Templates by BIGtheme NET

O Caminho do Zodíaco – Peixes

 

 

PEIXES
(Johfra)

VOLTANDO PARA OS BRAÇOS DE DEUS!

E aqui, eu preciso de toda têmpera surrealista, de todo conceito abstrato, de toda loucura sadia perdoável, de toda imaginação ativa e de toda fantasia sagrada e transcendental que me capacitem a falar da natureza do signo de Peixes…

Mas, antes de começar o discurso sobre o signo final, que se torna a porta inicial da grande aventura dos espíritos auto-realizados, uma observação importante pára quem estuda e se interessa pelos valores astrológicos dos signos.

Existe um erro comum nas pessoas que, ao se depararem com as qualidades (sempre) positivas de tal ou qual signo, declaram que “conheceram fulano de tal signo” que não tinha nada a ver com as nobres qualidades do signo que possuía… ou que era muito diferente dos aspectos definidos para seu signo, etc.

Não se deve julgar os Signos do Zodíaco em função das pessoas, mas exatamente o contrário, o certo é analisar as pessoas em função dos seus signos de nascimento, avaliá-las no sentido de o quanto se aproximam ou se afastam das qualidades do seu signo, que são sempre positivas e superiores, e quanto o ego de cada um distorce e destoa essas qualidades, transformando-as em DEFEITOS, por causa do pecado dos excessos (fator livre-arbítrio), quando a impetuosidade e força arianas se tornam irritabilidade e impaciência, e a estabilidade segura taurina se torna preguiça e estagnação, e a versatilidade da inteligência geminiana se torna dispersão e superficialidade, e a sensibilidade nutridora canceriana se torna apego e sentimentalismo sufocantes, e a auto-confiança imponente leonina se torna narcisismo e orgulho, e a precisão e organização virginianas se tornam obsessão e nervosismo, e o senso de equilíbrio e associação de Libra se tornam indecisão e infidelidade, e a força interior de auto-controle de Escorpião se torna impulso ao ódio e a vingança, e a mobilidade e otimismo sagitarianos se tornam erraticidade e instabilidade, e a prudência e senso de responsabilidade capricornianos se tornam avareza e pessimismo, e a liberdade e originalidade aquarianos se tornam anarquia e insubmissão, e a mística transcendente e a veia inspirada dos piscianos, enfim, se tornam escapismo, dependência e auto-ilusão…

São os valores da alma de cada um que irão refletir em graus maiores ou menores a pureza dos atributos de um signo, como um espelho que, se limpo, reflete suas melhores características mas, se sujo ou quebrado, distorce as mesmas características no mosaico da personalidade humana. A alma humana é o espelho, e quanto mais limpo ele estiver, mais perfeita será a imagem do signo nele refletida em seus aspectos superiores.

Simbologia de Peixes

A Neve começa a se liquefazer na estação de Peixes, que encerra o ciclo das estações no Inverno das sementes que dormem, enterradas, aguardando o calor de Áries para despertarem…e lá estão elas, as sementes espirituais vivendo na lembrança das estrelas de Aquário, e que em Peixes, se preparam para a fusão final, porque se despediram tanto da terra como da árvore que as gerou.
Simbologia das estações!

Os Vôos de Aquário, que o levaram tão alto e tão além, devem agora dar lugar aos mergulhos de Peixes, elemento da água mística, naquele indefinível Mar original que está ALÉM de Além das próprias estrelas e galáxias celestiais que Dele saíram, e se em Aquário encontramos aquelas jornadas interestelares, em Peixes, vivemos aqueles sonhos muito, muito difíceis de explicar… porque Peixes representa o sonho lindo e eterno, o mais lindo dos sonhos, o sonho do retorno a Deus!

Deus sonhando conosco este sonho, porque precisa de nós para realizá-lo!

Peixes fecha o ciclo zodiacal e entra com o terceiro elemento água, completando as forças dos seus pares e irmãos elementais, Câncer e Escorpião, água emocional e água vital, com sua água espiritual que, de longe, é a mais difícil de ser explicada em palavras, da mesma forma que é difícil explicar os nativos de Peixes, que parecem perdidos num sonho eterno a partir do próprio olhar, onde raramente podemos localizar alguma expressão concreta…

Na verdade, tudo é abstração nesse signo que tem no fator religião, mística ou fé o seu marcante centro de gravidade, o que é sempre perigoso em piscianos não evoluídos, dada a sua forte tendência a credulidade cega. Piscianos acreditam facilmente nas pessoas, e esse é o perigo, porque se entregam de corpo e alma ás coisas em que acreditam, caindo facilmente na armadilha de muitos falsos mestres e gurus embusteiros ao desenvolver fanatismo, e somada a sua tendência de submissão e auto-anulação perante quem eles amam, poderão atrair sempre pessoas de má-fé que explorem essa sua fraqueza inata.

Se você olhar os piscianos nos olhos, parecerá com a paisagem de um barco sempre a deriva num mar sem ilhas próximas, sem estrelas, sem referenciais, com céus matizados de cores mescladas e indefiníveis…

Portanto, desista de tentar buscar qualquer definição. Porque voce poderá acabar se afogando nesse estranho mistério ambulante!

Não somente os valores espirituais, mas em Peixes nascem grandes artistas, e às vezes cientistas, que conseguem materializar na arte e ciência toda a sua imaginação abstrata e surrealista, que palavras jamais poderiam definir, a menos que sejam palavras tão surrealistas e fantásticas quanto os seus sentimentos mais profundos, que parecem viver em eterna conexão com planos intangíveis, que aos outros signos não é dado alcançar.

Grande parte da identidade abstrata da mente pisciana pode ser encontrada em sua obra, e grandes nomes da arte foram de piscianos, signo ou ascendente. Porque Peixes é esse fio de conexão com o Mais Alto, com os planos mais elevados do Psiquismo muito além da esfera racional e da própria inteligência intuitiva (como um raio) dos aquarianos.

Albert Einstein, um dos maiores cientistas do mundo, foi Peixes ascendente Câncer… imagine só que tipo de mente esse ser de duas águas reunidas, a água da imaginação e a água da visão mística e transcendente, deveria possuir! Tanto que, após a sua morte, seu cérebro foi extraído e estudado por Neurologistas para tentar descobrir os segredos da sua genialidade.

A mente de Einstein mais se parecia com um radar que não criava as próprias idéias, mas antes, as captava da Mente Infinita! Isso define muito bem um pisciano evoluído e puro, Canal da Mente Divina.

