Templates by BIGtheme NET

O Caminho do Zodíaco – Libra

LIBRA
(Johfra)

A MEDIDA DO UNIVERSO

Segundo signo do elemento AR (signo do pensamento, vetor dos relacionamentos) que ocupa uma posição estratégica do Zodíaco, no ponto de 180°, dividindo o céu em duas metades: da queda de Áries a emancipação de Virgem, e da medida de Libra a epifania espiritual suprema de Peixes.

O Ar representa o pensamento, e na mesma velocidade que o ar com o ar se mistura, as pessoas se unem em relacionamentos baseadas em conexões mentais. Se em Gêmeos, esse ar é mutável e o pensamento assume a natureza do APRENDIZADO, em Libra ele se torna cardinal e assume a natureza da REALIZAÇÃO (do pensamento), para que, em Aquário, numa natureza fixa, encontre o caminho da TRANSCENDÊNCIA do Pensamento.

Baseado nestas direções é que os relacionamentos assumem suas nuances: em Gêmeos, eles se aplicam aos irmãos, vizinhos e parentes próximos (chamados CONTATOS NÃO ESCOLHIDOS), em Libra, esses relacionamentos se aplicam ao aspecto de COMPROMISSOS ESCOLHIDOS, sejam eles matrimoniais, sejam de sociedades de trabalho em comum.

Aquário vem para quebrar o conceito de contatos não escolhidos ou de compromissos escolhidos celebrando na AMIZADE os CONTATOS ESCOLHIDOS E SEM COMPROMISSO! Por isso, se diz que a Amizade é a transcendência final do amor em sua forma mais pura, livre e desvinculada de obrigações: o bem do amigo é o único interesse!

Mas, voltemos a Libra, para entender que MEDIDA DO UNIVERSO existe no FIEL DAQUELA BALANÇA!

BALANÇA, um dos símbolos mais profundos, mais misteriosos e presentes nas culturas antigas, falam em pesos, medidas e julgamentos.

Libra, a Balança, divide o Zodíaco em duas metades, pelo que compreendemos que a Medida do Universo é a Medida do Meio, aquela única capaz de conciliar os opostos, tal como a imagem mais profunda do signo sugere, daí que seja o signo das associações, do casamento, das sociedades, das uniões em geral. Libra é o agente intercessor do Universo.

Equilibrar, palavra que vem de Libra, a Balança.
Equi (Igual, Igualar) Libra (a Balança), ou seja, equilibrar é igualar alguma coisa à Balança! É usar a medida do meio.
O Nobre Caminho do Meio, conforme as doutrinas budistas e as parábolas bíblicas. Evitar os excessos que matam, conservar a moderação, etc. Libra é o meio-termo necessário nos relacionamentos. Essa é a medida que mais lhe interessa. É saber ver o lado do outro. Note que a Balança não apenas pesa coisas, ela consegue nivelar o peso dos dois pratos, essa é a sua propriedade mais interessante: ela corrige os desníveis!

Por isso, sua medida deve ser honrada e cumprida.
Para cada coisa posta num prato, o outro prato emitirá a nota e a medida que falta para que tal coisa entre em medida de equilíbrio. Até nas leis do Universo verificamos isso, essa lei de compensação de um oposto em relação a outro, prótons com elétrons, matéria com energia, gravidade com aceleração, movimento com repouso, claro e escuro, alto e baixo, quente e frio, enfim… homem e mulher! LIBRA é a Medida central do Universo, e seu eixo central representa o elo de ligação entre os extremos.

E qual o ELO de ligação entre os extremos? O AMOR!

A MEDIDA DO UNIVERSO É O AMOR. O Amor constrói pontes para ligar os pontos extremos do Universo. O Amor é a misteriosa força da Cosmologia, dos átomos, da matéria e da energia, e do ciclo do tempo abarcando todos os seres nas espirais do aprendizado e da evolução da consciência.

O AMOR é o grande segredo. Libra é o Signo do Amor, o primeiro onde o NÓS se opõe ao EU de Áries, signo primeiro que lhe é oposto, quando o arco completa 180° e se prepara para se mover no sentido contrário, voltando ao ponto de partida… e as criaturas, assumindo consciência, amor e espírito, entendem que é hora de regressar à Origem, a fonte, ao PAI-MÃE…

Porque, para a Balança, encontrar a medida do meio significa encontrar o LAÇO de União entre os opostos. E esse Laço é o Amor, o laço que liga o céu à Terra, que liga o visível ao invisível, o corpo à alma, a matéria ao pensamento, enfim.

