A Arma da Paz

Precisamos redefinir o conceito de força: ser forte é se controlar.
É controlar a ira no meio da ofensa, é controlar a paixão no meio da tentação, é controlar a língua no momento da raiva, é controlar a boca no desejo da gula, é controlar a mente no turbilhão dos pensamentos confusos, é controlar o desespero no meio das provações, é controlar o animal na excitação dos instintos físicos, é controlar a preguiça, o desânimo e o desalento diante de resultados tardios… é controlar o medo diante das crises.

Enfim, ser forte é ser o senhor de si mesmo, e não o escravo, e quando isso acontece, a paz real invade o coração do guerreiro contra si mesmo, contra o ego, e esses mansos se atrairão e se reunirão para construir o novo mundo (Reino), orientados pela Vontade do Alto e pelas Inteligências a seu Serviço! E tudo isso porque os fracos, os que são vencidos todos os dias por suas fraquezas carnais, instintivas, emocionais e intelectuais, são os que estão destruindo o velho mundo… tudo é uma escola e uma seleção.

De modo algum os fracos poderiam ser chamados para o Novo Reino, porque, se não conseguiram construir o paraíso da paz dentro de sua alma, continuarão presos ao inferno de suas emoções e desejos baixos, recriando infernos e destruição onde quer que estejam…

Os fortes morrem por quem amam, enquanto os covardes se cercam de exércitos para lutarem na preservação de suas vidas e de seu poder.

Isso explica porque os judeus preferiram Barrabás, alma violenta armada até os dentes, do que Jesus Cristo e a arma do perdão por ele oferecida. Porque os judeus eram iguais a Barrabás, e por isso, seus corações não entraram em ressonância com a Verdade real libertadora do mestre. E no final, todos eles morreram pela espada e não alcançaram a liberdade desejada. O tempo passou e os judeus e o resto do mundo nada aprenderam com a Paz do Mestre… voltaram a confiar no poder da força dos fracos e suas armas, suas fronteiras e políticas de guerra.

Fracos usam armas porque não confiam em si mesmos, e isso os leva a desconfiarem de todos. Porque estão em eterno conflito, medo, círculo de mentiras e intrigas voltando sobre si mesmos a todo momento…

Mansos abrem os braços e enfrentam a vida com coragem, porque na paz alcançada, sabem e sentem que Deus está com eles, e seus exércitos invisíveis acampam ao redor de sua vida.

A guerra é a invenção dos fracos para manter o trono de sua egolatria, de sua cobiça, de sua miséria interior, e porque trazem um eterno inferno de conflitos interiores, em toda parte onde estejam, recriarão esses mesmos infernos movendo guerras e manipulando as massas em discursos sofismáticos e contagiantes… ninguém morre pela pátria. Morrer pela pátria é defender os rios, as matas, as riquezas naturais e o povo oprimido. Os exércitos dos poderosos morrem somente pelos poderosos, e pelos seus tronos, títulos e poderes.

Humanos manipulados morrem por humanos manipuladores.
Defender a pátria é defender a Natureza e o povo simples que vive em seu seio. Nunca foi defender reis, elites, seus interesses e riquezas.

Os soldados morrem nos campos de batalha para defender somente essa política sórdida de conquistadores e conquistados, que vive se reciclando na superfície, porque os invasores de hoje, com certeza, serão os invadidos de amanhã.

Nações roubam nações, e movem guerras para justificar essa política. Se hoje um país é invadido por outro que deseja suas riquezas naturais, investigue se ontem esse mesmo país ou se essa mesma raça que habita esse país não invadiu tais ou quais terras para fazer o mesmo? Então, o medo é eterna companhia dos que estão no poder e montados em riquezas ilícitas.

Um círculo que nunca termina, uma roda kármica que nunca será resolvida pela lei da espada em nome da cobiça de ontem que forja o medo e a insegurança de hoje!

A arma dos fortes é o Amor no coração, e a arma dos fracos sem amor no coração é a violência, a opressão, a mentira e o jogo de intimidação.

A Paz não pode ser alcançada por armas de violência. Isso apenas faz aumentar a escalada da guerra, porque o mundo está ficando cheio de covardes, de seres em conflito interior, cercados de mentiras pessoais, e quando estes seres alcançam o poder, só terão guerras como manobras de justiça. Porque no fundo eles vivem com medo.
E viver no medo é viver sem paz.

Vivem com medo de serem atacados nas mesmas coisas que eles atacam nos demais.

Triste do homem que confia no discurso das armas, porque será como cego guiado pelos cegos, e todos cairão no abismo. Porque está escrito que os lobos se destruirão enquanto as ovelhas subirão.

Todo covarde se esconde atrás de armas e muros, porque no fundo ele tem medo do que carrega dentro dele.

São Francisco de Assis disse por que repelia os tesouros da Terra: “se eu tiver tesouros, terei que construir muros, e proteções em torno desse tesouro, e terei que trancá-lo e cercá-lo de guardas para protegê-lo… e viverei escravo desse medo de ser assaltado e roubado”.

Esse é o espírito dos que estão no poder.

Triste de quem acredita que a Paz sairá dessa política tenebrosa. Serão testemunhas de um mundo em conflito eterno até a destruição total.
Porque a guerra é a arma dos que querem conservar suas riquezas e seu poder, e aumentá-los cada vez mais, a custa do constante e crescente sacrifício do povo que acreditou em seus discursos e ideologias mentirosas, de fachada.

Essa política nunca foi inspirada por Deus.
É a política do Anticristo e da Nova Ordem Mundial.
Porque é mentirosa em tudo. E Deus é Verdade. Não é mentira, não é intriga e nem manipulação no jogo de interesses.

Meu Reino não é desse mundo, disse o Mestre do Amor, aquele que veio ensinar a paz real ao mundo, mas o mundo fez guerra contra ele e usou a arma da cruz para torturá-lo até a morte.

Assim é o mundo. Assim é o ego dos que mandam e dos que são mandados: fazem guerra contra tudo aquilo que ameace seu poderio, sua riqueza e sua vida fútil e existência falsa sem amor.

Os que têm amor dão suas vidas pelas coisas que amam. Mas os que não têm amor matam tudo e todos os que ousem cruzar seus caminhos de cobiça e mentira.
E como os mandados são os que dão poder aos que mandam, no final, merecerão morrer pela espada.
Porque na espada confiaram.
E a lei da espada é a morte.
Nunca a Paz.

Bem-aventurados os fortes, os que estão no controle de sua natureza inferior, porque amor trazem dentro. Eles são os mansos que vivem a paz real. Porque estão livres de si mesmos.
E a Verdade ensinada pelo Mestre foi compreendida.

E no final, a Pomba destruirá a Guerra.
E a verdadeira força será conhecida.
Ela é que reconstruirá o mundo.
A força do Amor no coração ao invés de espadas na mão… porque a Espada de Deus está no coração, enquanto que a espada dos homens está no medo que eles carregam dentro…

 

JP em 26.02.2019

Comentários
Compartilhar