A oposição Peixes-Virgem já começa a dizer muito: Virgem é um signo de elemento terra, natureza concreta, racional, organizada, métrica, metódica, analítica e objetiva. Inverta tudo isso e terá um pouco ou muito da natureza pisciana, que é abstrata, irracional, geralmente desorganizada, assimétrica, esporádica, dispersiva, intuitiva e altamente subjetiva.

Imagine um quadro sem cor e sem forma mas com todas as cores e formas presentes, nunca misturadas (Peixes não é a mistura universal, antes, é a composição universal que deu origem a todos os modelos individuais de realidade), e peça explicação dele ao artista. Provavelmente você não entenderá nem a explicação e nem o artista… muito menos o quadro.

Pintar a natureza de um pisciano é como tentar pintar o mar em movimento, com todas as suas ondas, profundezas e criaturas, ele sempre muda a sua aparência num piscar de olhos. Assim mesmo é um pisciano, um caleidoscópio humano de emoções e pensamentos mutantes que nunca permanecem numa única estação mental por mais que alguns minutos.

Amar um pisciano é parecido com pescar, porque você nunca sabe o que irá fisgar no anzol de suas expectativas puxando de dentro desse quimérico mar emocional…

A própria pintura de Johfra usa cores de um verde marinho e um violeta espiritual que parecem compor a narrativa de um sonho místico, embora a expressão do deus Netuno me pareça um pouco dolorosa, talvez, para ilustrar aquela ideia que toca definir os piscianos, como se os seus olhos nunca fossem alegres ou entusiásticos, mesmo quando eles estão felizes, como se sempre lhes faltasse algo, ou como se a dor do mundo fosse a dor deles também, ou como se eles nunca se separassem do coração do Pai e de sua dor e compaixão pelo mundo, dor que, mesmo sem saber, eles compartilham em sua alma, e por isso, às vezes, a angústia, a solidão e a tristeza compulsiva e sem explicação lhes visitam a alma, quando eles parecem naufragar seus espíritos para aquelas dimensões perdidas e distantes onde não podemos alcançá-los… em suas constantes divagações.

Os olhos de Peixes são sempre vagos e distantes, são sempre chorosos e abundantes nas lágrimas, são sempre perdidos no espaço e no tempo, e quando você os mira, tem a sensação de que parece que estes olhos estão sempre a procura de algo que lhes falta, e essa falta é que os imerge nessa tristeza crônica na mirada que nem eles sabem explicar… inútil pedir explicações aqui. Porque não é exatamente tristeza, não é exatamente alegria… não é exatamente nada do que eles possam ou saibam definir, mesmo!

Peixes é um signo de escapismo, que pode ser positivo ou negativo. A meditação, por exemplo, é um escapismo positivo e que tem tudo a ver com o universo de Peixes superior. Por outro lado, as drogas ou o fanatismo religioso fornecem um escapismo inferior. Outro escapismo comum aos piscianos é o ingresso em conventos, em ordens espirituais e mosteiros onde sintam esse desligamento do mundo e aproximação com Deus, o que podemos chamar também de escapismo positivo se bem conduzido por uma vida rica de experiências interiores e serviços filantrópicos.

Mas o mundo das drogas, da bebida, da promiscuidade e das baixas formas de mediunismo nos contatos com o plano de entidades baixas constituem os muitos escapismos negativos dos piscianos de tipo inferior, quando, extravasando suas neuroses, entram em contato com o lado mais sombrio do próprio Inconsciente através dos instrumentos destes tipos de escapismo negativo (a casa XII do Zodíaco, análoga de Peixes, é a casa do Inconsciente, chamada “Inimigos Ocultos”, porque estes são os verdadeiros inimigos do homem, as sombras e os demônios que ele carrega dentro dele, e no signo de Peixes, o contato pode ser mais fácil devido a sua paranormalidade inata).

Os ofícios de Peixes, geralmente artísticos ou voltados para o serviço assistencial, podem também marcar certo grau de escapismo, porque piscianos nunca nascem para si mesmos. Eles estão sempre se doando, servindo, se anulando, se sacrificando por causas e pessoas que amam, às vezes ao grau de uma dissolução psicológica negativa, do tipo fuga, e uma negação interna que progride para sérias crises existenciais beirando a paranóia, porque escapam tanto que um dia não saberão mais quem são e a que vieram neste mundo.

Eles escapam em sua arte, em sua bebida, em suas drogas, em suas aventuras amorosas, em seus doentes, em seus pacientes, em seus credos, crenças e religiões, em suas seitas, padres e pastores, anjos e demônios, como que se dissolvendo nesses portos onde seus barcos atracam para abastecer seus sentimentos estranhos e difusos.

Quando o serviço social e filantrópico ou a assistência em igrejas e templos acontece para fugir de si mesmo e da própria vida que não está dando certo, então estas soluções não irão cumprir o papel de busca de iluminação desejada. Porque o tipo de escapismo positivo a que me referi antes é aquele que nos conduz à dissolução do ego pela via do auto-conhecimento, abrindo a porta da iluminação interna. Porém, as modalidades de escapismo negativo não só reforçam o ego consciente como ainda fortalecem as conexões com o ego inconsciente, e aquela zona sombria de nós mesmos, nos escravizando em níveis muito mais profundos e perigosos do nosso próprio inferno psicológico, o que pode se tornar um passaporte para a loucura ou ainda uma maneira de permitir que baixas entidades no inferno controlem a alma que caiu nesse submundo através de uma baixa mediunidade… de forma irreversível.

Escapar do ego é impossível, porque esse mesmo ego sempre nos perseguirá nos labirintos da mente, se camuflando e se transformando e se adaptando ao nosso falso conceito de virtude, todo o tempo, para nos iludir.

Eliminar o ego, eis o escapismo positivo, mas para isso, é preciso conhecê-lo muito bem, ao invés de usar religião ou outras manobras saídas de falsas filosofias para mascará-lo. Esse é o grande perigo dos escapismos religiosos e filosóficos aos quais os piscianos são particularmente propensos, travestir o ego de santidade, isto é, falsa santidade, quando então os demônios assumirão a forma de anjos, tanto os de dentro como os de fora, dizendo-nos não a verdade em suas vozes e canalizações, mas somente as coisas que queremos ouvir conforme o que nos convém…

Neste signo, os véus de separação entre o consciente e o inconsciente são mais finos (cuja casa análoga, 12, é chamado o setor do Inconsciente, enquanto a casa I ou ascendente, o seu complemento, é chamada o setor do Consciente), de modo que ele, mais do que qualquer outro, pode entrar nessas viagens pelo seu submundo de forma arriscada, comprometendo a própria sanidade.