É a própria LEI DE DEUS EM AÇÃO, regulando toda a Ordem e Harmonia das coisas, e qualquer um que quebre ou perturbe essa Lei, será responsabilizado e lhe será computado KARMA (Dívida). Para que isso não aconteça, nós mesmos somos chamados a aprender esta Lei e aplicá-la em nossas vidas, em nossos corpos e mentes. Não seria essa nossa vida uma escola para que possamos aprender sobre a Lei do Universo e como aplicá-la em nossas ações e pensamentos?

Libra é a matriz dos Anjos, suas duas asas são como os dois pratos da Balança, porque a consciência do Anjo não só vive em conexão com toda a Ordem e Harmonia cósmica, como também é dotada de instrumentos para corrigir, curar e restaurar todo distúrbio que encontre em sua frente.

A CONSCIÊNCIA DO AMOR DIVINO E INCONDICIONAL É A LEI DA BALANÇA, É A MEDIDA DO UNIVERSO! Essa é a Lei que opera a transformação de homens em Anjos, e o inverso é verdadeiro, quando um Anjo cai no egoísmo, deixa de amar e se torna homem mortal comum, e começa a cair cada vez mais, até assumir a natureza animal que não pode mais controlar, cheia de maldade, malícia e torpeza… voltando inúmeras vezes à escola da vida cheia de sofrimento para reaprender a lição esquecida do Amor, aquela lição que substitui o EU pelo NÓS, e que sabe se colocar no lugar do outro e SERVIR O SEMELHANTE, ajudando-o a encontrar ele mesmo o Caminho do Amor, a Via do Meio, a Medida da Balança central do Universo!

Todos os seres estão debaixo da Lei da Grande Balança plantada no centro do Universo. Um signo de alcance formidável! O signo onde nascem os maiores diplomatas e pacifistas, os conciliadores e os juízes, os advogados, intercessores, os que conseguem ver os dois lados da questão melhor do que ninguém e, por isso, tem melhores condições para exercer a compreensão. Colocar-se no lugar do outro é uma ação simples que na maioria das vezes nos ensina muito sobre aquela Lei da Balança e Medida do Universo chamada AMOR.
Jesus ensinou todas as verdades da Balança!

Na mitologia egípcia, havia uma divindade especializada em pesar as almas na Balança, e ela era ANÚBIS. Curioso que Libra venha depois do signo de Virgem. Porque na estação de Virgem acontecia a colheita dos grãos, dos cereais (a deusa Ceres), e estes cereais eram PESADOS NA BALANÇA. Certamente a simbologia zodiacal encontra ressonância em elementos muito simples, e naturais, do dia a dia do homem na antiguidade.

Da mesma forma, quando a alma era CEIFADA DA TERRA, ela era levada a Pesagem na Balança de Anúbis. Muitos confundem aqui e tomam Anúbis como Juiz, o que não é verdade. Anúbis era o guardião dos mortos, e sua função era MEDIR TODO O KARMA OU EFEITOS DAS AÇÕES ACUMULADAS DAQUELA ALMA AO LONGO DE SUA VIDA.

Anúbis pesa as nossas ações, boas e más. E entrega esse registro final ao deus TOTH, o Escriba divino, o redator das Leis do Universo. E por sua vez, TOTH apresenta ao Juiz, que era OSÍRIS, para julgar os destinos da alma. ISIS, sua esposa, funcionava como uma advogada e intercessora, e é curioso que a Virgem Maria tenha assumido, na religião cristã, o mesmo papel de Advogada e Intercessora das Almas em relação ao Juiz, Cristo, igualmente um deus ressurrecto, como Osíris.

Em hebraico, Balança é MOZINIM, procedendo do verbo AZN, que significa PONDERAR. Mas AZN também significa OUVIR! E essa é uma pista fantástica que reforça ainda mais a natureza da Medida do Universo: SABER OUVIR. Quem sabe ouvir certamente saberá julgar melhor as situações, porque quem sabe ouvir não está centralizado no seu EGO, esse eterno distorcedor das coisas, que sempre protege a si mesmo enquanto se faz severo com os semelhantes.

Falsos juízos de uma Balança desajustada, porque o ponto de apoio da Balança da Consciência é o coração… e não o próprio umbigo! SABER OUVIR sempre foi uma sentença associada a Sabedoria.

