O Verdadeiro código Da Vinci muito além de Maria Madalena – parte 13 – o andrógino de Leonardo

O Andrógino de Leonardo

Leonardo da Vinci realizou desenhos sobre ensaios da Androginia sob modelos diferentes do andrógino alquímico tradicional masculino e feminino.

Em vez disso, Leonardo fez retratações usando a juventude e a velhice num mesmo corpo, representando assim o seu andrógino de uma forma diferente, geralmente colocando a juventude numa face feminina e a ancianidade numa face masculina (o que incluía ele mesmo em diversos modelos).

O desenho onde Leonardo faz o contraste entre velhice e juventude, muito empregado nos seus ensaios de androginia

Na visão de Leonardo, a idade e o tempo de via bem aproveitado com o estudo e a contemplação, dotavam a alma e a razão de maturidade espiritual, mas o preço disso era a perda da juventude, tão aspirada, e mais além, a juventude eterna ou a imortalidade, sonho dos alquimistas.

O andrógino perfeito, além da concepção macho-fêmea, deveria ter duas condições reunidas: a alma sábia da maturidade no corpo jovem e saudável. Atualmente, a velhice sofre grande preconceito, como se as pessoas de idade perdessem seu valor dentro de uma sociedade que juga tudo pelas aparências, mas no passado, os anciões dotados de sabedoria de vida eram altamente estimados.

Portanto, Leonardo da Vinci manifestou muito bem essas duas expressões da androginia em sua obra, e neste capítulo 13 deste trabalho, analiso o referido andrógino em posicionamentos secretos da Última Ceia.

O Andrógino macho e fêmea propriamente dito reproduzia a soma das qualidades inerentes aos dois sexos em doses acertadas pea balança: força e sensibilidade, razão e intuição, extroversão e introversão, intelecto e emoção, etc.

Uma das muitas imagens representando o Andrógino como alvo final da Alquimia


O Andrógino jovem e ancião, por outro lado, é a união da maturidade da razão unida com a juventude do corpo.

Leonardo costumava lamentar essa sina: quando a mente alcança na idade a maturidade da razão e o ponto máximo da inteligência, a natureza começa a agir e o corpo adoece e morre. Portanto, a solução secreta da Alquimia procurava corrigir essa “falha” da natureza.

Aliás, uma das fontes de Leonardo para o conhecimento do Andrógino é Platão, que narra o evento em formato de mitologia grega. E como vimos antes, o código da Vinci na Ceia converge para Platão, que se alinha com João Batista que, na verdade, é o deus Hermes camuflado em sua codificação.

A Bruxa usando um espelho mágico

Neste estranho desenho, uma complexa mistura de símbolos pagãos e enigmas repetindo o código constante, e que certamente evoca o lado feminino de Leonardo na solução interna na face do espelho (alma feminina e alma masculina dentro do mesmo corpo) não como indicador de uma sexualidade invertida, mas como a identificação da presença de um potencial mágico dentro de sua alma, geralmente uma atribuição do sexo feminino (a bruxa).

No desenho, uma bruxa segura um espelho diante de outra, e segura uma espada, que parece ser um instrumento de defesa ou conjuro diante dos seres mágicos por ela invocados durante algum ritual: serpentes, cães, pássaros, faunos, entidades que circulam na presença das duas feiticeiras.

Porém, o alvo principal de toda essa conjuração está focalizada na abertura do espelho mágico, para mostrar à bruxa o seu andrógino interior, claro, uma aspiração de Leonardo materializada no desenho. Em Leonardo, a alma feiticeira, pagã, ocultista, hermetista, alquimista, e todos aqueles valores interpretados como satanistas nos tempos da Igreja Medieval Inquisidora.

De qualquer modo, este andrógino evocado pelo espelho, com duas faces ao estilo deus Jano, sendo uma delas a de Leonardo, e a outra, de Bruxa, revelado com a ajuda da magia e dos espíritos invocados, é um símbolo de sua complexa busca.

O corpo andrógino

Sem dúvida, este é o andrógino mais estranho de Leonardo, e não reproduz a dualidade dos sexos (masculino e feminino), já que expõe frontalmente a sexualidade masculina no corpo deste que seria um exemplo de gêmeos siameses, quando dois gêmeos não completam seu desenvolvimento individual dentro do ventre materno.