Peixes é um signo duplo (dois peixes nadando juntos, simbolicamente no estilo yang-yin) e por isso, em Peixes podemos encontrar tanto os maiores expoentes da santidade como os piores exemplos de psique doente, fanática, paranóica e obsediada por entidades tenebrosas.

Esse é o lado mais negativo da personalidade pisciana, enquanto o lado mais positivo é que, mais do que qualquer outro, ele pode estabelecer contato com a espiritualidade mais profunda, que divide o mesmo espaço com as sombras no seu mundo interior 9 Inconsciente), com o qual ele estabelece contato.

Tudo dependerá da natureza e qualidade da alma que encarnou neste signo, e as direções que cada um toma em suas decisões e escolhas é que identificarão a sua natureza, superior ou inferior…
Ou, nas palavras de Cristo:

“Pelos frutos, conhecereis a árvore”.

O risco maior aqui, para piscianos fracos, dada a sua natureza de escapismos, é o mundo das drogas, da bebida e da promiscuidade, do fanatismo religioso, da mediunidade e do convívio com pessoas e entidades do submundo, onde pode realizar seus escapismos psicológicos (fugas) quando o desespero da vida ou a força centrífuga da sua tendência à auto-anulação começarem a atirá-los para estados de alma muito distantes do controle consciente da mente, porque piscianos geralmente têm medo das coisas. Não é um signo de coragem, não é um signo de voz e nem um signo de decisão.

Antes, é um signo de dependência e de sugestionabilidade, muito influenciável; é um signo de silêncio e mergulho no vazio, é um signo de condicionamento. Se outros fatores no mapa não atenuarem esse quadro, o pisciano terá problemas para enfrentar o “Si mesmo”, quando as dificuldades vierem e o pressionarem contra a parede.

Nesse ponto é que o seu escapismo pode procurar por soluções perigosas, do mundo das drogas ao universo da promiscuidade, da bebida ao fanatismo religioso, da subserviência aos outros ao contato com as baixas entidades do mundo astral, todos esses caminhos buscando desesperadamente por uma auto-anulação ou por apoio nos outros e não em si mesmo. Podemos dizer que o ato do suicídio é o ato extremo dessa viagem perigosa muito comum em pessoas com forte elemento água no mapa, ao estilo Van Gogh, que muito manifestou qualidades e defeitos piscianos em sua vida curta, apesar de ter sido do signo de Leão.

Bach, por exemplo, foi um dos maiores compositores de Música Erudita da História, e era do signo de Peixes, e a mística e o sagrado impregnam sua obra como as águas do mar impregnam as areias da praia…

Grande parte daquele escapismo pisciano pode se associar a uma não-aceitação da personalidade, ou dificuldade em conviver com os próprios limites e deficiências, ou mesmo uma recusa em aceitar ser como é, vivendo conflitos enormes e sempre em busca de salvação e salvadores, de anestesias e paliativos que anulem seu sofrimento, porque a sua natureza nesse aspecto é antípoda a natureza dos arianos, que são feitos de coragem, iniciativa e pura auto-afirmação, ou então de leoninos (ambos do elemento fogo, oposto do elemento água) que amam a super valorizam a si mesmos o suficiente para exorcizarem sentimentos de inferioridade, auto-comiseração negação.

A menos que outros aspectos do mapa natal mudem essa configuração e tendência, os piscianos costumam ter saúde frágil e natureza sensível, força física limitada e muita, muita insegurança.

Sua maior capacidade é a de suportar os fardos da vida por longos períodos, tanto os seus como os fardos alheios, mas quando essa capacidade começa a sucumbir, então o colapso pode ser inevitável.
É quando então começam a aparecer as portas de escapismo em sua mente desorientada.

É comum também que, por causa de sua natureza, o pisciano transforme seus relacionamentos em portas de escape ao estilo “tábuas de salvação”, e tanto transformem seus parceiros em “salvadores” de suas vidas como também atraiam pessoas extremamente problemáticas, em busca de salvadores de suas vidas e problemas.

E aqui, os sentimentos vão transitar da adoração a piedade, envenenando o equilíbrio de uma relação madura baseada no amor partilhado, e não na salvação de um ou de outro! Somente pessoas que estão bem consigo mesmas tem chances de atrair parceiros semelhantes e viver uma relação estável.

Caso contrário, o matrimônio vai virar um inferno, justamente o oposto do paraíso procurado e da união mística desejada, transformando antes o parceiro num deus, num príncipe ou num anjo salvador que só existiu na imaginação de quem o projetou, porque isso de adorar e querer ser adorado pelos outros é o pior tipo de emoção que alguém pode cultivar, com todas as chances de se converterem em relacionamentos altamente dolorosos e até perigosos, quando pessoas de natureza passional e vingativa aparecem em cena!

Piscianos inferiores se auto-iludem muito facilmente… projetam salvadores em tudo.
Mas o oposto da ilusão é a iluminação!

E piscianos superiores, porém, utilizam o “escapismo” num aspecto altamente positivo, tornando-se verdadeiros canais e guias do mundo espiritual. Muitos piscianos nascem com dons mediúnicos, que podem ser reforçados para o lado bom ou para o lado mau, dependendo da natureza da doutrina, mestre, seita ou filosofia a que devotem seus dons, bem como do direcionamento interno da própria alma e seus valores encarnados.

E se de um lado eles tem dons sensíveis para o universo místico, por outro lado costumam ter pouco discernimento para filtrar suas escolhas e eleger seus “mestres” e credos.

É preciso muito cuidado aqui. Pessoas de má índole podem se aproveitar dessa natureza sensível dos piscianos e explorar seus dons em proveito próprio, já que os piscianos são omissos e crédulos demais, não enxergando ou demorando para enxergar a usura dos outros.

Piscianos superiores ouvem a Voz de Deus, enquanto Aquarianos superiores enxergam a Luz de Deus! É um salto formidável entre Aquário e Peixes, porque o ouvir está muito além do ver!

