Templates by BIGtheme NET

Reflexões 23

 

 

 

 

 

O Karma e a Energia do medo

O medo só não tem força contra quem nada deve.
Quem tem dívidas com a Justiça Divina, deve ter medo de uma lei chamada RETORNO.

Não adianta nada ficar pregando uma filosofia de ausência de medo se a culpa e o delito existem.
Quem tem delitos escondidos e não os resolve, este tem que ter medo sim, porque cedo ou tarde, irá receber o retorno de suas ações.

Quem brinca com o fogo, tem que ter medo sim de se queimar.

A ausência de medo é a prerrogativa da ausência de culpa.

O Medo é a sombra da Culpa. Enquanto existir a culpa, a sombra do medo lhe perseguirá onde quer que você vá!

Culpados sempre tem medo, e qualquer detector de mentiras detecta o medo estampado dos culpados que, mentindo, fingem inocência em seus depoimentos.

Não é questão de exaltar o medo, e embora a Bíblia relate a importância do Temor a Deus em sinal de respeito, obediência e reverência ao seu Poder Supremo, a questão é amadurecer e saber trabalhar com os erros, compreendendo que não podemos atirá-los para debaixo do tapete e depois seguir vivendo a vida SEM MEDO como se eles não existissem.

Porque, algum dia, alguém haverá de levantar o nosso tapete e descobrir todas as nossas sujeiras escondidas.

E o Karma é implacável, e embora o tempo nos ofereça inúmeras oportunidades de aprendizado e remoção dos erros, ele se torna implacável contra aquele tipo de pessoa que pensa que vai fugir eternamente da Justiça do Alto.

Essas sim, tem que ter muito medo. Porque, para a Lei do Karma, não importa como você se comporta nas situações de culpa e delito. Com ou sem medo, você irá ser punido pela Lei do Retorno enquanto não conserte seus erros. Não ter medo aqui não resolverá nada.

Quem tem telhado de vidro deve ter medo quando atira pedras no telhado do vizinho.

O assassino sempre será atormentado pelos fantasmas de suas vítimas, e o ladrão nunca descansará a cabeça sobre o travesseiro com medo de ser descoberto em seu esconderijo. O mentiroso seguirá aumentando o roteiro de suas tramas inverídicas até trair os lábios em contradição. O adúltero sempre tentará se esconder dos olhares familiares que possam reconhecê-lo em seu ato vil.

Ou seja, as situações sempre parecerão como armadilhas para o culpado, armadilhas postas pelo destino que podem desmascará-lo a qualquer momento, daí que é natural viver eternamente com medo sem ter como evitar isso, é algo mais forte do que ele. É a culpa dentro dele que tem medo. Só a consciência limpa não sente medo.

Quem se porta como hipócrita e fariseu, apontando falhas alheias mas ocultando as suas, este tem que ter muito medo do dia em que será desmascarado… porque será.

Se queremos viver sem medo, temos que antes, procurar viver sem culpas escondidas e sem erros disfarçados.
Não há outro modo. Só a consciência limpa pode viver sem medo.

Uma consciência culpada será sempre uma consciência assaltada pelo medo, porque sabe, instintivamente, que a Lei do retorno irá apanhá-la cedo ou tarde, e é inútil se esconder ou tentar viver uma falsa ideologia de ausência de medo que simplesmente não irá funcionar.

A culpa exala medo, é inevitável.

Muitos falam de evitar o medo diante situações, por exemplo, de guerra mundial.

Mas eu pergunto: esses que pregam tal conduta, já erradicaram de vez a violência em suas vidas, até nas pequenas coisas?

Ninguém se esqueça que a Guerra Mundial, quando eclodir, será a resultante final de todas as pequenas guerras e violências que todos os seres humanos têm vivido em suas pequenas rotinas, família, vizinhos, trabalho.