O Ego já não sabe ouvir, mas tudo o que deseja ouvir é o enaltecimento de si mesmo. Contrarie um ego por aí e assuma uma briga tremenda!

Diga sim ao ego dos outros todas as vezes e certamente terás seguidores… porém, antes de dizer sim ou não aos outros… apenas escute-os… e mesmo que você pressinta erro nesse ego, não o julgue, apenas o COMPREENDA. Porque Deus não nos fez juízes dos semelhantes, apenas servidores. Se não puder ajudar alguém, não o julgue. Deixe esse serviço para Deus, porque já disse o Mestre: aquele que julga, será julgado pela mesma medida com a qual julgou o semelhante!

Vamos agora LER a pintura temática de Johfra.

De baixo para cima: um casal no formato das esfinges sumerianas. Repare no detalhe, cada ser é um Querubim de quatro animais na composição: patas traseiras de Touro, patas dianteiras de Leão, cabeça humana e asas de Águia. Certamente, os quatro animais querubínicos do Trono de Deus, a Merkabá, e dois eram os Querubins guardiões do Éden, ilustração que Moisés replicou sobre a Arca da Aliança, e Salomão construiu por adorno interno em seu Templo, protegendo a Arca.

De forma que estamos diante de uma representação indireta dos mistérios da ARCA, que são aqueles segredos da ANDROGINIA que, realizada nos TRABALHOS DA DEUSA (como falei no signo anterior) tomam forma em LIBRA. Porque Libra é a Balança que une os dois pratos num terceiro elemento, o AMOR MATERIALIZADO NA FORMA DO QUERUBIM.

O casal querubim pousa suas patas sobre a Pedra Cúbica, JESOD-LUA, o Fundamento, que é a pureza, a castidade das águas. Lua, o Graal, o Anjo Gabriel que anuncia a maternidade sagrada e virginal de Maria, etc. Esta é a pedra sobre a qual edificam os Anjos. Não é pedra vulgar nem saída de sexo animal. O Sexo dos Anjos?

Nenhum Guru ainda o revelou neste mundo, porque não é deste mundo. Garanto.

Dentro da cristalina, pura e limpa Pedra Cúbica, fundamento do Templo do Espírito Santo a ser reedificado, para se fazer templo IMORTAL E INCORRUPTÍVEL, está, em um disco de Ouro, o símbolo de Libra: o Sol poente, dividindo o horizonte ao meio, e descendo ao reino das sombras. Libra, em outras línguas, tem relação com a palavra QUEDA (inglês, Fall)

O Sol Osíris morre, entra nos domínios da Balança celestial. Tanto que a casa do poente era considerada pelos maias como a casa da morte. Quando realizamos a fusão sagrada com a outra metade, o EU morre, o EU do Outro também morre, porque nasce o NÓS, e esse NÓS é o Querubim andrógino, ou Amor encarnado, o FILHO, que passa a reger o par cujas identidades egocentradas e ilusórias morreram, posto que eram metades, incompletas. E tudo o que nasce dessa natureza humana incompleta é ilusão.

Da pedra cúbica emerge a Rosa Vermelha, símbolo do fogo sagrado, vida transmutada, animal transformado em anjo, paixão sublimada em amor ou… chumbo transmutado em ouro!

A pedra filosofal! Emblema da Ordem Rosa-Cruz (porque Johfra foi Rosa-Cruz). O piso é quadriculado, claro e escuro, as mesmas cores alternantes dos dois querubins, o branco feminino e o escuro masculino. Ou matéria e psiquismo. O homem é mais físico e instintivo (matéria, escuro) e a mulher é mais psíquica e intuitiva (energia, claro), e a Lei diz que estes extremos precisam se conciliar num único terceiro elemento.

O Laço que está em tudo. Os pares precisam encarnar o terceiro elemento que lhes falta para viverem no universo, já que no universo, seres pela metade não existem, porque não sobrevivem muito tempo com a balança descompensada!

Abaixo, o lírio branco emerge: o amor não pode nascer em ambiente imundo. A Rosa vem depois do Lírio. A Rosa é o Amor, o Lírio é a castidade. Anjos renunciam a sexualidade animal e carnal para encarnar o amor divino.

Quem duvida, leia e compreenda as palavras do Mestre a respeito.
MATEUS 19: 3-14, MATEUS 22: 23-32.