Piscianos inferiores, no entanto, combinando seus dons não trabalhados com drogas e outros estimulantes psíquicos, podem também ouvir as vozes do mundo inferior, de entidades baixas e espíritos das sombras, na grande maioria das vezes disfarçados de espíritos da luz, e que começam a ancorar na sua sensibilidade, escravizando-a para seus serviços.

Esse é o maior perigo ao qual se expõe a sensibilidade mística inconsciente dos piscianos.

Geralmente piscianos com essas características precisam que Deus lhes envie um Anjo da Guarda e um espírito protetor, e este pode se manifestar através de um amigo ou parente sincero que os proteja e em quem eles podem confiar. Caso contrário, estarão perigosamente expostos ao mundo dos lobos disfarçados em pele de cordeiro, contra os quais eles não têm nem força e nem esperteza para lutar.

E o elemento água de sua natureza altamente psíquica, espiritual e paranormal se voltará contra eles mesmos, por falta de controle, como a pior de todas as drogas, a droga da própria imersão psíquica sem controle, e então ele experimentará o pior dos afogamentos, beirando a loucura dos sentidos. Assim sendo, para os não preparados e despertos, é bom evitar esse tipo de trabalho, ofício ou arte de lidar com o mundo espiritual, porque é mais fácil caírem para o lado das trevas do que para o lado da luz.

Porque é sabido que, para se conectar com o mundo da luz e suas inteligências superiores, o pisciano (e qualquer vidente ou paranormal) precisa, antes, despertar a luz interior do seu próprio espírito vibrando na sua consciência: porque chamaremos do lado de fora conforme o que vibra do lado de dentro. Caso contrário ele cairá no mundo das incorporações e possessões voluntárias, e realmente encontrará o Inferno do Psiquismo astral nessa vida, com trágicos e dolorosos efeitos kármicos para as vidas futuras que lhes restar.

Analisando a casa XII, que é análoga a Peixes, chegamos facilmente a compreensão do porque ela ser chamada de INIMIGOS OCULTOS, e seus atributos relacionados a lugares de dor e expiação. Ou do sacrifício. O pisciano (e todos nós) é chamado a sublimar seu dom, seu ofício, eu talento, através do Amor de sacrifício. Esse é o único “escapismo” louvável, aquele que o aproxima de Deus.

Todos os outros o farão mergulhar no submundo do psiquismo doente e, pior, controlado por forças ocultas que ele não terá como vencer e nem suportar… geralmente piscianos nascem com uma marca kármica de sofrimento, muitas vezes possuem doenças crônicas e incuráveis que terão que suportar por toda vida, ou então, pessoas na família com esta condição, de doença física limitadora ou mental, ou ainda na condição de viciados em drogas e bebida, ou pessoas da família vivendo nos submundos… enfim, é comum no destino do pisciano esse tipo de situações em sua esfera familiar, as quais, não obstante, quando não vierem como karma de suas próprias ações, virão como processo expiatório da vibração de Netuno, o regente do seu signo, para purificá-los e elevá-los nesta vida, e na próxima, quitando muitos débitos kármicos e amadurecendo seus espíritos no Amor incondicional.

Esse é o tipo de processo que, embora todas as pessoas de todos os signos experimentem, em algum momento de suas vidas, é certo que no signo de Peixes, ele é muito intensificado, pelo que Peixes se torna um signo de espiritualização, se a alma suportar tudo, ou de grande decadência moral e espiritual, se ela for fraca e se deixar arrastar pelas sugestões das trevas ocultas. Por isso, os peixes do simbolismo nadam em direções opostas, são possibilidades extremas debaixo de tanto poder e sensibilidade herdadas no último dos signos, a maior nota de evolução … ou de involução, dependendo das escolhas da alma submetida à sua vibração.

Quanto aos dons mediúnicos, melhor será ao pisciano se dedicar a Arte ou ao serviço assistencial ou religioso que não envolva canalizações e possessões voluntárias, é menos arriscado. Raramente encontramos um pisciano ateu. Ele sempre terá uma fé, uma crença, e também um templo, um centro, um lugar de culto. Que ele então saiba filtrar suas escolhas, porque também poderá sintonizar esferas inferiores e atrair pessoas de baixa vibração nesses campos.

O problema é que o pisciano é muito sugestionável e facilmente influenciável por pessoas de vontade mais forte que a dele. E se estas pessoas ganharem sua simpatia, então ele corre o risco de dizer “amém” a tudo o que elas determinarem, sem resistência. Se tem um signo onde encontramos o maior número de “Maria vai com as outras”, este signo é Peixes, e a menos que outros aspectos no mapa mudem essa tendência, o pisciano se comportará exatamente como aquele peixe que só sabe nadar na direção do cardume…

De qualquer forma, piscianos vivem à deriva, nunca se sentem a vontade ou plenos em situação alguma, sempre buscando algo, sempre escapando, deslizando emocionalmente, fugindo do que nem eles sabem dizer… Netuno é um planeta fortemente espiritual com pouca ressonância no mundo material, e na verdade, em piscianos superiores, o planeta Netuno é que cuida de vibrar nesse sentido, de prepará-los gradualmente, e debaixo de todos os sacrifícios e penitências possíveis e suportáveis, para o grande desligamento deste mundo e ascensão ao outro, algo que Jesus representou na Cruz, sem a qual ele não ressuscitaria e ascenderia depois…

Vamos olhar um pouco a imagem de Johfra.

A imagem do deus Netuno está inserida num triângulo perfeito, evocando a fusão das Três Pessoas da Santíssima Trindade na Unidade-Deus original, donde tudo procedeu. O manto que o divino Netuno usa é quase um manto líquido, para representar que o mar é sua roupa, seja o mar do Inconsciente e a imaginação, seja o mar do Universo Absoluto que precedeu a Criação da luz, das estrelas e mundos. E dentro desse triângulo, o movimento dos dois peixes, um em torno do outro, sugere o Movimento Eterno de todas as coisas na Força do Amor Primordial, contido no Coração de Deus diante do qual os peixes nadam…

Uma divindade (Netuno ou Poseidon, deus dos mares, regente astrológico do signo de Peixes) segura e embala seus dois peixes, o binário sagrado, o Yang-Yin saído de sua Unidade primordial (espírito, mônada) com cuidado e zelo.