Assegure-se, então, que você é um indivíduo que está em perfeita paz e ausência de violência em tais rotinas, caso contrário, mesmo sem saber, se for um praticante da violência, estará contribuindo para somar mais energia da Guerra, quando ela se tornar um evento mundial e de responsabilidade coletiva, não somente dos líderes mundiais, mas de todos os que vibram violência nos atos, ainda que preguem paz na teoria dos discursos… e no facebook!

Porque, se pregamos a paz na teoria mas vivemos a vida debaixo de atos de violência, ainda não passamos de hipócritas, que escondem tudo dos demais, até o próprio medo. Mas é impossível esconder o medo, porque todo medo sente que está sendo vigiado o tempo todo pelo Olho que Tudo Vê.

E desse Olho de Deus não há como se esconder.
Daí o medo!

 

 

 

 

 

 

 

Penso, logo existo.
Vibro, logo vivo.
AMO, logo SOU!

Extraterrestres

Extraterrestres existem e temos como provar, a partir do momento em que se descobre que o UNIVERSO segue padrões. Terras, planetas, estrelas, galáxias, apesar das diferenças em espécie ente si, são criações padronizadas do Universo, e seguem estruturas, modelos e funcionamento similares… daí a origem do nome Universo, que significa a Unidade da Diversidade.

Se temos a Terra, se temos formas de vida diversas, das mais simples ás mais complexas, das inconscientes até as auto-conscientes e cosmo-conscientes, enfim, formas minerais, vegetais, animais, humanas… e quem disse que a escada para aqui a sua ascensão evolutiva? Extraterrestres, Anjos, espíritos superiores inalcançáveis ao nosso grau de percepção, enfim.

No final da escala, estaria Deus, ou Oniconsciência, ou mais ainda, o TODO e o TUDO, e a cosmo-consciência é a percepção individual que um ser evoluído tem desse Ser Deus que é TODO no UM e UM no Todo.
Particularmente, eu considero a maior prova de um Universo que se constrói sobre padrões, com diferenças locais, é a detecção do número áureo FI em praticamente tudo, de galáxias a moléculas, de plantas, distribuição espacial de sistemas vivos e, claro, as proporções do corpo humano – ALIÁS, onde o número FI (1.618) se apresenta mais intensamente.

Na matemática superior, além do número PI, deve haver um lugar muito especial para os mistérios do Número FI, totalmente associados ao arranjo e distribuição da vida consciente na forma. Sou particularmente estudioso do número áureo, uma das chaves para se compreender outro grande mistério cósmico, o Universo Fractal.

Ele é uma das provas – para mim – da existência de padrões de VIDA no universo, incluindo vida inteligente. E porque não, vida inteligente sob o padrão HUMANO, já que o corpo humano é o lugar do universo onde até agora se constatou a presença da proporção áurea mais do que em qualquer outro lugar?

JP em 20.09.2019

 

 

 

 

O Sonho nada mais é do que uma porta aberta entre os dois mundos, o físico e o astral.
E a chave dessa porta é a força de atração de um coração que busca do outro lado tudo o que lhe falta aqui.
Tudo o que você busca no sonho é tudo o que lhe falta neste mundo…

*****************************************************************************

 

Colour photograph showing the light interference patterns and colours in soap bubble structures. This image is from the ‘Colour Clouds’ 2018 series by artist and photographer Kym Cox.

 

Um incrível registro fotográfico
Interferência da luz em bolhas de sabão, por Kym Cox.
Realmente, o Universo geometriza, e não há um só pedacinho deste Infinito chamado Cosmos onde não haja luz e energia invadindo estruturas e revelando as formas harmônicas de catedrais naturais…

A primeira coisa que a semente procura, quando desperta dentro da terra, é a luz do Sol.

A primeira coisa que uma mente procura, quando desperta do seu sono de ilusões, é a Verdade.

