Templates by BIGtheme NET

Mais sobre os Gigantes da Bíblia

Homens de grande estatura
No original hebraico

HHwM AShR RAINU BTUKH ANShI MDUT
(Nùmeros 13: 32)

” o povo que vimos eram homens de elevado tamanho”

Não é simbólico, é tradução literal: homens de elevado tamanho = gigantes.

Não desconsiderando na mesma Bíblia as simbologias próprias, as parábolas e todo o conhecimento que foi ocultado, e que só pode ser decifrado pela Cabala, a parte acima é literal.

O que torna a Biblia fascinante é essa sua propriedade de ser aberta e oculta ao mesmo tempo, literal mas cifrada, direta e simbólica.

Livro escrito por Iniciados para Iniciados.

Há um detalhe que, nesta polêmica sobre os gigantes e a relação com extraterrestres no passado da humanidade, não está sendo observado: trata-se do fato de que os gigantes mencionados no Gênesis 6: 4 não eram os deuses ou anjos que vieram do céu, e sim, os filhos deles, com as mulheres humanas.

Estes híbridos eram os gigantes, não os seus pais, e a isso podemos atribuir alguma mutação genética do cruzamento dado que veio a aparecer nos descendentes, e não necessariamente ou obrigatoriamente em seus pais divinos.

“Haviam naqueles dias gigantes na Terra; e depois, quando os filhos de Deus tiveram relações com as filhas dos homens e delas geraram filhos. Estes eram os valentes que houve na antiguidade, os homens de renome”
(Gênesis 6: 4)

Os gigantes são os descendentes deste cruzamento, não obrigatoriamente seus pais, de modo que, se realmente temos parentesco com certos extraterrestres, os quais supõem-se tenham ajudado a evolução da raça humana no passado, então tal parentesco permitirá cruzamentos, desde que haja compatibilidade genética, e aí sim, os descendentes é que podem ter sofrido mutações específicas que os transformaram em pessoas de grande estatura.

Nesse aspecto podemos considerar algum efeito evolutivo sobre esses descendentes, e que, entre outros atributos (como força, poder) lhes determinou também altura elevada, trecho mais literal existente em Números 13: 32.

Segundo o hebraico original onde o Velho Testamento foi escrito, termo Nefilim realmente não é para gigante, e sim, para caídos.
“Aqueles que caíram”.

O termo Anjo vem do latim, Angelus, e tem o mesmo significado, Mensageiro.

Apenas uma adaptação da expressão hebraica equivalente ao idioma latino e suas derivações.

Realmente, Nefilim vem do verbo CAIR (Nefelá), e tem até outra expressão hebraica, dos profetas:

Nefelá Nefelá Babel, que significa CAIU CAIU BABILÔNIA.

O texto do Gênesis 6: 4 nomeia Nefilim, isto é, aqueles que caíram (do céu), até para representar a queda dos Anjos e inversão na categoria “demônio”.

Ha-Guiborim, um dos seus adjetivos, isto é, os seres fortes, valentes.

Outro é Anoshi-Hashem, isto é, os homens de renome e fama (como realmente chegam até nós as suas histórias, até os dias de hoje, as histórias dos semi-deuses, isto é, híbridos de divinos (ETs) com humanos, presentes em todas as culturas, especialmente as politeístas.

De qualquer forma, estes seres se destacaram dos humanos não-híbridos em termos de força e estatura (homens mais altos têm realmente musculatura mais forte, até para sustentar o peso maior, o que justifica o atributo de força e poder ao lado da estatura elevada).

Essa história dos Nefilins foi pouco discursada na Bíblia oficial. O interessante é estudar as tradições paralelas da Cabala e do Judaísmo, ou então o apócrifo de Enock, que desmembra tudo isso com muita riqueza de detalhes.

Acho que iria ampliar muitos conhecimentos.

Ps: toda queda é intencional, não existem demônios acidentais, estes anjos caídos com as mulheres humanas continuam o drama de Adão e Eva no paraíso, ou a raça pura seduzida por demônios (reptilianos?) pervertendo o ensinamento do Senhor IHVH.

Os herdeiros dos Filhos dos deuses se tornaram poderosos, e no começo eram até bons, heróis, alguns construiram cidades, mas como todo poder é sedutor, muitos caíram e se tornaram os maus reis e tiranos que escravizaram depois o povo, como a nossa história os registra.

