Templates by BIGtheme NET

Pedras de jade descrevendo contato alienígena encontrado em uma caverna no México

 

Moradores de uma pequena cidade perto de Veracruz descobriram pedras de jade muito misteriosas. Eles encontraram as pedras de jade dentro de uma caverna de uma floresta. Essas pedras de jade eram na verdade esculturas muito complexas que descreviam muitos seres humanóides com cabeças muito grandes, semelhantes ao que hoje chamamos de alienígenas cinzentos.

 

 

Javier Lopez Diaz é o jornalista que fez esta descoberta conhecida. Ele usou o Twitter para tornar essa descoberta viral. Logo depois que ele anunciou a descoberta de pedras de jade, a notícia deu a volta ao mundo.

 

O jornalista disse que algumas esculturas representam claramente a descrição de um contato real com uma civilização alienígena. Essas entidades de outros mundos poderiam ser alienígenas que ajudaram a desenvolver as civilizações maias e astecas.

 

 

Não há dúvida de que essas pedras de jade esculpidas são autênticas. Eles foram cuidadosamente inspecionados por vários cientistas e confirmaram que são autênticos.

 

Na caverna onde essas pedras de jade foram descobertas, havia vários desenhos que descreviam o contato das pessoas com esses seres de outros mundos.

 

 

 

Eles até descreveram espaçonaves alienígenas. Os pesquisadores encontraram e decifraram alguns símbolos nessas pedras de jade. A tradução do título é incrível: “Stones of the First Encounter”.
(As Pedras do Primeiro Encontro)

 

Abaixo você pode ver um vídeo que foi feito por uma televisão local:

 

 

Publicado em 14.10.2017

 

Fonte
https://dailymysteries.com/

 

***********************************************************

 

O México é, realmente, uma nação ímpar em termos de registros de contatos alienígenas na antiguidade, desde a fama dos povos que lá viveram, entre eles, os astecas, além dos maias das civilizações próximas, e também os incas da América do Sul, e os diversos povos indígenas da América do Norte, todos trazendo um denominador comum em suas culturas: o contato aberto com os seres das estrelas, que lhes trouxeram conhecimentos que permitiram a construção de poderosas civilizações, antes que retornassem para as estrelas – prometendo voltar um dia, quando o ciclo da Terra (que eles ensinaram aqueles povos a calcular) se cumprisse: o tempo que estamos vivendo.

 

Descobertas como estas nos fazem pensar na Mão da Providência (Pronóia) guiando cientistas e exploradores na descoberta de todos estes artefatos, e além destas pedras, existem várias outras, com o mesmo registro: o contato com Alienígenas.

 

Nesta magnífica pedra, vemos uma ilustração muito evidente de um contato com aqueles seres que, descendo em seus “pratos voadores”, ofereceram dádivas aos povos nativos que tão bem os acolheram (os “deuses), e embora a figura da pedra se assemelhe mais a um Grey do que a um nórdico venusiano (a maioria dos relatos descrevem o contato com seres altos, loiros, pele muito clara, olhos claros e barba), a interpretação da imagem é fácil para qualquer um.

 

 

O nativo indígena se ajoelha diante da divindade por ele interpretada, e esta divindade alienígena oferece um objeto ao indígena, e este lhe oferece uma espiga de milho (um dos tesouros agrícolas dos nativos da América pré-colombiana, como o trigo era para os europeus, e o arroz, para os orientais, imagem do grão sagrado, inclusive, com suposta origem alienígena).

 

Este indígena parece-se com um líder, com quem o Alien estabelece o contato.

A oferta do Alien ao indígena é interessante: na mão esquerda, ele traz uma espécie de OVO (símbolo da vida, da criação, da energia e fontes de energia, talvez), e na mão direita, uma espécie de caracol (um símbolo cultural antigo destas nações, associado ao tempo e aos ciclos). Talvez querendo falar do grande ciclo da Terra e uma data marcada de retorno…

 

A imagem deste alienígena, apesar de lembrar o estilo grey, pode ser outra: a imagem estilizada (por aqueles povos) das crianças de Sirius (os verdadeiros e mais elevados Anunnaki que nos visitaram no passado, nos quatro cantos do mundo antigo).

 

Um crop circle de um Alien com um disco espiral na mão apareceu em 2002, nos campos da Inglaterra, em Crabwood, alertando o mundo para os contatos enganosos e seus falsos presentes, armadilhas!

 

Crop circle de alerta em Crabwood, UK, em 15.08.2002

 

A interpretação mais direta deste alerta crop circle, cujo desenho lembra muito a imagem desta pedra de jade na caverna mexicana, nos leva aos presentes “tecnológicos” que, provavelmente, conectados em suas origens com Roswell e a oferta de greys capturados ou greys aliados secretamente com os norte-americanos (teorias conspiratórias), estão por trás de todo esse desenvolvimento surpreendente das tecnologias nos últimos anos, visivelmente direcionadas para a melhor manipulação e controle do “gado humano” por parte do sistema vigente.

 

Neste caso, as pedras têm muito a falar.

E parece que os falsos presentes dos greys modernos aos governos do sistema são muito diferentes dos presentes dos Aliens antigos das estrelas aos povos que eles civilizaram com tudo o que ensinaram, de agricultura a metalurgia, além de conhecimentos do mundo espiritual.

O tempo dirá.

 

JP em 06.05.2019

(***)

Reportagem sobre as pedras aliens descobertas em março de 2017 no México.
Sabemos que existem artistas locais que fazem pedras artísticas do tipo, mas o grande problema da Internet é rotular tudo como FAKE, de forma generalizada, quando algumas coisas se mostram extraordinárias, como estas pedras.
Assim, um comportamento padrão se estabelece entre os internautas: quando o objeto for extraordinário demais, ele deve ser FAKE.
Um estilo cultural típico do mundo digital que está servindo muito bem aos interesses do sistema.
Generalizar tudo como sendo fake, quando esse “tudo” procura revelar algo além do sistema quadrado em que as autoridades oficiais desejam acomodar a mente do gado, através de conceitos sistemáticos generalizados e sem provas reais e concretas, apenas argumentos que se espalham na rede.
O mesmo caminho das noticias fake, mas ao contrário.

 

 

Comentários