palavras, mesmo enquanto nosso sistema solar viaja pela Via Láctea, ele não se aproxima do centro inóspito, onde a vida provavelmente não sobreviveria.

“Há muitas estrelas, é dinamicamente instável, há muita radiação”, disse Christiansen. “Nosso sistema solar certamente não passa por isso.”

Essa é uma grande parte da razão pela qual os dinossauros, mamíferos ou qualquer outra forma de vida podem existir na Terra.

Fonte

Comentários
Compartilhar