Templates by BIGtheme NET

Os Anjos ingerem Prana? (Técnicas de saturação cerebral via Prana)

Muitas são as técnicas de controle da respiração que são utilizadas para gerar estados alterados de consciência de forma natural e segura, sem uso de drogas ou qualquer substância psico-ativa, tudo por causa do conceito do Prana e da relação íntima entre respiração, sistema nervoso, circulação nervosa, cérebro e mente.

O termo hindu Pranayama significa:

Prana, os glóbulos vitais existentes no ar que respiramos
Ayama, estender, alongar, prolongar

Assim, fica fácil entender o alvo central de todas estas técnicas: estender os benefícios da respiração.

Tapando narinas alternadamente ou não, isso não importa, o que importa é compreender a ação da respiração controlada sobre corpo, mente e espírito, já que, em diversos idiomas, o alento e o espírito são termos sinônimos. Nossa vida começou quando inalamos o primeiro alento, e com ele, o espírito entrou no corpo e o tornou alma vivente.

O objetivo principal do Pranayama, portanto, é prolongar os efeitos da respiração que, em estado normal, é insuficiente para suprir as demandas de energia do corpo. Mesmo que não tenha objetivos místicos, a prática regular do Pranayama é uma das melhores terapias de bem-estar, saúde e equilíbrio existentes. Se não for a melhor de todas elas.

O efeito do oxigênio na respiração, todos nós conhecemos, e ainda que a absorção de oxigênio do ar inalado não seja total, senão que parcial, e no final do processo, exalamos CO2 etc etc, e essa inalação de oxigênio gera íons na circulação sanguínea, que tem a ver com a eletricidade vital que circula em nossa rede nervosa, etc, bem, o alvo das técnicas do Pranayama não está exatamente no oxigênio, que é apenas o veículo gasoso de outro elemento de poder superior, então, o Prana, aqueles corpúsculos de energia, como pontos brilhantes, não transformáveis, porque são átomos de vitalidade eterna, preenchendo o ar, os quais, inalados, transferem energia vital diretamente para o nosso corpo e mente.

Não se trata de um processo de transformação gasosa ocorrendo nos pulmões, e sim, de um processo de absorção direta de energia vital pura destes glóbulos presentes no oxigênio, mas que não são o oxigênio.

Existem glóbulos de energia vital em todos os elementos, terra, fogo, água, mas é no elemento ar que podemos absorvê-lo de forma mais rápida e eficiente em práticas do tipo.

Então, baseado na diferença entre Prana e Oxigênio inalados é que resulta o entendimento da técnica da saturação do cérebro.
O oxigênio é uma substância finita, a cada inalação os nossos pulmões absorvem uma taxa X de oxigênio, e por mais tempo que retenhamos o ar nos pulmões, essa taxa não irá aumentar dentro de cada inspiração.

Diferente do que acontece com o Prana.

O Prana são partículas de energia vital pulsante, elas transferem energia ao nosso corpo durante a inalação mas não perdem sua energia. Diferente do oxigênio, que logo é absorvido, para exalarmos gás carbônico em seguida, o Prana fica vibrando dentro dos nossos pulmões e atirando vitalidade dentro do corpo. E quando exalamos o ar, exalamos o Prana intacto. Não absorvemos toda a sua energia, atirando para fora partículas inertes e sem energia.

O Prana continua do mesmo jeito, é a qualidade inerente do ar. Ele vai vibrar do mesmo jeito, porque sua energia não é exatamente energia física. É uma energia que não perece.

Daí o sentido: Pranayama = alongar o Prana.

Quanto mais tempo retermos o ar dentro dos pulmões, mais energia vital absorveremos do Prana sem destruir o próprio Prana, que será exalado nas mesmas condições em que entrou em nossos pulmões. Todas as técnicas envolvem retenção do ar por algum tempo nos pulmões, e quanto mais tempo esse ar inalado seja retido, mas energia vital o Prana presente nele irá transferir ao corpo e mente, gerando no cérebro uma tal pulsação que, logo, você sentirá que sua mente começa a entrar rapidamente em estado de fase, isto é, entre a vigília e o sono, estado esse ideal para as práticas, porque nossos sentidos superiores ficam ativados.

O oxigênio contém Prana em sua estrutura, e esse oxigênio circula no sangue, alcançando o cérebro, a sede central do sistema nervoso. E onde chega o oxigênio, chega o Prana, e do cérebro, ele se espalha por todo o organismo.

Retendo oxigênio no peito, você retém Prana. E retendo Prana, você aumenta a absorção da energia da vida cósmica.

O Prana, na verdade, não é atributo do ar. Nem dos quatro elementos. Os quatro elementos, como o ar, possuem Prana, mas sua origem é anterior ao nosso mundo e elementos. O Prana procede do Universo, são partículas de energia vital que preenchem tudo, estrelas, galáxias e mundos, e vão se acomodando nos quatro elementos da matéria para tomar parte da criação da vida pelos Espíritos de Deus, como tijolos da vida, tijolos de vitalidade da matéria, a qual não podemos mais chamar de inanimada sem cair em erro de expressão.

Tudo isso significa que os seres do Universo, como os Anjos, respiram o Prana diretamente da energia cósmica dispersa nos espaços sem fim, sem a necessidade de uma atmosfera, como nós, os seres de carne e osso totalmente aeróbicos (dependentes do ar para a vida). Anjos respiram Prana, Prana do Sol e das estrelas, dos gases das Galáxias e da luz circulante. Prana seria o alimento vital universal. Comer luz? Faz todo sentido na ilustração do Prana nestes termos.

É isso o que temos em comum com os Anjos de Deus. Eles ingerem Prana como nós, das fontes do Cosmos.
E reparou como todas estas criaturas divinas do Universo, geralmente são representadas com asas?
As asas dos Anjos representam o elemento Ar, e mais ainda, o Prana, no qual eles voam, eles circulam, eles vivem!
Se quisermos voar como eles, temos que nos abastecer de Prana.

JP em 25.02.2020

Comentários