Bem-vinda a primavera, tempo de despertar…

NAVEGAR ESTRELAS

Navegar estrelas é preciso, é preciso…
Mas para navegar estrelas, eu preciso ouvir estrelas…

Ouvir estrelas é preciso, é preciso…
Mas para ouvir estrelas, eu preciso amar estrelas…

Amar estrelas é preciso, é preciso…
Mas para amar estrelas, eu preciso ser como as estrelas…

Ser estrelas é preciso, é preciso…
Mas para ser estrelas, eu preciso contê-las…

Conter estrelas é preciso, é preciso…
E assim, seguindo por um mar de estrelas…
contá-las e contê-las é preciso, é preciso…

E ao contá-las e ao contê-las,
e ao amá-las e ao querê-las,
e ao ouví-las e ao seguí-las num mar de estrelas,
algum dia serei como estrelas,
onde brilhar é preciso, é preciso…

 

 

 

Primavera de um Renascido

1.
Era pouco para o Sol se revelar,
posto que vinha trazer novidade…
qual inverno poderia calar
esperada e tão sublime verdade?

2.
Sei que a luz não pode mentir: pudera
que essa luz revelasse em cada Aurora,
por então ir desfazendo as quimeras,
o sentido do Amor nessa demora…

3.
Flor eleita de um arcano primaveril,
e os perfumes dos bosques me incendeiam
num desejo antigo e tão juvenil
de beijar-te as flores que te permeiam!

4.
Onde estás, alma tão minha e ausente?
Na presença de um Arcanjo risonho?
E nos zelos que te cercam, ardentes,
deixar-te à margem dos meus sonhos?

5.
Se pudesse, eu tomaria o lugar
desse Espírito feliz que te cobre,
mas quem sou? Poderia eu amar
como Ele, sendo eu o mais pobre?

6.
Fruto és de um verão não passageiro
que sementes deixou num coração,
passa o tempo, e o mundo muda por inteiro,
gira a Roda, e a mesma música da solidão…

7.
Aspirada deusa, rouba o meu dia feliz
que fenece como as flores, depressa,
na tristeza a devorar-me a raiz
antes mesmo que o outono me despeça…

8.
Não dorme a tua face na minha mente
que desenha o seu perfil com desgosto,
acusando os pensamentos dolentes
de um poeta a buscar-te em cada rosto…

9.
És pedaço de mim, minha metade,
meu alento de alma, suprimento,
espelho de uma segunda realidade,
substância do meu ser a todo momento…

10.
Sigo chamando o teu nome além da morte
pelos cantos deste mundo tão grande…
Que dirão de mim a sina e a sorte
por onde quer que eu procure-te e ande?

11.
Rirão de mim, afinal, dos tropeços
nesta estrada que escolhi para mim mesmo?
Perguntei-lhes, contudo, se eu mereço
esse amor, ou então, seguir a esmo…

12.
É segredo indecifrável o teu nome,
uma esfinge ao pensamento tão bem-vinda,
e tão rápida das vistas já me some,
razão louca de uma coisa muito linda!

13.
Sagrada jóia da coroa de uma Santa,
reluz como fogo e jasmim nas manhãs,
quando acordo e escuto alguém que canta,
Querubim de Deus inspirando um novo afã.

14.
Quanto mais eu me aproximo dessa imagem
bela aos meus olhos impuros e cheios
das lágrimas que afogam-me em miragens,
mais e mais do amor me sinto alheio…

15.
Num deserto de pedra e areia fria,
se tornou a minha vaga existência,
condenado ao veto da Hierarquia,
que me impede de encontrar-te em tal dormência.

16.
Qual poder, celeste ou mesmo terrestre
haverá de me libertar dessa dor,
que em mim levanta um triste mestre
experiente em todas as feridas do amor?

17.
Que os anjos conservem a prima essência
desse amor, por ora a Deus confiado,
e Dele parta a infinita clemência
que agora me desce em tempo esperado.

18.
Pois todo o tempo em que andei peregrino
sobre a Terra e o céu, o amor procurando,
descobri que, sem Deus, o meu destino,
por mãos do amor não se fará caminhando.