Se diz que o piso do Templo da Justiça Divina, que fica na constelação de Órion, Oitavo céu dos antigos cosmólogos espiritualistas, constelação de Osíris, o Juiz, tem a forma de um tabuleiro de xadrez, como se vê, representando o bem e o mal, o karma das más ações e o dharma das boas ações. Nada escapa do testemunho da Balança. E essa balança, temos dentro de nós, especialmente colocadas sobre as gônadas sexuais, ela mede todo o índice de luxúria da alma em atividade naquele corpo e apresenta o registro no pós-morte.

Uma curiosidade, testículo significa PEQUENA TESTEMUNHA. São dois? Duas testemunhas que medem o grau de castidade ou fornicação no corpo e apresentam no dia do Julgamento da alma… sabia dessa? Mas não significa que passem por isso somente os corpos masculinos, já que os femininos também tem suas gônadas sexuais… e não adianta amputar, o registro permanece no astral…

Prosseguindo, esse casal de querubins representa a dualidade de alma (homem-mulher) no aspecto físico, a base. No aspecto do meio, vemos dois deuses, que são a dualidade no nível da alma, nível psíquico, animus-anima e, mais acima, a mesma dualidade, no plano espiritual mais alto, como Sol e Lua.

A banda direita (de quem vê) é feminina, e a esquerda, masculina. Mas imagine um SER com duas pernas parado diante de você: o direito se faz o masculino (JAKIN) e o esquerdo, feminino (BOAZ), precisamente.

No vórtice do Yang-Yin, Johfra usou as cores vermelha e azul, que definem a energia vital masculina (solar) e o psiquismo feminino (lunar) donde se subentende a alquimia espiritual do Andrógino em tudo isso. Essas mesmas cores pintam as duas serpentes que sobem pelo corpo do deus masculino, Ibis-Toth, Senhor de Mercúrio e da Alquimia. Seu corpo convertido num Caduceu, ele representa o prato solar. Ele carrega a cruz ANKH na mão, símbolo da imortalidade, o sinal de distinção dos deuses em relação aos humanos, mortais.

À direita, a deusa-mãe Hathor, análoga a Vênus latina, esposa de Toth, compensando com o prato lunar. A Estrela de sete pontas está na sua coroa, porque Libra é o sétimo signo, e só por isso, este signo é exaltado entre os doze: Sete Nomes de Deus, Sete Iniciações que completam a estatura do Iniciado, e todo o Setenário tão bem explorado na Bíblia, e fora dela.

A Cruz se destaca no centro da Balança, a Cruz de Cristo e a Rosa vermelha, que é seu sangue, o fogo sagrado da Vida eterna. Outra referência a Ordem-Rosacruz por parte do pintor.

A base da Balança é o mesmo fogo sagrado sustentado por duas mãos, as Mãos de Deus no homem e na mulher, no Sol e na Lua, nos extremos complementares. Juntar semelhantes é fácil, mas conciliar extremos é a grande arte por sua dificuldade. Tente juntar fogo e água. É possível? Pelas leis secretas da Alquimia, sim.

O prato de TOTH carrega uma pluma branca de avestruz, e o prato de HATHOR, um vaso onde está o coração do morto. Nada mais é preciso ser pesado na Balança, a não ser o nosso coração. O corpo inteiro se desintegra depois da morte, moléculas e átomos regressam à natureza nos ciclos da matéria, mas o átomo do coração, o átomo NOUS, é a nossa existência secreta.

Tudo o que somos em termos “materiais” nas realidades do Universo é apenas um ÁTOMO (de Carbono)… espantado? Sim, esse átomo misterioso ingressa no exato instante em que a célula ovo no útero de nossa mãe começa a se multiplicar, e ele mesmo fornece o impulso “motor” do novo coração que começa a funcionar ali, seu novo coração em um novo corpo.

Na hora da morte, esse átomo sai no SOPRO ou último suspiro, e depois de um tempo “dormindo” no Umbral, é levado ao julgamento. Nele está contida toda a nossa vida, ali rodada em retrospectiva diante dos Juízes e do Juiz… esses atos são confrontados com a pluma branca, que representa a VERDADE E A JUSTIÇA emitida pela deusa MAAT, que é a Senhora da Lei naquele tribunal *tudo dentro dos mitos do antigo Egito. Se os bons atos superassem os maus, a sentença do Juiz era favorável no próximo retorno. Se igualassem, as condições da futura reencarnação não mudariam, mas a alma retornaria para aprender. Mas se as más ações superassem as boas, a alma era atirada nas infradimensões para ser expurgada.

