Templates by BIGtheme NET

No Princípio era o SOM…

Se o Universo foi criado pelo SOM !In Principio erat Verbum…!, então é dedutível que o poder do Som (frequências, vibrações) seja a última porta a ser aberta pelos seres mais elevados e evoluídos, tanto tecnologicamente quanto mentalmente/espiritualmente.
A Natureza sempre procura o menor caminho e o que gaste menos energia.

Isso é a eficiência do Universo, e os seres mais evoluídos procuram imitá-lo.

Seres como Espíritos elevados e raças alienígenas muito evoluídas detém os poderes do Som primordial, conhecendo todas as frequências e todas as ressonâncias dos sistemas criados, de cada estrela, mundo e ser vivo.

E ao conhecer estas coordenadas, podem mover praticamente TODA a energia e massa dos mesmos sistemas, operando com o mínimo possível de cotas. Sem falar que somente trabalhando no campo das frequências é que podemos interagir com a dimensão mental do Universo.

E aí é que está o ponto crucial: eles são seres muito mais mentais do que físicos ou energéticos.

O controle da mente é o grande veículo deles.

E as tecnologias inimagináveis são, no fundo, extensão deste poder supremo.

Podemos ir mais longe, muito mais longe neste conceito.

Considerando que tais seres avançados e suas tecnologias “inimagináveis” se movem no Hiperespaço. temos que rever todos os conceitos sobre energia, massa e tecnologia que, para nós, ainda se vincula à linear curva do mundo tridimensional e suas leis conhecidas. E se o conceito de energia é transcendido aqui, tal coisa nos leva a pensar: estes objetos enormes na borda do Sol estão absorvendo exatamente o que? Energia termo-luminosa?
Mas como suportariam a violenta carga do vento solar em toda a sua potência? Há realmente funilaria no universo que o possa ou… simplesmente é porque estão no hiperespaço do universo, onde a energia não opera do mesmo modo “calórico” que opera aqui?
Tudo teria que ser revisado.

Ora, e se lá o conceito de energia, massa e força é diferente, então, voltando ao tema das frequências, onde tudo começou, e se eles estiverem absorvendo energia vibratória em sua forma mais pura e elementar? Haverá força maior do que essa no ventre do Sol, responsável pela ignição de fusão dos núcleos do Sol e de todos os sistemas cósmicos? Porque a teoria das ondas gravitacionais derrubou faz tempo a questão do vácuo absoluto, bem como a contraditória matéria escura.

Não podemos mais falar em vácuo absoluto aqui. E sendo assim, o conceito de energia da vibração é real, e bastante estreito com a energia do pensamento. Isso sim seria a altura de extraterrestres realmente evoluídos.

Mas nosso problema é sempre focar os fenômenos da objetiva tridimensional. Então muitos conceitos não batem no final, e a equação nunca se resolve.

Pensem nisso, na energia da vibração que pulsa no Sol… tecnologias com controle da Gravidade, na verdade, estão operando nessa faixa
(do Hiperespaço).

Porque a Gravidade não passa de frequência de massa e ondas propagantes no meio existente, chamado pelos antigos de éter, e pelos modernos de Hiperespaço.

Isso seria, em miúdos, o controle da própria energia gravitacional.
Que supera qualquer coisa.

Uma questão que colide nestas teorias de objetos enormes e pesados diante do Sol é justamente a questão da gravidade.

Até porque, se elas fossem tão grandes assim, como planetas, e tão perto do Sol, começariam a desenvolver força gravitacional e orbitariam o sol como novos planetas, desenvolvendo reações planetárias de núcleo e ignição de energia em função de massas tão grandes.

Nenhum objeto de massa tão enorme fica tão perto do Sol sem desenvolver imediatamente efeitos de ignição energética por causa da ação gravitacional. Por isso, penso se tratar mais de campo de energia provavelmente envolvendo objetos muito menores.

Porque foi assim que os planetas se criaram ao redor do Sol, massas enormes que desenvolveram fenômenos gravitacionais sob um núcleo de elevada força, em virtude da massa igualmente elevada.

Então, teríamos que aplicar as mesmas leis de gravitação universal para tais enormes e massivos objetos, quase planetários.

Penso que aquelas orbes enormes perto do Sol tem naquele contorno mais uma projeção de energia/campo que fuselagem.

Sendo que

F=GMm/d2

Temos a imensa massa do Sol, M, e a considerar pelos palpites que se dão destas esferas enormes pertinho do Sol, a massa m delas será muito alta mesmo.

Agora, jogando na equação acima, imagine só que força newtoniana isso não vai dar.

Eu pergunto: que nave de tal massa e tão perto do Sol poderá vencer a imensa força gravitacional que seria gerada ali, e com que resistência poderia suportá-la sem ser esmagada contra o Astro-Rei?
Simplesmente leis ordinárias da Física não funcionam ali para essas condições reunidas.

Portanto, também penso que tais objetos se situam a meio caminho entre a terceira e quarta dimensões, onde estes parâmetros de massa e distância, gravidade e inércia, começam a sofrer rupturas.

Se não há energia (ou força que pode ser vertida em energia, segundo a equação de Joule) do que a Gravidade em nosso universo. dá pra imaginar o potencial de energia dos Buracos Negros, e sabendo que temos um destes no núcleo do Sol, é concebível que a fonte de energia também se conecte a portais/wormholes numa mesma dinâmica de fenômenos interligados que aí operam.

A suástica, entre tantos outros significados, sempre escondeu o segredo do moto contínuo associado a estes misteriosos e ainda totalmente desconhecidos núcleos de força do Universo, donde brota a verdadeira força suprema, saída de vibrações e fenômenos de oscilação em escala macrocósmica.

Os antigos já sabiam de tudo isso.

Resumindo: eles realmente conseguem controlar a gravidade, é a única forma de encarar o Sol tão de perto sem aparentemente efeitos perturbadores. O se controlam a gravidade, devem saber como extrair energia da mesma, e aproveitar o deslocamento do hiperespaço da mesma forma que um barco a vela aproveita os ventos.

Algo muito elevado que transcende o próprio conceito de energia termo-luminosa ou mesmo de origem atômica (fusão/fissão) sempre perigosas de se lidar porque, no fundo, todo reator é uma bomba controlada.

Acredito que a energia mais limpa é esta, sem necessidade de ser tão concentrada, de ser manipulada de forma arriscada para os próprios tripulantes. Viajar na sintonia do Universo-Onda é tudo.

A forma mais elevada de tecnologia que supra todas as demandas de energia e movimento encontrou o meio de se controlar a Gravidade no Hiperespaço, através do que chamamos de Wormholes.

Grandes distâncias são encurtadas de modo a trabalhar com menores gastos de energia. O impulso gravitacional no hiperespaço se torna similar à aerodinâmica atmosférica para os aviões ou a corrente das marés para os barcos. Fontes térmicas e luminosas não são descartadas obviamente, porém a necessidade de viajar com reatores e bombas controladas a bordo termina. O impulso gravitacional no hiperespaço trabalha com mesmo plano de ação das ondas gravitacionais, que se comunicam instantaneamente entre os sistemas macro-cósmicos do universo. 

Operar nesta dimensão com base nas leis de vibração, frequência e ressonância é sobre o que se baseia toda tecnologia mais elevada, inclusive na escala das forças gravitacionais, aproveitando a correnteza das eternas marés entre os mundos. No Hiperespaço, o mecanismo do E=mc2 muda por completo. Entra outro fator aí: o fator harmônico.


JP em 24.02.2019

Comentários