19.
Voltei ao mar onde eu fiz uma promessa,
jogando nas águas uma flor de esperança,
e as estrelas ouviram o que a boca confessa
em cada passo, cada pranto e andança…

20.
Fiz eterno juramento àquele Amor,
pactuo com seu preço, ainda réu,
e aceitando aquele Arcanjo o meu penhor,
revelou-me aquele rosto atrás do véu…

21.
E prometo contemplar o seu semblante,
como dádiva mais alta neste ensejo,
e serei o mais feliz, como não antes,
pois o Amor Maior que existe é o que eu almejo!
(***)

22.
Era pouco para o Sol se recompor
e o milagre recontar a nossa história,
na lição a ser guardada na memória:
tudo é nosso quando é nosso aquele Amor!

 

JP em 23.09.2019

 

 

A Glória de Deus brilha entre os passos de uma vida consagrada à Verdade
como a glória do Sol brilha entre as folhas de uma árvore que desperta na manhã de mais um dia,
carregada dos bons frutos de uma vida dedicada a buscar pela luz em sua escalada rumo ao céu…
Na minha analogia, você é a árvore, seus atos e passos são suas folhas, sua alma é sua raiz,
e seus frutos são todas as coisas boas que você deposita sobre este mundo enquanto nele viver,
iluminado pela Verdade Divina, que é teu Sol, tua Luz, tua fonte de vida em cada nova manhã…
A Glória de Deus brilha como Luz que refulge e atravessa vidas abertas ao seu Poder!

************************************************************************************

 

 

Mundo extremo, humanidade extrema

Enquanto houverem lados opostos, haverão guerras. A estratégia do Inimigo secreto da humanidade é criar mais e mais ideologias opostas em todas as coisas, política, religião, futebol, leis, opiniões, pontos de vista, etc etc para manter o ser humano em guerra eterna. Seu prazer é manter o mundo debaixo da violência, pois violência e ódio é o ar que ele mais gosta de respirar.

E com essa visão distorcida das coisas, sugerindo posições extremas na mente das pessoas em vez de meios-termos conciliadores, o Inimigo Secreto do Gênero Humano consegue plantar a semente da futura e desejada Guerra global, que ele precisa para remodelar o mundo, sob as bases de uma Nova Ordem Mundial conveniente aos seus planos de dominação completa. E acaba conseguindo o apoio das massas assim hipnotizadas pelo seu ardil sem que ninguém saiba a origem de tudo isso. É como se Ele instigasse os dois lados a brigarem todo o tempo, e enquanto isso, ele apenas assiste a briga e se diverte, sussurrando sugestões na mente dos dois lados, sugestões essas cada vez mais distantes do meio-termo conciliador.

A estratégia é dividir, separar, criar lados sempre opostos, ideias sempre contrárias, o vermelho que não gosta do azul e o azul que não gosta do vermelho, porque isso, e somente isso, é o combustível da Guerra. E em vez do vermelho tentar ver o lado bom do azul e o azul tentar ver o lado bom do vermelho, cada lado se aplica em ressaltar o que considera mau no outro lado e, a partir disso, usar seus argumentos para mover uma batalha sem fim… essa é a psicologia de manipulação da sociedade onde quer que hajam ideologias opostas.

Certamente que os erros existem em cada lado, mas o alvo aqui deixou de ser uma cooperação mútua para melhoramento de todos, e sim, uma carnificina a céu aberto que só tem em mente a destruição completa do lado que não lhe agrada.

Aí, como toda doença mental se somatiza no corpo físico, a Terra, que é entidade vivente, debaixo de toda essa atmosfera de ódio e violência gerados nos atritos de pedras em eterna colisão, sem que nenhuma das duas jamais ceda, acaba ficando doente, e o primeiro sinal dessa doença aparece no clima.

Nem era glacial e nem aquecimento global: mas repararam que o que realmente está acontecendo são extremos de temperatura?

São verões cada vez mais quentes e invernos cada vez mais gelados, a cada ano que passa?