Note que os peixes nadam ao redor de um centro comum que repousa exatamente sobre o coração do deus, de modo que a imagem fala por si e exprime todos os significados da Trindade que se faz Unidade pela realização da obra daquele par, dois peixes, dois gêmeos, duas almas gêmeas, duas colunas do templo, Sol e Lua, vermelho e azul, fogo e água, vitalidade e psiquismo, projetor e receptor, enfim, todas as listas de dualidades possíveis que você puder evocar, se realizam aqui, na Unidade que as originou, lá no início do Zodíaco, Áries, que é o primeiro do elemento fogo, e a água de Peixes toca o fogo de Áries, e ambos somam 12+1 = 13, e estamos diante da fórmula do renascimento e da revolução do universo. Nasce, morre, renasce, e a roda acontece, eterna, infinita, incessante…

Note que o símbolo dos dois peixes, similar ao do Yang-Yin, forma o padrão numeral 69 do signo de Câncer, que é o Sol-Lua ou mistério das almas gêmeas e binário espiritual que começa a fazer toda a natureza girar naquele, e a partir daquele signo e estação da natureza, Câncer, que governa a lei da encarnação e transmigração das almas no mundo material. Por isso, a Maternidade acontece aqui.

Voltando ao mar de Peixes.
O cenário é o mar profundo, o mar inconsciente, onde realmente não é possível manter lógica, racionalidade e organização, e isso nos leva a perdoar as fugas, os escapismos e os estados alterados de consciência que os piscianos costumam viver… precisam de pessoas fortes e amigas por perto, para cuidar deles, para ajudá-los a manter os pés na terra o que, para eles, nem sempre é fácil, dada a vibração do signo que os domina.

Definir piscianos é como tentar definir o Inconsciente, é como tentar fazer de um sonho, uma história da vida real…

Repare no Coral Violeta que está por trás do deus… o que ele parece? Não parece os brônquios e alvéolos pulmonares?

Pois a intenção de Johfra foi exatamente essa, para ilustrar que almas gêmeas são o duplo alento do Pai, são o sopro polarizado de suas duas narinas (Adão e Eva)… e saber que passamos todas as nossas muitas vidas aqui na Terra durante uma única exalação dos pulmões de Deus, e chegará a hora em que o mesmo Pai vai inalar seus espíritos gêmeos, naquele momento esperado do Grande Retorno ao mar original, porque o Pai envia suas almas gêmeas ao mundo para que elas realizem uma linda obra de amor. Mas as separa porque é preciso que elas se realizem a si mesmas primeiro, e que encontrem antes, dentro, o amor que buscam fora.

E esse amor dentro, é claro, é o amor do Pai, chamando sempre no coração. O mistério das almas gêmeas deve primeiro ser realizado internamente, quando todos os binários e dualidades internas forem resolvidas e conciliadas em nosso coração na forma de Amor maduro que sabe amar sem esperar retorno ou compensação.

Somente nesse dia, quando a realização íntima acontecer, é que cada peixe poderá viver a realização do amor e da luz do lado de fora, ao lado do seu par original, e então, calibrados em estatura de androginia, seguirão juntos a linda viagem eterna dos muitos oceanos, como dois delfins felizes na carruagem de Poseidon, peregrinos do Coração Infinito de Deus em suas muitas moradas e mistérios…

Agora, repare que os dois peixes estão ligados em suas bocas abertas por uma fita roxa com doze estrelas douradas! O símbolo diz tudo! A cor roxa resulta da fusão cromática entre o vermelho e o azul, e as cores destes peixes são uma versão astrológica do Yang-Yin, branco e preto, cuja fusão cromática é o espectro de todas as cores. Porque a luz (claro-Yang) só existe pelo contraste com o negro ou ausência de luz (escuro-Yin).

As doze estrelas douradas são as doze estações do Zodíaco, que os peixes ou almas gêmeas realizaram EM SEPARADO até o ponto do signo de Libra, quando então, por seus méritos e vitórias, a mesma Lei que os separou após a queda (simbolicamente, Adão e Eva depois do Éden) os reunirá para se levantarem juntos.

Se a Lei Maior não conceder esse reencontro pelos méritos do coração de cada um, inútil procurar pela alma gêmea nesse mundo movido por outra espécie de sentimento senão que aquele que determina mérito na Balança que une e separa quando deve unir e quando deve separar…

Os dois peixes, as duas almas gêmeas, só encontram a fusão absoluta e o sentido perfeito da realização do Amor na comunhão com Deus, de modo que o amor verdadeiro não é dois, mas três, uma trindade, desde o começo dos tempos:
homem-mulher-Deus!

Nem é preciso dizer que se trata de um amor entre dois a espera da cristificação, quando o próprio Filho de Deus nasce como a obra mais sagrada desse par em todas as suas estâncias e jornadas percorridas, esse Filho que é a personificação do Amor Incondicional do Par, dedicado não somente a amarem um ao outro, mas consagrado ao Amor e Serviço Universal, movidos pela Compaixão, aliás, um dos sentimentos mais fortes do signo de Peixes, que sofre porque costuma absorver muito a dor dos outros como se fosse sua!
Como Cristo fez!

Escorpião é o último estágio dos trabalhos na solidão em busca do Autocontrole que conduz ao despertar do Kundalini e a transmutação interna dos veículos e chakras (energias) capacitadas à descida do Espírito Santo no Templo (tudo muito longe do que as religiões mortas ensinam a respeito da ação do Espírito Santo no corpo e na alma), como vimos antes, onde cada alma é chamada a se transformar sozinha e a se auto-revolucionar por dentro, morte mística dos defeitos, antes que o grande reencontro aconteça em Sagitário, quadrante esquerdo de Peixes, e oposto a Gêmeos, onde, lá nos inícios da criação, as almas foram geradas e separadas em seguida, cada qual para a sua esfera de encarnações, como ilustrou o signo de Câncer…

E essa procura nunca mais cessou nos sonhos do elemento água-Lua… até porque, sem essa transformação, e com a alma cheia de defeitos e o corpo cheio de impurezas e energias baixas, como viver a plenitude do amor perfeito ao lado da alma gêmea?

Portanto, o Criador sabe o que faz ao dispor os caminhos da realização da forma que Ele dispôs, ainda que não os compreendamos agora… mas Peixes ensina essa lição, a fé que precede o ver, e a confiança que vem antes da promessa realizada… se há um escapismo abençoado e uma entrega mais que desejada neste signo, é aquela feita na direção do Amor Divino, que é Luz Plena e Sabedoria Perfeita!