A lição aqui é que SOMOS JULGADOS PELOS ATOS, não pelos pensamentos ou intenções. Se um pensamento mau não se tornou ato mau, podemos ser perdoados por isso, mas se um pensamento bom não se tornou ato bom, seremos cobrados pela omissão.

Não somos julgados somente pelos atos maus cometidos. Somos também julgados pelos atos bons não realizados.
Não é somente a árvore de maus frutos que é erradicada na parábola cristã. A árvore que não dá fruto algum também é erradicada e cortada fora do Jardim da Vida.

O Alvo da Balança é a ascensão. Veja a mão, no fiel, apontando para cima, para o coração do Santo Oito, desenhado pela terceira dualidade do quadro: SOL E LUA. Pai e Mãe divinos.
O mesmo OITO formado pelas duas serpentes do Caduceu é o símbolo da Lei. Compare isso com o Arcano 8 do TARO, chamado A JUSTIÇA, e representado por uma deusa (MAAT) sentada no trono, empunhando espada e balança. OITO é um número de Graça, de perdão e resgate.

Oito pessoas foram resgatadas do Dilúvio na Arca de Noé. O Universo foi criado em Sete Dias, e no Oitavo, começou a funcionar. Tanto que muitas representações da Roda do Tempo são feitas em octógonos geométricos (8).

Infelizmente, muitos usam o poder do número 8 para o materialismo, prosperidade e lucros financeiros, profanando assim o seu caráter sagrado e entrando em juízo.

Enfim… há muito para se dizer sobre este signo, tanto que eu poderia prosseguir, mas o limite de palavras para a publicação está chegando ao fim, pelo que agora eu mesmo devo me conter em escrever e usar o equilíbrio da Balança para não me exceder no ardor da inspiração que impele as mãos, segundo o motor do coração…

Antes de tudo, para terminar o roteiro sobre este maravilhoso signo, Libra é o signo que incorpora todas as nossas reflexões e auto-juízos na busca da consciência. Libra se coloca entre a fronteira do EU e a fronteira do NÓS, e é um divisor de águas na consciência.

Então, suas lições nos convidam a refletir no sentido de aprender a regular nossa balança interna de pensamentos em busca da medida perfeita, o meio-termo, o equilíbrio, nem tanto a mim e nem tanto ao outro. Exceder em mim mesmo é egoísmo, mas exceder no outro é dependência e subserviência. Amar a si mesmo como amamos o próximo, eis a medida justa! Quem ama demais a si mesmo cai no egoísmo, deixando de amar ao próximo, mas quem ama exageradamente o próximo e se esquece de si, cai no outro extremo, extremo do apego.

E essas ações extremas nem podem mais ser chamadas de amor. As lições de Libra nos mostram o caminho do Amor, donde sai a consciência precisa e perfeita de tudo o que há no universo a partir de nosso coração, o ponto de apoio onde o eixo dessa balança precisa se equilibrar para que o Espírito nunca deixe de regular nossas vidas na direção da PERFEIÇÃO, o Alvo Supremo de Tudo!
A Perfeição que sai do AMOR, porque esta é a Lei do Universo, o AMOR.

Amar, mas na medida certa da consciência, é a Verdade de Libra! Mas que esse amor não seja apenas teoria, mas prática, ação de vida. Amor puro, desinteressado, casto como o lírio branco, águas da vida sem manchas, e pulsante como a rosa vermelha, sangue, alma e sacrifício, como Jesus cristo. Isso sim, nos converterá em Anjos com o tempo.

Em autênticos Filhos de Deus. Nesse dia, no teu julgamento, a Balança te pesará e anunciará teu novo nome e te apresentará aos Anjos e as estrelas como seu mais novo Filho gerado das entranhas do Amor, que é a Lei Maior… e o que a Balança determina, não tem volta, não tem retorno nem apelação, porque a Justiça divina não é nem cega e nem impotente.

Ela julga pelo que vê dentro e fora. Da intenção à ação.
Perfeita é sua Lei, porque Verdade é o seu fiel.
Infalível é a sua Justiça, porque Onisciência é a sua Espada.
A Balança, no final das contas, é a matriz dos Anjos. Ela é quem dá a pálavra final sobre todas as coisas, para humanos e até para os deuses! Ela é o Poder Maior em todo o Universo.
(Librianos, por favor, não se envaidecam….rsrsrsrs)