Porque extremos climáticos também são condições saídas de oposições de temperatura cada vez mais intensificadas.
A humanidade interage com o planeta vivo (morrendo) de forma que nem suspeita.

E aqui, eu vejo um círculo e não saberia dizer onde está a sua “ponta”, quero dizer: são os extremismos climáticos que dispõem sobre o emocional extremo e violento das massas em eterna guerra, ou são o emocional doente das massas em eterna guerra que influenciam o clima do planeta (cada vez mais) extremo?

Eu só sei que, debaixo de tempos tão terríveis como este, aquela história de filosofia do “MEIO”, de viver o meio-termo, o equilíbrio e bla bla bla, se tornou apenas um folhetim decorativo nos painéis das redes sociais… ou seja, a maioria prega uma coisa na teoria mas vive outra na prática.
Porque, quando um não quer, dois não brigam… mas… e o que fazer quando os DOIS sempre estão querendo brigar?

*************************************************************************************************

 

O NOME

O Nome que é a fonte de toda harmonia, e de todo ser que entra em harmonia.

Sagrado e santo Nome dos Nomes, que é sinônimo de Paz, de Amor e de Inteligência.

Sagrado e santo Nome das Esferas, que rola os mundos e os enche de verdor e flores, bosques e frutos.

Nome Supremo, força das forças e luz das luzes, penetrando nos corações fechados como invencível chave de um segredo íntimo, mais íntimo que a própria intimidade dos átomos em seus porões mais recônditos.

Eu também louvo e agradeço pelo Nome que fez a Luz e moveu os oceanos primordiais da Alma e da Mente antes que a Vida pudesse dizer: Eu te Amo, Senhor do Nome!

Obrigado, Hashem!

Que o Nome preencha todos os espaços vazios da alma e encha de amor todos os buracos do coração, ferido à bala do desprezo, da arrogância e do egocentrismo.
Que o Nome nos torne livres, livres de nós mesmos, e que ele possa nos tornar conscientes do que realmente é ser livre!
Porque não somos livres, a partir de nós mesmos.

 

 

Deus cuida dos seus filhos. Se Deus está nos átomos e nas galáxias, nos domínios do grande e do pequeno, porque não estaria na órbita dos médios, seus filhos?

Porque não cuidaria “pessoalmente” de cada lágrima e cada dor, sussurrando no ouvido uma solução que, anônima, tomamos como nossa? Isso quando se pode Ouví-lo, já que a maioria se fez surda para depois dizer que Deus não existe.

Bem, religião é isso, apenas isso, fechar os olhos e encontrar Deus em todo azul do mar que ronca nas ondas de dentro do peito de cada um, onde cada um sabe o que lhe toca, lhe dói e lhe faz falta…sem hipocrisia, sem falsas posturas para o mundo, porque ali é o seu mundo, ali é o seu sentimento, ali é a sua vida, e ninguém senão Deus, esse Todo e Tudo, pode compreender, curar e encher de felicidade…

Não há morte por mais cruenta que seja, nem inferno, por mais fogo que possua, capaz de roubar este estado íntimo quando sabemos nos afogar no azul que desse mar emana, o azul de todo mar de toda alma…

 

 

A DÁDIVA DOS DEUSES

Os deuses trouxeram a luz e o amor, seu ouro era o conhecimento, e sua dádiva, a liberdade, mas ao preferir a cultura da matéria, os homens criaram trevas para si mesmos, a ganância matou todo amor e caridade, e o ouro do conhecimento perdeu todo o seu valor, e seus olhos passaram a buscar outra moeda de interesse, o ouro literal e o dinheiro.

Deus criou os seus Filhos, mas alguns destes, caídos, fizeram escravos entre si. Então entre estes Filhos eleitos, sucessivos mestres têm descido ao nosso mundo para tentar nos fazer lembrar daquele ouro de conhecimento e daquela luz que nos guiava no princípio, o amor. Mas o mundo matou todos eles, perverteu suas santas doutrinas e encontrou novas formas de multiplicar o ouro, para sua própria desgraça.