Essa fita roxa (a chama violeta de Atman, o Espírito-Unidade) significa o AMOR DIVINO, o Amor transcendental e místico que somente almas gêmeas dessa categoria de realização interna podem desfrutar, porque aprenderam a nadar sobre as águas da Lei Maior e a vibrarem nas Ondas do Amor Incondicional… a fuga dos dois peixes deste universo visível, para nunca mais retornarem lá daquele Mar Infinito e invisível para onde vão, o que não significa um abandono da humanidade ou das almas que ainda sofrem no mundo material das ilusões, muito pelo contrário… esses místicos e indefiníveis seres passam a fazer parte do exército de mônadas espiritualizadas que vigiam na eternidade e nutrem o Universo e a Criação Divina a partir dos bastidores, nas regiões onde o ABSOLUTO governa tudo o que se fragmenta daí para “baixo”.

Eles não vão emitir mais luz visível, mas vão nutrir as fontes por trás de toda luz emitida. Não vão empurrar estrelas, mas vão nutrir a força de Amor que as empurra… não vão estar presentes na Vida, mas vão gerar as águas que nutrem as raízes de toda vida plantada na Criação.

O ofício dos seres que passam para o OUTRO LADO DA CRIAÇÃO e não retornam mais não significa abandono deste Lado que ficou para trás, mas algo muito maior e incompreensível para nós (bem ao estilo do signo de Peixes) porque representa que estes seres muito elevados vão incorporar-se às ÁGUAS primordiais, aquelas que definem o próprio Deus em Estado Puro e Inefável, Indizível… Estado esse que, transcendendo todo conceito de matéria, energia, tempo, espaço, movimento e existência, pode ser retratado apenas por uma única palavra: o AMOR.

O Amor é Deus, o AMOR são as Águas Primordiais, o AMOR é a Existência infinita original, donde tudo saiu. Deus são Deuses (ELOHIM). O AMOR é Multiplicidade que veio da Unidade e para ela retorna. O AMOR INCONDICIONAL é algo além da própria Origem, porque tudo o que tem começo, tem fim, e o AMOR não pode ter fim, portanto, não pode ter começo.

Então, O AMOR É UM ESTADO QUE TRANSCENDE TUDO O QUE AS PALAVRAS POSSAM DEFINIR PARA ELE. O estado de SENTIR se aproxima mais dele do que o estado de PENSAR, o que explica porque o Senhor da Luz fechou o Zodíaco com um signo da água, altamente emocional e místico.

Vamos então chamá-lo simplesmente de DEUS, e ainda que este termo esteja altamente desgastado pelas religiões mortas, contemplemos esse AMOR como a fonte da Vida, da Luz e da ALMA de todos os seres, este AMOR que foi plenamente realizado na Obra de Jesus Cristo, o mesmo que fez do PEIXE o seu símbolo mais amplo e significativo ao longo dos Evangelhos.

ICTUS: (Peixe em grego), anagrama para:
Iesûs Christós Theoû Uiós Sotér (Jesus Cristo, Filho de Deus Ungido). Jesus é o Filho de Deus, e ele mesmo dizia: quem me vê, vê o Pai. O Pai e eu somos UM. O Pai está refletido nele.

O Segundo Logos ou Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, o FILHO, é a pura representação Manifestada da Primeira Pessoa, o PAI, o Imanifestado. E elas se relacionam com Urano-Aquário (o Filho, a Luz, o Verbo, a Criação, o Amor) e Peixes-Netuno (o Pai, o Incriado, as águas, a Fonte, o Amor).

Estes dois últimos signos representam as fronteiras finais da concepção DEUS a serem cruzadas, para que outras fronteiras muito além da nossa compreensão sejam visitadas. Capricórnio representa os esforços finais para se ascender a tudo isso. E Sagitário, a instrumentação iniciática que nos prepara para os esforços de ascensão e libertação de Capricórnio, que inclui o reencontro da alma gêmea. Essa quadra de signos fecha então o terceiro nível da Roda Zodiacal dos doze signos.

Áries-Touro-Gêmeos-Câncer: Da origem até a Criação do homem por Deus.

Leão-Virgem-Libra-Escorpião: da Criação do homem por Deus a recriação de Deus que o homem realiza encontrando Deus dentro de si.

Sagitário-Capricórnio-Aquário-Peixes: da recriação de Deus dentro de si ao retorno do humano divinizado a Fonte, que é Deus, o Amor infinito que gerou as crianças inocentes que agora retornam como Filhos de Deus, da Luz e da Felicidade.

Bem se vê que o propósito de Deus ao enviar almas encarnadas para este ou outros mundos escolares é que elas possam se autoconhecer e realizar o “Magnum Misterium” Divino dentro delas mesmas e, depois, ao lado de seu complemento espiritual, de modo que DEUS universal seja esculpido, seja realizado no plano individual, no plano pessoal e humano. Nós somos sementes de Deus, como se Deus fosse uma Grande Árvore, a Árvore cósmica, enviando sementes para os mundos, desejosos se se tornarem Filhos de Deus, à sua imagem e semelhança.

Não há outra forma de a gota que saiu do Oceano voltar ao mesmo Oceano donde saiu, a menos que essa GOTA ASSUMA A CONSCIÊNCIA DO OCEANO QUE A GEROU, podendo assim vibrar com Ele, nadar com ELE, amar com ELE… e as melhores teorias da Cosmologia hoje confirmam as doutrinas antigas, dizendo que todo o Universo criado e organizado já fora antes uma sopa de partículas num oceano de Caos, que o Verbo, o Som, a Palavra dos Deuses (Teoria das Super Cordas) materializou e organizou a partir do Grande Caos original… e sempre esteve escrito, lá no Gênesis, que no princípio, o Espírito de Deus *RuAch ELOHIM, caminhava sobre as águas, e a face do abismo cobria tudo, antes de existir Terra e céu, ar e mar, vida e luz, forma e entendimento…

A faísca do Caos que iniciou o incêndio da Criação em Áries, o primeiro signo, que agora é apagado pelas águas de Peixes, porque tudo o que começa, termina, e nem o universo visível escapa dessa Lei… e ele mesmo, o visível, deve se dissolver na matriz que o gerou, invisível…no final de tudo isso, saberemos que as pequenas mortes são apenas ensaios para a Grande Morte ou dissolução que todas as almas enfrentarão um dia, porque a alma morre ao ser tragada pelo espírito, e o espírito morre ao ser tragado pelo Absoluto-Deus, e a morte aqui não deve ser entendida como algo doloroso… pelo contrário, é apenas o começo do Êxtase da Fusão com Deus ao passar por todas as suas estações de crescimento!