Aqui, a fusão idealizada não acontece entre os sexos, mas entre os aspectos opostos da idade: juventude e velhice.
Ou mais precisamente, o vigor da juventude e a sabedoria da velhice, conforme a concepção amplamente descrita de Leonardo.
Em outros desenhos e ensaios, Leonardo já havia feito essa distinção e que, neste andrógino, resolveu fundir.

O velho, à direita, e o jovem à esquerda, conservam seus braços, e a figura totaliza quatro braços num corpo de duas pernas e sexo masculino. Este era o corpo ideal, pelo menos conceitualmente, na concepção de Leonardo, porque atribuía a juventude um ar feminino delicado, e a sabedoria ao vigor mental dos mais velhos (o que explica as muitas imagens suas de jovens masculinos com traços muito femininos).

Neste andrógino, o corpo do jovem segura um grande ramo vegetal, e dele caem flores, que o braço estendido do velho, do outro lado do corpo, recolhe. E ao mesmo tempo, o outro braço do velho carrega uma planta que parece conter frutos, e o outro braço do jovem é que estende para recolher estes frutos, numa ação cruzada.

O pé direito do andrógino pisa o mar (água) enquanto o pé esquerdo pisa a terra (algo plano).

Tanto flores como frutos são lançados ao chão, e isso parece se identificar com imagens bíblicas, Gênesis e Apocalipse. Porque, das águas inferiores, mar e terra foram criados, e eles cumprem o papel de polaridades da Criação, porque o mar representa a semente, enquanto a terra, o útero que recebe a semente e a converte em fruto.

Por outro lado, no Apocalipse 10, o Anjo testemunha da Criação pisa o mar com o pé direito, e a terra com o pé esquerdo, exatamente como no desenho de Leonardo, anunciando o fim do Ciclo da mesma Criação de Deus através das polaridades da vida.

São Sebastião

Outro andrógino masculino, desta vez usando o conhecido santo da Igreja Católica, São Sebastião, que foi atado a uma coluna e morto com flechadas. O corpo masculino nu possui duas cabeças, e enquanto Leonardo selava seus códigos herméticos nestas obras, exibia seus talentos impecáveis de desenho anatômico.




Recentemente, em 2016, um novo desenho de Leonardo (acima) com o mesmo tema, São Sebastião, foi encontrado, e embora este não tenha duas cabeças, tem quatro pernas, o que, a primeira vista, parece apenas conter um estudo de movimento das pernas, mas ocultamente pode continuar com o mesmo código do andrógino, numa sutil relação com o Homem Vitruviano, que tem quatro pernas e poderia significar dois homens, dualidade, androginia.

Andróginos na Última Ceia

Na Última Ceia, Leonardo da Vinci realizou diferentes construções com os apóstolos em suas posições escolhidas, a começar pela analogia com os doze signos ao redor do Sol central, que é Jesus Cristo.

Mas o que acontece se reunirmos os apóstolos em linha de oposição na mesa?

Simão Cananeu e João
  1. Simão Cananeu (Áries) + João (Libra): Simão é um ancião, e João, um jovem com traços femininos (como eu disse antes, Leonardo associava a juventude ao feminino, e a maturidade ao masculino em seus desenhos.
    Além desta retratação, Leonardo quase reuniu neste eixo os dois apóstolos de nomes repetidos (Simão), porque do outro lado, Simão Pedro avança na mesa e sua mão alcança a posição de João, que é o oposto de Simão cananeu. Esse jogo dos nomes iguais em posições de oposição é repetida outras duas vezes no tema.
  1. Judas Tadeu (Touro) + Judas Iscariotes (Escorpião): apesar de Judas Iscariotes não se apresentar com traços femininos, ele não está velho, porém jovem e viril, diferente do outro Judas, Tadeu, no polo oposto da mesa. Alias, Leonardo da Vinci se retratou em Judas Tadeu, que questiona Simão Cananeu (que é Platão) a respeito dos mistérios de Hermes (que é Tomé!). Outra curiosidade aqui: o fato de alinhar no eixo de oposição dois apóstolos de nome igual (Judas) como que numa referência indireta aos gêmeos, tema também muito explorado por da Vinci em seus códigos alquimistas em busca do Andrógino
  1. Mateus (Gêmeos) + Simão Pedro (Sagitário): outra vez, no eixo de oposição, Leonardo retratou um apóstoo jovem e até imberbe (Mateus) em contraste com Simão Pedro, que está velho e calvo, e com barba. A barba era um sinal viril na antiguidade, e apóstolos jovens e com traços femininos geralmente não tem barba por essa razão. O curioso aqui é que uma das mãos de Pedro, voltada para baixo, está na linha de encaixe com uma das mãos de Mateus, voltada para cima. São inúmeras as pequenas construções que Leonardo realizou em suas pinturas e desenhos codificando segredos…
  1. Felipe (Câncer) + André (Capricórnio): e novamente, o jovem imberbe e levemente afeminado (Felipe) em oposição ao apóstolo dos mais velhos da mesa, André. Curiosamente, Leonardo reuniu neste par dois dos apóstolos que tinham nomes oriundos do grego, e não do hebraico, como os outros.
  1. Tiago Zebedeu (Leão) + Tiago Alfeu (Aquário): aqui a combinação não foi entre um velho e um jovem, mas entre dois rostos muito parecidos, o que, na combinação com os dois nomes repetidos (Tiago) é outra referência aos gêmeos.
    Na verdade, esse segundo grupo é particularmente interessante na questão da androginia, porque reune os signos do Sol e da Lua (Felipe-Câncer e Tiago-Leão) ao lado de Tomé, o gêmeo, que representa Virgem, Mercúrio na casa da Alquimia (casa VI). E o dedo de Tomé sugere: reunindo Sol e Lua, faremos o UM (Andrógino).
  1. Tomé (Virgem) + Natanael (Peixes): o último par das seis oposições, e não usou o modelo velho e jovem, mas outra vez, dois apostolos jovens e com aparêcia semelhante. Até o corte de cabelo e aparência do rosto de ambos são bastante parecidos. Lembrando que o nome Tomé, aquele que Leonardo usou para representar João Batista e, por sua vez, Hermes, significa Gêmeos.