Isso tem um nome: a Lei da Recorrência Universal.

Porque tudo no universo é cíclico. Mesmo dilúvio, mesmos greys, mesmos anjos caídos dominando a raça humana.

E Deus criou os grandes animais marinhos, e todo o réptil de alma vivente que as águas abundantemente produziram conforme as suas espécies; e toda a ave de asas conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom.

Gênesis 1, 21

E disse Deus: Produza a terra alma vivente conforme a sua espécie; gado, e répteis e feras da terra conforme a sua espécie; e assim foi.
25 E fez Deus as feras da terra conforme a sua espécie, e o gado conforme a sua espécie, e todo o réptil da terra conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom.

Gênesis 1, 24-25

Referências aos gigantes humanos, além dos gigantes dinossauros, ou criaturas imensas, que povoavam as águas (seu maior representante era o Leviatan), e a terra, répteis e peixes eram termos genéricos para todo tipo de animal que, na escala evolucionária, passou a existir.

O termo genérico para os animais terrestres era Behemot.

Inclusive pode ser aplicado a descrever espécimes de dinossauros,

Há uma passagem em Jó que menciona clarissimamente a existência de grandes animais terrestres e marinhos, e que parecem ter dado origem a casta de todos os demais, se fazendo “príncipes” entre eles, ao longo da evolução.

O grande Behemot, o maior dos animais da terra, está no capítulo 41, uma espécie de antecessor dos animais terrestres

E o grande Leviatan, comparado a um dragão marinho, no capítulo 42, a maior criatura aquática criada por Deus.

A Biblia é um livro fascinante, tudo está nela, o problema é que tem que ter conhecimento especializado para lidar com as suas informações. Pegar tudo traduzido e se deixar levar pelo senso comum de abordagem da mesma é o que gera confusão e desinformação.

A Bíblia, com toda e qualquer disciplina, exige metodologia e estudos aprofundados para ser bem aproveitada em seu inesgotável conhecimento.

Um testemunho real do passado da humanidade.

Nota: as duas passagens biblicas que foram traduzidas como “unicórnio” são:
Isaías 34: 7 e salmo 29: 6

Pegando no hebraico original (e não nas traduções), temos:
Isaías 34: 7 RAMIM, plural de RAM, termo usado para designar boi ou búfalo (tipo de boi selvagem).

Salmos 29: 6 RAMIM, (a mesma palavra), que é plural de búfalos ou bois selgavens.

Algumas traduções colocaram para RAMIM algum animal dotado de um único chifre, que pode ser o mítico unicórnio.

Como podemos ver, existem duas Bíblias, a verdadeira e a traduzida. E entre ambas existem diferenças enormes.

E o mundo continua cheio de mistérios para serem negados tão enfaticamente.

Além dos sumérios, Moisés extraiu muitos conhecimentos do Egito, que já estava, no seu tempo, impregnado de misticismo ( a bela religião e sabedoria egípcias dos primórdios já tinham decaído bastante no tempo de Moisés): esse é o sentido secreto do fato de Moisés, no Êxodo, ter resgatado os ossos do sábio José, aquele que foi Ministro do Egito, braço direito de Faraó, notável por sua sabedoria, e que salvou aquela terra nos tempos da fome.

A Torá nada mais é do que a atualização de Deus acerca da sabedoria do Alto que, de tempos em tempos,precisa ser redefinida, atualizada, expurgada de todos os misticismos e crendices a que ela se submete pela ação dos tempos e da ignorância assumida dos seus herdeiros, quando perdem o fio da secreta tradição e se entregam ao fanatismo.

O Deus de Moisés com certeza é o Deus sumeriano, é o Deus egípcio, é o Deus dos Budas: porque Ele mesmo disse de si: Sou vosso único Deus, o que não é verdade exclusiva dos hebreus.

Quando esse ponto for finalmente compreendido, então encontraremos a origem comum de todas as religiões verdadeiras da Terra, e perceberemos claramente a mesma legislação espiritual que a todas permeia.

E os conflitos cessarão.

Isso é o salto evolutivo que se espera na futura raça, a conquista da Ideologia Espiritual Unificada, regressa à Síntese.

E também reatada com a Ciência, como no princípio.

JP em 09.02.2019

Comentários