O ouro destes filhos divinos é o conhecimento, é a sabedoria, a sabedoria de Salomão, de Toth, de Cristo, de Krishna, Osíris, Odin, Pacal, Quetzalcoatl, Buda, Fo-Hi, Zeus, Rama, tantos e tantos outros. Mas a ciência moderna encrespou suas ondas, invadiu os espaços sagrados e atirou ao chão a memória dos deuses, tentando apagar aquele conhecimento das mentes, alegando que tudo não passava de mito, porque ela também se vendeu ao segundo ouro, aquele que gera cobiça ao invés de iluminação. Na metáfora de Prometeu, os deuses trouxeram o fogo das ciências secretas para o homem, para torná-lo semelhante a eles… e o próprio Senhor IHVH disse a Adão e Eva: eu vos criei a minha imagem e semelhança, para serem meus Filhos, e não como bestas para se tornarem escravos de outros homens.

Quando o homem caiu na animalidade, repudiando o valor do primeiro ouro, então caiu de quatro na condição de besta violenta e depravada, e aqui foram inventadas escravidão porque cobiça era o que movia as mentes doentias, e na sua lógica pervertida, servir-se da escravidão de outros homens era a forma mais rápida de enriquecerem e assumirem poder sobre a Terra. Mas os deuses nunca nos abandonaram, e como Prometeu, se sacrificaram todas as vezes que quiseram nos iluminar com o archote da liberdade e a tocha da consciência, por nós mesmos soprada e apagada em nosso estado de cegueira, revolta e anarquia interior.

Desejaram nos libertar, mas nós mesmos os atamos ao fogo, a cruz, à forca e ao cárcere, porque a verdade que eles tinham a dizer era dolorosa demais para o ego instalado em nossos ouvidos. A ciência divina que nos traziam prometia a liberdade ao nos tornar à sua semelhança e, assim, converter a nós mesmos em seus irmãos, transcendidos de toda condição limitante.

Mas mãos sequiosas agarradas ao desejo nunca se deram bem com esta ciência do ouro da luz, e sempre trataram de calar suas vozes e suas fontes. E eles eram então sempre calados, e em sua memória mais triste reinava um silêncio de dor, sacrifício e desapontamento, que no entanto nunca foram vãos, porque todo esse mal recebido semeava em alguns corações um bem que não podia ser nunca mais apagado pela força do exemplo, porque os mártires é que vencem as guerras, e os cordeiros sempre calam o ronco arrogante dos leões. Precisamos de cordeiros que, em seu pacífico silêncio, calem para sempre o vozerio de toda a nossa vã ciência e filosofia, vaidosa e prepotente, que julga alcançar os céus por assalto e não por sacrifício, e que ensina ao homem a criar asas metálicas para conquistar os espaços estrelados que só podem ser possuídos plenamente por asas de espírito saídas diretamente das forjas do amor e da luz daquele ouro primordial…

Não é a toa que a Esfinge está calada até hoje, muda de espanto diante de uma piramidal arrogância moderna, tão elevada quanto a sua própria ignorância…
porque, quando a ignorância fala pela boca, à sabedoria só lhe resta calar…

 

 

SÓ O AMOR…

Só o Amor nos descondiciona da eterna necessidade do querer.

Só o Amor nos preenche com o ato livre da doação.

Só o Amor nos torna cheios ao nos esvaziar, e nos engrandece ao nos tornar simples.

Só o Amor regula o passo na direção da liberdade, porque nos tira do passageiro centro do Eu para nos focalizar no eterno centro do Ser.

Só o Amor nos ilumina, nos desperta, nos retira o medo eterno do incessante clamor do amanhã, carregado de suas necessidades, porque em seus braços descansamos tranquilos e confiantes como no colo de uma mãe amorosa e gentil.

Só o Amor nos torna a imagem e semelhança de Deus, porque aquele que conquista o Verbo Amar, se torna Sol, se torna Estrela, se refaz a si mesmo e nasce todos os dias homem novo no ventre do Universo em flor que brilha em cada manhã.

