Amor ou Adoração?

 

 

 

Adoração!

Acho que essa palavra é sempre muito comprometedora e se liga a outra, FANATISMO, e como disse antes, não se vincula exclusivamente ao campo religioso. Pessoas ADORADORAS de futebol entram em guerra aberta e até matam em nome do seu time identicamente a grupos religiosos fanáticos.

O mesmo podemos dizer das pessoas ADORADORAS de seus partidos políticos, criando guerras a céu aberto com pessoas de outros partidos, e também dispostas a matar em nome do seu líder ou ideal, tudo por causa de uma adoração cega. Penso que nem ETs e Anjos querem ser adorados. Há uma pista que demonstra isso.

Está numa passagem do Apocalipse 22: 8-9

“E eu, João, havendo-as ouvido e visto estas coisas, prostrei-me aos pés do Anjo para adorá-lo, e ele me disse: Não faças tal, pois sou servo como tu. .. Adora a DEUS!”

Deus não quer adoradores. Deus quer pessoas que saibam amar.

Nem o ANJO quis ser adorado. Muitos defendem teorias de que os deuses vieram aqui no passado para instalar cultos de adoração, mas só se forem deuses caídos, porque deuses e Anjos não querem ser adorados, e na sua humildade, dizem: somos todos servos do Criador como vocês!

O próprio Jesus elucida a questão, dizendo que, quanto maior alguém, mais servo de todos ele será.

E em outra ocasião, disse de si mesmo:

“O Filho do Homem veio para servir, e não para ser servido!”

Essa é a diferença sutil entre os seres realmente evoluídos do Universo e os seres caídos.
Os seres evoluídos estão sempre em ato de doação, enquanto os caídos são oportunistas e ladrões, sempre procurando a quem explorar, sugar, vampirizar, escravizar, e depois, se elevarem no poder para manter esse status sobre sociedades impotentes…

Os maiores deuses do Universo são os que mais servem a humanidade.
Somente os Anjos caídos se instalam em mundos atrasados para criarem cultos de adoração a sua pessoa, sacrificando e escravizando os povos ignorantes.

Mas isso contraria a história secreta da colonização alienígena da Terra num passado remoto, que declara que os “deuses” trouxeram muitos presentes e ensinaram muitas coisas aos povos inocentes, dando-lhes preciosos presentes.

Os verdadeiros seres caidos são os humanos modernos no poder, que realmente escravizam e sacrificam a humanidade para manter seus privilégios de poder, entronizados pelos povos que os adoram, os idolatram.

Outra pista está na própria origem da palavra:

ADORAR
Ela vem do Latim ADORARE, “pedir orando, rezar”, de AD, “a, para”, mais ORARE, “rezar”, derivada de OS, “boca”.

Ou seja, adorar é um exercício ligado a oração, a espiritualidade e, portanto, a DEUS.

Só Deus deve ser adorado incondicionalmente, porque, na origem do termo, adorar se liga a orar, rezar.
Ninguém reza ou ora para um político, artista, ídolo comercial ou Alienígena!
E se o fizer, com certeza sua adoração será fanática, certamente.
Só devemos adorar a Deus, porque só se reza, só se ora para Deus!

Até porque nenhum deles são deuses… e se começamos a adorar políticos, artistas, esportistas e todo o resto, estaremos interpretando-os erradamente, como se fossem deuses, mas não são, porque são mortais, e falhos, e cheios de defeitos como qualquer um de nós.

Se até aliens são mortais, por que adorá-los como se fossem deuses? (Porque só deuses são imortais).
O fanatismo é a mola secreta de toda adoração do tipo, cega em essência.

Idolatria: é outro adjetivo sinônimo de adoração cega.

Idolatria, cultivar ídolos como se fosse deuses… ferindo o primeiro e mais importante mandamento da Lei:
Só amarás a Deus. Não terás outros ídolos além de mim…

De novo, acredito que o foco do problema não é a religiosidade se desviando para os novos campos da Ufologia, da Política, do mundo artístico e midiático em geral.

Mas essa emoção humana mal resolvida dentro dele que, necessitando sempre descarregar suas paixões em objetos externos, o faz com pouca racionalidade e muito fanatismo, motivando guerras ideológicas em toda parte.