Religião legítima é isso, é esse “Religare” das partes separadas, do humano com o divino, do interior com o exterior, da vida com a natureza que a cerca, do individual com o coletivo, e do unitário com o infinito. Vida são vidas, a vida é um fenômeno coletivo, gregário, blocos de unidades menores vivas (células) compondo unidades maiores (corpos) e corpos compondo sistemas ecológicos, etc. A natureza é o espelho dessa Identidade Unitária e Múltipla do Criador ao mesmo tempo, muito além do conceito de que o Todo é a mera soma das partes… o Amor é o Todo e Ele não é a soma das partes das coisas criadas, porque Ele está na qualidade de “Todo” em cada pedaço saído de si. Divida o oceano em gotas e cada gota conterá um oceano em potencial dentro dela, por isso, a fórmula acima não funciona para definir Deus, o Universo ou o Amor…

Nascemos com a semente divina dentro de nós, ela foi emanada da Grande Árvore Cósmica e plantada lá no começo, em Áries-Touro (Áries é a semente, a chispa espiritual, e Touro é a terra que a recebe, a dimensão material da alma encarnada).

Cada signo revela uma etapa, um processo, um grau de amadurecimento dessa semente, passando pelas raízes, e depois pelas primeiras folhas que emergem na superfície, e pelo desenvolvimento de seu corpo vegetal, pelo início da fotossíntese, pelo crescimento que leva às flores e frutos no outono da vida, até que esses frutos produzam também suas sementes que caem na terra e reiniciam o ciclo, exatamente em Peixes, quando a estação do Inverno começa a ceder, e o Sol esquentando derrete a neve, que irrigará as sementes que hibernam lá nas profundezas do subsolo, enterradas no outono passado…

O ciclo da árvore é o mesmo ciclo da vida, o mesmo ciclo do espírito. A Árvore só realiza função vegetal importante se der fruto e multiplicar a sua semente nos campos. A alma plantada por Deus neste ou noutros mundos só realiza sua missão se igualmente produzir sementes boas e bons frutos que espalhe aos semelhantes, como ensinou o Mestre da Era de Peixes, Jesus Cristo, o homem que nos ensinou o Amor incondicional e nos indicou seguirmos seu exemplo, dizendo NINGUÉM VAI AO PAI A NÃO SER POR MIM!

Cristo representa essa realização máxima do Amor Incondicional dentro da alma humana e que, pela força do mesmo Amor, a transforma em Filho de Deus, à sua imagem e semelhança, pelo Poder da Palavra, não da carne ou do sexo (geração animal) ou do sangue, ou da tecnologia, ou simplesmente por força do desejo humano… As pessoas não interpretam direito a sentença do capítulo 1 do Evangelho de João, e pensam que a imagem e semelhança de Deus reflete apenas uma aparência corporal ou uma função sexual mistificada por doutrinas de anjos caídos (demônios).

O ponto máximo dessa sentença é o AMOR INCONDICIONAL, e quando uma alma o alcança em vida, ela se transforma em Filho de Deus pela Palavra do Espírito Santo, o Verbo, porque este Amor é que a transforma na imagem e semelhança de Deus! Plantas reproduzem-se, animais reproduzem-se, humanos mortais reproduzem-se, e embora essa função seja sagrada e vital ao mundo, ela ainda não reflete o maior poder de Deus, que é o Amor Incondicional. Até porque nem mesmo o Sexo gera a Vida: ele é apenas um canal biológico que perpetua uma semente que contém o real veículo da vida chamado ESPÍRITO, e essa semente foi gerada e plantada na carne e no seio planetário pelo Poder do Verbo ou da Palavra Divina embebida do Amor Consciente!

Portanto, termino este signo e esta jornada pelos doze signos falando da força que gerou tudo isso, e que, nos piscianos mais evoluídos, se apresenta poderosamente: a força do Amor incondicional, amor de sacrifício que é capaz de anular a si mesmo por quem ama, dando a própria vida, se preciso for, como ensinou Jesus Cristo, e esse amor de sacrifício é o golpe final em todo ego, em todo amor próprio, em toda preocupação primeiro consigo… é toda a liberdade daquela eterna e egoísta preocupação em satisfazer primeiro a si mesmo, numa doação que nos prepara para a suprema e transcendente entrega aos braços do Pai, que tudo provê aos Filhos que ajudam os outros. É a religião prática e a Luz viva, a profissão do Amor, da caridade e do serviço, do sacrifício e do amparo a toda dor, da Misericórdia e da Bondade.

As filosofias do antigo Oriente diziam que a meta final do Universo é gerar compaixão nas almas que adentram no grande laboratório das revoluções chamado Universo, e isso se alinha de forma maravilhosa com os ensinamentos cristãos… capturar esse amor no coração, e vivê-lo no dia-a-dia, nas coisas mais pequenas até as coisas mais importantes, é o que realmente nos transforma por dentro, e nos aproxima de Deus, e daquela alma-gêmea desejada, a mesma que, por um lindo e mágico mistério do amor, estará em situação parecida a sua, lutando em batalhas parecidas, aspirando por alguém como tu, da mesma forma como tu aspiras por ela, em igual medida.

Porque, no Universo-Deus, nada está separado, tudo está ligado, ainda mais estes dois seres que saíram com o mesmo padrão de criação do Seio divino e nenhum outro par lhes será idêntico ou parecido… aquela fita roxa nunca e jamais poderá ser rompida, e os corpos e as mentes sentem a saudade da separação, embora os seus corações nunca estiveram separados, nunca, porque distância e tempo são conceitos inexistentes no Universo-Deus de Peixes, onde as águas do Amor Sagrado, Incorruptível, Santo, Sublime e Absoluto cobrem todas as formas, irrigam todos os corpos, banham todas as almas, ainda que todas estas formas, corpos e almas não lhes conheça, não lhes sintam vibrar em si e ainda não tenham maturidade, força ou compreensão para responder a tais vibrações… mas buscam por elas, buscam nas religiões ainda falhas e limitadas, buscam na vigília de suas noites e na solidão de suas lágrimas e sonhos cheios de esperança em aposentos fechados e corações em segredo…

E essa busca, eu digo, nunca é vã, porque o Pai de todos nós é todo Olhos e todo Ouvidos em toda parte, agora e sempre, porque Ele é Mar, Ele é Céu, Ele é universo estrelado, Ele é Fonte, está em toda parte, dentro de mim, de ti e ao redor, e é impossível que Ele não te veja, que Ele não te escute, que Ele não te sinta, porque todo o tempo, tu estás no coração dele, e se teu coração bate, é porque o coração Dele bateu antes, e bateu sempre, somente esperando que o teu coração bata numa nova frequência, aquela frequência que finalmente desperta porque encontrou dentro de si a fonte do Amor que o embala e sempre o embalou por toda a Eternidade!