Só o Amor nos torna perfeitos, porque, de tudo o que restou ao homem exercer em seu exílio, amar é ainda o mais raro dos ofícios, aquele que exige a maior das maestrias com o mínimo de instrução.

Porque o Amor já é mestre ao nascer, a todos ensina o que nunca precisou aprender.

E no final da jornada, o Amor é estrela-guia na volta para casa…

Sinto o amor como um imenso mar, azul, puro, imenso, não pode ser contado ou contido no meu conceito, só pode ser contemplado, admirado, amado.

Tudo o que se quer é estar nesse mar…

Partilhar é um dos verbos preferidos do Amor.

O Pão é a nossa própria VIDA, que só tem algum sentido quando compartilhada. Tanto que a palavra COMPANHEIRO vem do latim (cum panis), e significa “aquele que partilha o pão”.

Veja voce o grande simbolismo da Última Ceia de Cristo! Cristo dividiu a missão evangelizadora da Terra em doze partes, da mesma forma como dividiu o pão e o entregou aos apóstolos” ou companheiros de mesa e trabalho.
Partilhar experiências é o que realmente nutre a alma e dá sentido à estrada da vida!

O amor é o alimento do espírito. A sabedoria é o pão da alma. Pode parecer pura poesia, mas do outro lado, o amor é tão sólido e palpável e a sabedoria, tão nutritiva e doce, quanto o mais fino dos manjares da Terra. Se as pessoas soubessem dessa verdade antes da morte, com certeza compreenderiam a sentença do filósofo:
Feliz do homem cujos defeitos morrem nele antes do corpo.

 

 

SOBRE AS ÁGUAS DO MEU PENSAMENTO…

Não vou dizer que eu só sei que nada sei… o que sei é que a vida é aquilo que flui entre nascer e morrer sobre o espelho das águas, e que as águas são a grande matriz…

1 No princípio criou Deus o céu e a terra.

2 E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas.

Não vou dizer que eu só sei que nada sei… o que sei é que a alma é peregrina no mundo das formas, e quando a forma se transforma, a alma se transforma com ela, e aprende um pouquinho mais sobre esse movimento eterno de ir e vir das coisas, que nunca chega a lugar nenhum a não ser de volta para dentro da mente, sempre, com a eterna pergunta sem resposta…

Não vou dizer que eu só sei que nada sei… o que sei é que, por mais que viaje a alma em busca de novos portos, ela sempre retornará para dentro do coração com a mesma pergunta:

Quem eu sou? E para onde vou agora?

Porque essa é a pergunta que faz navegar, de porto em porto, até cansar sem nunca alcançar o mar que a vista nunca haverá de mirar por inteiro…

O Universo é um lindo mistério, e sempre nos incitou numa única coisa: a viajar em suas águas.

Toda forma é um barco, todo pensamento é uma bússola e toda inspiração, os ventos da jornada…
Dedicado a todos os viajantes desse lindo mistério chamado Universo!

 

 

Apesar de muito mais longa… aqui a estrada é muito mais leve…

Apesar de muito mais alta… aqui a montanha é muito mais suave…

Apesar de muito mais profundo… aqui o mar é muito mais calmo…

Apesar de muito mais escura… aqui a beleza é muito mais luminosa…

Apesar de muito mais distante… aqui a Morada é muito mais eterna…

Apesar de muito mais indefinível… aqui DEUS é muito mais compreensível!

E apesar de muito mais solitária… aqui a viagem é muito mais feliz… porque uma multidão feliz te espera na chegada!
A multidão feliz dos que já trilharam a mesma estrada e um dia lá chegaram… e lá te esperam, guiando cada um dos teus passos!
A multidão feliz daqueles que, aqui, para os nossos olhos, não passam de estrelas brilhando toda a sua felicidade na forma de luz…

 

JP em 24.09.2019

Comentários