Templates by BIGtheme NET

Reflexão sobre RELIGIÕES – parte 4

Bem, certa vez acusamos um inocente e matamos um Deus em nome de uma liberdade falsa, falsa porque busca o interesse de poucos enquanto manipula muitos com disfarces sórdidos para seus fins, e houve uma nação que matou um deus na cruz, dizendo que era em nome do povo, mas mentiram, era em nome deles mesmos, e se mataram aquele deus, é porque nele viram ameaça, já que sua voz falava da verdadeira justiça e liberdade, a única voz que poderia fazer aquele povo acordar do sistema de mentiras e usuras praticado pelas minorias no poder.

Clamamos aos céus por justiça, liberdade e direitos garantidos, e os céus nos mandam o que eles têm de melhor, mas destruímos sistematicamente tudo o que os céus nos têm enviado para depois cairmos na ruína e em seguida culparmos os céus por tudo.

É impossível tirar alguém de um buraco, estendendo a mão, se o que caiu no buraco também não estender a sua mão.

A religião, bem compreendida e praticada, é esta mão estendida até hoje para o mundo. A religião do bem, da prática da verdade e da justiça da tolerância, do amor e da caridade.

E não esses clones de religião e essas doutrinas pervertidas por mãos imundas, as piores, capazes de trair o acordo com os céus e mentir em nome de Deus.

Eu sei que a culpa continuará sendo da religião, sei que muitos terão extrema dificuldade em acreditar na existência de um homem como Jesus, que curou, que ensinou, que amou, que ressuscitou, que só fez o que é belo e bom e que prometeu voltar um dia, para nos salvar
(desde que nos salvemos a nós mesmos de nossa escuridão interior)

Porém, deslocamos a nossa fé em Deus e a colocamos nos poderosos deste mundo, que estão lá para beneficiar a si mesmos e não ao povo.

Esse será o nosso maior erro, colocar a fé no ídolo ôco, qual o Cavalo de Tróia, estes presentes de grego que o povo recebe todos os dias das mãos deles.


Porque o que moveu Jesus Cristo foi o Amor maior, e o que move os que estão no poder hoje é a mesma coisa que os têm movido desde quando começaram sua carreira.

Amor pelo povo? Não, definitivamente não.
Mas ambição, cobiça, glória pessoal, vaidade, egoísmo.
É aqui que depositamos as nossas esperanças?
Não, a culpa não é de Deus e nem das religiões, a culpa é nossa, somente nossa,é o que grita o universo em coro, é o que dita a recusa silenciosa dos extraterrestres, e principalmente, é o que geme a Terra em seus últimos suspiros de vida, ferida por todas as nossas transgressões acumuladas, desejando a morte para cessar seu sofrimento.

Só não enxerga, realmente quem não quer.

Todos nós buscamos a mesma coisa, a Verdade, e todos nós estamos fartos de mentiras e mentirosos, em qualquer lugar onde estejam… assim acredito.

E dentro dessa busca, todos nós temos um depoimento válido, que acrescenta impulso a nave na direção daquela estrela, daquele porto de Paz que aguarda um dia, todos os homens de Boa Vontade na Terra.
Mas quando me refiro à religião, não me refiro à palavra desgastada pelo abuso e rotulada pelo senso comum, me refiro à essência original do termo, religar o homem ao infinito, o que admite diversos graus ou estágios, desde a cartilha ao livro mais avançado da Física.
Do B-a BA ao mais sofisticado idioma, que usa a palavra como forma de energia e onda de poder em movimento.

Certamente que dentro do acervo da religião ou sabedoria divina (prefiro este termo) existem conhecimentos avançadíssimos, que impossivelmente poderiam ser escritos porque não seriam compreendidos e até palavras do nosso vocabulário faltariam para conter e expressar toda a sua dimensão e profundidade.

Mas na Escola da Vida, é preciso respeitar os níveis, é preciso entender que existem pequenas plantas e enormes árvores, as que absorvem pouca luz, escondidas na campina rasteira e as que absorvem muita luz, beirando as extremidades do céu.

Basta tirar uma analogia, a luz é uma só, mas veja como os sistemas de visão dos animais variam tanto conforme a claridade ou escuridão de seus ambientes.

Religiões de todos os tipos, para níveis e níveis de entendimento são necessárias para cobrir todas as espécies de alma e seus graus distintos de consciência.