E nesse dia, quando tu e o teu outro coração mergulharem no Oceano Deus para sempre, nesse mesmo dia fora do tempo, serão compreendidas todas as dores, todas as lágrimas, todos os caminhos e espinhos dentro do Propósito Maior e o Magistério da Cruz que, hoje, ainda é inacessível aos nossos corações tomados pelo ego e pelos limites da mente carnal…

E tudo o que precisou acontecer, aquilo tudo que antes gerava protestos e sofrimento em nossas vidas, agora esse tudo é vertido em renovação:
e de cada dor nascerá uma vida, e de cada lágrima brilhará um Sol, e de cada espinho, estrelas nascerão na Aurora dos tempos daqueles novos seres que chegam para começar tudo outra vez, naquelas estradas da Criação que, agora, tu contemplas a distância, unido para sempre ao Coração do Pai em eterna adoração, felicidade e êxtase, desfilando mistérios e cenários que, talvez nem por me faltarem as palavras mas, talvez por que se eu pudesse expressá-las, elas certamente estourariam a própria linguagem, indigna de conter sua Verdade Eterna!

Porque o Amor que não cabe definir em palavras, coube ser sentido e vivido no fundo do coração, onde, finalmente, Deus te encontrou, e você a ele, tornando-se UM! … e quando os dois peixes se realizarem espiritualmente na unidade do coração, então eles nadarão felizes ao lado de infinitos cardumes de espíritos inebriados de felicidade no Oceano Sem FIM do Grande Deus de todo o Amor…”

 

 

****************************

Epílogo
O CAMINHO DO ZODÍACO

Zodíaco (do latim zodiacus, por sua vez do grego antigo transl. zodiakós kýklos, “círculo de animais”, derivado de zodion, diminutivo de zoon, “animal”) é uma faixa imaginária do firmamento celeste que inclui as órbitas aparentes do Sol, da Lua e dos planetas Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. As divisões do zodíaco representam constelações na astronomia e signos na astrologia.

 

 

O ZODÍACO É UM MAPA SIMBÓLICO DO NOSSO RETORNO A DEUS!

Todos os 12 signos formam a sequência bem ordenada e posta de um caminho de reintegração do homem com Deus. Se tirarmos um mês de estação das sementes, a árvore nunca será árvore completa no sentido de dar flor, fruto e semente, o que permite o reinício do ciclo.

O Anjo Uriel é a Mente que criou o caminho e o segredo do Zodíaco. Relatos sobre Ele e a definição do Zodíaco são encontrados em escrituras apócrifas (já que a Igreja católica baniu a Astrologia): temos o exemplo do Livro de Enoque, com ricas ilustrações para a organização do céu, dos luminares e das estrelas e suas influências no mundo dos seres.

Doze é o número do círculo que cumpriu sua função espiritual, diferente da Roda representada pelo número 10, que expressa apenas ciclos na matéria. Mas no doze, o ciclo transcende a matéria e é realizado no espírito. Jesus e os doze apóstolos é uma das tantas simbologias bíblicas que deseja exprimir essa métrica do Universo-Deus.

Os doze filhos de Jacó, os doze juízes de Israel, os doze profetas menores, os doze frutos da Árvore da Vida (Apocalipse 22), as doze estrelas da coroa da Mulher de Luz (Apocalipse 12), a própria cidade celeste de Jerusalém, completamente definida sobre 12 e múltiplos, como 144 (Apocalipse 21), enfim, a lista é enorme, bíblica e não-bíblica! Doze portanto é a imagem de um grande círculo espiritual que a tudo abarca, porque tudo saiu dele e para ele tudo voltará.

E no que tange aos signos que regem as pessoas, a Doutrina da Luz diz que o homem auto-realizado é a soma de todos os doze signos, e como Jesus, que escolheu doze apóstolos para que cada um manifestasse um de seus dons ao mundo:
o homem-Cristo é filho do Doze, morre no Treze para ascender ao Infinito em seguida!
Por isso, a Mãe Celeste traz doze estrelas na cabeça quando gera o Filho da Luz!

A alma que começa sua jornada em Áries e vai seguindo seu caminho até completar sua Iniciação e realização interna, reencontrando seu gêmeo e redefinindo sua espiritualidade na direção do alcance da Cosmologia espiritual acima e além da nossa realidade limitada, completando no Oceano Imponderável de Peixes a sua jornada, vai agregando as doze influências dentro de si, e a medida que percorre o circuito das 12 estações astrológicas, vai encarnando e absorvendo a energia dos signos, e quando alcança Peixes, pode-se dizer que ele (ou ambos) têm os doze signos.

Não sou mais de Áries, ou de Touro, ou de Gêmeos, ou de Câncer, ou de Leão, ou de Virgem, ou de Libra, ou de Escorpião, ou de Sagitário, ou de Capricórnio, ou de Aquário, ou de Peixes!

Eu sou os doze! Eu sou o círculo completo. Eu sou o SOL. Eu sou o Cristo, Eu Sou Deus.

Deus em mim, Deus em ti, Deus ao redor, Deus em tudo, Deus em todos nós!

E este ser elevado se torna uma célula de Criação naquele Mar, ou naquele Além-Mar Deus,

co-participante de todos os processos, mistérios e sonhos de Brahman, de OM, de IAO, de ELOHIM, de Deus, do Amor Sem Nome que contém todos os Nomes… a cidade sagrada de Jerusalém significa esse espírito realizado na métrica do círculo-12, que é Deus, que é célula ativa da Criação, mais que Anjo, mais que Filho de Deus, mas o próprio Deus em ação no Canal, no Instrumento, na Unidade que se capacitou a manifestar todos os poderes da Totalidade, do Absoluto. Da gota que finalmente aprendeu o ritmo do Mar e pode ensinar sobre os mistérios das águas em todos os portos onde atracar seu barco de peregrino das rotas infinitas da Eternidade…

JP em 11.08.2019

Comentários