O Apóstolo Mateus (Levi)


Ora, Leonardo o retratou de forma praticamente idêntica aos desenhos que ele fez de seu discípulo, Salai.
E colocou Mateus (Levi) bem ao lado de Judas Tadeu, apóstolo onde o próprio Leonardo se fez representado.
E quem sentou ao lado de Cristo na ceia, sendo por ele chamado de “o apóstolo mais amado”? Não foi João?
Assim sendo, Leonardo não teria pintado Salai ao seu lado na mesa para dizer o mesmo?
Salai, o meu discípulo mais amado? (já que ele tinha muitos discípulos).

E Mateus era chamado Levi (LV, as iniciais Leonardo da Vinci, já usadas em outros códigos).

Salai, desenhado por Leonardo e retratado em Mateus na Última Ceia

Muitos teóricos modernos e estudiosos defendem o homossexualismo de Leonardo da Vinci, o que eu não concordo. Acredito que ele viveu amores platônicos (Platão outra vez) mas não viveu esses amores sexualmente falando, uma vez que ele mesmo tinha repúdio pelo ato sexual, tomando-o como coia grotesca. O que atraia mesmo o velho Leonardo era a beleza da juventude e o frescor do vigor dos jovens, sua inocência e inexperiência que ele tinha prazer em educar e instruir. Ou seja, o que atraia Leonardo nos seus jovens discípulos era a mesma juventude que ele aspirava para si mesmo, justificando a causa secreta de todos estes andróginos em sua obra.

E ainda dentro da codificação da Última Ceia, o grupo principal: Pedro, João e Judas.


Note-se que Pedro avança ao mesmo tempo que João se inclina, tocando suas cabeças: a fusão do jovem e do velho no andrógino davinciano, e enquanto isso, João reúne suas mãos, o que representa justamente essa fusão ideal, reforçada pelo fato de João representar o signo de Libra, justamente o signo do casamento, das uniões e de todo tipo de associação na Astrologia.

Leonardo da Vinci deve ter ficado fascinado pelos relatos de Platão e dos antigos alquimistas gnósticos a respeito do andrógino, este que reproduzia o status da verdadeira natureza dos seres humanos na antiguidade, imortais a semelhança dos deuses por essa justa condição, o que explica o interesse investigativo de da Vinci.

Sem dizer que a figura central do tema, Jesus Cristo, está totalmente codificado dentro de padrões de metades e complementos que convergem para o andrógino misterioso. O seu próprio rosto parece transitar do masculino ao feminino, e se assim não fosse, não teria sido pintado por Leonardo da Vinci!

JP em 09.02.2020

As partes anteriores:

Parte 1

Parte 2:

Parte 3:

Parte 4:

Parte 5:

Parte 6:

Parte 7:

Parte 8:

Parte 9:

Parte 10:

Parte 11:

Parte 12:

Comentários
Compartilhar