O Amor não precisa se manifestar com adoração cega. Os relacionamentos onde se manifestam pessoas com adoração extrema pela outra nunca acabam bem… muitas vezes, em episódios de crimes passionais e assassinato. Como sempre, a causa do problema não está no objeto externo (religião, ufologia, etc) mas no psicológico deturpado da humanidade.

E bem como disse Jesus: Ama a teu próximo como a ti mesmo. Essa é a forma mais simples de se amar: se colocando no lugar dos outros e compreendendo o outro lado. Aqui não existe adoração, e sim, compreensão. Adoração, paixão, emoções intensas demais, etc, ferem a velha lei do equilíbrio, que diz que o Meio é a senda que conduz a Verdade. Os extremos sempre matam. Porque o AMOR é o meio termo entre as paixões de adoração e os ódios devotados. Quem adora, se contrariado, pode odiar. Mas quem ama, sempre ama e nunca mudará.

Temos que aprender a amar, então o nosso coração se iluminará e viverá em equilíbrio com todo o resto do universo.
Inclusive Aliens e seus UFOs.

Tudo isso é carência da alma humana, que fanatiza tudo e tudo transforma em objeto de adoração. Amor não é nada disso. Espiritualidade é caminho do meio, é visão centralizada, é foco, é fé.

Não é paixão e nem histeria coletiva, que domina a sociedade em todos os segmentos, não somente o religioso.

O ser humano está histérico, passional, vivendo uma consciência que está escrava da natureza sensorial, ou seja, gravitando em torno do prazer físico, e não mais em torno do amor, encontrando sempre que pode canais para botar pra fora toda sua paixão reprimida e sua violência e frustração contida.

Qualquer ídolo da mídia que satisfaça essa fome sensorial da humanidade materialista, a conquista, e compra sua adoração, com milhares de seguidores de sua pessoa e ideologia.

Por isso, a velha política do pão e circo. Os poderosos criam mecanismos que sustentem a necessidade de prazer das pessoas, e com isso, vão tornando as pessoas dependentes desse sistema. Porque nada é mais viciante do que o prazer, e quem tem o comando das fontes de prazer, controla facilmente a massa, que se torna adoradora porque alguma parte de seu corpo e mente se torna dependente daquele sistema prazeroso fornecido pelos seus ídolos… mas são prazeres temporários, que ludibriam as ovelhas enquanto os lobos articulam suas leis para se manter no poder…

O consumismo é uma das grandes estratégias de controlar as pessoas por sua consciência sensorial escrava dos prazeres…

Em resumo, quem ama é livre, não se tornando dependente de nenhum outro ser que administre sua fonte de prazer, da qual se torna dependente e viciado… mas quem adora, e passa a idolatrar o seu objeto pessoal de adoração, se torna imediatamente escravo dele, por causa dessa dependência assumida, convertendo tal objeto em seu ídolo, seu novo deus para cultuar e servir em estado de profunda escravidão.

O Sistema manipula a humanidade pelo condicionamento aos prazeres consumistas… mas o Amor divino pretende nos libertar pelo poder da Verdade que revela nossa situação de escravidão a partir de nós mesmos e nos inúmeros vícios que nos tornam consumidores compulsivos de todo tipo de coisa que nos mantenha hipnotizados pelos sentidos temporariamente satisfeitos.

Por isso, tantos apelos físicos no consumismo… apelos sexuais, apelos de gula, apelos de materialismo, de enriquecimento, de vida fácil e cheia de prazeres, conforto e comodidades… uma eterna hipnose do Sistema escravizando a humanidade a partir de todas as suas necessidades biológicas manipuladas na forma de uma permanente dependência dos sentidos aplicada no consumismo voraz e irrefreável…

Prazer físico não é amor, é condicionamento instintivo aplicado no corpo para nos obrigar a cumprir suas necessidades biológicas. Amor transcende corpo, aparência e até mesmo o desejo que sempre quer receber e ser satisfeito.
O amor é um eterno estado de doação, sendo esta a sua mágica e simples fórmula de liberdade e felicidade…

Quando vejo adoração cega, vejo problemas na alma, e dos grandes.

Porque a adoração cega é violenta, é vingativa, é destrutiva e auto-destrutiva, caminhando em estradas escuras sem sequer ver no que está tropeçando… a adoração cega, a idolatria e o fanatismo são um mesmo espaço escuro no qual se caminha sem nada ver e compreender, apenas tateando nos conceitos e tropeçando na vida.

 

JP em 17.12.2019

Comentários
Compartilhar