O único crime aqui é querer banir a lei divina e pregar um falso sistema de existência, o materialismo, que realmente representa um retrocesso medonho para qualquer um.

Não que isso justifique fanatismos ou a corrupção das religiões, mas até tudo isso faz parte do processo de aprendizado do homem na compreensão da verdade, que é absoluta em Deus, mas graduada para os seres que a recebem.

E dentro desse escalão, o materialismo se converte numa religião invertida, igualmente repleto de crenças e sofismas, que procura aprisionar ainda mais a alma no arco ilusório da vida, ao invés de ensiná-la o caminho da transcendência, aquele que lhe dá liberdade e posse de consciência e movimento cósmico em vida e depois da morte.

De uma forma ou de outra,o homem sempre inventa deuses para seguir e crenças para nutrir suas ilusões pessoais.

O deus do presente é o dinheiro.
E o gozo material, a ilusão fatal e filosofia de vida difundidas em toda parte.
Eu creio que a melhor definição para a religião seja a luz que invade os olhos e descortina o mundo exterior, fornecendo imagens com as quais construímos nossos fundamentais conceitos, e a luz admite infinitos graus de claridade conforme o olho que a vê.

A luz é clara ou nosso olho é que tem a impressão de sua claridade?

A religião seria alguma coisa se não existisse o homem?
Ela na verdade nada seria, já que sua total função e absoluta direção é a vida que deseja a felicidade e a liberdade.

A própria Bíblia é repleta de códigos e de sistemas que se fecharam para o vulgo e para o profano nos seus conhecimentos mais avançados, sob o véu das simbologias e a chave dos códigos, isso porque o vulgo e o profano não estariam preparados para recebê-los.


Há uma diversidade de chaves esotéricas, extraterrestres, herméticas, cósmicas, nomes, letras, números, padrões de frequência, conexões, sintonias, mantras, fórmulas de alquimia pura, remédios, curas, operações mágicas, rituais de alteração de consciência e tratados de física avançada, muitas vezes escondidos nas mais inocentes e pueris histórias, que para muitos soarão como lendas bobas e sem maior importância mas que, para cabalistas experientes e hermetistas habilidosos, revelarão os segredos mais profundos do universo e da natureza real do homem espiritual, seu mapa anímico, sua tabela de frequências internas, e todas as suas conexões com o organismo infinito da Criação Harmônica.

Aplicados, estes conhecimentos restauram o nosso perdido status de Filhos de Deus a imagem e semelhança de Jesus Cristo, imortais e iluminados como ele.

Se assim foi feito e se assim foi velado, é porque o mundo não estava pronto, para tanto conhecimento porque, se com o pouco que tem, faz tanto estrago, imagine com muito! Os mensageiros da verdade pensaram em tudo e se usaram negativas ou se furtaram atrás de disfarces ou codificações sem fim, acredite, foi para o nosso próprio bem, mas se uma alma despertar o amor e alcançar a consciência real, então seus olhos se abrirão e ela finalmente verá.

A mesma Bíblia, que muitos condenam e reputam como livro de fábulas e roteiro histórico da antiguidade revelará o seu tesouro.

A Bíblia continua a mesma, mas a mente é que se abriu por um poder que vibra o tempo todo, no universo mas que atravessa inócuo os corações egoístas e ainda petrificados nos baixos sentimentos e apegos carnais pesados.

Entretanto, no homem que se fez livre de tais, ele vibrará como luz e soará como revelação.
E aquele livro de física avançada tão complicado para entender quando a gente era criança, se mostrará claro como cristal na maturidade do espírito.

Mas tudo encontra sua função de ser e seu porque na escola da vida.
Deus sabe o que faz e seus mensageiros regulam todos os detalhes dentro do nosso aprendizado, os únicos que estão agindo com absurda incompatibilidade dentro desse organismo perfeito e complexo somos nós, os humanos.

Birrinha de criança com preguiça de estudar, mais ou menos isso.

Mas para os humildes e puros de coração, a boa religião é a mais rara flor que nasce na esperada manhã após o longo inverno da dor da alma e exílio do coração. Colher esta flor, sorver seu perfume com todo amor e paz, este é o caminho. Porque o Sol sempre estará lá, fazendo a flor brotar nos jardins da esperança deste mundo…

JP em 02.02.2019

 

Comentários